domingo, 30 de junho de 2019

Como as lojas online nos levam a comprar o que não precisamos


Um grupo de investigadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, mostram num novo estudo como é que as lojas online usam as chamadas técnicas de “padrão escuro” para levar as pessoas a gastarem mais dinheiro.
Estas técnicas estão a manipular os utilizadores a tomar decisões que de outra forma não tomariam e a comprar coisas que não precisam”, afirma Gunes Acar, investigador da universidade norte-americana que participou no estudo, ao Business Insider.


Photo Pixabay

Hackers ameaçam eleições em todo o mundo



Acar e o resto da equipa criaram uma ferramenta que analisou onze mil sites e-commerce e notaram que mais de 1.200 utilizavam as chamadas técnicas de “padrão escuro” para levar os consumidores a perderem mais tempo ou a comprarem mais coisas.
Mostrar um cronómetro a dizer que só nos restam poucos minutos, ou uma opção que diz ‘não obrigada, não quero pedir comida deliciosa’ em vez de um botão simples para cancelar um pedido, é definitivamente uma maneira muito baixa, exemplifica Acar.
Ao todo, o estudo identificou 15 maneiras pelas quais os sites de compras manipulam os clientes, dificultando o cancelamento de uma compra, envergonhando os clientes quando eles tentam sair e criando depoimentos falsos, por exemplo.
Muitos sites de comércio eletrônico funcionam com fornecedores terceirizados para implementar designs mais manipuladores. O estudo identificou 22 desses fornecedores, notando que dois deles anunciam abertamente suas técnicas.



O New York Times tentou replicar alguns dos seus resultados e descobriu que certos sites levam esta estratégia tão longe que, em alguns casos, há um cliente falso que está ativamente a comprar produtos que nos interessam.
Um dia, uma certa ‘Abigail, de Albuquerque’ apareceu para comprar mais de duas dúzias de artigos, incluindo vestidos nos tamanhos 2, 4, 6 e 8. Infelizmente, a Abigail parece não existir”, reporta o jornal norte-americano, tendo sido apenas criada para criar pressão nos consumidores e garantir que outra pessoa também comprou um determinado produto.
O conceito de “padrão escuro” não é exclusivo ao comércio na Internet. Os chamados ‘scammers’ também já usaram e usam técnicas semelhantes para levar as pessoas a comprarem subscrições de certas aplicações e até mesmo o Facebook já foi acusado de se aproveitar desta estratégia para atrair os seus utilizadores a partilharem informações de contacto com os seus amigos e familiares.

Desativar o Facebook é uma perda de tempo pois será sempre rastreado





sábado, 29 de junho de 2019

Cientistas lançam luz sobre as misteriosas linhas de Nasca, no Peru


As misteriosas linhas e geoglifos de Nasca e Palpa , que retratam desde animais e plantas até animais aparentemente míticos e padrões geométricos, estão localizados cerca de 400 quilômetros ao sul de Lima, Peru e que são Patrimônio da Humanidade, cobre uma área de cerca de 450 quilômetros quadrados. Acredita-se que a misteriosa arte tenha sido esculpida no solo pelo povo pré-inca.
Os cientistas mostram  uma nova visão sobre essas intrigantes imagens nas planícies do deserto do sul do Peru.
Cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão, estudaram 16 imagens de pássaros e revelaram a verdadeira espécie retratada nos famosos geóglifos. Segundo um artigo científico, recentemente publicado no Journal of Archaeological Science, os pássaros, desenhados com 370 metros de comprimento, não viviam no deserto de Nazca, e foram criados especificamente a partir de uma linha esculpida.



