sábado, 25 de maio de 2019

Os carros vão mudar mais na próxima década do que no ultimo século


Embora pensemos que os nossos carros mudaram nos últimos 100 anos,  a verdade é que evoluiram mas a maneira como os conduzimos pouco mudou.
 Mas a mudança radical está chegando. Na próxima década, não apenas a energia motriz mas todo o conceito automóvel mudará completamente, e deixaremos de ser condutores.



Photo Pixabay

Hidrogénio, vantagens e desvantagens


Alguns carros já têm recursos básicos de automatização, mas os experiencias automóveis que atualmente estão sendo realizados por empresas como Uber e Google compõem uma pequena percentagem dos veículos que circulam nas nossas estradas. Até 2030, o carro padrão evoluirá de ajudas o motorista para assumir o controlo total de todos os aspetos da condução na maioria das condições de trânsito.





Essa automatização generalizada, juntamente com a eletrificação e o aumento da interligação tanto do carro quanto da sociedade, devem mudar a indústria automóvel de uma forma significativa, afetando tudo, desde a aparência dos carros até a maneira como passamos o tempo dentro deles, e principalmente como nos transportam do ponto A para o ponto B.
A primeira grande diferença que vamos notar entre os carros de hoje e os de 2030 são seus nomes. Assim como a Apple e a Samsung assumiram um mercado de telefonia móvel que a Nokia e a Blackberry dominaram, Tesla, Apple, Dyson e Google poderiam se tornar as marcas automóvel mais reconhecidas do futuro.





Eles provavelmente vão parecer muito diferentes também. Vistos de fora, as grandes entradas de ar e as grades frontais que refrigeram nossos motores de combustão não serão mais necessárias, enquanto os espelhos retrovisores serão substituídos por câmaras e sensores. As janelas podem ser maiores para permitir que os passageiros, que não precisam conduzir, aproveitem a vista ou quase não exijam privacidade. O Mercedes-Benz Vision URBANETIC demonstra estes novos visuais radicais com um veículo modular que pode mudar de corpo para movimentar cargas ou pessoas.
O interior dos carros será muito mais flexível, alguns permitindo a personalização de cor, luz, privacidade e layout com o toque de um botão. O recente carro conceito 360c da Volvo prevê um espaço multifuncional que pode se transformar numa sala, num escritório e até num quarto.






Os para-sol tornar-se-ão coisa do passado, com vidro inteligente que nos permite controlar a quantidade de luz do dia que entra ao toque de um botão. As portas do carro conceito Mercedes F015 possuem telas extras que podem funcionar como janelas ou sistemas de entretenimento.
Muitos carros serão equipados com sistemas de realidade aumentada, que irão sobrepor visuais gerados por computador no para-brisas ou noutras áreas de exibição adequadas, para aliviar o stress do passageiro.





Os motoristas poderão comunicar com os seus carros por meio de comandos verbais ou gestuais. Em modelos de ponta, podemos até ver algumas versões antigas de interfaces cérebro-computador, que associariam padrões de atividade cerebral a comandos para controlar o carro ou entreter os ocupantes. Tecnologia semelhante já foi usada para controlar membros protéticos e cadeiras de rodas.
A Internet sempre crescente em tudo tornar-se-á fundamental para a forma como nossos carros integrados nos transportam e comunicam-se com o mundo. Sensores projetados para reconhecer e se comunicar com sinais de trânsito atualizados, marcações, redes de câmaras, pedestres e outros veículos permitirão que os carros sincronizem seus movimentos, minimizando o consumo de combustível e melhorando o fluxo de tráfego. Os carros também poderão ajudar as autoridades a manter as infraestruturas rodoviárias, por exemplo, com sensores de pneus que os notificam sobre a deterioração das condições da estrada.




Quando os humanos escolhem conduzir, a tecnologia alerta os motoristas sobre colisões iminentes com outros veículos tenta evitá-los. É provável que as melhorias na tecnologia de sensores térmicos permitam que os carros vejam além da faixa de iluminação dos faróis dos carros. Se suficientemente padronizado e legislado para, essas tecnologias devem reduzir substancialmente o número de acidentes rodoviários, embora provavelmente após um pico inicial.
Embora os motoristas rurais provavelmente ainda possuam os seus carros, nas cidades não serão proprietários de automóveis e usarão veículos no género da Uber mas num patamar mais elevado. Em Moscovo, já são feitas diariamente 9 milhões desses trajetos, mais de 30 vezes mais do que no início de 2018.



