sábado, 8 de junho de 2019

KLM financia o desenvolvimento do avião futurista “Flying V”

A companhia aérea holandesa KLM está financiando o desenvolvimento de um avião em forma de V projetado para acomodar passageiros nas suas asas para torná-lo mais eficiente em termos de combustível, anunciou a empresa na passada segunda-feira.
A sua forma futurista tornará o "Flying V" mais leve e aerodinâmico, disse a KLM. Os seus projetistas dizem que precisará de 20% menos combustível do que a aeronave mais avançada da atualidade, o Airbus A350.



Photo KLM

NASA esta desenvolvendo aviões elétricos com célula de hidrogenio



Uma versão protótipo do avião pode estar concluída já neste outono, mas uma versão do real e comercial do avião provavelmente não entrará em serviço até pelo menos 2040, segundo a CNN .
A ideia de uma aeronave sustentável que transporta os passageiros, a carga e os tanques de combustível nas asas, partiu de Justus Benad , estudante na Universidade Técnica de Berlim na época, desenvolvido depois pela Universidade Técnica de Delft, na Holanda, que agora está cooperando com a KLM.





Como o avançado Airbus A350, o Flying V será capaz de transportar 314 passageiros e 160 metros quadrados de área para carga, disse a KLM. Terá a mesma envergadura, o que significa que pode operar nos mesmos portões, pistas e hangares.


Photo KLM

Aviões elétricos prestes a revolucionar a indústria da aviação



O Flying-V é mais pequeno que o A350 e tem menos área de afluência em comparação com a quantidade disponível de volume", disse Roelof Vos, líder do projeto na TU Delft. O resultado é menos resistência. Isso significa que o Flying-V precisa de menos combustível para percorrer a mesma distância."


O avião também terá os motores mais econômicos que existem, de acordo com a KLM. Enquanto os modelos atuais ainda usam querosene, ele pode ser adaptado para usar motores elétricos, ajudando a fazer com que o setor de aviação holandês cumpra suas metas de reduzir as emissões de CO2 da aviação em 35% até o final de 2030.



Photo KLM



Aviões eletricos próximos de se tornar realidade


Fonte//Businessinsider





Relacionamentos com robôs sexuais podem se tornar realidade em 2050


Os robôs sexuais já iniciaram uma revolução no século 21, proporcionando uma experiência muito peculiar àqueles que querem apimentar suas vidas. 
Alguns bonecos são tão sofisticados que até mudam a expressão aa face,​​ e possuem vários modos de interação.
Relacionamentos sexuais e românticos com máquinas podem se tornar realidade e substituir completamente a interação humana dentro de três décadas, afirmou Bobbi Banks, neurocientista e treinador de relacionamento, ao site metropolitan.co.uk.


Photo © Photo: YouTube/This Morning

APP AI da" Harmony Sex Doll" lançado em 14 de fevereiro


Primeiro de tudo, porque afasta toda a incerteza e a confusão das emoções humanas, e dá às pessoas controle sobre sua vida amorosa, permitindo-lhes criar o parceiro perfeito, aquele que sempre sonharam, sem medo de serem traídas, rejeitadas, ou ficar com o coração partido após um rompimento inesperado.
"Formar relacionamentos românticos e sexuais com robôs será difundido até 2050. A maneira como vivemos o amor e as ligações está mudando. A tecnologia está tão interligada no nosso dia-a-dia que eu já vi um aumento significativo no número de longas distância e relacionamentos online. As pessoas relatam sentirem-se próximas e emocionalmente ligadas ao seu parceiro romântico, mas também dizem que não ser capaz de ver um ao outro cria sentimentos de ciúme e incerteza da estabilidade do relacionamento ".








No entanto, com toda essa crescente dependência da tecnologia, existem certos riscos de se envolver em qualquer tipo de relacionamento, seja romance ou simples aventura, com um robô, incluindo uma óbvia falta de ligação humana:
"Ter suas necessidades atendidas sempre que é necessário, e sempre conseguir o seu caminho pode levar a níveis mais altos de insatisfação e depressão da vida devido a não ser conseguir lidar com os obstáculos da vida. O que faz um relacionamento humano é aprender a amar uns aos outros, com todos os defeitos e qualidades. Precisamos abraçar as lutas da vida e aprender com a dor, pois é isso que nos torna mais fortes e nos ensina a ser melhor ".

