segunda-feira, 30 de setembro de 2019

O Papa diz que a IA pode conduzir a humanidade à "barbárie"

Numa conferência no Vaticano na semana passada, o Papa Francisco alertou um grupo de executivos do Silicon Valley que, nas mãos erradas, a inteligência artificial poderá ter consequências devastadoras para a humanidade.
"Se o chamado progresso tecnológico da humanidade se tornar inimigo do bem comum, isso levaria a uma infeliz regressão, a uma forma de barbárie ditada pela lei dos mais fortes", disse o Papa, segundo a Reuters .

 


Photo ACI Digital

Primeiro cybercrime com recurso á Inteligência Artificial


Barbárie

O desenvolvimento de IA avançada pode "aumentar implicações cada vez mais significativas em todas as áreas da atividade humana", afirmou o papa. Ele também pediu "discussões abertas e concretas para desenvolver princípios morais teóricos e práticos".


A conferência também enfrentou os ataques de marco de 2019 em Christchurch, na Nova Zelândia, e como as plataformas de redes sociais ajudaram a espalhar as filmagens realizadas durante os tiroteios, de acordo com a TIME . De fato, a NBC informou no início deste mês que, meses depois, vídeos do ataque ainda circulavam no Facebook, indicando que os esforços da empresa, incluindo o uso de ferramentas especiais de inteligência artificial, não foram suficientes para impedir a exibição das imagens on-line.

Os executivos presentes na conferência representaram megacorporações de tecnologia, incluindo Facebook, LinkedIn e Mozilla, onde se juntaram também vários bispos e académicos.

Não é a primeira vez que o papa se reúne com executivos de tecnologia para discutir a ética da IA. Em Fevereiro, ele esteve reunido com o presidente da Microsoft, Brad Smith, para discutir como a IA poderia ser usada para ajudar a aliviar a desigualdade mundial em vez de piorá-la.



Fonte//Reuters



Um dos eventos mais violentos do universo, um buraco-negro “devora” uma estrela

É um dos acontecimentos mais violentos de todo o universo, e os astrónomos observaram suas consequências e detalhes graças ao mais recente telescópio da NASA.
O Transiting Exoplanet Survey Satellite, também conhecido como TESS, capturou um raro evento. Um buraco negro destrói uma estrela completamente enquanto a devora. É nada mais, nada menos do que destruição pura a uma escala colossal.


Photo Robin Dienel/Carnegie Institution for Science

Será que o Planeta 9 é um buraco negro primordial


Os astrónomos afirmam que esses eventos cósmicos ocorrem uma vez a cada 10 mil a 100 mil anos numa galáxia nas dimensões da nossa Via Láctea. Mas como existem incontáveis milhares de milhões de galáxias no universo conhecido, os cientistas conseguiram de capturar 40 desses desses eventos até hoje, mas é muito difícil identificá-los.
O evento foi observado em 29 de Janeiro pelo All-Sky Automated Survey for Supernovae que é uma rede mundial de telescópios robotizados. O evento teria se dado uma localização para onde o TESS também estava observando.

Os dados do TESS permitem ver exatamente quando esse evento destrutivo, chamado ASASSN-19bt, começou a ficar mais brilhante, o que nunca tinha sido registado antes sendo esses dados úteis para modelar a física dessas explosões”, afirmou Thomas Holoien, do Carnegie Observatories, de Pasadena, Califórnia, EUA.





Um objeto interestelar pode ter entrado no nosso sistema solar


O gigante buraco negro super-massivo causador desse incrível evento fica a aproximadamente 375 milhões de anos-luz de distância de nós no centro de uma galáxia chamada 2MASX J07001137-6602251 da constelação Volans.
A estrela que foi esfarelada e consumida possivelmente é de tamanho semelhante ao nosso  sol.

Fonte//CNET/Arxiv






domingo, 29 de setembro de 2019

Astrofísicos podem ter encontrado algo que pode causar a reversão no tempo

De acordo com a relatividade geral de Einstein, nada poderia viajar mais rapidamente do que a velocidade da luz no vácuo. Mas no espaço acontecem muitas coisas bizarras. Dois astrofísicos descobriram que rajadas de raios gama poderiam acelerar a uma velocidade maior que a da luz, chegando a níveis superluminais.