Photo Pixabay

As pirâmides do Egito ligadas á origem da civilização


Num esforço conjunto, uma equipe de especialistas aplicou uma abordagem ornitológica para identificar as formas das aves em um estudo publicado no Journal of Archaeological Science.
 O principal autor do estudo, Masaki Eda, do Museu da Universidade de Hokkaido, Takeshi Yamasaki, do Instituto Yamashina de Ornitologia, e Masato Sakai, da Universidade Yamagata, no Japão, identificaram 16 geoglifos de aves em mais de 2.000 talhas na área.
As aves que constam nestes desenhos foram, até agora, identificadas com base em impressões gerais ou traços morfológicos presentes em cada figura”, explicou o investigador, ressaltando que as formas e os tamanhos dos bicos, cabeças, pescoços, corpos, asas, caudas e patas dos pássaros foram observados de perto e comparados com as aves que vivem atualmente no Peru




Esta investigação permitiu que a equipe reclassificasse um beija-flor previamente identificado como um pássaro eremita, e um pássaro de guano e um pássaro previamente não identificado que como um pelicano. Nas ilhas, o biguá-do-guano, o atobá-peruano e o pelicano-peGuanay cormorantruano deixavam os seus excrementos (guano), que se tornaram numa mercadoria extremamente valiosa para os britânicos em meados de 1880, por ser um excelente fertilizante

 
Photo Pixabay

Arqueologos recuperam artefactos maias no lago Petén Itzá



Embora as aves identificadas possam ser encontradas no Peru, seus habitats são mais vastos, estendendo-se a outras regiões além de onde os desenhos foram feitos.
Encorajados com os resultados, os especialistas pretendem comparar essas imagens esculpidas com pássaros desenhados no mesmo período em cerâmica e com restos de pássaros encontrados nas ruínas de Nasca. Assim, os pesquisadores esperam identificar mais das aves representadas nos geoglifos.


Civilização maia revelada sob a espessa vegetação da selva da Guatemala

Fonte// SputnikNews




sexta-feira, 28 de junho de 2019

Asteroide explode nos céus de Puerto Rico


Um asteroide gigante do tamanho de um carro foi detetado pelos telescópios de pesquisa da Universidade do Havaí poucas horas antes de entrar na atmosfera da Terra, a cerca de 240 milhas ao sul de San Juan, Porto Rico. 
No momento da primeira observação, o asteroide estava a cerca de 500.000 km da Terra, bem mais distante do que a Lua que fica a 384.400 km.
Felizmente, isso não representava nenhuma ameaça real para nós, mas a tecnologia usada para detetá-lo poderia ajudar a alertar-nos para possíveis impactos no futuro.


Photo Pixabay

Asteroide pode provocar 'inverno cósmico' na Terra


O incidente prova que os sistemas de alerta de asteroides "podem lançar um alerta atempadamente para a zonas de provável impacto, para permitir a evacuação dessas zonas," de acordo com um comunicado.
Este acontecimento é extremamente raro, e, como aponta a Live Science, esta é a quarta vez na história que os cientistas identificaram um asteroide imediatamente antes do impacto, e todos os quatro nos últimos 11 anos.




O asteroide de 3.5 metros, batizado de 2019 MO, entrou na atmosfera numa gigantesca bola de fogo, o equivalente a 6.000 toneladas de TNT explodindo depois, de acordo com o Centro de Estudos de Objetos da Terra de Propulsão (CNEOS) do Jet Propulsion Lab.
O telescópio que avistou o primeiro asteroide chamado ATLAS (Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System), consiste em dois telescópios que estão separados 160 Km em duas ilhas havaianas separadas. A cada duas noites, eles vasculham o céu inteiro, procurando asteroides.
Os satélites próximos também foram capazes de identificar o asteroide e sua explosão de fogo do espaço.
2019 MO pode parecer enorme, mas é minúsculo quando comparado como meteoro gigantesco que explodiu sobre a Rússia em 2013,que um era cinco vezes maior 20 metros, explodindo com quase cem vezes a energia.



Photo FalingStar

Asteróide Oumuamua pode ser nave espacial

Poderão os homens colonizar um asteroide



Fonte// Futurism




“Apartheid Climático” é iminente. Apenas os ricos sobreviverão.


Um relatório da ONU prevê que os pobres do mundo não conseguirão escapar do pior da crise climática. “Apartheid Climático”
Se a atual catástrofe global de mudança climática continuar sem controle, muitas zonas do mundo provavelmente tornar-se-ão mais difíceis de viver e muito menos hospitaleiras para a humanidade.