No entanto, muitos robôs modernos são bastante sofisticados. Por exemplo, em março, o dono do primeiro modelo de boneca sexual Harmony no mundo, Brick Dollbanger, revelou que seu novo aplicativo em modo X agora permite imitar o comportamento humano.




Fonte//SputnikNews





sexta-feira, 7 de junho de 2019

Novo recorde nos níveis de CO2 na atmosfera


O dióxido de carbono atmosférico continuou a aumentar em  2019, com a média de maio chegando a 414,7 partes por milhão (ppm) no Observatório de Base Atmosférica de Mauna Loa da NOAA.
A medição é o pico sazonal mais alto registrado em 61 anos de observações no topo do maior vulcão do Havaí e o sétimo ano consecutivo de aumento global nas concentrações de dióxido de carbono (CO 2), segundo dados publicados hoje pela NOAA e Scripps Institution of Oceanography.  O valor do pico de 2019 foi 3,5 ppm maior do que o pico de 411,2 ppm em maio de 2018 e marca o segundo maior valor anual já registado.



Photo Pixabay


É extremamente importante ter essas medições precisas e de longo prazo do CO 2 para entender a rapidez com que a poluição causada pelos combustíveis fósseis está mudando nosso clima, estas são medidas reais da atmosfera. Elas não dependem de nenhum modelo, mas ajudam-nos a verificar as projeções do modelo climático, que subestimam o ritmo acelerado das mudanças climáticas.
A concentração de CO 2 na atmosfera aumenta a cada ano, e o aumento está em aceleração.




 Os primeiros anos em Mauna Loa registraram aumentos anuais de cerca de 0,7 ppm por ano, aumentando para cerca de 1,6 ppm por ano nos anos 80 e 1,5 ppm por ano nos anos 90.
A taxa de crescimento subiu para 2,2 ppm por ano durante a última década, e há evidências conclusivas de que a aceleração é causada pelo aumento das emissões, de CO2.


Photo Pixabay

Empresa sueca produz cortina que purifica do ar dentro de casa


Os dados do Mauna Loa, juntamente com medições de estações em todo o mundo, estão interligados á Rede Global de Referência de Gases do Efeito Estufa da NOAA e produzem um conjunto de dados de pesquisa fundamental para a ciência climática internacional.
O maior valor médio mensal de CO 2 do ano ocorre em maio, pouco antes de as plantas começarem a remover grandes quantidades de gases de efeito estufa da atmosfera durante o período de crescimento do hemisfério norte. No outono norte, inverno e início da primavera, plantas e solos liberam CO 2 , o que faz com que os níveis subam até maio.
Charles Keeling foi o primeiro a observar esta subida sazonal e a subsequente queda nos níveis de CO 2 incorporados nos aumentos anuais, um ciclo agora conhecido como a Curva de Keeling.

Novo projeto pretende limpar o ar de Londres com algas e plantas microscópicas


A ONU perspetiva problemas ambientais, mas também há boas notícias

Fonte//NOAA





Circo alemão usa hologramas em vez de animais vivos

O “ Circus Roncalli ” da Alemanha acabou com a prática frequentemente criticada de fazer shows com animais treinados, optando por uma reforma de alta tecnologia.
Agora, o circo usa hologramas 3D e outras projeções para criar um novo tipo de show com  animais, de acordo com o canal de notícias alemão RP Online, e parece um espetáculo autentico.




Photo CIRCUS RONCALLI

Será que os cães uivam para a Lua Cheia?



Hologramas de cavalos, correndo a volta da pista do circo, um peixe gigante flutuando, um holograma de elefante, equilibrando-se nas duas patas dianteiras, tudo parece real como pode-se ver  no vídeo de 2018 feito pela Optoma, empresa que fez os projetores de hologramas.






A ideia é que o público possa ter a mesma sensação de admiração de ver animais exóticos num espetáculo de circo tradicional, além dos sinos e assobios do CGI, mas como os animais são apenas hologramas, não são maltratados nem encarcerados, como acontecia e ainda  acontece em espetáculos com animais reais
O circo Roncalli começou a usar hologramas no ano passado depois de ter feito shows com animais vivos ate o final de 2017, segundo a RP Online.