Vários países e cidades anunciaram proibições da venda de novos carros a gasolina e diesel num futuro próximo, muitos até 2030. Os veículos mais antigos ainda estarão na estrada, portanto é improvável que os postos de gasolina desapareçam até essa data. No entanto, os fabricantes de automóveis já estão cada vez mais interessados em veículos que suportarão os combustíveis do futuro.


Precisamente como será esse futuro, não se sabe. A incerteza sobre se os carros híbridos atualmente populares serão incluídos na proibição de veículos pode desencorajar empresas e consumidores de investir muito nesse caminho. Os veículos totalmente elétricos representam apenas 2% do mercado global no momento, mas como seu preço cairá abaixo dos carros a gasolina até meados dos anos 2020 , sua participação de mercado certamente aumentará.






Depende também ainda da autonomia e tempo de carregamento, e neste momento os governos investem em redes de carregamento elétrico. Esperamos que os veículos totalmente elétricos sejam pelo menos uma opção viável para uma ampla gama de motoristas até 2030, mas avanços tecnológicos inovadores imprevisíveis poderiam facilmente mudar o futuro do combustível para veículos. Por exemplo, os cientistas estão trabalhando duro para resolver as dificuldades de produção e armazenamento que atualmente limitam o potencial de veículos movidos a hidrogênio limpos, de rápido abastecimento e de longo alcance.
O ano de 2030 pode não parecer muito distante, mas uma década é muito tempo para a tecnologia mudar. Em 2008, o primeiro iPhone acabara de ser lançado, e a mudança climática era uma questão de fundo para os governos e a comunicação social. Agora, a tecnologia e o discurso ambiental estão mudando a um ritmo sem precedentes. Portanto, não se surpreenda se olhar para os carros de hoje dentro de uma década e se perguntar: Como é que conseguimos mudar tanto??.


Grandes camiões da Nikola Motor movidos a hidrogénio




Fonte//The Conversation

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Hidrogénio, vantagens e desvantagens


O hidrogénio é um elemento químico que está à temperatura ambiente se encontra no estado gasoso. É o elemento mais abundante do Universo e do principal constituinte das estrelas. O hidrogénio é o elemento leve e de elevado valor energético. Não é tóxico. Não é nocivo para o ambiente. 

Toyota Movido a Hidrogenio Photo Ciclovivo

Novo reator nuclear elimina resíduos radioativos


É o melhor combustível para motores de combustão sendo sem dúvida o combustível do futuro. Não se encontra na natureza, o que o torna dispendioso e vamos ver porquê. O hidrogénio é um gás mais leve do que o ar. Na sua forma natural está, sempre associado a outros elementos.
É uma alternativa dispendiosa mas, até pode ser uma escolha mais acertada.
Atualmente, o hidrogênio é muito usado como combustível na NASA.
As energias e as funções do hidrogênio são voltadas para as culminarmos nos benefícios do organismo, como dissemos, pode ser uma alternativa de futuro.
Principais vantagens e desvantagens do hidrogénio




Desvantagens do hidrogénio


Alternativa cara;
Requer uma utilização de metais nobres;
Implica custos de transporte e distribuição;
Não se encontram isolados na natureza;
Tem uma relação de dependência de hidrocarbonetos, petróleos e seus derivados;
Altamente reativo.
Vantagens do hidrogénio
Não é tóxico;
É o elemento mais abundante no Universo;
Grande potencial no setor dos transportes;
Grande densidade energética;
Baixo nível de emissão de gases para efeito estufa;
Redução da poluição sonora já que se trata de um processo silencioso;
De fácil armazenamento
Pode ser usado na produção de energia;
Alternativa ecológica que pode ajudar a economia dos países a permitir a criação de postos de trabalho e o desenvolvimento económico.



Photo Going Green

NASA esta desenvolvendo aviões elétricos com célula de hidrogenio


Futuro da energia nuclear, mais barato e mais seguro











Asteroide com lua passa perto da Terra fim-de-semana


Os astrônomos esperam que um asteroide conhecido como 1999 KW4 passe pela Terra por volta das 19h05 (horário de Brasília) no sábado, e o mais interessante é que esse asteroide tem a sua própria lua.


