sexta-feira, 31 de maio de 2019

Descoberto exoplaneta na zona menos provável do universo


Um exoplaneta três vezes maior que a Terra e com a sua própria atmosfera foi descoberto no Neptunian Desert, zona que fica perto das estrelas e onde se julgava que planetas com estas características não existiam.
 Segundo a CNN, a investigação foi liderada pela Universidade inglesa de Warwick e envolveu uma equipa internacional de astrónomos.



A massa do NGTS-4b, como é tecnicamente conhecido, equivale à de 20 planetas Terra. Ao mesmo tempo, este exoplaneta, assim denominado por se localizar fora do Sistema Solar, é 20% mais pequeno que Neptuno e tem uma temperatura de 1000 graus Celsius. O “pequeno” planeta orbita em torno da sua estrela a cada 1,3 dias, o equivalente ao percurso que a Terra faz à volta do sol em 365 dias. É assim o primeiro planeta de sempre a ser encontrado no Neptunian Desert com estas características.
Este planeta fica mesmo na zona onde pensávamos que nenhum planeta com o tamanho de Neptuno podia sobreviver”, afirmou Richard West, autor da Universidade de Warwick envolvido na investigação.





O Neptunian Desert recebe constantemente uma forte irradiação das estrelas. Isto significa que os planetas nesta zona não conseguem reter as suas atmosferas gasosas, estas evaporam ficando apenas uma formação rochosa. Ainda assim, o NGTS-4b consegue reter a sua atmosfera de gás, conseguindo deste modo manter a sua estabilidade e existência. Dada a sua raridade, os astrónomos apelidaram-no de “Planeta Proibido”.

Photo (NASA, ESA e A. Feild (STScI)

A equipa de astrónomos crê que o planeta se terá “mudado” para a zona do Neptunian Desert recentemente, ou seja, há um milhão de anos. Ao mesmo tempo, há a hipótese de, em tempos, o planeta ter sido muito maior. Isto significaria que a sua atmosfera tem vindo a evaporar, o que está a causar a redução do tamanho do NGTS-4b.
Os investigadores detetaram o “Planeta Proibido” a partir do Next-Generation Transit Survey (NGTS), instalações para pesquisas astronómicas localizadas no Deserto Atacama, no norte do Chile. O planeta foi observado durante 272 noites, entre 6 de agosto de 2016 e 5 de maio de 2017.
“Estamos agora a analisar os nossos dados para vermos se conseguimos encontrar mais planetas no Neptunian Desert. Talvez este deserto tenha mais vida do que o que se pensava”, concluiu West.
O estudo resultou de uma colaboração da Universidade de Warwick, Leicester, Cambridge e da Universidade de Queen em Belfast. Estiveram ainda envolvidos na investigação o Observatório de Génova, o DLR de Berlim e a Universidade do Chile.

A pesquisa foi publicada no Monthly Notices da Royal Astronomical Society .

A descoberta de vida extraterrestre parece iminente

O que torna um planeta habitável

Pentágono admite que investiga os OVNIS


Fonte//ScienceDaily



quinta-feira, 30 de maio de 2019

Teoria da conspiração relaciona profecia de Nostradamus a Yellowstone


O astrólogo francês, cujas profecias mantiveram os teóricos do apocalipse ocupados por centenas de anos, mencionou "fogo vulcânico" e um terremoto, sentido em todo o mundo, na "Nova Cidade" no livro das suas profecias
Alguns relacionaram estas previsões a uma catástrofe de âmbito nacional nos EUA.
Os teóricos de todo o mundo final encontraram uma advertência sobre uma erupção devastadora e um terremoto na América do Norte em 1555 Les Prophéties, de Nostradamus , afirma a agência britânica Daily Express, citando o teórico da conspiração.


Photo  AFP 2019 / Mark Ralston


O jornal aponta os versos do astrólogo medieval francês, contando uma história sobre "um terremoto que deve ocorrer particularmente a área ocidental da Nova Cidade, sentindo-se o seu poder com o poder em todas terras do globo" e "fogo vulcânico do seio da terra". ”O que causa“ tremor á volta da Nova Cidade ”. Alega que “a Nova Cidade” pode ser uma referência ao continente descoberto por Colombo pouco antes de Michel de Nostredamus fazer sua sombria profecia.