Photo  DESY, Laboratório de Comunicação Científica

Curiosamente esse estudo não vai contra a teoria de Einstein. Os astrofísicos Jon Hakkila e Robert Nemiroff (EUA) descobriram que apesar dessas explosões ultrapassarem a velocidade da luz nas nuvens de gásá sua volta, isso só acontece nos meios de transmissão dos jatos, e não no vácuo.
Os cientistas também dizem que os jatos superluminais poderiam causar a reversibilidade temporal que pode ser observada nas curvas de luz das rajadas de raios gama.
Jon Hakkila comparou ao fato de pedras que saltam quando atiradas a um lago. Quando se atira uma pedra para a água, e ela vem na nossa direção, ela atravessa o espaço entre os pontos onde toca na água, mais rápido do que as ondas que ela provoca quando bate na água. Curiosamente, à medida que a pedra se aproxima, observa-se as ondas criadas a cada salto na ordem inversa. As ondas criadas pelo últimos saltos chegariam até nós antes das causadas pelos primeiros.

Hakkila afirmou: “Os modelos padrão de rajadas de raios gama negligenciaram as propriedades da curva da luz reversível no tempo. O movimento do jato superluminal é responsável por essas propriedades, mantendo muitos recursos de modelo padrão”.

Novo estudo impulsiona a esperança de encontrar vida alienígena em Marte


Fonte//The Astrophysical Journal



Parte da geleira do Mont Blanc à beira do colapso

Na primavera passada, os cientistas fizeram uma terrível previsão de que em consequência de um planeta cada vez mais quente, uma grande parte das geleiras dos Alpes europeus poderia derreter ate 2100. O derretimento parece ter começado. Parte de uma dessas geleiras já está à beira do colapso, alertaram autoridades nesta semana.


Photo Pixabay Simon


As autoridades italianas ordenaram a evacuação das cabanas nas montanhas e fecharam as estradas próximas ao Glaciar Planpincieux, que fica nas encostas da montanha Grandes Jorasses, na cordilheira do Mont Blanc. A geleira fica ao longo da fronteira franco-italiana, perto da cidade de Courmayeur.
A geleira está se movendo 50 a 60 centímetros) por dia, em média, de acordo com um relatório do governo regional do Vale de Aosta e da organização sem fins lucrativos Fondazione Montagna Sicura, com sede na Itália, o que motivou o aviso. Isso significa que 250.000 metros cúbicos de gelo podem potencialmente ceder e provocar avalanches enormes, de acordo com um comunicado da cidade de Courmayeur, na Itália.

O prefeito de Courmayeur, Stefano Miserocchi, culpou o aquecimento global. "Esses fenómenos testemunham mais uma vez como a montanha está em uma fase de fortes mudanças devido a fatores climáticos, portanto é particularmente vulnerável", disse Miserocchi num comunicado. "Neste caso, é uma geleira temperada particularmente sensível a altas temperaturas".
As geleiras temperadas, como as geleiras dos Alpes, geralmente têm temperaturas que estão quase no ponto de derretimento do gelo, o que significa que uma pequena mudança na temperatura pode ter um "grande impacto" sobre elas, de acordo com o US Geological Survey. No pior cenário, se as temperaturas médias subirem até 8,6 graus Fahrenheit (4,8 graus Celsius) até 2100, 95% o gelo glacial nos Alpes desapareceria, de acordo com um estudo publicado em Abril na revista The Cryosphere .
O que irá acontecer a este popular destino para caminhadas não é certo. Ninguém sabe quando se dará o colapso, mas as autoridades alertam que o aviso é preventivo e que não é uma ameaça para áreas turísticas ou residenciais, de acordo com o The Guardian . Quanto ao destino do nosso planeta,não deveria ser um jogo de espera, disseram os cientistas num grande relatório climático divulgado nesta semana. Estudantes de todo o mundo saíram às ruas na última sexta-feira (20 de Setembro) para protestar contra a passividade dos governos sobre as mudanças climáticas e os líderes mundiais viajaram para Nova York para participar da Cúpula das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

Aumenta a preocupação com o degelo da Gronelandia



Fonte//The Guardian





sábado, 28 de setembro de 2019

BMW apresenta o i Hydrogen NEXT movido a hidrogénio


A BMW apresentou o BMW i Hydrogen NEXT no IAA Motor Show 2019 em Frankfurt, demonstrando assim a sua capacidade de, alem dos de veículos elétrico, implantar a tecnologia das células de combustível de hidrogénio.
Sendo um dos pioneiros no campo da mobilidade elétrica, o grupo BMW está a preparar-se para o futuro, como foi evidenciado pelo BMW i Hydrogen NEXT.