Photo European Space Agency

Pela segunda vez na história, uma nave espacial terrestre aterra num asteróide



"É um caso muito raro e na historia recente não há relato de algo semelhante", disse o cientista planetário Vishnu Reddy à NBC News . "Isso é o que o torna muito interessante."
O Asteroide 1999 KW4 tem 1,5 km de largura. Isso é cerca de três vezes o tamanho de sua lua, que tem uma largura de cerca de 0,5 km.






Mesmo passando próximo da Terra, os asteroides passarão a mais de 3 milhões de milhas de distância, pelo que não há nenhum risco de cocharem com o nosso planeta. Na verdade, passarão tão longe que não serão visíveis a olho nu.
Após esta passagem, só voltarão a passar por cá em 2036, por isso se pretende os ver, muna-se de um telescópio e veja-os no sábado á noite

Asteroide pode provocar 'inverno cósmico' na Terra


Asteróide Oumuamua pode ser nave espacial




Fonte//Futurism


quinta-feira, 23 de maio de 2019

A subida do nível do mar pode ser bem maior que o esperado


Os cientistas preveem que os níveis globais do mar podem subir muito mais do que o previsto, devido à aceleração do derretimento na Groenlândia e na Antártida.
Ate a data os cientistas previam que os oceanos subiriam em um máximo de pouco menos de um metro até 2100.
Este novo estudo, baseado em opiniões de especialistas, estima que o nível pode ser o dobro.
Isso levaria forçosamente ao deslocamento de centenas de milhões de pessoas, dizem os autores.




A questão do aumento do nível do mar foi uma das questões mais controversas levantadas pelo Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC), quando publicou o seu quinto relatório de avaliação em 2013.
Foi salientado que o aquecimento continuado do planeta, sem grandes reduções nas emissões, aumentaria o nível das águas entre 52cm e 98cm até 2100.
" A vontade política está diminuindo enquanto a situação piora", disse António Guterre


Muitos especialistas acreditam que esta foi uma previsão muito conservadora.
Os cientistas também estão preocupados com o fato de que os modelos usados ​​atualmente para prever a influência de grandes camadas de gelo no nível do mar não abordam a realidade atual.
Para tentar obter uma perspetiva mais exata, alguns dos principais investigadores da área realizaram o, denominado, estudo estruturado de julgamento por especialistas, em que os cientistas fazem previsões baseadas no seu conhecimento e compreensão acerca do que está acontecendo na Groenlândia, Oeste e Leste da Antártida.






Na opinião destes investigadores, se as emissões continuarem ao ritmo atual, os oceanos de todo o mundo provavelmente subirão entre 62cm e 238cm até 2100. Isso aconteceria com o planeta tendo um aquecimento de por cerca de 5C, sendo este um dos piores casos cenários para o aquecimento global.
Um pequeno barco no Fiorde de Gelo Illulissat, no oeste da Groenlândia, superado por icebergs que pariram a maior geleira da Groenlândia, Jacobshavn Isbrae
O relatório do IPCC em 2013 considerou apenas o que é "provável" de acontecer, o que, em termos científicos, significa que eles analisaram 17-83% do leque de possibilidades.
Este novo estudo analisa uma gama mais ampla de resultados, analisando entre 5-95% das estimativas.



Photo Pixabay

A Terra está "no meio de uma extinção em massa"


Para a temperatura esperada subir até 2ºC, o manto de gelo da Groenlândia continua sendo o quem mais contribui para o aumento do nível do mar. No entanto, à medida que o aumento das temperaturas vai além dos 2ºC, as camadas de gelo da Antártida, muito maiores, começam a derreter.
"Quando se começa a olhar para esses valores, os especialistas acreditam que há uma probabilidade pequena, mas estatisticamente significativa, de que a Antártida Ocidental passe a um estado muito instável e partes da Antártida Oriental também o façam". disse o professor Bamber.
"Mas é nas probabilidades de aumento para 5ºC que teremos esse maior problema”
Segundo os autores, esse cenário teria enormes implicações para o planeta.