É hora de mudar o mundo para um estado de preparação, não de conflito. A idade das grandes inundações começou. Não vai parar. Se a liderança do seu país não está promovendo um estado universal de preparação, talvez seja hora de encontrar uma nova liderança ”, diz o teórico da conspiração britânico.
Ele também aponta para os presságios dos iminentes dias finais na passagem do Apocalipse da Bíblia sobre “uma enorme montanha, toda em chamas, lançada ao mar” e um “terço do mar transformado em sangue”.


Photo Pixabay



Segundo a interpretação citada pelo The Daily Express, pode ser uma referência ao Yellowstone. Se a região entrar em erupção, as emissões de dióxido de enxofre poderiam matar 87 mil pessoas e tornar a maior parte dos Estados Unidos inabitável, lançando-a num "inverno nuclear". Além disso, poderia implicar mudanças climáticas drásticas em todo o mundo.

O artigo acrescenta, no entanto, que as probabilidades de uma erupção são mínimas, de acordo com o United States Geological Survey (USGS). Diz que até a hipótese de um asteroide atingir a Terra e aniquilar a civilização é maior.





Colapso do vulcão Cumbre Vieja pode arrasar cidades costeiras no Brasil e EUA

Um mega Tsunami pode atingir o Norte e Nordeste do Brasil e a Costa Leste dos USA.
Com ondas de mais de 100 metros de altura deslocando-se á velocidade 900 km/h pelo oceano podendo entrar mais de 20km em zonas costeiras de baixa altitude.
Isto poderá ser causado pelo vulcão Cumbre Vieja nas ilhas Canárias, onde uma gigantesca massa rochosa ameaça desprender-se do vulcão, na ilha de La Palma, e precipitar-se no mar. Quando tal acontecer, uma gigantesca onda atravessará todo o Atlântico, em direção ao continente americano.



Acredita-se que o último mega tsunami que atingiu uma área com população ocorreu há 4.000 anos. Geólogos dizem que tal evento é causado por gigantescos deslocamentos de terra, originados por uma ilha em colapso, como será o caso.
Cumbre Vieja é um vulcão com 2426 metros de altura e resultou de um acumular progressivo de material que foi-se depositando ao longo do tempo.
A partir de certa dimensão, atinge massas que podem desequilibrar-se, tendo em conta o chamado ângulo de atrito interno, ou ponto de equilíbrio. À semelhança do que acontece com um monte de areia molhada, que se vai desfazendo à medida que cresce.



Photo ABC

O derreter dos glaciares provocam tsunamis assustadores


Segundo os cientistas, uma erupção do Cumbre Vieja, pode ocorrer entre dez e duzentos anos, e poderá provocar o deslizamento dessa enorme massa rochosa. Ao cair no mar, a gigantesca massa de rochas, provocará uma onda com cerca de cem metros de altura, que atravessará o Atlântico a uma velocidade de 900 quilómetros por hora. As vagas atingirão primeiro a costa ocidental da África. 






Quatro horas depois será a vez do continente português e Galiza, e mais tarde as ilhas britânicas. Passadas oito a nove horas, a parede de água alcançará a costa leste da América do Norte e das Caraíbas, com ondas que poderão chegar aos 50 metros de altura.
Os terremotos geralmente não produzem tsunamis com estas dimensões, a não ser que eles possam causar um grande deslocamento de terra debaixo de água. Normalmente tais tsunamis têm uma altura de dez metros ou menos (caso do Tsunami do Japão em Março de 2011).
Isto significa que as rochas deslocam a água em velocidade total em todo seu caminho no fundo. Se é em água profunda, o volume de água deslocado é muito grande e as partes baixas estão sob alta pressão, resulta numa onda que contém grande quantidade de energia.



Este é um fenómeno comum na evolução dos vulcões insulares. Há indícios disso na ilha do Fogo, Cabo Verde, e até mesmo na ilha da Madeira
Embora não se saiba quando tal acontecerá, os vulcanólogos não têm dúvidas. O deslizamento de terras provocaria um enorme tsunami, que atingiria a costa europeia, embora com menor intensidade, devido à orientação, sendo bem mais destrutivo no outro lado do Oceano Atlântico, afetando várias cidades americanas.