"Infelizmente, o circo ficou um pouco manchado com histórias de maus tratos aos animais, mas é assim, com esta tecnologia, o circo pode permanecer vivo", disse Max Schautzer, pivot da TV alemã no vídeo da Optoma.


Táxi aéreo elétrico de cinco lugares fez voo inaugural em Munique



Cientista limpa lago usando nanotecnologia




Fonte//Futurism





quinta-feira, 6 de junho de 2019

Se nada mudar, a civilização pode colapsar em poucas décadas


Uma nova análise da mudança climática feita por um grupo australiano trouxe-nos uma péssima notícia. A civilização pode entrar em colapso até 2050 se ações sérias de mitigação não forem tomadas na próxima década.
O relatório, publicado pela organização Breakthrough National Centre for Climate Restoration, é de autoria do próprio diretor da organização, o pesquisador do clima David Spratt, e de Ian Dunlop, ex-executivo da indústria do combustível fóssil.



Photo Getty Images

A Terra está "no meio de uma extinção em massa"



O documento conclui que a mudança climática é “um risco de segurança” que “ameaça a extinção prematura da vida inteligente” ou a “permanente e drástica destruição de seu potencial para o desenvolvimento de um futuro desejável”.
A tese central do relatório indica que os cientistas estão muito restritos nas suas previsões em como a mudança climática afetará o planeta no futuro próximo. A atual crise climática seria maior e mais complexa do que qualquer outra coisa com a qual a humanidade já tenha lidado antes.
Modelos gerais, como o que o Painel das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC) usou em 2018 para prever que um aumento de temperatura global de 2 graus Celsius poderia colocar centenas de milhões de pessoas em risco, falham em explicar a enorme complexidade dos muitos processos geológicos interligados da Terra, de forma que não conseguem prever adequadamente a escala das consequências potenciais.






E como seria uma imagem precisa do pior cenário possível do futuro do planeta?
 Bom, se os governos dos países de todo o mundo “ignorarem educadamente” o conselho dos cientistas e a vontade do público de descarbonizar a economia (encontrando fontes de energia alternativas), isso pode resultar em um aumento de temperatura global de 3 graus Celsius até o ano de 2050.
Neste ponto, as camadas de gelo do mundo desaparecem, secas brutais matam muitas das árvores na floresta amazônica (removendo uma das maiores compensações de carbono do mundo), e o planeta mergulha em um ciclo vicioso de condições cada vez mais quentes e cada vez mais mortíferas.
Ou seja, em 2050, os sistemas humanos poderiam chegar a um “ponto sem retorno” no qual “a perspetiva de uma Terra praticamente inabitável levaria ao colapso das nações e da ordem internacional”.





No caso, 35% da área terrestre global e 55% da população global estariam sujeitos a mais de 20 dias por ano de condições letais de calor, além do limiar da sobrevivência humana.
Enquanto isso, secas, enchentes e incêndios florestais regularmente assolariam o planeta. Quase um terço da superfície terrestre do mundo se transformaria em deserto. Ecossistemas inteiros entrariam em colapso, começando pelos recifes de coral, as florestas tropicais e os lençóis de gelo do Ártico.
Os trópicos seriam os mais atingidos por esses novos extremos climáticos, destruindo a agricultura da região e transformando mais de mil milhões de pessoas em refugiados.
 Esse movimento em massa de refugiados, juntamente com o estreitamento das zonas costeiras e as severas quedas na disponibilidade de comida e água, poderiam levar a conflitos armados sobre recursos, talvez culminando em guerra nuclear.



Photo Shutterstock

O que pode provocar o fim da humanidade?


O resultado, de acordo com a análise, é “caos total” e talvez “o fim da civilização humana como a conhecemos”.
Como essa visão catastrófica do futuro pode ser evitada?
De acordo com os autores do relatório, a raça humana tem cerca de uma década para agir e evitar que o aumento da temperatura ultrapasse 1,5 graus Celsius, em vez de 3 graus Celsius.
Para isso, será necessário um movimento global de transição da economia mundial para um sistema de emissão zero de carbono. Alcançar emissões zero requer não emitir mais carbono ou equilibrar as emissões com a remoção de carbono.
O esforço para isso “seria semelhante em escala à mobilização de emergência da Segunda Guerra Mundial”, de acordo com os pesquisadores.