Photo Pixabay

Descongelamento prematuro do permafrost do Ártico preocupa cientistas





Quando isso acontecer, a divisão entre os ricos e os pobres será acentuada, pois muitas pessoas ficarão sem os meios para escapar dos piores efeitos da crise climática, de acordo com um novo relatório publicado terça-feira pela ONU. Conselho que descreve um iminente "apartheid climático".
Enquanto os ricos contratam bombeiros particulares ou mudam-se para áreas habitáveis ​​mais caras, o relatório prevê que 120 milhões de pessoas serão empurradas para a pobreza até 2030 pelas mudanças climáticas. Muitos mais morrerão.
O relatório descreve que 3,5 mil milhões de pessoas mais pobres do mundo são responsáveis ​​por dez por cento das emissões mundiais de gases do efeito estufa, enquanto os dez por cento mais ricos da população mundial são responsáveis ​​pela metade.


"Perversamente, os mais ricos, que têm a maior capacidade de se adaptar e são responsáveis ​​pela grande maioria das emissões de gases de efeito estufa, serão os mais bem posicionados para lidar com as mudanças climáticas", escreveu Philip Alston, funcionário da ONU sobre pobreza e direitos humanos. “Enquanto os mais pobres, que contribuíram menos para as emissões e têm menos capacidade de reagir, serão os mais prejudicados”.
No relatório, Alston escreve como o acesso dos ricos a recursos que salvam vidas levaram a humanidade a se adaptar à crise climática na direção errada, em vez de agir para impedir ou reverter o pior da mudança climática, os ricos defender-se-ão pessoalmente do problema.


Photo Pixabay


Novo recorde nos níveis de CO2 na atmosfera



Uma dependência excessiva do setor privado poderia levar a um cenário de apartheid climático em que os ricos pagam para escapar do superaquecimento, da fome e do conflito, enquanto o resto do mundo sofre”, escreve Alston.


Se nada mudar, a civilização pode colapsar em poucas décadas



Fonte//Futurism




quinta-feira, 27 de junho de 2019

Toyota com plano para veículos elétricos, híbridos e a hidrogênio


A Toyota, líder mundial do setor automóvel, acaba de anunciar um ousado plano para os carros elétricos. A proposta é vender 5,5 milhões de veículos com essa tecnologia nos próximos cinco anos. A empresa prevê 10 novos modelos elétricos até 2025 numa ofensiva para tornar este tipo de veículo popular.

Photo Toyota

Grandes camiões da Nikola Motor movidos a hidrogénio



Já em 2020, durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, deve lançar um ultracompacto EV, projetado para a mobilidade urbana e viagens de curta distância, algo que favorece muito o universo dos carros elétricos. O modelo, chamado i-Road, tem dois lugares e permite uma velocidade máxima de 60 km/h e autonomia de 100 km com carga única.
Haverá ainda um outro superprojeto da Toyota, a bateria em estado sólido. Para adiantar, pode-se dizer que trata-se de uma nova tecnologia que amplia a capacidade de produção de energia e tem maior rapidez de recarga.



Ultracompacto, i-Road Photo Toyota


Tesla lança táxis sem condutor já no próximo ano



A Toyota também anunciou parcerias com outras marcas japonesas na área dos elétricos, que inclui um carro compacto desenvolvido em conjunto com a Suzuki e um SUV médio feito com a Subaru.
Segundo o vice-presidente executivo da Toyota, Shigeki Terashi, as novidades não significam que a empresa irá abandonar projetos anteriores, como os híbridos. “Fomos pioneiros com o Prius”, ressalta. Nesse sentido, além dos puros elétricos, estão previstos novos carros híbridos, híbridos plug-in e ainda será dada ênfase ao veículo de células de combustível a hidrogênio.