O grupo BMW baseia-se na ideia de que, futuramente existirão, vários sistemas de propulsão, não havendo uma única solução que cubra todo o espectro de necessidades de mobilidade em todo o mundo.
Os veículos a hidrogénio são desde já, uma alternativa importante e complementam os sistemas de propulsão elétrica por bateria. Essa rica diversidade de tecnologias de propulsão eletrifica, onde se inclui os híbridos plug-in, destaca o compromisso do Grupo BMW em obter mobilidade com emissão zero, como parte de uma estratégia.
Em 2022, o Grupo BMW planeia apresentar a próxima geração de sistemas de propulsão elétrica a células a combustível de hidrogénio, num veículo baseado no atual BMW X5.


O grupo BMW prevê começar a disponibilizar aos seus clientes veículos com células de combustível em 2025, mas o cronograma depende amplamente dos requisitos do mercado e das condições gerais.
Os veículos elétricos com células a combustível de hidrogénio são capazes de oferecer mobilidade com zero emissões e sem restrições, com características de uso semelhantes às dos veículos convencionais:
Tempos de reabastecimento inferiores a quatro minutos;
Grande autonomia, sem comprometer o conforto;
Possibilidade de reboque;





Toyota com plano para veículos elétricos, híbridos e a hidrogênio


Muito pouca dependência das condições climáticas, o que significa que os clientes desfrutam de ampla autonomia no verão e no inverno.
Para que tudo isso seja possível, é necessário que sejam criadas infraestruturas para abastecimento, o que na maioria dos países, essas infraestruturas ainda estão nos estágios iniciais de desenvolvimento.

Pneus furados vão pertencer ao passado




Fonte//PortalEnergia





sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Será que o Planeta 9 é um buraco negro primordial


Há muito que se especula que existe um planeta, “planeta 9", numa órbita muito distante do Sol, o que poderia explicar por que outros corpos no nosso sistema solar têm órbitas estranhas e difíceis de explicar. Agora, alguns astrofísicos apareceram com uma ideia que poderá revolucionar essa teoria do planeta 9. A teoria é que um buraco negro, ou mesmo alguns, poderia estar orbitando nosso Sol, muito além de Neptuno.

 

Photo Enigmas do Universo


O Planeta X está mais perto da Terra do que pensávamos

Primordial


Nesta semana, um par de investigadores da Universidade de Durham e da Universidade de Illinois em Chicago publicaram um artigo descrevendo sua teoria no servidor de pré-impressão arXiv. Nele, eles sugerem que o Sol pode ter apanhado um "buraco negro primordial" flutuante, que esse buraco negro ou um grupo deles poderão estar a orbitar o nosso Sol.
A captura de um planeta de flutuação livre é uma das principais explicações para a origem do Planeta 9 e mostramos que a probabilidade de capturar um buraco negro primordial é comparável”, escreveram eles.

 Sinais De Aniquilação

Mas isso claro que é apenas uma teoria, ainda não comprovada.
Mas os cientistas podem conseguir comprovar essa teoria. Os buracos negros são cercados por halos de matéria escura que emitem " sinais de aniquilação ", e os autores do artigo sugerem que, se algum desses sinais aparecer, isso pode indicar que o indescritível "planeta 9" é na verdade um buraco negro.

Astrónomo afirma conhecer “muito bem” a órbita do mítico Planeta X


Pregador afirma que o Planeta X trará o apocalipse





Fonte//arXiv





quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O nível do mar já sobe 3,6 mm por ano e tende a aumentar

O Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas divulgou um relatório em que mostra como as mudanças climáticas estão afetando os oceanos e o gelo que existe no nosso planeta, acelerando o nível do mar e aumentando a temperatura dos oceanos.
 As Nações Unidas divulgaram um novo, abrangente e muito preocupante relatório sobre o estado dos oceanos e do gelo do mundo. Os oceanos estão aquecendo a um ritmo acelerado, paralelamente ao derreter do gelo, causado um aumento do nível do mar a uma velocidade nunca imaginada, aumentando 3,6 milímetros por ano, o dobro do que no último século. Com isso, é provável que o nível do mar aumente mais de um metro até 2100. Em consequência, ocorrerão fenómenos extremos com as marés mais altas e tempestades fortes.




