quarta-feira, 15 de abril de 2020

O distanciamento social pode ser preciso até 2022

Num novo estudo publicado na revista Science Today, um grupo de investigadores de Harvard argumenta que "o distanciamento social prolongado ou intermitente pode ser necessário até 2022" devido à pandemia de coronavírus.
Depois de analisar os modelos de computador de vários cenários, eles concluíram que o levantamento das restrições atuais muito rapidamente ou muito cedo poderia atrasar o pico da epidemia, e possivelmente tornar as consequências ainda mais terríveis.



Distanciamento-social
Photo//Pixabay//Alexandra_Koch

Universidade de Oxford pode ter a vacina para o COVID-19 até setembro


Intervenções adicionais, incluindo capacidade ampliada de cuidados críticos e uma terapêutica eficaz, melhorariam o sucesso do distanciamento intermitente e acelerariam a aquisição da imunidade da população”, escrevem os cientistas no artigo, alertando que um “ressurgimento do contágio pode ser possível em 2024. "
Ao mesmo tempo, períodos mais longos de distanciamento social estrito podem realmente acabar sendo prejudiciais. Num modelo que envolveu medidas rigorosas de distanciamento social, "o distanciamento social era tão eficaz que praticamente enão apareceu nenhuma imunidade populacional ".
De fato, "em todos os cenários, houve um ressurgimento da infeção quando as medidas simuladas de distanciamento social foram levantadas". Para resolver esse problema, os pesquisadores sugerem uma abordagem de ligar e desligar novamente, ou “distanciamento intermitente” que ocorre em intervalos regulares.
Não tomamos posição sobre a conveniência desses cenários, dado o ônus econômico que o distanciamento sustentado pode impor, mas observamos o ônus potencialmente catastrófico para o sistema de saúde que é previsto se o distanciamento for pouco eficaz e,  ou não, por tempo suficiente," escreveram.
Apesar de suas projeções, os investigadores admitem que algumas questões fundamentais ainda precisam ser respondidas para que esses modelos se tornem mais precisos.
 O vírus espalha-se mais rápido no inverno do que no verão?
 Quanto tempo dura a imunidade após a infeção?
 Como o vírus irá interagir com outros vírus que causam sintomas comuns de resfriado?
Ainda assim, segundo os cientistas, as probabilidades de eliminar completamente o vírus, são reduzidas. O mundo provavelmente passará por novas ondas, cíclicas todos os anos ou de dois em dois anos.
No entanto, existe uma grande arma: "Uma vacina aceleraria a imunidade da população, reduzindo a duração geral da epidemia e evitando infeções que poderiam resultar na necessidade de cuidados críticos", diz o estudo.



Referencia//Science Today


Sem comentários:

Publicar um comentário