Outro Toyota é o Mirai, com células de combustível a hidrogênio, que já é vendido na Califórnia
Este ano, no Salão de Nova York, realizado em abril, a Toyota já havia mostrado os avanços do modelo Mirai, movido a hidrogênio, destacando este combustível como seguro, não-tóxico e livre de emissões de gás carbônico. O Mirai (que significa futuro) funciona apenas com hidrogênio e suas únicas emissões pelo tubo de escape são de água.
A Toyota espera que a tecnologia esteja plenamente desenvolvida e operacional até a metade da próxima década. Hoje, o Mirai é vendido experimentalmente na Califórnia, onde existe infraestruturas para o abastecimento com hidrogênio.


Mirai Photo Toyota

Os carros vão mudar mais na próxima década do que no ultimo século




A autonomia atual do modelo é de cerca de 500 quilômetros. O reabastecimento leva cinco minutos e o custo do combustível é incluído nos primeiros três anos de propriedade. A parte mecânica tem garantia de oito anos ou 160 mil quilômetros.
Modelos como o Corolla Hybrid plug-in, que chega este ano, pode ter a nova bateria em estado sólido
A chamada superbateria, nova aposta dos smartphones de última geração, chegará também aos automóveis da Toyota. Menor, mais leve e menos agressiva em relação às tradicionais de íons de lítio com materiais líquidos, a bateria em estado sólido pode representar um avanço na popularização de veículos elétricos e híbridos plug-in.


Toyota corolla Hybrid Photo Toyota

Pneus furados vão pertencer ao passado



Na prática, ela tem um carregamento mais rápido, maior densidade de energia, ciclo de vida de até 10 anos e componentes não inflamáveis. Ou seja, mais eficiência, garante maior economia e melhor segurança para os utilizadores dos carros elétricos e híbridos.


Paris quer tráfego nos Jogos Olímpicos com táxis voadores


A Uber apresenta o interior do seu táxi voador


Fonte//Carros

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Explosao de uma bomba da Segunda Guerra Mundial abriu uma enorme cratera na Alemanha Central

Uma bomba esquecida da Segunda Guerra Mundial fez uma enorme cratera na Alemanha Central. A destruição é evidente e devastadora. Um buraco de 10 metros de largura e 4 metros de profundidade. A explosão inesperada deu-se no domingo em Ahlbach, num campo de cevada na Alemanha central. Segundo o site de notícias alemão Hessenschau, ninguém ficou ferido na explosão.
Especialistas em explosivos vasculharam a cratera, sem encontrar qualquer fragmento da bomba, chegando-se a pensar ser um impacto de asteroide.



Photo . (Boris Roessler / DPA / AFP)

Encontrado porta-aviões “Uss Wasp” afundado na Segunda Guerra Mundial



No entanto, depois de mais averiguações, com a ajuda de drones, descobriu-se evidências que apontaram para uma bomba de 250 quilos lançada décadas atrás, que permaneceu enterrada e intocada até que seu mecanismo de detonação foi erodido com o tempo.
Entre 1940 e 1945, bombardeiros aliados lançaram 2,7 milhões de toneladas de bombas na Europa. Cerca de metade dessas bombas caiu sobre alvos alemães, destruindo infraestruturas de guerra nazis e matando mais de 400.000 civis alemães.
Mas cerca de 10% das bombas lançadas sobre a Alemanha não explodiram, de acordo com a Smithsonian Magazine, deixando armadilhas mortais no solo que frequentemente são encontradas.
As autoridades da cidade de Limburg afirmaram que a bomba provavelmente tinha um detonador químico que não atuou quando a bomba foi lançada.
Nem todas as bombas explodem no impacto. Às vezes, componentes químicos eram usados ​​para retardar as explosões para que se pudesse enterrar no solo para criar uma cratera maior e causar mais danos.


Photo . (Armando Babani / EPA-EFE / Shutterstock)

Franceses 'pescam' bomba da 2ª Guerra Mundial em risco de explodir



Os componentes dependiam de uma orientação norte-sul quando a bomba caía do sítio planeado. Tinham uma barbatana movida a ar que girava quando a bomba descia, e perfurava com uma haste de metal uma placa de vidro, liberando acetona corrosiva que dissolve os discos de celuloide, de acordo com a Smithsonian Magazine.