Photo Radio Vox


Há uma opção segura de geoengenharia para reduzir o CO2



Há indicadores de que, os fenómenos atmosféricos extremos, que ocorriam em média, uma vez em cada cem anos, ocorram anualmente, aumentando o risco para muitas cidades costeiras abaixo do nível do mar e regiões insulares, alerta o relatório.
Este é um cenário deveras preocupante. Por um lado, os oceanos estão mudando muito mais rapidamente do que era habitual. Deste 1970 as temperaturas dos oceanos têm vindo a subir, mas desde a década de 90 a o ritmo com duplicou, devido ao facto dos oceanos absorverem cerca do 90% do calor extra da atmosfera gerado pelos gases de efeito estufa.
Geleiras e mantos de gelo também estão derretendo cada vez mais rápido à medida que o planeta aquece, causando diretamente o aumento do nível do mar e pondo em causa a qualidade da água potável.


Toda a vida na Terra sofre as consequências da irresponsabilidade humana. À medida que os seres humanos libertam gases de efeito estufa na atmosfera, os oceanos absorvem-nos e estão ficando mais ácidos. Isso adicionado ao aumento da temperatura influi grandemente na vida marinha pondo em causa a sobrevivência das espécies. Por exemplo, as ondas de calor repetidas na costa americana danificaram os estoques de salmão e caranguejo.
O IPCC também aponta o fato do gelo permanente do subsolo estar a derreter, sendo previsível  que o degelo ocorra no nosso seculo, mesmo se o aquecimento global a ficar abaixo de 2 ºC, cerca de um quarto desta camada irá diminuir entre 3 e 4 metros de profundidade até 2100.
Os oceanos e as partes congeladas do planeta, têm papel importante na vida terrestre. São cerca de 670 milhões as pessoas que habitam nas regiões montanhosas e outros 680 milhões nas áreas costeiras e que dependem diretamente destes sistemas. Quatro milhões de pessoas vivem permanentemente no Ártico e outros 65 milhões habitam em países insulares



O relatório de hoje e a importância desse conhecimento à medida que os países se adaptam ao aquecimento do oceano, porque a eliminação imediata das emissões de gases de efeito estufa ajudaria a diminuir os impactos nos oceanos a longo prazo, não há saída a curto prazo. Os oceanos ficarão cada vez mais quentes e mais altos, e exigirá mudanças dramáticas, às vezes dolorosas, na maneira como as pessoas vivem nas costas do mundo.
O relatório tem mais de 100 autores de 36 países que analisaram os mais recentes dados científicos relacionados com os oceanos e a criosfera, referenciando cerca de 7.000 publicações científicas. Este relatório será uma peça chave para discutir pelos líderes mundiais na próxima Convenção Quadro sobre Mudança Climática da ONU (COP25) que ocorrerá em Dezembro, no Chile.


O IPCC é o órgão das Nações Unidas que inclui 195 Países-membros e analisa dados relativos às mudanças climáticas. Foi estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) e a Organização Meteorológica Mundial em 1988 para fornecer dados e análises científicas regulares relativas às mudanças do clima, aos legisladores dos diversos países envolvidos.

Fonte/Relatorio//IPCC




Por que diferentes culturas vêm as constelações de maneira semelhante

Quase toda a gente, ao longo da existência da humanidade olhou para o céu noturno e viu mais do que apenas uma dispersão aleatória de luz. As Constelações ajudaram-nos a moldar nossas próprias narrativas e culturas, criando no céu, um significado que nos guia na nossa vida.




É claro que nem todos vemos exatamente o mesmo céu noturno, há diferenças subtis dependendo da zona onde estamos no planeta, da estação em que estamos e a hora da noite, todas as quais estão imbuídas no significado das constelações.
Mas em todo o mundo e ao longo da história, encontramos constelações notavelmente semelhantes, definidas por culturas díspares, bem como narrativas notavelmente semelhantes, descrevendo as relações entre elas.
Por exemplo, a constelação de Órion é descrita pelos antigos gregos como um homem perseguindo as sete irmãs do aglomerado estelar das Plêiades.

Esta mesma constelação é Baiame nas tradições Wiradjuri, um homem perseguindo o Mulayndynang (aglomerado estelar das Plêiades).
Nas tradições do Grande Deserto de Vitória, Orion é Nyeeruna, um homem perseguindo as sete irmãs Yugarilya.
Em todo o mundo, as culturas definiram Orion como um homem perseguindo um grupo de mulheres.
Esses e outros padrões comuns, assim como as narrativas extraordinariamente complexas que os descrevem, ligam as culturas dos primeiros aborígenes australianos e dos antigos gregos, apesar de estarem separados por milhares de quilómetros e tivessem existido com milhares de anos de diferença.