Fonte//LiveScience





quarta-feira, 5 de junho de 2019

Grande extinção do passado com semelhanças aos dias de hoje


Houve um tempo em que a vida na Terra quase acabou. A "Grande Morte", a maior extinção que já ocorreu no planeta, aconteceu há cerca de 250 milhões de anos e foi em grande parte causada por gases de efeito estufa na atmosfera.
 Agora os cientistas estão começando a ver alarmantes semelhanças entre a Grande Morte e o que está acontecendo atualmente em nossa atmosfera.
Os cientistas estão evidenciando essa semelhança numa nova exposição no Museu Nacional Smithsonian de História Natural, em Washington, DC



Photo Lynette Cook/Science Source


A Terra está "no meio de uma extinção em massa"



A joia da coroa da exposição Deep Time é o primeiro verdadeiro Tyrannosaurus rex do museu. Seu esqueleto está sobre os ossos de um tricerátopo caído, com um pé com garras segurando o infeliz herbívoro e as mandíbulas presas na cabeça.
O tema da exposição é, na verdade, a inter ligação da vida através do tempo geológico. A exposição mostra, por exemplo, como as plantas da base da cadeia alimentar suportavam tudo, de insetos a apatossauros de 20 toneladas. E como os insetos ajudaram a moldar o tipo de floresta que evoluiu e mudou ao longo de milhões de anos.


É explicado na seção da exposição sobre a Grande Morte. Cerca de 250 milhões de anos atrás, um enorme campo vulcânico entrou em erupção no que hoje é a Sibéria. Ele expeliu lava que queimava através de camadas de calcário e carvão e encheu a atmosfera com dióxido de carbono e poluição, possivelmente durante alguns milhões de anos. Isso, por sua vez, aqueceu o planeta, tornou os oceanos ácidos e reduziu oxigênio. Mais de 90% das espécies nos oceanos morreram, assim como dois terços da vida em terra.


Photo Smithsonian

Os mamíferos podem não evoluir o suficientemente rápido para escapar da atual crise de extinção



Houve outras extinções em massa, como a que varreu os dinossauros há cerca de 65 milhões de anos, mas esta, no final do Período Permiano, foi causada principalmente pelo excesso de dióxido de carbono que subiu para a atmosfera. E o Smithsonian observa frequentemente na sua exposição que o atual aquecimento do planeta é um déjà vu.
Curtis Deutsch , da Universidade de Washington, cuja pesquisa ajudou a informar os curadores do Smithsonian afirma, "As mesmas coisas que causaram a Grande Morte estão acontecendo agora no nosso oceano hoje como resultado das atividades humanas, não no mesmo grau, mas na mesma direção."





Atualmente, o planeta aqueceu a quase 2 graus Fahrenheit, em média, acima do que era antes da revolução industrial, embora no ritmo atual pudesse aquecer vários graus a mais. A Grande Morte viu um aumento de temperatura de quatro ou cinco vezes esse valor.
Mas isso aconteceu gradualmente. Então Deutsch recriou o efeito a estufa da Grande Morte num computador, num modelo que simula o aquecimento, para ver como as espécies atuais no oceano se comportam.
A primeira coisa que acontece é uma perda local de espécies quando elas começam a se movimentar em resposta ao aquecimento.



Photo Smithsonian

O que pode provocar o fim da humanidade?


Mas algumas partes do planeta foram mais indulgentes." Descobrimos algo que foi surpreendente e novo, "explica Deutsch," a extinção era muito forte em toda parte, mas era ainda mais forte perto das partes frias da Terra, perto dos oceanos polares",
Faz sentido, diz ele, os animais que vivem perto do equador podem migrar em direção aos polos para encontrar água mais fria, mas aqueles que já vivem em águas frias e ricas em oxigênio, próximas aos polos, não têm para onde fugir.
Deutsch diz que a experiencia é uma janela para o futuro, até mesmo o presente. Algumas espécies marinhas já estão migrando, e para Deutsch, essa migração parece familiar. "Nós vemos a resposta das espécies marinhas a essas mudanças hoje que se parecem com o que achamos ter acontecido no final do Permiano", diz ele.


