terça-feira, 7 de janeiro de 2020

A crise climática agora é detetável diariamente em todo o planeta

As mudanças climáticas que os humanos infligiram ao planeta são agora de tal dimensão que estão todos os dias se sentem consequências delas.
Investigadores da Suíça e da Noruega agora afirmam ter detetado a "impressão digital" das mudanças climáticas nos registos climáticos em todo o mundo desde 2012.


Mau-tempo
Photo Pixabay/dexmac

Cientistas preveem catástrofe climática na Europa


Assim, algumas regiões do mundo ainda podem ficar com um clima gélido enquanto outras podem ficar muito quentes e ultrapassar as temperaturas até agora registadas, mas se isso ocorrer simultaneamente em partes diferentes do mundo, não afetará a tendência climática geral.
Usando modelos e dados climáticos, Knutti e seus colegas descobriram valores médios diários desde 1951 a 1980, e quase não têm comparação com os de 2009 a 2018.
Examinando dados anuais, os autores notaram que os sinais da mudança climática no clima global remontam a 1999 mas a partir de 2012, já era sentido todos os dias. E o sinal da mudança climática agora é tão grande que é superior á variação diária do clima a nível mundial.


Mau-tempo


O ano em que o mundo acordou para a emergência climática


"O clima no nível global tem informações importantes sobre as alterações climaticas", explica Knutti. "Essas informações podem, por exemplo, ser usadas para estudos posteriores que quantifiquem mudanças na probabilidade de eventos climáticos extremos, como períodos de frio intenso em determinadas regiões".
Nos últimos anos, os cientistas detetaram ligações mais fortes entre o aquecimento global e a mudança dos padrões climáticos e, embora seja difícil culpar qualquer tempestade pelas mudanças climáticas, o padrão geral de ondas de calor, secas e tempestades é bem visível.
As novas descobertas sugerem que as mudanças climáticas são muito mais profundas do que pensávamos, mas se pudermos descobrir como vincular tendências a longo prazo a eventos climáticos de curto prazo, isso poderá ajudar-nos a preparar o pior.

O estudo foi publicado na Nature Climate Change.

Os solos do planeta estão ameaçados


O secretário-geral da ONU alerta para 'ponto sem retorno' na mudança climática







Sem comentários:

Enviar um comentário