Cidades costeiras invadidas por “tsunamis” de gelo nos EUA





Fonte/Thoth3126  WortexMag





quarta-feira, 29 de maio de 2019

24% do gelo da Antártida Ocidental esta se tornando instável

Ao combinar 25 anos de medições de satélites da Agência Espacial Europeia e um modelo do clima, o Centro Britânico de Observação e Modelagem Polar (CPOM) rastreou mudanças na cobertura de neve e gelo em todo o continente.
Uma equipa de investigadores, liderada pelo professor Andy Shepherd, da Universidade de Leeds, descobriu que a camada de gelo da Antártica diminuiu em até 122 metros, com as mudanças mais rápidas ocorrendo na Antártida Ocidental, onde o derretimento do oceano desencadeou o desequilíbrio glacial.


Photo Andrew Shepherd

O aquecimento do Ártico contribui para a seca mundial



Isso significa que as geleiras afetadas são instáveis, já que estão perdendo mais massa por meio do derretimento e do iceberg do que de neve.
A equipa descobriu que o padrão de desgaste de geleiras não é estático. Desde 1992, o desgaste espalhou-se por 24% da Antártida Ocidental e pela maioria dos seus maiores córregos de gelo, as geleiras Pine Island e Thwaites, que agora estão perdendo gelo cinco vezes mais rápido do que estavam no início da pesquisa.
O estudo, publicado na Geophysical Research Letters , usou mais de 800 milhões de medições da altura da camada de gelo da Antártida registradas pelas missões de satélite do ERS-1, ERS-2, Envisat e CryoSat-2 entre 1992 e 2017 e simulações de neve o mesmo período produzido pelo modelo climático regional RACMO.





Temperatura no Ártico vai aumentar de 3 a 5 graus até 2050


Ao combinar 25 anos de dados de satélite da ESA, os cientistas descobriram que o aquecimento das águas oceânicas causou a redução do gelo tão rapidamente que 24% das geleiras da Antártida Ocidental foram afetadas. Um artigo publicado na revista Geophysical Research Letters descreve como o Centro de Observação Polar e Modelagem do Reino Unido (CPOM) utilizou mais de 800 milhões de medições da altura da camada de gelo da Antártida registradas por instrumentos de altímetro de radar no ERS-1, ERS-2, Envisat, e missões do satélite CryoSat entre 1992 e 2017. Eles usaram simulações de neve produzidas pelo modelo climático regional RACMO para identificar mudanças que eram devidas apenas à dinâmica da geleira. Em alguns lugares, o desgaste das geleiras estendeu-se para o interior durante o período da pesquisa.






Juntas, essas medidas permitem que as mudanças na altura da camada de gelo sejam separadas naquelas devido a padrões climáticos, como menos neve, e aquelas devidas a mudanças de longo prazo no clima, como o aumento da temperatura oceânica que consome o gelo.
O autor principal e professor-diretor do CPOM, Andy Shepherd, explicou. "Há partes da Antártida, em que o manto de gelo diminuiu em quantidades extraordinárias, e assim mostramos o que era devido a mudanças no clima e o que era uma ocorrência natural."
Para fazer isso, a equipa comparou a mudança da altura da superfície medida às mudanças simuladas na queda de neve e, onde a discrepância foi maior, atribuíram sua origem ao desequilíbrio glacial.
Eles descobriram que as flutuações na neve tendem a causar pequenas mudanças de altura em grandes áreas durante alguns anos, mas as mudanças mais pronunciadas na espessura do gelo são sinais de desequilíbrio glacial que persistem há décadas.




Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos


Professor Shepherd acrescentou: "Saber a quantidade de neve que caiu realmente ajudou-nos a detetar a mudança subjacente no gelo glaciar dentro do registo do satélite. Podemos ver claramente que uma onda de desgaste se espalhou rapidamente nalgumas das geleiras mais vulneráveis ​​da Antártida, o que está a causar a subida do nível do mar em todo o mundo.
"No total, as perdas de gelo do leste e oeste da Antártida contribuíram com 4,6 mm para o aumento do nível do mar desde 1992".