Eles calculam que a Terra perderia uma área de terra equivalente a 1,79 milhão de quilômetros quadrados, equivalente ao tamanho da Líbia.
Muitas das perdas de terra estariam em importantes áreas de cultivo de alimentos, como o delta do Nilo. No Bangladesh seria muito difícil as pessoas continuarem a viver. Grandes cidades, incluindo Londres, New York e Xangai, estariam ameaçadas.
"Para comparaçao, a crise de refugiados na Síria resultou em cerca de um milhão de refugiados chegando à Europa", disse o professor Bamber.
"Isso é cerca de 200 vezes menos do que o número de pessoas que seriam deslocadas com um aumento de 2 metros no nível do mar."



Photo Pixabay

Cientistas de Cambridge querem voltar a arrefecer os polos norte e sul


Os autores afirmam que ainda há tempo para evitar esse tipo de cenário. Basta tomarem medidas que resultem em grandes cortes nas emissões nas próximas décadas. Eles reconhecem que as probabilidades de atingir esse limite de 5ºC nesse intervalo de tempo são pequenas, a volta de 5%, mas não devem ser descoradas.
"Mesmo uma probabilidade de 1% significa que uma grande inundação é algo que poderia acontecer ao longo da sua vida. Eu achoque é uma probabilidade de 5%, é um risco sério."
Outros especialistas afirmaram que os resultados do grupo de especialistas foram muito significativos.
"Esse tipo de pesquisa de especialistas é importante, porque os modelos de computador não são perfeitos para prever o futuro", disse Tamsin Edwards, do King's College London.




quarta-feira, 22 de maio de 2019

Astrónomo afirma conhecer “muito bem” a órbita do mítico Planeta X


Um astrónomo afirmou recentemente conhecer a órbita do famoso Planeta X, também conhecido como nono planeta do Sistema Solar, apesar de não existirem observações conhecidas do hipotético astro.
O Planeta X é um mito que, se existisse, teria cerca de dez vezes a massa da Terra, orbitando a extremidade mais distante do Sistema Solar, no Cinturão de Kuiper. O facto deste planeta invisível ser tão grande poderia explicar por que motivo alguns corpos celestes do Cinturão de Kuiper surgem aglomerados, devido à gravidade de um grande planeta.



Photo MARC WARD/SHUTTERSTOCK


Impacto gigante causou diferença entre os hemisférios da Lua



A existência de um nono planeta foi sugerida pela primeira vez em 2016 por astrónomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos. O professor Michael Brown, que originalmente inventou a teoria do astro em questão, está convicto de que os cientistas não estão muito longe de descobrir finalmente o hipotético planeta.
 Michael Brown deu uma entrevista recentemente, na qual revela que está muito otimista em relação à identificação da órbita do misterioso Planeta X. “Se soubéssemos exatamente onde está o Planeta X, não teríamos que deduzir, iríamos apenas olhar para o astro e dizer: ‘Olha, lá está ele'”.

Não sabemos exatamente onde se encontra, porque tudo o que sabemos é o seu efeito gravitacional prolongado sobre outros corpos. Conhecemos muito bem sua órbita por causa de todas as simulações de computador, que mostram que, se não fosse suficientemente maciço, não afetaria o Sistema Solar exterior”, explica o investigador.
 Por isso, podemos deduzir todos estes detalhes a partir das simulações detalhadas que temos feito nos últimos tempos”, remata Brown.




Segundo o astrónomo, o Planeta X tem uma órbita elíptica muito além das franjas do Cinturão de Kuiper, cuja maior aproximação do Sistema Solar mede sete vezes a distância do Sol a Neptuno. Graças a essas distâncias gigantescas, a gravidade do nono planeta não tem impacto em nenhum outro, muito menos na Terra.
 O Cinturão de Kuiper é uma área do Espaço densamente povoada por asteroides rochosos e outros corpos gelados conhecidos como Objetos do Cinturão de Kuiper (KBOs). Estimativas da NASA indicam que, se este misterioso planeta realmente existir, levaria entre 10 mil e 20 mil anos para orbitar o Sol.
 A existência deste mundo distante é, por enquanto, apenas teórica, não tendo sido feita nenhuma observação direta do objeto apelidado de ‘nono planeta'”, afirmou a agência espacial norte-americana.



Asteroide pode provocar 'inverno cósmico' na Terra

A missão chinesa Chang'E 4 revela segredos do lado escuro da lua



Fonte//Express

terça-feira, 21 de maio de 2019

Micróbios podem ajudar a limpar o plástico dos oceanos


Não há dúvida de que temos muito plástico em nossos oceanos, e a é culpa nossa. Mas algo pode ajudar-nos a resolver esse terrível problema ambiental. Micróbios marinhos que comem plástico.
Numa nova pesquisa, uma equipa internacional de cientistas estudou como comunidades microbianas se acumulam em plásticos que poluem os oceanos e contribuem para sua degradação. Um mecanismo biológico natural que poderíamos explorar, se pudermos aprender a usa-lo para combater essa grande fonte de poluição.


