sábado, 21 de setembro de 2019

Nova pandemia pode matar 80 milhões de pessoas


O Global Preparedness Monitoring Board (GPMB) , um grupo independente de especialistas especializado em emergências na saúde a nível mundial, publicou um relatório avaliando como o mundo está preparado uma grande crise na saúde e a situação não é a melhor.



Pandemia
Photo Pixabay

Cientistas podem ter descoberto como reverter o envelhecimento


Depois de analisar muitos fatores, desde as tendências políticas emergentes às mudanças climáticas, a equipa concluíram que existe uma ameaça muito real de uma pandemia altamente letal de um patogénico respiratório que expande rapidamente, matando 50 a 80 milhões de pessoas e destruindo quase 5% da população.
Os autores do estudo concluíram que uma pandemia global nessa escala seria catastrófica, criando um caos generalizado, instabilidade e insegurança, e muito grave, o mundo não está preparado. Apesar disso os especialistas do GPMB acham que ainda há tempo para traçar o caminho certo.


Eles também delinearam sete ações específicas que os líderes mundiais poderiam adotar para preparar o mundo para essa eventualidade, incluindo a plena implementação do Regulamento Sanitário Internacional, o aumento do investimento em pesquisa e desenvolvimento de vacinas e o estabelecimento de fortes sistemas nacionais de preparação.
"Até agora tem havido um ciclo de pânico e negligência quando se trata de pandemias. Aumentamos os esforços quando há uma ameaça séria e depois esquecemos quando a ameaça desaparece", escreveram os autores do relatório. "É hora de agir."


Cientistas podem ter descoberto como reverter o envelhecimento


Fonte//Futurism




sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Há uma opção segura de geoengenharia para reduzir o CO2

Como parece cada vez mais improvável alcançarmos nossas metas para suster a alteração climática, os cientistas têm investigado soluções cada vez mais extremas, como a geoengenharia.
Alguns dos exemplos como pulverizar grandes quantidades de partículas que refletem a luz do sol na atmosfera ou colocar milhares de milhões de toneladas de neve conseguida artificialmente nas geleiras para estabilizá-las, não foram testadas, e são incrivelmente arriscadas e podem acabar causando mais danos irreversíveis.

Photo Pixabay dimitrisvetsikas1969 

Novo Bioreator pode ser a solução para as emissões de CO2


Mas e se houver uma maneira de alterar nosso ambiente atual para mitigar as mudanças climáticas que já são seguras e comprovadas?
O bom é que isso existe.
A restauração de florestas, pântanos, turfeiras, e outros ecossistemas tem um enorme potencial para recuperar um pouco do dióxido de carbono que todos os dias libertamos na nossa atmosfera.
Em 2017, um estudo da PNAS estimou que as soluções naturais para a absorção de carbono (essencialmente regeneração de ecossistemas) têm o potencial de conseguir capturar até 37% do CO2 de que precisaríamos até 2030, com 66% de probabilidade de manter o aquecimento abaixo de 2 ° C .
Grande parte dos ecossistemas da Terra estão substancialmente modificados ou degradados, mas com cuidado e aumento do investimento, há um enorme potencial para recuperar a nossa atmosfera e assim beneficiar os seres humanos e todas as outras espécies", disse à ScienceAlert o ecologista Euan Ritchie, da Universidade Deakin.

Não podemos estar simplesmente a derrubar árvores. As árvores têm que ser replantadas e de forma urgente, não seguindo a política de monocultura, ou não será suficiente se o objetivo for melhorar permanentemente a atual situação.
"Os ecossistemas são um pouco como os motores, todos os vários componentes estão dependentes dos outos e se um falha, falha tudo o sistema", explicou Ritchie. "Conservar uma diversidade de espécies leva a ecossistemas mais saudáveis ​​e com melhor desempenho".
Por exemplo, a ecologista Trisha Atwood da Universidade Estadual de Utah e colegas, descobriram evidências de que a manutenção de populações de predadores num ecossistema marinho é fundamental para manter ou aumentar a capacidade desses ecossistemas de armazenar carbono.
"Os predadores protegem os stocks de carbono orgânico na lagoa Heron, criando zonas de predação de alto risco que oferecem um refúgio para o crescimento de algas e a acumulaçao e retenção de carbono orgânico nos sedimentos", concluíram os pesquisadores.




