sábado, 4 de janeiro de 2020

A história repete-se. A década de 2020 pode ser caótica para a humanidade


Algumas previsões indicam, salários reais estagnados, padrão de vida instável para as classes baixa e média, aumento da desigualdade entre ricos e pobres, mais tumultos e levantamentos populares, polarização política, mais elites competindo por posições de poder e corporação das elites em movimentos radicais.
Devido à globalização, isso não acontecerá apenas num país, mas na maioria dos países do mundo. Também veremos o realinhamento geopolítico, dividindo o mundo em novas alianças e blocos.


Guerra-desespero
Photo//Pixabay/Alexas_Fotos

A Humanidade destruir-se-á antes do Sol destruir o planeta.



Há também uma probabilidade baixa a moderada de um "evento global", uma crise ambiental, uma praga ou um colapso económico, que iniciará um período de extrema violência. E há uma probabilidade muito menor de vermos um avanço tecnológico a par da revolução industrial que pode aliviar a pressão na década, e reverter as tendências acima.
Essas não são apenas suposições. São previsões feitas com as ferramentas da clio-dinâmica , que usa dezenas de estudos de caso de civilizações nos últimos 5.000 anos para procurar padrões matemáticos na história da humanidade .

Ciclos de crescimento e declínio
Uma área em que a clio-dinâmica deu frutos é a "teoria demográfico-estrutural", que explica os ciclos comuns de prosperidade e declínio.
Este é um exemplo de um ciclo completo, retirado da história romana. Após a segunda guerra púnica em 201 aC, a república romana passou por um período de extremo crescimento e prosperidade. Havia uma divisão relativamente pequena entre os mais ricos e os mais pobres e menos membros das elites.
À medida que a população crescia, os pequenos proprietários tinham que vender suas fazendas. As terras coalesceram em grandes plantações dirigidas por elites, principalmente com trabalho escravo. A elite cresceu, a desigualdade entre ricos e pobres tornou-se extrema, as pessoas a se sentiram prejudicadas e inúmeros ricos viram-se fechadas ao poder.
Os ricos resistiram aos pedidos de reforma agrária e, eventualmente, as elites dividiram-se em duas fações chamadas Optimates e Populares. O século seguinte envolveu revoltas de escravos e duas grandes guerras civis.


O-assassinato-de-Júlio-César
O assassinato de Júlio César foi um evento importante no declínio do império romano.
 Photo Jean-Leon Gerome

Rabino afirma que o Planeta X será o fim da humanidade


A estabilidade só voltou quando Augusto derrotou todos os outros rivais em 30 AEC, e terminou a república, tornando-se imperador. Aí começou um novo ciclo de crescimento.
A teoria demográfico-estrutural examina coisas como a força económica e política do estado, as idades e os salários da população e o tamanho e a riqueza da elite para diagnosticar a saúde de uma sociedade, e descobrir o caminho que ela toma.
Historicamente, algumas coisas que vemos hoje são sinais maus e preocupantes. A redução dos salários reais, uma crescente diferença entre os mais ricos e os mais pobres, um número crescente de pessoas ricas e influentes que estão se tornando mais competitivas e faccionadas.
Outro sinal mau é se as gerações anteriores viveram períodos de crescimento e abundância, pode significar que a atual sociedade está prestes a bater num muro, a menos que muita inovação e boas políticas aliviem a pressão mais uma vez.
O sistema global moderno passou por um período de crescimento sem precedentes na história da humanidade desde 1945, frequentemente chamado de "Grande Aceleração". Ainda hoje, país após país, vemos salários estagnados, crescente desigualdade e as elites ricas disputando o controlo.
Historicamente, os períodos de tensão e "superpopulação de elite" são seguidos por uma crise (ambiental ou económica), que por sua vez é seguida por anos de instabilidade sociopolítica e violência.