Eram usadas diferentes espessuras de discos, e quanto mais espesso o disco, mais demorava o processo. Quando dissolvidos pela acetona, acionava uma mola que fazia atuar um pino de disparo no detonador.
Mas muitas vezes as bombas não pousavam corretamente, ficando de lado ou invertidas. Nesses casos, a reação diminui e a acetona não cai nos discos, atrasando a explosão por anos ou décadas, à medida que os componentes se decompõem perigosamente.


Photo Pixabay

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial descoberto na costa francesa


O depósito ferroviário de Limburg e as estações de rádio eram um dos principais alvos dos bombardeiros aliados perto do fim da guerra. As estradas de Ahlbach eram usadas pelos soldados alemães quando batiam em retirada, relatou Hessenschau.
As bombas não detonadas deram muito e perigoso trabalho, muitas vezes mortal para os técnicos de bombas alemães. Na segunda-feira, duas bombas da época da Segunda Guerra Mundial foram descobertas fora de Frankfurt, levando a uma evacuação de 2.500 pessoas.
 Onze técnicos morreram no cumprimento do dever desde 2000, relatou a Smithsonian Magazine. Três delas ocorreram num incidente de 2010 em que eles retiraram de um mercado de Göttingen uma bomba de 500 quilos com um fusível atrasado.
Um trabalhador da construção civil morreu em Euskirchen  em 2012 depois de ter tocado numa bomba quando cavava.


Mas a Alemanha não é a única nação que se debate com este problema.
No Laos, o país mais fortemente bombardeado da história, os Estados Unidos lançaram 2 milhões de toneladas de material nuclear em nove anos, terminando em 1973, o equivalente a uma carga útil completa a cada oito minutos durante 24 horas por dia.
No Vietnam, um grupo de organizações sem fins lucrativos, onde se inclui o governo vietnamita e grupos norte-americanos, concentra-se na remoção de bombas de fragmentação e outras bombas que mataram 40 mil pessoas.
Uma autoridade vietnamita disse que levaria 300 anos para remover todas as bombas


Arca da Aliança pode conter tecnologia extraterrestre


Geólogos descobrem como extraíram as pedras azuis de Stonehenge


Fonte//WashingtonPost





terça-feira, 25 de junho de 2019

Foi encontrada nos EUA a maior reserva de água doce subterrânea do mundo

Ao estudar o subsolo marinho na costa nordeste dos EUA, cientistas descobriram um aquífero gigante de água relativamente fresca aprisionado em sedimentos porosos sob o oceano. Os investigadores acreditam que é a maior formação desse tipo encontrada até hoje no mundo.
Os cientistas acreditam que este tipo de aquíferos devem existir por todo o planeta, e esperamos que, no futuro, sua descoberta possa ajudar a resolver o problema da escassez de água doce.
"Os dados sugerem que um sistema contínuo de aquíferos submarinos cobre pelo menos 350 quilômetros da costa atlântica dos Estados Unidos e contém aproximadamente 2.800 quilômetros cúbicos de águas subterrâneas de baixa salinidade" , escrevem os autores do estudo , publicado na revista Scientific.
Segundo especialistas, o aquífero se estende ao longo da costa atlântica de Massachusetts a Nova Jersey e da costa ao oceano. A profundidade dos aquíferos, por outro lado, é estimada entre 180 e 360 ​​metros abaixo do fundo do oceano.




A descoberta foi feita graças a uma exploração por sondagem magneto telúrica. Quanto mais salgada a água, melhor é a condutividade elétrica. De acordo com os cientistas, esses aquíferos podem ter-se formado entre 15.000 e 20.000 anos atrás como resultado do derretimento das geleiras, e são alimentados regularmente a partir do continente por fontes submersas devido a fenômenos de maré.
Os pesquisadores observam que as reservas recém-descobertas de "água relativamente doce" constituem o maior aquífero submarino conhecido até o momento. No entanto, os cientistas acreditam que tais formações devem ser encontradas em todo o planeta e, no futuro, sua exploração poderia ajudar a resolver o problema da escassez de água.
"Nossas descobertas podem ser usadas para melhorar os modelos de processos glaciais, eustáticos, tectônicos e geromórficos do passado nas plataformas continentais e fornecer informações sobre geoquímica, ciclos biogeoquímicos e a biosfera profunda", acrescentaram os autores do estudo.