Um estudo de 2012 calculou que, ao comer ouriços-do-mar, as lontras permitem o crescimento de florestas de algas que retêm o carbono, potencialmente ajudando a capturar a quantidade equivalente de carbono equivalente a 5 milhões de carros das estradas num ano.
Essa estratégia remove apenas o CO2 enquanto os ecossistemas estão em expansão, quando parados, eles estabelecem um equilíbrio neutro, no qual produzem e consomem a mesma quantidade de gases de efeito estufa.
 A restauração dos ecossistemas é urgente e precisa acontecer antes que as mudanças climáticas cheguem ao ponto em que não permitem que os ecossistemas de desenvolvam. Mas se for permitido que esses ecossistemas floresçam, eles continuarão atuando como armazenamento do CO2 que absorveram à medida que cresceram.


Photo Pixabay fernandozhiminaicela

A energia nuclear pode travar o aquecimento global


Os ecossistemas saudáveis ​​também oferecem muito outro valor para nós e a incrível variedade de espécies existentes no nosso planeta, onde de inclui a filtragem da água, proteção contra inundações, solos saudáveis ​​e maior resiliência às mudanças climáticas, entre outras coisas.
Sua capacidade de armazenar tanto CO2 é apenas uma das muitas razões pelas quais é vital preservar todos os nossos ecossistemas. No entanto, mesmo países ricos como a Austrália não estão a fazer isso.
Alem disso, a regeneração de ecossistemas só teria funcionaria bem ao reduzir o CO2 na atmosfera, se também pararmos o nosso consumo desenfreado de combustíveis fósseis, há um limite para a quantidade de árvores do nosso ecossistema!
"Ainda temos muito a aprender, incluindo a verdadeira extensão dos efeitos que determinadas espécies podem ter nos ecossistemas, como certas espécies são adaptáveis ​​e como outros fatores limitantes ajudarão ou dificultarão os esforços de recuperação confrontando os aumentos de temperatura ", disse Ritchie.

Considerando este potencial podíamos concluir que a regeneração dos ecossistemas estaria no topo da lista. No entanto, apenas só uma pequena quantia do dinheiro destinado à mitigação climática foi investido nessa área.
Como a falta de respeito pela natureza e pelos nossos ecossistemas é uma das principais razões para a gravosa situação atual, que nós próprios criamos, é urgente considerar a urgente recuperação da natureza.


Photo Pixabay Kanenori

As alterações climáticas estão aquecendo a Europa


"Os ecossistemas desenvolveram-se ao longo de milhões de anos, e pensar que nós humanos, podemos substituir suas funções vitais por tecnologia etc. é arrogante, tolo e perigoso", acrescentou Ritchie.
Mesmo com todas as incógnitas, podemos ter certeza de que a 'geoengenharia' da regeneração dos ecossistemas seria muito mais segura do que fazer outras opções sem garantias e altamente arriscadas na já tão maltratada atmosfera




Como um inverno nuclear afetaria todo o planeta





Este artigo foi publicado originalmente por ScienceAlert


quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Novo Bioreator pode ser a solução para as emissões de CO2

Um novo bioreator de algas pode absorver tanto dióxido de carbono da atmosfera como cerca de um hectare de floresta. Este bioreator poderá ser o pulmão das grandes cidades, limpado o ar e combatendo as mudanças climáticas catastróficas.


Photo Futurism

Anomalia no Pacífico ameaça o regresso do 'The Blob'


A empresa de desenvolvimento Hypergiant Industries usou sistemas de IA para fazer seu recém-anunciado protótipo Eos Bioreactor, uma caixa com 63 pés cúbicos cheia de algas. A startup diz que extrai da atmosfera tanto CO2 como cerca de 400 árvores e o mantém fora do meio ambiente.
É uma realidade que para combater a ameaça das mudanças climáticas temos que reduzir as emissões e em alternativa conseguir um meio de captura de CO2. Até agora ninguém tinha conseguido 

construir um sistema que capturasse o CO2 a uma escala que fosse tecnicamente sustentável e viável.
Os biorreatores de algas adotam uma abordagem biológica para o retenção do carbono. Já é um conceito estabelecido, e esta sendo testado na Estação Espacial Internacional. As algas multiplicam-se quando absorvem o dióxido de carbono. Teoricamente, estas algas poderiam ser colhidas para uso como material para vários fins, tal como adubos ou fonte de proteína na dieta.