Da mesma forma, muitas culturas no hemisfério sul identificam constelações que são feitas de espaços escuros entre as estrelas, destacando a ausência e não a presença. Estas características predominam nas faixas de poeira escuras da Via Láctea.
Através das diferentes culturas, encontra-se uma consistência notável. O emu celestial, que é encontrado nas tradições aborígenes da Austrália, compartilha visões e tradições quase idênticas com o povo tupi do Brasil e da Bolívia, que o vêm como uma ema celestial, uma grande ave que não voa.
Existem também diferenças significativas entre as culturas, embora as raízes fundamentais permaneçam. A Ursa Maior é identificada em muitas tradições do hemisfério norte, mas para o Gusk'in do Alasca, esta é apenas a cauda da constelação de céu inteiro Yahdii (O Homem de Cauda), que "caminha" de leste a oeste durante a noite.
Embora compartilhemos um fascínio pelas estrelas, temos pouco conhecimento documentado de como determinadas constelações foram identificadas por certas culturas. Por que e como vemos os mesmos padrões?


A próxima pesquisa explora a gênese desses diferentes nomes e diferentes agrupamentos, e a ideia de que muitos surgiram principalmente como resultado de variações culturais na perceção de cenas naturais. Assim, a visão de um indivíduo sobre um fenómeno pode se tornar a visão generalizada de um grupo ou cultura.
Essas diferenças podem ter ocorrido devido à necessidade de comunicar esses agrupamentos através das gerações.
Usavam-se tradições orais onde muitas vezes é transmitida uma mensagem a uma fila de pessoas, resultando em erros à medida que a informação é passada.

O psicólogo britânico Sir Frederic Bartlett percebeu no início do século 20 que esses erros normalmente refletem as crenças de uma pessoa sobre a falta ou a incerteza da informação na mensagem original. As informações passadas de uma pessoa para outra se acumulam e, finalmente, informam as crenças de um indivíduo sobre a natureza do mundo.
Nas culturas orais, como a dos indígenas da Austrália, a transmissão dos conhecimentos depende da facilidade de comunicação e da memória.
A diferença marcante é que as tradições orais aborígenes construíram narrativas e espaços de memória de modo a manter intactas as informações críticas por centenas de gerações.
Como isso surgiu e como um fio de significado perdura entre os indivíduos, o espaço e o tempo são questões fascinantes. Em colaboração com o Museu Victoria, a equipa está explorando como as diferenças culturais nas nossas tradições e histórias podem surgir como resultado de variações muito pequenas na natureza da perceção e compreensão em diferentes pessoas, e como isso é influenciado pela crença pessoal e geográfica localização.


Investigar o significado das estrelas faz parte do desenvolvimento da própria humanidade, compartilhando o conhecimento através dos limites culturais, apesar das diferentes crenças, isolamento geográfico e localização.
O fascínio permanente da humanidade pelas estrelas só recentemente foi alimentado pela nossa capacidade de sonhar em deixar o planeta e visitá-las. Mais fundamentalmente, elas são uma reflexão e um quadro para a vida neste planeta.
O significado que encontramos nas estrelas, ironicamente, é tão importante agora como era há 65 mil anos, quando as pessoas migraram para a Austrália usando as estrelas como orientação.



Este artigo foi originalmente publicado por TheConversation


quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Novo rumo para combustíveis neutros em carbono a partir do CO2

Os investigadores descobriram um ponto de partido prático para a conversão de dióxido de carbono em combustíveis líquidos sustentáveis, incluindo combustíveis para meios de transporte mais pesados, que podem ser muito difíceis de eletrificar, como aviões, navios e comboios.

Photo Volantsic

A energia nuclear pode travar o aquecimento global


A reutilização neutra em carbono de CO 2 surgiu como uma alternativa para enterrar o gás de efeito estufa no subsolo. Num novo estudo publicado na Nature Energy , pesquisadores da Universidade de Stanford e da Universidade Técnica da Dinamarca (DTU) mostram como a eletricidade e um catalisador abundante na Terra podem converter CO 2 em monóxido de carbono (CO) rico em energia. O catalisador, vóxido de cério, é muito mais resistente. Retirar o oxigénio do CO 2 para produzir gás CO é o primeiro passo para transformar o CO 2 em combustível líquido e outros produtos, como gás sintético e plástico. A adição de hidrogénio ao CO pode produzir combustíveis como diesel sintético e o equivalente a combustível de aviação. A equipe prevê o uso de energia renovável para produzir o CO e as conversões subsequentes, o que resultaria em produtos neutros em carbono.
"Mostramos que podemos usar a eletricidade para reduzir o CO 2 em CO com 100% de seletividade e sem produzir o subproduto indesejado do carbono sólido", disse William Chueh, professor associado de ciência e engenharia de materiais em Stanford, um dos três principais autores.