A exposição do Smithsonian faz referências explícitas à ameaça da mudança climática causada pelo homem, recebeu financiamento do industrial David Koch, conhecido por apoiar grupos que contestam o consenso científico sobre a mudança climática.
Wing, o orador, diz que fazer a comparação entre a Grande Morte e o que está acontecendo agora é uma mensagem que precisa ser ouvida. "Ultrapassamos o quadro de nossa própria história", diz ele sobre a raça humana. "Porque somos tão poderosos, somos basicamente uma força geológica agora, assim como uma força humana".

Uma força que está mudando as condições de vida no planeta.



A extinção de espécies de insetos indica “colapso da natureza"


Fonte//NPR

terça-feira, 4 de junho de 2019

Marinha americana instala arma laser nos destroyers


A Marinha dos Estados Unidos acaba de revelar qual navio será o primeiro a receber o Laser de Alta Energia Ótico Integrado (HELIOS), uma potente arma antimíssil a laser. 
O destroyer USS Preble, que opera na base naval de Pearl Harbor, será equipado com o HELIOS em 2021. 


Photo Defense

A China está construindo drones submarinos para defender mar do Sul da China



A arma será o sistema de defesa contra mísseis ou outros ataques aéreos direcionados para os EUA, seus territórios ou frotas. Atualmente, a Marinha usa uma arma Gatling chamada Phalanx para se defender contra ataques aéreos.
A Lockheed Martin, empresa fabricante de produtos aeroespaciais, conseguiu em 2018 o contrato de US$150 milhões com a Marinha americana para desenvolver o sistema de defesa a laser que pudesse ser usado tanto em destroyers quanto em bases na terra.
Este sistema foi projetado para fazer a defesa contra mísseis, foguetes e artilharia, de acordo com o Defense News. Pode também atingir drones e outras naves não tripuladas que se aproximarem sem autorização das frotas da Marinha americana. 





Inicialmente, o laser será usado para confundir os sensores de mísseis ou naves inimigas. Ele tem energia de 60 quilowatts, com potencial de aumento de 150 quilowatts.
Segundo a Lockheed Martin, um sistema de 10 quilowatts pode vencer alvos aéreos pequenos com a “velocidade da luz” e um sistema de 30 quilowatts pode destruir um alvo estacionário como um camião.
A Marinha americana testou em 2014 um sistema de laser de 30 quilowatts a bordo do USS Ponce, e derrubou um Scan Eagle, um pequeno avião não tripulado.



Photo Defense

Novo programa 'Star Wars' SpaceX está a estudar implantar armas em orbita dos EUA


Os lasers podem ser usados no lugar de mísseis defensivos, para que esses mísseis caríssimos sejam reservados apenas para ameaças sofisticadas. Os desafios desta tecnologia incluem desenvolver uma fonte de energia forte o suficiente para os lasers.
A Rolls-Royce irá fornecer a fonte de energia e um sistema de administração térmica para o HEL TVD, o sistema de laser desenvolvido para veículos de terra do exército americano, como camiões militares de tamanho médio.
O exército dos EUA também pretende incluir esta arma em outros veículos, como tanques e drones.


Coreia do Norte usa hackers para desviar dinheiro e financiar armas nucleares


Fonte//DefenseNews





O reator nuclear avançado da ThorCon


Já se passaram 30 anos desde que os Estados Unidos construíram  a ultima central nuclear.
Uma série de novos projetos surgiram e, graças aos avanços nas técnicas e capacidades informáticas e ao conhecimento adquirido foram aparecendo novos projetos, e muitos deles estão prontos para serem construídos, sendo economicamente muito viáveis.