Um porta-voz da Hypergiant disse ao Futurism que a empresa planeia construir variantes pequenas que possam ser utilizadas pelas pessoas em edifícios particulares, residências e escritórios.
"Este dispositivo é um dos nossos primeiros esforços focados em preservar o planeta em que vivemos", disse o CEO da Hypergiant, Ben Lamm, em conferencia de imprensa "Esperamos inspirar e colaborar com outras pessoas para fazerem o mesmo missão."

Este artigo foi publicado originalmente por Futurism






Volkswagen apresentou o seu novo eletrico ID.3

A Volkswagen apresentou o novo ID.3, o seu primeiro carro elétrico, no Salão Automóvel da Frankfurt. 
A fabricante alemã aproveitou o Salão Automóvel de Frankfurt para anunciar o novo ID.3, o seu primeiro veículo elétrico, e assim entrar no competitivo mercado em expansão doa automóveis elétricos.
O ID.3 , com um preço abaixo dos 30 mil euros, estará disponível em três variantes de autonomia, que vão dos 330 aos 550 quilómetros. Claro que a versão de mais baixo custo, inferior a 30 mil euros é a com a menor autonomia, 330 quilómetros, e conta com uma bateria de 45kWh.
A versão básica do ID.3 apenas carrega até 50kW, sendo necessário pagar um extra para que carregue mais rapidamente (até 100kW), dando a Volkswagen garantia á bateria de oito anos ou de 160 mil quilómetros.




Com algumas semelhanças ao VW Golf e com um preço um pouco a baixo da maior parte dos elétricos no mercado, o novo ID.3 é mais espaçoso que os concorrentes tendo um painel touchscreen de dez polegadas e outros botões “touch” no no seu interior.
O Grupo Volkswagen está fazer um grande investimento no mercado dos elétricos, e espera-se que nos próximos anos, as várias marcas do grupo construam automóveis elétricos. A Volkswagen já tem planeados modelos dentro da linha “ID”: I.D. Crozz, I.D. Vizzion, I.D. Roomzz, I.D. Buzz e I.D. Buggy.







Também a condução autónoma está nos projetos da marca alemã e apesar de o novo ID.3 ser de condução manual, os futuros veículos da gama “ID” serão lançados com vista a serem completamente autónomos.


Carros elétricos da Ford usarão a plataforma MEB da Volkswagen



Fonte//TheVerge





quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Marinha dos EUA confirma que imagens de OVNIs são reais


A Marinha dos EUA confirmou pela primeira vez que um conjunto de vídeos estranhos e e pouco visíveis, que parecem mostrar OVNIs voando pelo céu, são realmente reais, e contêm fenómenos que os militares ainda não conseguem identificar.
Os vídeos em questão, que começaram a aparecer nos meios de comunicação, incluindo o New York Times em Dezembro de 2017, foram capturados por pilotos da Marinha dos EUA e obtidas por um grupo de pesquisa privado, a Academia de Artes e Ciências The Stars (TTSA), fundada pelo músico de rock Tom DeLonge.



Photo Departamento da Desfesa EUA

Embora essas imagens tenham sido desvalorizadas na altura, parece que agora tudo mudou, pelo menos segundo o site The Black Vault .
Um porta-voz da Marinha dos EUA  disse ao site que os vídeos são autênticos, a primeira confirmação oficial pelos militares de que as imagens retratam fenómenos voadores que não podem ser identificados, embora a abreviação UFO (objeto voador não identificado) não seja já usada a nível oficial. A Marinha designa agora os objetos desses vídeos como fenómenos aéreos não identificados, segundo palavras de Joseph Gradisher, porta-voz oficial do vice-chefe de operações navais de guerra de informação.