Empresa constrói novo sistema para aproveitar a energia geotérmica

Vantagens dos combustíveis sintetizados

Umas vantagens que os combustíveis líquidos sustentáveis teriam, em relação á energia elétrica, é que poderiam ser usadas todas as infraestruturas existentes no uso de gasolina e diesel, como motores, tubagens e postos de gasolina. Além disso, as dificuldades para a eletrificação de aviões e navios e viagens de longa distância e o grande peso das baterias, não seriam problemas para estes combustíveis neutros em carbono.
Embora as plantas transformem o CO 2 em açúcares ricos em carbono naturalmente, mas até agora, um caminho eletroquímico artificial para CO ainda não conseguiu ser comercializado.
Os maiores problemas são, os dispositivos usam muita eletricidade, convertem uma baixa percentagem de moléculas de CO 2 ou produzem carbono puro que destrói o dispositivo. Os investigadores do novo estudo examinaram primeiro como diferentes dispositivos tiveram sucesso e falharam na eletrólise de CO 2 .
Construíram duas células para testes de conversão de CO 2, uma com óxido de cério e outra com catalisadores convencionais à base de níquel. O elétrodo de cério permaneceu estável, enquanto os depósitos de carbono danificaram o elétrodo de níquel, reduzindo significativamente a vida útil do catalisador.

Chegar á comercialização


Eliminar a morte celular precoce pode reduzir significativamente o custo da produção comercial de CO. Evitar o acumular de carbono também permite que o novo tipo de dispositivo converta mais CO 2 em CO, o que é limitado a bem abaixo de 50% da concentração do produto CO nas células atuais. o que pode reduzir os custos de produção.
"O mecanismo de supressão de carbono no cério é baseado na captura do carbono na forma oxidada estável. Conseguimos explicar esse comportamento com modelos de redução de CO 2 a temperatura elevada, o que foi confirmado com espectroscopia de fotoelétrons de raios X da célula em operação ", disse Michal Bajdich, autor sênior do artigo e cientista associado do SUNCAT Center for Interface Science & Catalysis, uma parceria entre o SLAC National Accelerator Laboratory e a Stanford's School of Engineering.
O custo elevado da captura de CO 2 tem sido uma barreira para armazena-lo no subsolo em larga escala, e esse alto custo pode ser uma barreira ao uso de CO 2 para produzir combustíveis e produtos químicos mais sustentáveis. No entanto, o valor de mercado desses produtos combinado com pagamentos para evitar as emissões de carbono pode ajudar as tecnologias que usam CO 2 a superar o obstáculo mais rapidamente.


Photo Pixabay

Hidrogénio, o combustível do futuro energético limpo e seguro



William Chueh também é membro do Precourt Institute for Energy de Stanford. Os outros autores de Stanford são o ex-aluno de doutorado Zixuan Guan, o pós-doutorado Michael Machala, os pós-doutorados Matteo Monti e Chirranjeevi B. Gopal e o pós-doutorado do SLAC, Jose A. Garrido Torres. Os co-autores da DTU são o candidato a PhD Lev Martinez, o líder do grupo nanolab Eugen Stamate e ainvestigadora Simone Sanna, Ethan J. Crumlin, o cientista do Lawrence Berkeley National Laboratory, e Max Garcia Melchor, professor assistente do Trinity College, Dublin.

Este projeto foi apoiado pela Haldor Topsoe A / S, Innovation Fund Denmark, Agência Dinamarquesa de Ciência, Tecnologia e Inovação e Energinet.dk., Departamento de Energia dos EUA, Centro SUNCAT e um prêmio da National Science Foundation CAREER.


Hidrogénio, o combustível do futuro energético limpo e seguro


Lightyear One, o carro solar que todos vão desejar











terça-feira, 24 de setembro de 2019

Criado gel que faz o dente auto reparar-se


Uma equipa de investigadores da Universidade Zhejiang (China) criaram um gel que imita o esmalte dos dentes, fazendo-os repararem-se sozinhos. Se realmente funcionar pode significar o fim das obturações dentárias.