Photo Pixabay

Cientista limpa lago usando nanotecnologia




Quando o plástico entra no oceano, é submetido a uma série de fatores não biológicos, incluindo radiação UV, temperaturas e forças de abrasão na água do oceano. Esses processos ambientais iniciam a degradação do material em fragmentos de micro plásticos e nano plásticos cada vez mais pequenos. Mas algo mais contribui para isso.
"A degradação abiótica precede e estimula a biodegradação com grupos de carbonila que são gerados na superfície dos plásticos". Os investigadores, liderados pelo engenheiro ambiental Evdokia Syranidou da Universidade Técnica de Creta na Grécia, explicam como atuam.
"Uma ampla gama de organismos pode se estabelecer na superfície desgastada, usando-a como substrato e como fonte de carbono."




Para estudar o quão eficiente é essa mastigação microbiana permitindo uma maior degradação dos plásticos, os investigadores recolheram amostras de detritos de polietileno (PE) e poliestireno (PS), desgastados por ação natural, em duas praias da Grécia.
Depois de lavados, os fragmentos de plástico foram cortados em pequenos pedaços, sendo depois mergulhados em uma solução salina que agia como uma a água do oceano.
Eles foram então expostos a dois tipos diferentes de comunidades microbianas. Organismos que existem naturalmente no oceano (compreendendo várias espécies diferentes), e cepas bio aumentadas ajustadas para formarem bio filmes mais fortes nas superfícies plásticas.
Após cinco meses de exposição microbiana, as peças de plástico foram pesadas, revelando que os organismos haviam conseguido reduzir o peso do PS em até 11% e PE em até 7%.


A cepa de bioengenharia não dissolveu tanto plástico, embora a equipe tenha observado que "parece mais eficiente em aderir às peças desgastadas e desenvolver uma comunidade de bio filme".
Os resultados mais bem-sucedidos, de longe, foram na experiencia que usou "micróbios aclimatados", organismos já expostos aos plásticos numa simulação anterior. Por outras palavras, parece que esses organismos podem desenvolver um gosto pelos plásticos e aumentar o seu “apetite” com o tempo.
Além de mastigar o plástico, a exposição microbiana também resultou em mudanças químicas na superfície dos materiais, produzindo grupos carbonílicos e ligações duplas, e revelando processos como a cisão de cadeias que afetavam o plástico no nível molecular.


Photo Pixabay

O que fez a Islândia para diminuir as alterações climáticas



Esta definitivamente não é a primeira vez que os cientistas examinaram o poder dos micróbios para nos ajudar a lidar com os problemas do plástico.
Há já muitos anos que os investigadores pesquisam como os organismos poderiam se alimentar de resíduos de plástico. Cada avanço que fazemos, não importa o quão pequeno seja, pode ajudar nos esforços de limpeza, mesmo que a maior solução seja resolver o problema na fonte. (Acabar com os plásticos)




Até que isso aconteça, e a sociedade encontre uma maneira de parar de produzir esse desperdício num volume tão devastador, temos muito a ganhar aprendendo mais sobre mastigação microbiana e descobrindo uma maneira de aproveitá-la.
"Fechar a lacuna entre o emprego hipotético e realista de redes microbianas para a degradação plástica pode contribuir para o desenvolvimento de medidas de mitigação e políticas sustentáveis", escreve a equipa.

Drones podem recuperar paisagens degradadas


Novo projeto pretende limpar o ar de Londres com algas e plantas microscópicas





Fonte//ScienceDirect

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Google suspende o acesso da Huawei a atualizações do Android

O Departamento de Comércio dos EUA adicionou a Huawei à sua lista de entidades na quarta-feira, o que significa que as empresas dos EUA precisarão de uma licença para negociar com a empresa chinesa.
O presidente dos EUA, Donald Trump, emitiu uma ordem executiva no mesmo dia que essencialmente proibirá a Huawei de vender seus produtos no mercado dos EUA por ser um risco de segurança nacional.