Mas isso não significa que os vídeos mostrem objetos alienígenas, significa apenas que os fenómenos aéreos não identificados (UAPs) são objetos que não podem ser identificados.
A Marinha dos EUA já havia usado outro descritor para esses objetos estranhos: Veículos Aéreos Anómalos (AAVs).
"A Marinha não divulgou os vídeos para o público em geral", disse Gradisher , sugerindo que a o Pentágono nunca pretendeu divulgar os vídeos na comunicação social.





"O fato de a Marinha estar usando o termo 'Fenómenos Aéreos Não Identificados' mostra que eles pretendem investigar esses fenómenos desconhecidos no seu espaço aéreo ", segundo o especialista em OVNIs e investigador Roger Glassel em afirmações ao Motherboard.
"Se essas investigações devem-se ao interesse em encontrar a causa do fenómeno OVNI, no sentido da ufologia, ou para combater intrusões não identificadas por adversários conhecidos, e a prontidão para surpresa tecnológica, ainda está por apurar".







Pentágono admite que investiga os OVNIS

OVNIs podem ser máquinas do tempo vindas do futuro

Os extraterrestres poderão ser a salvação da Humanidade






terça-feira, 17 de setembro de 2019

O mundo é controlado por uma dúzia de empresas poderosas


O mundo em que vivemos é controlado e dominado por um pequeno grupo de empresas superpoderosas se tornou uma força dominante que controla essencialmente a indústria humana e molda o mundo moderno em que vivemos, dizem os cientistas.
Num novo estudo, uma equipa de investigadores de vários países sugere que esse quadro de elite de empresas multinacionais dominantes têm capacidade para influenciar grandemente o planeta e seus habitantes.



Photo Pixabay Geralt


A energia nuclear pode travar o aquecimento global



"A escala na qual as empresas multinacionais operam e a velocidade e que elas se instalam em todo o mundo nao tem precedentes na história", explicam os investigadores liderados pelo cientista ambiental Carl Folke, da Academia Real Sueca de Ciências, no seu artigo .
 "As empresas multinacionais tornaram-se uma característica definidora do planeta interligado de pessoas e natureza, onde os seres humanos tornaram-se numa espécie hiper-dominante na biosfera, afetando os padrões globais de mudança ecológica".
Mas isso não é novidade. Podemos observar facilmente o impacto causado pelas super corporações em quase todos os lugares do mundo.




 Apenas 100 empresas são responsáveis ​​por mais de 70% das emissões mundiais de gases de efeito estufa, no âmbito tecnológico, os gigantes da tecnologia desfrutam um domínio monopolista no ramo das pesquisas e social.
As empresas farmacêuticas são tão poderosas que geram crises de saúde mundiais, as empresas de energia são tão poderosas que podem prever crises climáticas com décadas de antecedência.
A comunicação da própria ciência não é imune a esses fenômenos de consolidação e controle corporativo. As empresas multinacionais exercem imenso poder, mas não significa que não possam agir com responsabilidade, dizem os investigadores.


Photo Pixabay Epicantus


A energia nuclear pode travar o aquecimento global

A equipa identificou seis tendências que, se capitalizadas, poderiam ver a noção de “responsabilidade social corporativa” que conhecemos hoje evoluir para um modelo mais focado na sustentabilidade de administração da biosfera corporativa.
Os investigadores afirmam que os compromissos voluntários das empresas multinacionais com a sustentabilidade nas últimas duas décadas não foram o suficiente eficazes, nem a regulamentação governamental teve a força necessária, e isso tem que mudar.
"Compreender e agir de acordo com a nova dinâmica do antropoceno é fundamental para o bem-estar do ser humano, e as empresas multinacionais claramente são responsaveis", escrevem os autores.




Olhando para as empresas multinacionais em áreas como agricultura, silvicultura, frutos do mar, cimento, minerais e energia fóssil, os investigadores dizem que já pode haver evidências de que está a mudar alguma coisa.
Recursos emergentes, como um 'alinhamento de visão' entre as empresas multinacionais, sugerem que novas normas de sustentabilidade podem estar emergindo, enquanto novos acordos políticos globais como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) podem ser vistos como um exemplo bem-sucedido do que a equipa chama 'integração da sustentabilidade'.