Photo GettyImages

O esmalte é a camada dura e protetora dos dentes. Devido á ação dos ácidos e ao atrito provocado pelo mastigar, o esmalte desgasta-se naturalmente, o que pode levar a cavidades que precisam de obturações. Para evitar esse problema os investigadores fabricaram um gel contendo cálcio e fosfato, os principais componentes do esmalte real, a fim de incentivar os dentes a se auto repararem.
O gel foi testado em dentes humanos removidos de pacientes, danificados com ácido e colocados num ambiente fabricado para se assemelhar à boca humana. 

Durante um período de 48 horas, o gel estimulou o crescimento de um novo esmalte. Usando microscopia, os cientistas confirmaram que ele possuía o mesmo arranjo altamente ordenado de cristais de cálcio e fosfato que o esmalte comum.
Agora, a equipe está testando o gel em ratos para garantir que os produtos químicos são seguros, e não constituem risco, para em seguida experimentá-lo em pessoas.

Esta solução já foi por varias vezes tentada, usando misturas de cálcio e fosfato, por terem se apoiaram em aglomerados de partículas maiores, acabaram não aderindo muito bem à superfície do dente. Este novo revestimento de esmalte tinha apenas 3 micrómetro de espessura, ou seja, cerca de 400 vezes mais fino que o esmalte não danificado.
Os cientistas acreditam que a aplicação repetida de várias camadas de gel criará uma camada robusta que reparará o dente.


Este artigo foi publicado nas revistas científicas ScienceAdvances.//NewScientist



segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Porque os incas construíram o Machu Picchu num lugar tão remoto?

O antigo santuário inca de Machu Picchu é considerado uma das maiores obras arquitetónicas da humanidade. Construído num local remoto, no topo de uma cordilheira estreita, por cima de um precipício, o local é conhecido por sua perfeita integração com a paisagem
Mas a localização do santuário há muito intrigou os cientistas. Porque razão os incas construíram sua obra-prima um lugar tão inacessível?


Photo Pixabay skeeze

Monumento Espanhol com 7.000 anos ressurge em ano de seca


O geólogo Rualdo Menegat, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, fez uma uma análise geo-arqueológica detalhada que sugere que os incas construíram intencionalmente Machu Picchu, assim como algumas das suas cidades, em locais onde falhas tectónicas se encontram. "A localização de Machu Pichu não é uma coincidência", diz Menegat. "Seria impossível construir um edifico assim nas montanhas se o solo não fosse fraturado".
 Usando uma combinação de imagens de satélite e medições de campo, Menegat mapeou uma densa rede de fraturas e falhas cruzadas sob a construção, Património Mundial da UNESCO. A análise indica que essas características variam muito em escala, deste pequenas fraturas visíveis em pedras individuais a grandes lineamentos de 175 quilómetros de comprimento que controlam a orientação de alguns dos vales e cursos de agua da região.

Menegat descobriu que essas falhas e fraturas ocorrem em vários conjuntos, alguns dos quais correspondem às principais zonas de falhas responsáveis ​​pela elevação da Cordilheira dos Andes Centrais nos últimos oito milhões de anos. Como algumas dessas falhas são orientadas para nordeste-sudoeste e outras tendem para noroeste-sudeste, elas coletivamente criam uma forma de "X" cruzando-se sob o  Machu Picchu.
O mapeamento de Menegat sugere que os setores urbanos do santuário e os campos agrícolas circundantes, bem como edifícios e escadas individuais, são todos orientados de acordo com as tendências dessas grandes falhas.
Os resultados de Menegat indicam que a rede de falhas e fraturas é tão essencial para a construção do Machu Picchu como a excelência do trabalho em pedra. Esta alvenaria sem argamassa apresenta pedras tão perfeitamente encaixadas que é impossível deslizar um cartão de crédito entre elas. 


Photo Pixabay Capobleu2a

A grande Pirâmide de Gizé pode não ser inteiramente feita pelo homem



Excelentes pedreiros, os incas aproveitavam os abundantes materiais de construção na zona de falha
Além de ajudar a moldar pedras individuais, a rede de falhas em Machu Picchu provavelmente ofereceu aos incas outras vantagens, segundo Menegat. A principal delas era uma fonte  de água. "As falhas tectónicas da área canalizam a água provenientes do derretimento da neve e a água da chuva diretamente para o local", diz ele. “A construção do santuário num planalto naquela altitude, teve o benefício de proteger o local das avalanches e deslizamentos de terra, muito comuns nesse ambiente alpino”, explica Menegat.
 As falhas e fraturas subjacentes a Machu Picchu também ajudaram a drenar o local durante as intensas chuvas na região. Cerca de dois terços do trabalho para construir o santuário envolveu a construção de drenagens subterrâneas, e as fraturas pré-existentes ajudaram esse processo e ajudaram a explicar sua preservação notável.