Photo Andy Wong


Desativar o Facebook é uma perda de tempo pois será sempre rastreado




O Google suspendeu os negócios com a Huawei, que exigem a transferência de hardware, software e serviços técnicos, exceto aqueles disponíveis publicamente por meio de licenciamento de código aberto.
Um porta-voz do Google disse que a empresa está "cumprindo a ordem e analisando as implicações" sem dar detalhes, enquanto a Huawei ainda não comentou o assunto.
No entanto, uma fonte disse à Reuters que a Huawei perderá imediatamente o acesso a atualizações do sistema operacional Android, do Google. As próximas versões dos smartphones Android também perderão o acesso a serviços populares, incluindo o Google Play Store, o Gmail e os aplicativos do YouTube.





"A Huawei só poderá usar a versão pública do Android e não poderá aceder aos aplicativos e serviços proprietários do Google", disse a fonte.
O Google deixará de fornecer suporte técnico para os aplicativos já existentes nos smartphones e tablets da Huawei. O único suporte que permanecerá são as atualizações de segurança fornecidas pelo Android Open Source Project (AOSP). No entanto, os utilizadores de dispositivos Huawei existentes que tenham acesso à Google Play Store poderão baixar atualizações de aplicativos fornecidas pelo Google. O Gmail e outros aplicativos são atualizados através da loja, ao contrário das atualizações do sistema operacional feitas por fabricantes de telefones e operadoras de telecomunicações afetadas pela lista negra da Huawei, disse a fonte.
Comentando sobre a decisão, o porta-voz da Huawei disse que a empresa continuaria a fornecer atualizações de segurança e serviços para seus smartphones e tablets.


Photo Pixabay

É tempo de acabar com a Facebook


"A Huawei continuará a fornecer atualizações de segurança e serviços de pós-venda para todos os produtos smartphone e tablet Huawei e Honor existentes, onde se inclui os que foram vendidos e que ainda estão em stock por todo o mundo", disse o porta-voz.
Em entrevista à Reuters em março, Eric Xu, presidente rotativo da Huawei, lançou um desafio em antecipação às ações de retaliação das empresas norte-americanas. “Não importa o que aconteça, a Comunidade Android não tem nenhum direito legal de impedir que qualquer empresa aceda á sua licença de código aberto”, disse ele.
A maioria dos aplicativos móveis do Google são proibidos na China, onde alternativas são oferecidas por concorrentes chineses como o Tencent e o Baidu. Portanto, para os mercados chineses, o impacto é mínimo. No entanto, o negócio europeu da Huawei, o seu segundo maior mercado, pode ser atingido por essa proibição, segundo Geoff Blaber, vice-presidente de pesquisa da CCS Insight.



No início desta semana, o presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou que o Departamento de Comércio e outras agências relevantes dos EUA elaborassem um plano para impedir que empresas dos EUA usassem equipamentos de telecomunicações de fabricantes estrangeiros se fossem considerados um "risco à segurança nacional". Uma ordem separada proibiu a Huawei de comprar tecnologia dos EUA sem a aprovação do governo.



Desativar o Facebook é uma perda de tempo pois será sempre rastreado



Plataforma de atualização da Asus é usada para espalhar malware


Fonte//SputnikNews




Impacto gigante causou diferença entre os hemisférios da Lua

A grande diferença entre os dois hemisférios da Lua  tem confundido os cientistas ao longo de décadas.
Agora surgem novas evidências sobre a crosta da Lua que sugerem que as diferenças foram causadas por um planeta anão que colidiu com a Lua no início do nosso sistema solar. Um relatório sobre a nova pesquisa foi publicado no Journal of Geophysical Research da AGU Planets.



Photo Pixabay

A missão chinesa Chang'E 4 revela segredos do lado escuro da lua



O mistério dos dois hemisférios da Lua começou na época de Apolo, quando foram reveladas diferenças surpreendentes. As medições feitas pela missão Gravity Recovery e Interior Laboratory (GRAIL) em 2012 deram mais detalhes sobre a estrutura da Lua, incluindo como a sua crosta é mais espessa e tem uma camada extra de material à sua volta.
Há várias teorias que tentam explicar a assimetria da Lua. Uma é que já houve duas luas orbitando a Terra e elas se fundiram nos primórdios da formação da Lua. Outra ideia é que um corpo grande, talvez um planeta anão jovem, entrou em uma órbita ao redor do Sol o que o colocou em rota de colisão com a Lua. Esta última ideia de que um impacto gigante teria ocorrido depois da Lua ter formado uma crosta sólida, é a mais provável, disse Meng Hua Zhu, do Instituto de Ciência Espacial da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau e principal autor do novo estudo. Os sinais do tal impacto devem ser visíveis na estrutura da crosta lunar.