O Dr. Marcus Engdahl, da Agência Espacial Europeia, e coautor do estudo, acrescentou: "Esta é uma importante demonstração de como as missões por satélite podem nos ajudar a entender como o nosso planeta está mudando. As regiões polares são ambientes hostis e são de acesso extremamente difícil a partir do solo. Por isso, a visão do espaço é uma ferramenta essencial para rastrear os efeitos das mudanças climáticas 



Derretimento do gelo antártico pode submergir cidades inteiras


Fonte//Phys



Pilotos da Marinha falam sobre objetos voadores inexplicáveis (Video)

Uma surpreendente nova história do The New York Times, onde os pilotos da Marinha detalham os seus encontros com OVNIs, "objetos estranhos" que não têm "nenhum motor visível ou rasto de escape infravermelho", mas podem atingir "30.000 pés e velocidades hipersônicas".



Photo PIXABAY / VICTOR TANGERMANN

Pentágono admite que investiga os OVNIS



"Uau, o que é isso,?", Disse um piloto não identificado, em um vídeo gravado no início de 2015, sobre o que parece ser um objeto voando sobre o oceano.
Dois pilotos falaram ao  New York Times , enquanto outros três deram detalhes sobre seus encontros com OVNIs mas mantendo o anonimato. Os OVNIs não são necessariamente alienígenas, e provavelmente são apenas fenômenos terrestres não identificados, mas as autoridades militares não têm certeza do que são.




As pessoas viram coisas estranhas em aviões militares durante décadas”, disse Ryan Graves, um tenente e piloto da Marinha, ao The Times . “Estamos fazendo essa missão muito complexa, subindo a 30.000 pés, e mergulhando. Seria um bom encontrar algo lá em cima ”.





OVNIs podem ser máquinas do tempo vindas do futuro



A notícia vem depois de a Marinha dos EUA ter colocado novas diretrizes para seu pessoal relatar avistamentos e outros encontros com “aeronaves não identificadas”, segundo o Politico, um sinal de que a Marinha está levando os encontros com OVNIs mais a sério



Astrónomos detetam exoplaneta com potenciais condições de suporte à vida

Astrónomos detetam exoplaneta com potenciais condições de suporte à vida

Caçador de tesouros afirma que encontrou nave espacial alienígena no Triângulo das Bermudas



Fonte// NewYorkTimes




terça-feira, 28 de maio de 2019

Como Vénus passou de habitável ao inferno que é hoje


Vênus é um planeta infernal! É o planeta mais quente do Sistema Solar, com temperaturas tão elevadas que consegue derreter chumbo.
O ar também é terrivelmente tóxico, composto predominantemente por nuvens de dióxido de carbono e ácido sulfúrico. No entanto, os cientistas acreditam que Vênus já foi um lugar muito diferente, com uma atmosfera mais fria e oceanos líquidos á superfície.


Photo NASA / Jet Propulsion Laboratory-Caltec

Sonda movida a vapor poderia explorar o espaço para sempre


Infelizmente, tudo isso mudou há milhares de milões de anos, quando Vênus passou por um efeito estufa descontrolado, mudando a paisagem para o mundo infernal que conhecemos hoje.
De acordo com um estudo apoiado pela NASA, e feito por uma equipe internacional de cientistas, pode ter sido a presença do oceano que fez com que Vênus sofresse essa transição.
Além de ser extremamente quente, Vênus também não tem praticamente variações de temperatura entre o dia ou a noite ou ao longo de um ano. Isto é atribuído à sua atmosfera extremamente densa (93 vezes a pressão da atmosfera da Terra) e à lenta rotação do planeta.
Comparado com a rotação relativamente rápida da Terra de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos, Vênus leva em torno de 243 dias para completar uma única rotação.

Também é importante notar que Vênus roda na direção oposta da Terra e na maioria dos outros planetas (rotação retrógrada). Entre esta rotação extraordinariamente lenta, a espessa atmosfera isolante do planeta e a transferência de calor pelos ventos na baixa atmosfera, as temperaturas na superfície de Vênus nunca se saem muito da média de 462 ° C (864 ° F).
Durante algum tempo, os astrônomos suspeitaram que Vênus podia ter tido uma rotação mais rápida e na mesma direção que a Terra, o que teria sido um fator chave para ser capaz de suportar um oceano líquido na sua superfície (e possivelmente ter vida). Quanto ao que causou isso para mudar, uma teoria popular é que um enorme impacto diminuiu a rotação de Vênus, revertendo-a.
Por causa de seu estudo, que apareceu recentemente no Astrophysical Journal Letters , a equipa liderada por Mattias Green (físico oceanógrafo da Universidade de Bangalore) com colegas da NASA e da Universidade de Washington testou a possibilidade do oceano existente no inicio tivesse sido o responsável pelo aquecimento.