Competição de elite piora as crises
A guerra entre fações após um desastre numa sociedade altamente pesada torna as coisas muito piores. Ele pode manter a população com baixo nível de vida durante décadas após a catástrofe inicial e só pode terminar quando as elites desaparecerem.
Foi esse ciclo subjacente que alimentou as Guerras das Rosas entre os Lancastrianos e Yorkistas na Inglaterra do século XV, a luta entre os Optimates e Populares na República Romana e inúmeros conflitos na história.
Num período de crescimento e expansão, essas animosidades dinásticas, políticas e religiosas seriam menos pronunciadas, mas num período de declínio elas tornam-se incendiárias.
Em diferentes regiões e períodos de tempo, as fações variam, mas os méritos ou falhas ideológicas de qualquer fação em particular não têm, literalmente, influência no padrão.
A humanidade sempre foi massacrada no lado descendente de um ciclo. Lembre-se desse fato, à medida que retomamos o padrão na década de 2020, e quando fica revoltados e enraivecidos com as notícias que todos os dias vemos e ouvimos.



protestos-na-Catalunha
Photo//SputnikNews

A IA poderá acabar com a Humanidade


Um mundo interligado
Como as sociedades e economias do mundo estão mais unificadas do que nunca, a crescente divisão política que vemos na Austrália ou nos Estados Unidos reflete-se em todo o mundo.
A violência entre o Partido Bharatiya Janata (BJP) e o Congresso de Trinamool em Bengala, a polarização política no Brasil após a eleição de Jair Bolsonaro e menos conflitos públicos dentro do partido no poder da China fazem parte de uma tendência global.

Acionar eventos
Podemos esperar que esse declínio continue de forma constante na próxima década, a menos que algo aconteça e que crie uma crise e um longo período, talvez décadas, de extrema violência.
 Aqui está um grande exemplo histórico dramático. No século XII, a população da Europa estava crescendo e os padrões de vida estavam aumentando. O final do século XIII iniciou-se a um período de tensão. Então a Grande Fome de 1315/1317 desencadeou um tempo de conflitos e violência. Depois veio um desastre ainda maior, a Peste Negra de 1347/1351 .
Após esses dois eventos, as elites que lutaram pelos destroços levaram a um século de violência extrema em toda a Europa.
Essas "fases da depressão" matam uma média de 20% da população. Numa escala global, hoje, isso significaria 1,6 a 1,7 biliões de pessoas mortas.
Obviamente, existe apenas uma probabilidade baixa a moderada de que um evento desse tipo ocorra na década de 2020, e pode mesmo acontecer décadas depois. Mas o início desse período já está a acontecer.

E como reverter isso?
Uma coisa que poderia reverter esse ciclo seria uma grande inovação tecnológica. A inovação evitou temporariamente o declínio no passado.
Em meados do século XI, na Europa, por exemplo, novos métodos agrícolas e de limpeza de terras permitiram um aumento na produção, o que levou a relativa prosperidade e estabilidade no século XII. Ou em meados do século XVII, as culturas de alto rendimento das Américas aumentaram a capacidade de algumas partes da China.
Na nossa situação atual, algo como a fusão nuclear, que poderia fornecer energia limpa, barata e abundante, pode mudar a situação drasticamente. A probabilidade de isso ocorrer na década de 2020 é baixa. No entanto, a inovação continua sendo nossa melhor esperança e, quanto mais cedo acontecer, melhor.
Esta poderia ser uma política orientadora para o investimento público e privado na década de 2020. É um momento de financiamento generoso, projetos monumentais e empreendimentos ousados ​​para tirar a humanidade de um abismo quase certo.



Campo-cultivado
Photo//Pixabay/Bairyna

O que pode provocar o fim da humanidade?



Mas a longo prazo, o futuro pode ser bem melhor.
Mas, nem tudo está perdido. A longo prazo, a humanidade poderá prosperar novamente, com grandes avanços na tecnologia que possam acontecer. Dada a aceleração da frequência de tais avanços nos últimos 5.000 anos de história, podemos esperar algo profundo na alteração do modo como praticamos a agricultura ou da indústria pesada nos próximos 100 anos.
É por isso que a tarefa da humanidade na década de 2020, e grande parte do século 21, é simplesmente sobreviver.


O desastre natural mais devastador revelado por oficial da NASA







Sem comentários:

Enviar um comentário