Photo ThorCon


Nos últimos anos, tem havido um crescente consenso entre os cientistas de que a energia nuclear é fundamental para mitigar os piores efeitos do aquecimento global. Os Estados estão mudando de Renewable Energy Mandates para Clean Energy Standards, neutros à tecnologia, onde se inclui a energia nuclear.
Por isso, é bom que o desenvolvimento de novas tecnologias nucleares esteja mais avançado do que a maioria das pessoas pensa. Muitas novas empresas nucleares emergentes surgiram nos Estados Unidos, na China e no Canadá, especialmente aquelas que projetam pequeno reatores modulares (SMRs).
É importante ressaltar que todos são seguros, o que significa que o reator simplesmente não vai derreter ou causar qualquer um dos pesadelos que as pessoas pensam quendo ouvem falar da energia nuclear. Apenas desliga e arrefece.








A Canadian Nuclear Laboratories anunciou a tecnologia SMR como uma prioridade de pesquisa e o Canadá agora tem um roteiro, e prometeu construir uma planta de demonstração SMR no seu site até 2026. 
A China também está indo rapidamente na sua SMR Linglong One de 100 MW , devendo gerar calor para um distrito residencial, substituindo caldeiras a carvão.
Enquanto alguns projetos de SMR são baseados no reator de água leve tradicional que usa urânio levemente enriquecido, outros envolvem sal fundido e outros combustíveis, como tório e tório + urânio.
Um destes reactores é o ThorCon , um reactor de fissão com um combustível líquido salino contendo tório + urânio. Um protótipo ThorCon de 500 MW em escala real deve poder ser construído e operado dentro de quatro anos.
Os reatores de sal fundido não são completamente novos. Os Estados Unidos conduziram com sucesso uma Experiência de Reator de Sal Fundido ( MSRE ) no Laboratório Nacional de Oak Ridge nos anos 50.


Photo ThorCon


Testes de irradiação em uma mistura de sais de fluoreto de lítio e tório estão em andamento no High Flux Reactor em Petten, na Holanda. A Energia Terrestre também está desenvolvendo um Reator de Sal Fundido Integrado .
Mas o ThorCon adota uma abordagem diferente na laboração. Ele seria completamente fabricado em blocos de 150 a 500 toneladas num estaleiro, montado e depois rebocado para o local, produzindo melhorias de ordem de grandeza em produtividade, controle de qualidade e tempo de construção.
A gênese da ThorCon está na produção de navios, uma das poucas indústrias a serem refinadas para a construção de grandes tecnologias complexas. O Hellespont Fairfax, o maior petroleiro de casco duplo já construído, é um dos oito navios construídos pela empresa antecessora da ThorCon. Foi construído em menos de 12 meses e custou 89 milhões de dólares em 2002.


A ThorCon é projetada para levar a qualidade e a produtividade do estaleiro ao poder da fissão. Mas a estrutura da ThorCon é mais simples e muito mais repetitiva do que a construção de um grande navio. A ilha de fissão emprega chapa de aço, paredes de sanduíche cheias de concreto ou areia. Isso resulta em um edifício forte, hermético, dúctil. Uma linha de painéis adequadamente implementada será capaz de produzir esses blocos usando menos de 2 homens-hora por tonelada de aço.
Cada fábrica da ThorCon é baseada em um ou mais cascos, cada um contendo dois módulos de potência de 250 MWe, um turbogerador supercrítico de 500 MW, disjuntores isolados a gás (GIS), uma lagoa de calor de decaimento e auxiliares (veja a figura acima). A ilha da fissão está na extremidade dianteira do casco. A ré da ilha de fissão está a célula geradora de vapor (SGC). À popa do SGC está a sala de turbinas, que contém o turbogerador, o excitador, os condensadores, os aquecedores de ar, as bombas e o tratamento de condensado.
Um único grande pátio de reatores pode produzir vinte gigawatts por ano, fornecendo eletricidade limpa, confiável e livre de CO2 a $3 / kWh, mais barato que o carvão.