Água engarrafada com milhares de partículas de microplásticos


Tecnologia low-cost para dessalinizar a agua do mar

Fonte//Actualidad.rt




Chernobyl foi recuperado por plantas. Porquê não morrem elas de câncer?

Chernobyl tornou-se sinônimo de catástrofe. O desastre nuclear de 1986, recentemente trazido de volta aos olhos do público pelo popular programa de TV de mesmo nome, causou milhares de cânceres, transformou uma área antes populosa numa cidade fantasma e resultou na criação de uma zona de exclusão com uma área de 2600 km².
Mas a zona de exclusão de Chernobyl não é desprovida de vida. Lobos, javalis e ursos voltaram a colonizar as florestas exuberantes que cercam a antiga central nuclear.



Photo Pixabay


E quando se trata de vegetação, todas as plantas, exceto as mais vulneráveis ​​e expostas, nunca morreram, e mesmo nas áreas mais radioativas da região, a vegetação recuperou em três anos.
Os seres humanos e outros mamíferos e aves morreriam radiação recebida. Então, por que a vida vegetal é tão resiliente à radiação e ao desastre nuclear?
Para responder a essa pergunta, primeiro precisamos entender como a radiação dos reatores nucleares afeta as células vivas. O material radioativo de Chernobyl é "instável" porque está constantemente lançando partículas e ondas de alta energia que destroem estruturas celulares ou produzem substâncias químicas reativas que atacam o mecanismo das células.




Resíduos nucleares aprisionados nas geleiras ameaçam libertar-se


A maioria das partes da célula é substituível se estiver danificada, mas o DNA é uma exceção crucial. Quando sujeito a altas doses de radiação, o DNA fica mutilado e as células morrem rapidamente.
Doses mais baixas podem causar danos mais sutis na forma de mutações que alteram o funcionamento da célula, por exemplo, fazendo com que ela se torne cancerosa, se multiplique descontroladamente e se espalhe para outras partes do corpo.
Nos animais, geralmente isso é fatal, porque as suas células e sistemas são altamente especializados e inflexíveis.
Pense na biologia animal como uma intrincada máquina na qual cada célula e órgão tem um lugar e um propósito, e todas as partes devem trabalhar e cooperar para que o indivíduo sobreviva.
As plantas, no entanto, desenvolvem-se de uma maneira muito mais flexível e orgânica.
Porque eles não podem se mover, eles não têm escolha senão se adaptar às circunstâncias em que se encontram. Em vez de ter uma estrutura definida como um animal, as plantas alteram-se consoante as circustancias.






Se desenvolvem raízes mais profundas ou um caule mais alto depende do equilíbrio dos sinais químicos de outras partes da planta, bem como condições de luz, temperatura, água e nutrientes.
Criticamente, ao contrário das células animais, quase todas as células vegetais são capazes de criar novas células de qualquer tipo que a planta precise. É por isso que um jardineiro pode cultivar novas plantas a partir de estacas.
Tudo isso significa que as plantas podem substituir células mortas ou tecidos muito mais facilmente do que os animais, seja qual for o dano, causado pelo ataque de um animal ou pela radiação.
E enquanto a radiação e outros tipos de danos no DNA podem causar tumores nas plantas, as células mutadas geralmente não se espalham pela planta, como nos animais, graças às paredes rígidas e interligadas que cercam as células das plantas.


Esses tumores também não são fatais na grande maioria dos casos, porque a planta pode encontrar maneiras de contornar o tecido defeituoso. Curiosamente, além dessa resiliência inata à radiação, algumas plantas na zona de exclusão de Chernobyl parecem estar usando mecanismos extras para proteger seu DNA, mudando a química para torná-lo mais resistente a danos e ativando sistemas para consertá-lo.
Os níveis de radiação natural na superfície da Terra eram muito maiores no passado distante, quando as primeiras plantas evoluiram, de modo que as plantas na zona de exclusão podem estar usando adaptações que remontam a esse tempo para sobreviver.
A vida está agora prosperando em Chernobyl. Populações de muitas espécies de plantas e animais são realmente em maior número do que eram antes do desastre.
Dada a trágica perda de vidas humanas e doenças associadas a Chernobyl, esse ressurgimento da natureza pode surpreendê-lo. A radiação tem efeitos comprovadamente prejudiciais na vida das plantas e pode encurtar a vida de plantas e animais individuais.