Para simplificar, as marés agem como um travão na rotação de um planeta devido ao atrito gerado entre as correntes de maré e o fundo do mar.
Na Terra, esse efeito muda a duração de um dia em cerca de 20 segundos a cada milhão de anos. Para quantificar o que esse travão conseguiria mudar num oceano em Vênus, Green e seus colegas conduziram uma série de simulações usando um modelo de marés numérico dedicado.
A equipa simulou como seria Vênus com oceanos de profundidade variável e um período de rotação que varia de 243 a 64 dias terrestres siderais. Eles então calcularam os valores de dissipação de maré e o torque de maré associado que resultaria de cada um. O que descobriram foi que as marés do suposto oceano teriam sido suficientes para atrasá-la em até 72 Terra a cada milhão de anos, dependendo de sua taxa inicial de rotação.

Isso sugere que o travão de maré poderia ter retardado a rotação de Vênus em apenas 10 a 50 milhões de anos. Essa rotação reduzida que fez com que os oceanos de Vênus evaporassem no lado virado para o Sol, levando ao efeito estufa, esse rompimento das marés efetivamente privou Vênus de sua habitabilidade no que era (do ponto de vista geológico) um tempo muito curto.
Além de dar uma explicação alternativa para o porquê de Vênus girar como gira, este estudo tem implicações que podem ajudar muito a responder alguns dos mistérios mais profundos de Vênus. Como Green disse numa conferencia de imprensa da Universidade de Bangor :
"Este trabalho mostra como as marés podem ser importantes para remodelar a rotação de um planeta, mesmo que esse oceano só exista por apenas 100 milhões de anos, e como as marés são fundamentais para tornar um planeta habitável."


Photo Ittiz / Wikimedia Commons CC BY 3.0


NASA diz que podemos encontrar vida alienígena brevemente



Em outras palavras, a “travagem” das marés pode ser a razão pela qual Vênus deixou de ser um mundo coberto de mar que poderia muito bem sustentar a vida para se tornar num ambiente quente e infernal onde nada pode sobreviver, e num “curto espaço de tempo”. Estas descobertas também podem ter implicações para o estudo de planetas fora do sistema solar, onde muitos "semelhantes a Vênus" já foram encontrados.
Talvez, apenas talvez, este estudo possa também ajudar a informar possíveis esforços futuros para restaurar Vênus ao que parecia ser bilhões de anos atrás.
Acelerando a rotação do planeta, poderíamos reduzir significativamente o efeito estufa do planeta. Em seguida, bombear milhares de milhões de toneladas de hidrogênio para transformar as densas nuvens de CO2 atmosférico em água (e grafite), e Vênus terá seus oceanos de volta e os humanos teriam outro planeta para viver!
 Claro está que é bem melhor e mais fácil preservar o nosso planeta.

Todos os dias 17 meteoros atingem a Terra


China está construindo uma estação de energia solar orbital




Grande avanço na produção de hidrogênio "verde"


O primeiro reator químico reversível termo dinamicamente capaz de produzir hidrogênio como um produto puro representa um passo "transformacional" na indústria química, afirmam os autores de um novo estudo.
O novo reator, descrito hoje na prestigiosa revista acadêmica Nature Chemistry , evita misturar gases reagentes transferindo oxigênio entre as correntes reagentes através de um reservatório de oxigênio no estado sólido.


Photo Pixabay


Hidrogénio, vantagens e desvantagens




Este reservatório foi projetado para permanecer próximo do equilíbrio com as correntes gasosas reagentes à medida que elas seguem sua trajetória de reação e, assim, retém uma " memória química " das condições a que foi exposta.
O resultado é que o hidrogênio é produzido como um fluxo de produto puro, eliminando a necessidade de uma separação dispendiosa dos produtos finais.
Liderada pela Universidade de Newcastle, no Reino Unido, a pesquisa envolveu especialistas das universidades de Durham e Edimburgo e da instalação europeia de radiação síncrotron na França, e foi financiada pelo Conselho de Pesquisas de Engenharia e Ciências Físicas (EPSRC).
O professor Ian Metcalfe, principal autor e professor de engenharia química na Universidade de Newcastle, disse:

"As alterações químicas são geralmente realizadas através de reações mistas, em que vários reagentes são misturados e aquecidos. Mas isso leva a perdas, conversão incompleta de reagentes e uma mistura final de produtos que precisam ser separados. Com o nosso Reator de Memória de Hidrogénio, podemos produzir produtos puros e separados. Poderia chamar-lhe o reator perfeito”
O hidrogênio é o elemento mais abundante no universo. Produzido através da divisão de moléculas de água, a mudança para o uso de energia renovável levou a um aumento do chamado "hidrogênio verde".




O hidrogênio é um armazenamento de energia limpo e útil e pode ser usado como combustível, para gerar eletricidade e pode ser armazenado e transportado através das redes de gás.
Todos os processos, sejam químicos, mecânicos ou elétricos, são termo dinamicamente irreversíveis e menos eficientes do que poderiam ser.
Isto significa que em reatores químicos tradicionais, quando o hidrogênio é produzido, ele precisa ser separado de outros produtos, um processo que é caro e muitas vezes recorrendo a muita energia.
Descrevendo seu novo sistema, a equipa apresenta um reator químico capaz de, pela primeira vez, se aproximar da operação reversível termodinâmica.

Reagindo à água e ao monóxido de carbono para gerar hidrogênio e dióxido de carbono, o sistema também impede que o carbono seja transportado para a corrente de produção de hidrogênio como monóxido de carbono ou dióxido de carbono, evitando assim a contaminação do produto.
"Invertendo" o reservatório um pouco, como um interruptor, a equipe mostrou que é possível alcançar alta conversão no sistema, de modo que o dióxido de carbono e o hidrogênio sejam produzidos em cada extremidade do reator como produtos puros.
"Enquanto a produção convencional de hidrogênio requer dois reatores e uma separação, nosso reator realiza todas as etapas numa unidade", acrescenta o professor Metcalfe.
"E enquanto demonstramos o conceito com hidrogênio, o conceito de reator de memória também pode ser aplicado a outros processos."

NASA esta desenvolvendo aviões elétricos com célula de hidrogenio


Grandes camiões da Nikola Motor movidos a hidrogénio




Fonte//Phys



segunda-feira, 27 de maio de 2019

Pentágono admite que investiga os OVNIS


A existência do Advanced Aerospace Threat Identification Program (Programa de Identificação de Ameaças Avançadas e  Aeroespaciais) não classificado (AATIP), surgiu em 2017, mas o projeto foi formalmente negado pouco tempo depois. Agora, foi revelado um detalhe interessante, mas que causou pouca surpresa.
Apesar de em várias ocasiões evitar a sigla “OVNI” e o que exatamente significa, o Pentágono agora recorreu a usá-lo, delineando em sua declaração recente, fornecida exclusivamente ao  New York Post , que uma de suas iniciativas “estava a pesquisa e investigação sobre fenómenos aéreos não identificados.


Photo Pixabay


Especialista em OVNIS alega a existência de base alienígena submersa




Enquanto o Departamento de Defesa informou, em 2012, que havia abandonado o chamado AATIP, o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, o porta-voz do DoD admitiu que o departamento ainda está investigando avistamentos relatados de aeronaves alienígenas misteriosas.
O Departamento de Defesa está sempre preocupado em manter uma identificação positiva de todas as aeronaves no nosso ambiente operacional, bem como identificar qualquer capacidade externa que possa ser uma ameaça à Terra”, ressaltou Sherwood, acrescentando que o DoD continuará sua investigação sobre os EUA. Relatórios de pilotos militares de aeronaves não identificadas que eles encontram para fins de defesa, “para garantir proteção contra surpresa estratégica pelos adversários dos EUA”.






Vários especialistas na área já se referiram à revelação do DoD como “bombástica” e inédita em sua franqueza, sendo um deles Nick Pope, que secretamente investigou OVNIs para o governo britânico durante os anos 90. O autor de artigos sobre assuntos semelhantes, observou que as declarações oficiais anteriores eram ambíguas e "deixavam as portas abertas para a possibilidade de que a AATIP estivesse simplesmente preocupada com ameaças de que poderiam vir de uma nova geração de aeronaves, mísseis e drones". Ele continuou comentando que esta nova revelação deixa claro que eles realmente estudaram o que o público chamaria de “OVNIS”. Além disso, o uso do termo “UAP” indica que há influência britânica. Importa referir, que a UAP foi o termo que usamos no Ministério da Defesa para fugir á vulgarização do 'OVNI' ”, acrescentou Pope.