Photo Pixabay Monikawl999

Hidrogénio, o combustível do futuro energético limpo e seguro


As tendências tecnológicas que incentivam a 'transparência radical' também estão popularizando, aumentando a responsabilidade das empresas, enquanto o envolvimento da comunidade científica é visto como outra maneira de ajudar as empresas a direcionar agendas de sustentabilidade.
Obviamente, observar essas tendências que ocorrem no cenário das empresas multinacionais não significa que tudo ficará bem. Num mundo à beira de uma catástrofe climática, é mais claro do que nunca como a má gestão no setor de energia foi desastrosamente insustentável.
Mas podemos mudar isso. Se vamos tomar medidas drásticas para evitar a crise climática, as empresas multinacionais terão que fazer parte da solução, dizem os autores.

Os resultados são relatados na Nature Ecology & Evolution.

As 7 forças que dominarão a economia mundial


Avanço no processo para produzir hidrogênio para combustivel



China acusada de implantar chips minúsculos para roubar informações corporativas.


Este artigo foi publicado originalmente por ScienceAlert




segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Robots sexuais podem vir a atacar humanos

Os robots sexuais, são comandados por um sistema operativo, e como qualquer sistema operativo, um simples erro de programação pode gerar erros.
Esses erros podem ser suficientes para levar um robot sexual a matar um ser humano.
A evolução dos robots e da Inteligência Artificial (IA) prometem fazer as bonecas sexuais um objeto muito utilizado, e as campanhas de marketing assim o demonstram. Mas pode haver algum perigo. De acordo com, Brick Dollbanger, um especialista no assunto, há motivos para não ser tão confiantes no que toca aos robots sexuais inteligentes.




Segundo ele uma máquina é e será sempre uma máquina, e como tal, se aparecer qualquer problema no sofware, não se pode simplesmente desligar a ficha como se faz com um computador. Se tal acontecer numa situação critica, e depende do que estiver fazendo, pode haver perigo, aponta Dollbanger ao site DailyStar.
Por exemplo, o ou a robot pode meter o braço em volta do seu pescoço, e  você parar de respirar e não conseguir sair, tão simples quanto isso. Um simples abraço pode se transformar em algo que literalmente comprima o teu peito e vias respiratórias até parar de respirar", avisa o especialista com ligações a fabricantes da área como Realbotix ou a Abyss.

China implanta sua primeira polícia de trânsito robotizada



Este artigo foi publicado originalmente por Impala




Cientistas descobriram “nova” extinção em massa


Uma equipe de cientistas concluiu que a Terra passou por uma extinção em massa numa data anterior á conhecida, e que ocorreu há cerca de 260 milhões de anos, aumentando para seis o total de grandes extinções em massa no registo geológico.


Monte Emei (Emeishan) Photo Cedar / Adobe Stock

As alterações climáticas estão aquecendo a Europa


"É crucial que conheçamos o número de extinções em massa graves e quando ocorreram para investigar suas causas", explica Michael Rampino, professor do Departamento de Biologia da Universidade de Nova York e co-autor da análise, que aparece na revista Historical Biology. "Incrivelmente, todas as seis grandes extinções em massa estão relacionadas com perturbações ambientais devastadoras. Mais concretamente, erupções maciças de basalto, cada uma cobrindo mais de um milhão de quilómetros quadrados com rios de lava gigantes".

Os cientistas haviam determinado anteriormente que havia cinco grandes extinções em massa, eliminando um grande número de espécies e definindo os fins dos períodos geológicos. O fim do Ordoviciano (há 443 milhões de anos), o Devoniano Final (há 372 milhões de anos), o Permiano (há 252 milhões de anos), o Triássico (há 201 milhões de anos) e o Cretáceo (há 66 milhões de anos). E, de fato, muitos investigadores alestam para a perda atual e contínua da diversidade de espécies, num desenvolvimento que pode ser chamado de "sétima extinção" porque uma extinção em massa nos tempos atuais, segundo os cientistas, pode acabar sendo tão grave como as do passado.