Photo Pixabay

Novo reator nuclear elimina resíduos radioativos


Crucialmente, a carga trazida pela radiação em Chernobyl é menos severa do que os benefícios colhidos dos humanos que saem da área. Agora, essencialmente, uma das maiores reservas naturais da Europa, o ecossistema sustenta mais vida do que antes, mesmo que cada ciclo individual dessa vida dure um pouco menos.
De certa forma, o desastre de Chernobyl revela a verdadeira extensão do nosso impacto ambiental no planeta. Por mais prejudicial que fosse, o acidente nuclear foi muito menos destrutivo para o ecossistema local do que para nós. Ao nos afastarmos da área, criamos um espaço para a natureza recuperar.

Stuart Thompson , professor de bioquímica vegetal da Universidade de Westminster 


Futuro da energia nuclear, mais barato e mais seguro


Cientistas afirmam que só há uma saida: Energia Nuclear


Fonte//The Conversation




Paris quer tráfego nos Jogos Olímpicos com táxis voadores


O objetivo de Paris é oferecer aos visitantes dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024, um bom começo, disponibilizando táxis aéreos para locais de torneio direto do aeroporto.
Atualmente, demora cerca de uma hora, de comboio ou autocarro, a percorrer a distância entre o aeroporto Charles de Gaulle e a cidade.


Um protótipo do táxi aéreo "CityAirbus" Photo Phys

Boeing fez voo teste com o seu carro voador


As empresas Aeroports de Paris (ADP), a Airbus e o RATP pretendem transportar os seus passageiros, logo após a chegada ao aeroporto, num táxi urbano voador auto pilotado.
As empresas usaram o Paris Air Show da semana passada para dizer que os Jogos Olímpicos ofereciam a oportunidade perfeita para opera estas máquinas futuristas de decolagem e aterrissagem vertical (VTOL, na sigla em inglês) e que lançariam um estudo de viabilidade.
"Em 2010, pela primeira vez, mais da metade da humanidade vivia em zonas urbanas e achamos que superaremos 60% até 2030", disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury.
"Se tivermos a convicção de que nos próximos cinco, 10, 15, 20 ou 30 anos a baixa altitude é um espaço a ser conquistado, temos que colocar em prática as condições atuais", disse o diretor-geral executivo do ADP Group, Edward Arkwright.

Os aparelhos de VTOL já estão aparecendo, à medida que o mundo procura ir além, ou melhor, voando por cima das autoestradas congestionadas e das crescentes preocupações ambientais.
Existe também a possibilidade do comboio de alta velocidade expresso, projetado para reduzir o congestionamento e o tempo de viagem entre o aeroporto Charles de Gaulle e o centro da cidade, e poderá sufocar esta opção para os Jogos Olímpicos de 2024.
Para o fabricante de aviões Airbus, o gerente de aeroportos ADP e RATP, que administra os serviços de transporte público parisiense, os Jogos são uma oportunidade de mostrar o savoir-faire francês na mobilidade urbana.





A ADP tem até o final do ano para escolher um local para um "Vertiport" capaz de acomodar os táxis aéreos, de um dos 10 aeródromos da região perto de Paris.
A ideia é ter o local pronto em 18 meses, exigindo investimento em infraestrutura de cerca de dez milhões de euros diz Arkwright. Ele acrescenta que o projeto testará o percurso "através de um corredor de helicóptero existente".
O Vahana é o protótipo de assento único da Airbus, totalmente elétrico, para oferecer serviços de mobilidade pessoal em áreas urbanas. O veículo é apresentado na exposição estática da Airbus no International Paris Air Show em 18 de junho de 2019 no Aeroporto Le Bourget, perto de Paris.
A fim de tornar a VTOL uma realidade em 2024, a ADP está trabalhando com a Airbus, que há alguns anos está envolvida em esquemas de mobilidade urbana com propulsão elétrica completa.