A operação de reatores de sal fundido é inerentemente fácil. Em vez de construir componentes que duram 40 ou mais anos num ambiente extremamente difícil, com pouca manutenção, a ThorCon foi projetada para substituir todas as peças-chave regularmente, com pouca interrupção na produção de energia.
A cada quatro anos, todo o ciclo primário é substituído, devolvido a uma instalação de reciclagem centralizada, descontaminado, desmontado, inspecionado e recondicionado. Os upgrades podem ser introduzidos sem interromper significativamente a produção de energia
É claro que este reator, como a maioria dos SMRs, é seguro. Como o combustível ThorCon é um sal líquido, se o reator superaquecer por qualquer motivo, o ThorCon irá se desligar e manejar passivamente o calor de decomposição. Sem energia, sem máquinas, não é necessária nenhuma operação ou intervenção humana.
Os operadores, não podem fazer nada para impedir o desligamento e o arrefecimento seguros. O combustível derramado simplesmente flui para um tanque de drenagem, onde é arrefecido passivamente. Os produtos de fissão problemáticos, incluindo I-131, Sr-90 e Cs-137, são quimicamente ligados ao sal e vão acabar no tanque de drenagem também.



Photo ThorCon

A ThorCon combina um coeficiente de temperatura fortemente negativo com uma enorme margem de segurança de temperatura entre a temperatura de operação de 700 ° C e a temperatura de ebulição do combustível (1430 ° C).
A construção também é uma estrutura extremamente forte. Não pode ser penetrado nem mesmo por um jato da Boeing num impacto perpendicular a 400 nós. O casco, que é uma barreira dupla, é apenas uma de pelo menos três barreiras contra gases entre o sal de combustível e a atmosfera. O silo é uma estrutura estanque ao gás.
Mas mesmo se fossem, não há mecanismo interno de dispersão. O reator ThorCon opera a uma pressão quase igual a pressão atmosférica ambiente, aproximadamente o mesmo que uma mangueira de jardim de quintal. No caso de rutura primária, há pouca energia de pressão e nenhuma mudança de fase de líquido para gasoso. O combustível derramado simplesmente flui para o tanque de drenagem, onde é arrefecido passivamente e endurece para formar um sólido.

ThorCon é um conversor de tório. A carga inicial de combustível é em grande parte de tório. Durante o ciclo de combustível de oito anos, uma porção do tório fértil é convertida em U-233 físsil, que então se torna parte do combustível. Cada ThorCon exigirá apenas cerca de 5 kg de urânio enriquecido 19,7% e 9 kg de tório por dia, em média, para produzir 4.000.000.000 kWh de eletricidade, segura, livre de poluição e livre de CO2 por ano, gerando apenas um barril de lixo a cada quatro anos. Não esquecer que uma central de carvão normal leva 10 mil toneladas de carvão por dia, ou pouco menos de 15 milhões de toneladas no mesmo período de quatro anos.
O consumo líquido de urânio da ThorCon é menos da metade do consumo de um reator tradicional, devido à sua maior eficiência térmica, remoção de Xe-135 e produção de tório por U-233.
Uma vez que precisamos triplicar a energia nuclear no mundo dentro de 20 anos, a fim de ter alguma esperança de mitigar os piores efeitos do aquecimento global, além de trazer as energias renováveis ​​o mais rápido possível, essa é uma ótima maneira programarmos o nosso futuro.

Novo reator nuclear elimina resíduos radioativos

Os painéis solares fotovoltaicos em forma de telha são o futuro


Fonte//Forbes





segunda-feira, 3 de junho de 2019

O maior avião do mundo poderá ter feito o primeiro e ultimo voo

O que sabe sobre o Spruce Goose( Ganso de abeto), construído pelo excêntrico, e pioneiro do cinema Howard Hughes? 
O  Hughes Flying Boat foi considerado o maior avião construído com uma envergadura maior que um campo de futebol com o objetivo final de transportar 700 soldados para a batalha .


Photo Stratolaunch

NASA esta desenvolvendo aviões elétricos com célula de hidrogenio


Como muitas das criações do inventor, o avião foi considerado um grande feito inovador na época, prometendo uma nova era no transporte para os militares. No entanto, logo após um voo de teste bem-sucedido, o avião nunca mais voltou a voar.
Parece que a história está prestes a repetir-se. A Stratolauch, empresa fundada pelo falecido bilionário Paul Allen, co-fundador da Microsoft, está fechando e parando as operações segundo fontes da Reuters .



Isso é um choque, já que a empresa testou com sucesso sua aeronave Stratolaunch no início deste ano, prometendo desafiar as empresas aeroespaciais tradicionais numa nova corrida espacial.
Segundo Ars Technica, os rumores de encerramento da empresa têm prevalecido desde a morte de Paul Allen. A maioria achou que os rumores eram verdadeiros quando a empresa abandonou seus planos originais de criar a série de foguetes para seu avião principal.