Cientistas lançam luz sobre as misteriosas linhas de Nasca, no Peru

Barco Viking descoberto num terreno perto do fiorde de Oslo




domingo, 22 de setembro de 2019

Monumento Espanhol com 7.000 anos ressurge em ano de seca


Um monumento megalítico, com 7.000 anos, apelidado de Stonehenge espanhol, foi descoberto depois de um dos Verões mais quentes que a Espanha teve, que revelou a estrutura que estava submersa num reservatório por quase cinco décadas.

Photo NASA Lansdscape Program

Cientistas descobriram “nova” extinção em massa


O Observatório da Terra da NASA investigou o reaparecimento de um monumento de Dolmen de Guadalperal, com 7.000 anos, com o uso do satélite Landsat 8 e publicou duas fotos da zona onde está a estrutura monolítica, em anos diferentes, concluindo que sua reemergência é condicionada pelos níveis muito baixos de água no reservatório de Valdecañas, na Espanha, após um verão de seca recorde na Europa.

O monumento, agora apelidado de Stonehenge espanhol devido à sua semelhança com o dolmen britânico, apresenta um grande círculo de cerca de 150 pedras, com algumas com mais de 1,8 metros de altura, na forma de um oval aberto. A estrutura que supostamente foi construída no quarto ou quinto milênio aC, foi descoberta em 1925 pelo padre e arqueólogo alemão Hugo Obermaier , mas nenhuma pesquisa sobre o local foi publicada na altura, e sua descoberta permaneceu desconhecida. Na década de 1960, o ex-governante espanhol Francisco Franco lançou um programa de engenharia civil para levar água doce e hidroeletricidade às regiões vizinhas, o que levou à criação de um lago artificial e à inundação do local, submergindo o monumento água durante 50 anos.


Photo NASA Lansdscape Program

Monstro do Lago Ness pode ser enguia gigante


Embora seja a primeira vez que todo o monumento seja revelado devido aos baixos níveis de água, os especialistas acreditam que essa situação não durará muito tempo, devido à chegada do outono.
Alguns grupos locais estão atualmente pedindo para retirar tudo para outro sítio, mas, acredita-se que esse movimento apenas acelera a decadência do monumento, segundo os arqueólogos.
Os cientistas sugerem que o misterioso monólito, que supostamente sustentava um enorme copo de pedra, poderia ter sido construído  para fins ritualísticos.


Descoberta cidade neolítica com 10.000 anos, perto de Jerusalém


"Atlântida" britânica encontrada no norte do Oceano Atlântico




Este artigo foi publicado originalmente por SputnikNews





sábado, 21 de setembro de 2019

Nova pandemia pode matar 80 milhões de pessoas


O Global Preparedness Monitoring Board (GPMB) , um grupo independente de especialistas especializado em emergências na saúde a nível mundial, publicou um relatório avaliando como o mundo está preparado uma grande crise na saúde e a situação não é a melhor.



Pandemia
Photo Pixabay

Cientistas podem ter descoberto como reverter o envelhecimento


Depois de analisar muitos fatores, desde as tendências políticas emergentes às mudanças climáticas, a equipa concluíram que existe uma ameaça muito real de uma pandemia altamente letal de um patogénico respiratório que expande rapidamente, matando 50 a 80 milhões de pessoas e destruindo quase 5% da população.
Os autores do estudo concluíram que uma pandemia global nessa escala seria catastrófica, criando um caos generalizado, instabilidade e insegurança, e muito grave, o mundo não está preparado. Apesar disso os especialistas do GPMB acham que ainda há tempo para traçar o caminho certo.


Eles também delinearam sete ações específicas que os líderes mundiais poderiam adotar para preparar o mundo para essa eventualidade, incluindo a plena implementação do Regulamento Sanitário Internacional, o aumento do investimento em pesquisa e desenvolvimento de vacinas e o estabelecimento de fortes sistemas nacionais de preparação.
"Até agora tem havido um ciclo de pânico e negligência quando se trata de pandemias. Aumentamos os esforços quando há uma ameaça séria e depois esquecemos quando a ameaça desaparece", escreveram os autores do relatório. "É hora de agir."


Cientistas podem ter descoberto como reverter o envelhecimento


Fonte//Futurism