 
O Vahana é o protótipo de assento único da Airbus, totalmente elétrico Photo Phys

Táxi aéreo elétrico de cinco lugares fez voo inaugural em Munique




 O fabricante já tem dois modelos de protótipo, o monoposto "Vahana" e a variante de quatro lugares "CityAirbus". Faury explicou que "os dois projetos convergirão para um veículo que responderá aos primeiros casos de uso", e que "esta parceria é uma oportunidade única para desenvolver soluções tecnológicas, um produto, um marco regulatório, um modelo econômico”
"Este projeto reduz as restrições não apenas em termos de infraestruturas, mas também em relação ao tráfego aéreo, pois envolve a experimentação em um corredor específico (aéreo), sendo um lançamento em larga escala que será complicado", disse Jean-Louis Rassineux, chefe de questões de aeronáutica e defesa da Deloitte.
Ainda é necessário desenvolver a autonomia da bateria e a deteção anti colisão, havendo ainda restrições quanto à compatibilidade e à regulamentação do tráfego.






Rassineux advertiu que é necessário haver "níveis de segurança tão rigorosos como os do tráfego aéreo", bem como "valor real agregado aos sistemas de transporte existentes".
A Deloitte estima que o tamanho do mercado de táxis aerotransportados seja de cerca de 17 mil milhões de dólares só nos Estados Unidos até 2040.
No entanto, "ainda há algum caminho a ser percorrido antes que um veículo voador se integre ao transporte urbano", alertou a ministra dos transportes da França, Elisabeth Borne.
Borne, no entanto, vê os movimentos em direção à criação de um serviço embrionário a tempo para os jogos de 2024 como "uma das etapas importantes" para "o surgimento de uma oferta de transporte completa" que seria "integrada e que respeite o meio ambiente".

Aviões eletricos próximos de se tornar realidade


A Uber apresenta o interior do seu táxi voador




Fonte//Phys







segunda-feira, 24 de junho de 2019

Lula gigante filmada no Golfo do México

Não é exatamente o “peixe-diabo” que Julio Verne conjurou nas “Vinte Mil Léguas Submarinas”, nem é provável que “arraste navios para as profundezas”.
Mas ao contrário das fantasias de terror, essa lula gigante, a segunda a ser capturada em vídeo no seu habitat natural, é a primeira a ser vista no Golfo do México.

Uma equipa de investigadores, numa expedição financiada pelo National Oceanic and Atmospheric Administration’s Office of Ocean Exploration and Research, capturou o vídeo no início desta semana a uma profundidade de 759 metros, 100 milhas a sudeste de New Orleans



No blog da NOAA, os drs. Sönke Johnsen e Edith Widder descrevem a lula gigante como um juvenil de 3 a 3,5 metros de comprimento, que foi atraído para um dispositivo de alto mar que imitava uma água-viva brilhante.
Por curiosidade, a maior lula gigante já registada pelos cientistas tinha 13 metros de comprimento e provavelmente pesava perto de uma tonelada.




Os mapas antigos frequentemente mostram serpentes, com o aviso 'aqui há monstros'”, escreveram Johnsen e Widder. "No entanto, os 'monstros' são estes
Mais importante, não encontramos um monstro. A lula gigante é grande e certamente invulgar da nossa perspetiva, mas se o vídeo mostra alguma coisa do caráter do animal, mostra um animal surpreendido por seu erro, recuando depois de atacar algo que a princípio deve ter parecido atraente, mas obviamente não era comida."

Uma equipa de investigadores japoneses registou o primeiro vídeo de uma lula gigante no seu habitat natural, em águas profundas, em 2012, a 14 quilômetros a leste da ilha de Chichi, no Oceano Pacífico Norte.


2018, foi o ano mais quente dos oceanos



Fonte//Huffpost