O avião em si foi um grande sucesso. Em voo em abril passado, a aeronave Stratolaunch ganhou o título de maior avião do mundo, com uma envergadura de 117 metros. Durante o voo de teste, o avião atingiu velocidades de 304 km/h e altura de 17.000 pés durante seu voo de 150 minutos . Apesar de levar oito anos para fazer, o avião não tinha sido testado desde então.







O avião era a promessa de contribuir para a visão global da Stratolaunch, que inclui a redução do custo dos voos espaciais, bem como facilitar o lançamento dos foguetes em órbita baixa. Segundo a Reuters, "a Stratolaunch planeava que o foguete de médio porte voaria em 2022 e disse que estava nos estágios iniciais de desenvolvimento de uma versão com maior capacidade de carga útil. Também disse que projetava um avião espacial reutilizável para transportar carga da Terra para o espaço, e uma versão de acompanhamento que poderia transportar as pessoas ".
No momento, empresa da empresa privada de Paul Allen, a Vulcan Inc. está atualmente estudanto a possível venda dos ativos e da propriedade da Stratolaunch.      


Aviões elétricos prestes a revolucionar a indústria da aviação



Stratolaunch abandona projeto de foguetes mas mantem o super avião

Fonte//Interestingengineering




Será que os cães uivam para a Lua Cheia?



A mitologia que conhecemos desde criança é justamente de que os cães e lobos se unem e uivam sempre a Lua cheia aparece no céu, entretanto... Será que isso é verdade ou fruto da imaginação?

Os lobos, antepassados dos cães, eram conhecidos pelo seu uivo noturno, sem no entanto ter qualquer relação com a Lua cheia. 



Photo Pixabay

Crocodilo jurássico lança luz sobre a árvore genealógica



Ao uivar, eles erguiam a cabeça para o som se propagar mais longe e assim, conseguissem comunicar a maiores distâncias. Porém isso não tinha nenhuma relação com olhar para a Lua e uivar para ela, até porque esse comportamento ocorria regularmente, e independente da fase em que a Lua se encontrava.
Sim isso são os lobos, mas e os cães? Por que uivam e acordam os vizinhos todas as noites? Isso acontece porque quando o sol se esconde, o som se propaga muito mais devido menor poluição sonora. Existem menos carros a circular e máquinas em operação, pessoas conversando e outros ruídos. Isso faz com que o alcance auditivo do cão seja melhor, fazendo-o ouvir o que acontece a longas distâncias. Ao ouvir o uivo de um “amigo canino”, é claro que ele irá responder causando uma grande sequência de uivos prolongados que nada mais são do que uma saudável conversa. Quer dizer, saudável para eles. Quem trabalha cedo no dia seguinte discorda.







Além disso, uivos podem também sinalizar outros problemas. Assim como nós, os cães também sentem medos e fobias de objetos como balões, faróis ou qualquer coisa que flutue sobre suas cabeças assim... como a Lua! Então, se sente medo, o primeiro reflexo que possui é chorar e uivar em busca de socorro! Se suspeita que este pode ser o problema, basta deixar o seu cão dentro de casa durante a noite num local seguro onde não possa ver o objeto que lhe causa medo. Se não funcionar, com certeza tem um problema, e para isso aconselhamos a visita a um treinador capaz de ensina-lo obedecer.



Photo Pixabay

Crocodilo jurássico lança luz sobre a árvore genealógica


Os uivos também podem ser sinal de dor, então fique atento. O ideal é sempre procurar um veterinário de confiança para tirar as dúvidas necessárias. O seu cão, através da linguagem corporal, diz sempre o que está acontecendo e sem dúvidas um profissional irá entender muito melhor do que nós. O que importa é que agora sabe que não há qualquer relação dos uivos com a Lua Cheia e que existe uma razão real para seu cão estar acordando a vizinhança durante a noite. Você conhecia essas informações?
 Comente! Já passou por este problema em casa?
Como resolveu? Comente também!


Crocodilo jurássico lança luz sobre a árvore genealógica


Cientistas dão enorme passo para clonar mamutes lanosos