Os trabalhos de pesquisa da Biologia Histórica, enquadrou o período Guadalupiano, ou Permiano Médio, entre 272 a 260 milhões de anos.
 Os investigadores concluíram que a grande extinção do Guadalupiano , que dizimou a vida na terra e nos mares, ocorreu ao mesmo tempo que a erupção de Emeishan que produziu as armadilhas de Emeishan, uma extensa formação rochosa, existente no sul da China.  As consequências da erupção foi semelhante ás que causaram a outras extinções em massa  conhecidas.
As enormes erupções libertam grandes quantidades de gases de efeito estufa para a atmosfera, especificamente dióxido de carbono e metano, que causam aquecimento global, tornando os oceanos quentes e pobres em oxigénio nada propícios à vida marinha.
As perdas no número de espécies e de danos ecológicos gerais da grande extinção de Guadalupian, foi semelhante a todas as outras.
Este artigo foi publicado originalmente por ScienceDaily








domingo, 15 de setembro de 2019

A energia nuclear pode travar o aquecimento global


Os países mais avançados do mundo estão questionando se irão usar a energia nuclear no futuro, enquanto as economias emergentes estão enveredando pelas tecnologias mais recentes. A questão é saber se o mundo pode cumprir seus compromissos no âmbito das mudanças climáticas, usando energia limpa e que funciona de maneira confiável e ininterrupta.

 
Photo Pixabay Ben Kerckx

Reator transforma dióxido de carbono em puro combustível líquido


É inevitável usar a energia nuclear. Até 2050, a população mundial aumentará 40% e a procura por energia dobrará ou triplicará, além do fato de que cerca de mil milhões de pessoas ainda não têm acesso à eletricidade atualmente. Isso corresponde à mais recente avaliação das Nações Unidas, se não conseguirmos manter a temperatura, o nível do mar aumentará e as condições meteorológicas extremas serão muito mais vulgares.
As centrais nucleares são de construção muito cara, mas o preço por as não construir ainda é mais elevado. Cerca de 500 líderes empresariais dos Estados Unidos representando a E2 dizem a produção de energia que custará à economia americana US $ 500 mil milhões por ano até o final do século.



 As centrais nucleares depois de construídas são de operação barata e são extremamente eficientes e não produzem emissões de gases de efeito estufa, representando na atualidade aproximadamente 60% da eletricidade livre de CO2 dos Estados Unidos.
"As pessoas que pensam que podemos atingir os objetivos climáticos sem usar a energia nuclear, simplesmente não estão olhando para os fatos", advertiu o senador norte-americano Corey Booker, DN.J. no fórum presidencial democrata sobre mudanças climáticas realizado na CNN.
 Andrew Yang também expressa o seu apoio à energia nuclear. As opiniões do ex-vice-presidente Joe Biden são semelhantes às do ex-presidente Obama, que apoiou amplamente a energia nuclear. Esses políticos têm algum apoio de alto nível, incluindo progressistas, ex-chefes da Agência de Proteção Ambiental dos EUA e James Hanson, no Columbia University Earth Institute.


Photo Pixabay fietzfotos


Hidrogénio, o combustível do futuro energético limpo e seguro

A realidade é que a tecnologia está avançando e aprimorando as eficiências e os recursos de segurança das centrais nucleares existentes. Na seman passada arrancou a produção na central nuclear de Taishan, na província chinesa de Guangdong. É o resultado de uma parceria chinesa e francesa que originou a geração III-plus, que significa a redução de custos de produção, melhor utilização de combustível, menor combustível usado, maior confiabilidade e medidas de segurança mais fiáveis e rigorosas, sendo a segunda de duas unidades que juntas produzem 1.750 megawatts.
O sucesso do projeto Taishan é o resultado de uma cooperação entre a EDF e a CGN nos setores nucleares francês e chinês. A tecnologia europeia dos reatores nucleares é segura e competitiva, é um ativo cada vez mais importante para tornar a produção de energia totalmente livre de CO2.

O calor da crosta terrestre pode se tornar em fonte de energia elétrica


Este artigo foi publicado originalmente por Forbes