"Os dados detalhados de gravidade obtidos pelo GRAIL deram uma nova visão sobre a estrutura da crosta lunar abaixo da superfície", disse Zhu.
As novas descobertas do GRAIL deram à equipe de pesquisadores de Zhu novas evidencias que serão usadas com as simulações de computador para testar diferentes cenários de impacto do início do período lunar. Os autores do estudo executaram 360 simulações de impactos gigantescos com a Lua para descobrir se o tal evento de há milhões de anos poderia reproduzir a crosta da Lua de hoje, conforme detetada pelo GRAIL.
Eles descobriram a causa provável para a assimetria da Lua, é um impacto de um corpo grande, com cerca 780 quilômetros de diâmetro, atingindo o lado mais próximo da Lua a 22.500 quilômetros por hora. Isso seria o equivalente a um objeto um pouco mais pequeno que o planeta anão Ceres, deslocando-se a cerca de um quarto da velocidade dos meteoros e e meteoritos que todos os dias entram na atmosfera terrestre. Outra simulação sugeriu um objeto um pouco menor, com 450 quilômetros de diâmetro, atingindo 24.500 quilômetros por hora.



"Hunter's Moon-5716.jpg" by stevelosh is licensed under CC BY-NC-SA 2.0 

Asteroide pode provocar 'inverno cósmico' na Terra

Em ambos os cenários, o modelo mostra que o impacto teria levantado enormes quantidades de material que voltaram a cair na superfície da Lua, enterrando a crosta primordial do lado de fora em 5 a 10 quilômetros de detritos. Essa é a camada adicional de crosta detetada pelo GRAIL, de acordo com Zhu.
O novo estudo sugere que o objeto do impacto, não era provavelmente uma segunda lua do início da Terra. Fosse o que fosse, um asteroide ou um planeta anão, provavelmente estava em órbita a volta do Sol quando colidiu com a Lua, disse Zhu.
O modelo de impacto gigante também dá uma boa explicação para as inexplicáveis ​​diferenças nos isótopos de potássio, fósforo e elementos de terra-rara como o tungstênio-182 na superfície da Terra e da Lua, explicam os investigadores. Esses elementos poderiam ter origem no impacto gigante, que teria adicionado esse material à Lua após sua formação, de acordo com os autores do estudo.





O novo estudo não apenas sugere uma resposta às questões em andamento sobre a Lua, mas também pode fornecer informações sobre a estrutura de outros mundos assimétricos no nosso sistema solar, como Marte.
"Este é um trabalho que será muito polémico", disse Steve Hauck, professor de geodinâmica planetária da Case Western Reserve University e editor-chefe da JGR: Planets . "Compreender a origem das diferenças entre o lado mais próximo e o outro lado da Lua é uma questão fundamental na ciência lunar. De fato, vários planetas têm dicotomias hemisféricas, mas para a Lua temos muitos dados para testar modelos e hipóteses".


Haumea, o planeta anão deformado


O que torna um planeta habitável

Humanidade pode ter vindo de outro Sistema Solar



Fonte//ScienceDaily






domingo, 19 de maio de 2019

Cientistas de Cambridge querem voltar a arrefecer os polos norte e sul

O ex-assessor científico chefe do governo do Reino Unido, David King, está lançando um novo centro de pesquisa para investigar como reajustar o planeta para prevenir ou reduzir os efeitos da mudança climática.
Algumas das soluções que o centro de pesquisa da Universidade de Cambridge irá investigar são drásticas, de acordo com a BBC News. Por exemplo, os cientistas irão explorar a possibilidade de voltar a congelar os polos Norte e Sul que estão a derreter para evitar a subida do nível do mar.



Photo Pixabay

Cientista limpa lago usando nanotecnologia



"O que fizermos nos próximos 10 anos determinará o futuro da humanidade pelos próximos 10 mil anos", disse King à BBC. “Não há nenhum grande centro no mundo que se concentre nesse grande problema”.
Para voltar a congelar os polos, os cientistas tentariam criar nuvens altamente reflexivas sobre eles bombeando sal marinho para a atmosfera, refletindo assim a luz e o calor solar e arrefecendo os polos.





O centro de pesquisa também investigará conceitos mais conhecidos de geo engenharia, como a captura de carbono, que não existe em uma escala viável, mas foi recentemente defendida pelas Nações Unidas.
Essas ideias, de congelar os polos Norte e Sul, de absorver o carbono da atmosfera e semeando o oceano para a fotossíntese do plâncton, parecem saídas de filmes de ficção cientifica, mas não temos muito tempo para lidar com a mudança climática global, e como tal vale a pena investigar todas as soluções possíveis.


Photo Pixabay


O que fez a Islândia para diminuir as alterações climáticas



Este é realmente um dos desafios mais importantes do nosso tempo”, disse a cientista ambiental Emily Shuckburgh, da Cambridge, à BBC. "E sabemos que precisamos responder a isso com todo o nosso esforço."



Ao largo da costa de Portugal, a crosta terrestre pode estar a dividir-se


Fonte//Futurism




A missão chinesa Chang'E 4 revela segredos do lado escuro da lua


A Lua é um pequeno corpo localizado a alguns milhares de quilómetros da Terra e, por causa da atração gravitacional, tem sempre a mesma face virada para o nosso planeta. A sua superfície, devastada por centenas de crateras, é uma testemunha silenciosa do violento passado do Sistema Solar.
Um módulo lunar pode ter diminuído o mistério do outro lado da lua. A quarta sonda Chang'E (CE-4) foi a primeira missão a pousar no outro lado da lua, e recolheu novas evidências da maior cratera do sistema solar, esclarecendo como a Lua pode ter evoluído. Os resultados foram publicados em 16 de maio de 2019, na revista Nature.



Photo NAOC / CNSA

China está construindo uma estação de energia solar orbital



Na década de 1970 surgiu uma teoria na que, nos primórdios lua, a sua superfície era um oceano magma. Quando o oceano começou a esfriar, os minerais mais leves flutuaram até o cimo, enquanto componentes mais pesados ​​afundaram. A parte de cima incrustou-se numa camada de basalto de égua, envolvendo um manto de minerais densos, como a olivina e o piroxénio.
Quando os asteroides e o lixo espacial caíram na superfície da lua, quebraram a crosta e levantaram pedaços do manto lunar. “Compreender a composição do manto lunar é fundamental para testar se um oceano de magma existiu”, disse o autor Li Chunlai, professor dos Observatórios Astronômicos Nacionais da Academia Chinesa de Ciências (NAOC). "Também ajuda a avançar nossa compreensão da evolução térmica e magmática da lua."






A evolução da Lua pode fornecer uma janela para a evolução da Terra e outros planetas identicos, de acordo com Li, porque sua superfície é relativamente intocada em comparação com, digamos, a superfície inicial da Terra.
Li e a sua equipa alunou na CE-4 na bacia do Pólo Sul-Aitken (SPA) da Lua, que se estende por cerca de 2.500 quilômetros, cerca de metade da largura da China. O CE-4 recolheu amostras de dados espectrais dos trechos planos da bacia, bem como de outras crateras de impacto menores, mas mais profundas, dentro da bacia.



Os investigadores esperavam encontrar uma grande quantidade de material do manto, escavado no piso plano da bacia do SPA, uma vez que o impacto teria penetrado e passado a crosta lunar. Em vez disso, encontraram apenas vestígios de olivina, o principal componente do manto superior da Terra.
"A ausência de olivina abundante no interior do SPA continua sendo um enigma", disse Li. "As previsões de um manto lunar rico em olivina poderiam estar incorretas?"


Photo NAOC / CNSA


Sonda movida a vapor poderia explorar o espaço para sempre



Não é bem assim. Ao que parece, apareceu mais olivina nas amostras de impactos mais profundos. Uma teoria, segundo Li, é que o manto consiste em partes iguais de olivina e piroxena, em vez de ser dominado por um ou outro.
O CE-4 precisará explorar mais para entendermos melhor a geologia daquele seu local, bem como recolher muito mais dados espectrais para validar suas descobertas iniciais e entender completamente a composição do manto lunar.

SpaceX lança primeira nave privada de passageiros



Fonte//Phys