Photo Pixabay

Por que não estabelecemos contato com civilizações alienígenas?


A existência da AATIP foi conhecida em 2017, juntamente com um vídeo DoD de 33 segundos que mostra um objeto no ar sendo perseguido por dois jatos da Marinha ao largo da costa de San Diego em 2004.
O programa não foi classificado, mas era conhecido por ser ultra secreto e financiado pelo governo dos Estados Unidos para estudar objetos voadores não identificados. Embora o programa oficial de US $ 22 milhões da AATIP tenha terminado, um grupo de profissionais interessados ​​ampliou o esforço, fundando uma organização sem fins lucrativos chamada "Academia de Artes & Ciências To The Stars".

OVNIs podem ser máquinas do tempo vindas do futuro









domingo, 26 de maio de 2019

Há algo escondido no nosso sistema solar, será o planeta nove?

Algures nos limites exteriores do Sistema Solar, para além da órbita de Neptuno, algo está acontecendo. Alguns objetos estão orbitando de maneira diferente e ainda não sabemos por quê.
Uma hipótese popular é que um objeto invisível chamado Planeta Nove poderia estar mexendo com essas órbitas. Os astrônomos estão procurando avidamente por este planeta. Mas no início deste ano os físicos apresentaram uma explicação alternativa que acham ser mais plausível.



Em vez de um grande objeto, os distúrbios orbitais podem ser causados ​​pela força gravitacional combinada de um número de objetos trans neptunianos (TNOs) do Cinturão de Kuiper. Isso de acordo com os astrofísicos Antranik Sefilian, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e Jihad Touma, da Universidade Americana de Beirute, no Líbano.
Sefilian e Touma não são os primeiros a pensar assim, mas seus cálculos são os primeiros a explicar características significativas das órbitas estranhas desses objetos, enquanto levam em consideração os outros oito planetas do Sistema Solar.
Uma hipótese para o Planeta Nove foi anunciada pela primeira vez num estudo de 2016 . Os astrônomos estudando um planeta anão no Cinturão de Kuiper notaram que vários TNOs estavam “fora” da forte influência gravitacional dos gigantes gasosos do Sistema Solar, e tinham órbitas em loop estranhas que eram diferentes do resto do Cinturão de Kuiper.




Mas as órbitas desses seis objetos também estavam agrupadas de uma forma que não parecia aleatória, alguma coisa parecia tê-los colocado nessa posição. Segundo a modelagem, um planeta gigante, até então invisível, poderia fazê-lo.
Até agora, este planeta permaneceu elusivo, não necessariamente estranho, já que há consideráveis ​dificuldades técnicas em ver um objeto escuro que está muito longe, especialmente quando não sabemos onde está. Mas essa incerteza está levando os cientistas a procurar explicações alternativas.
"A hipótese do Planeta Nove é fascinante, mas se o hipotético nono planeta existe, até agora ele não foi detetado", disse Sefilian em janeiro, quando o estudo foi divulgado, acrescentando que a equipe queria ver se havia uma explicação para as estranhas órbitas do TNO. "Em vez de existir um nono planeta, e depois nos preocuparmos com sua formação e órbita invulgar, por que não simplesmente explicar a gravidade de pequenos objetos que constituem um disco além da órbita de Neptuno?"





Os investigadores criaram um modelo dos TNOs destacados, bem como os planetas do Sistema Solar, e a sua gravidade, e um enorme disco de detritos além da órbita de Neptuno.
Ao aplicar ajustes a elementos como massa, excentricidade e orientação do disco, os pesquisadores conseguiram recriar as órbitas em looping agrupadas dos TNOs separados. "Se retirar-mos o Planeta Nove do modelo e, em vez disso, permitir que vários objetos pequenos se espalhem por uma área ampla, as atrações coletivas entre esses objetos poderiam facilmente explicar as órbitas excêntricas que vemos em alguns TNOs", disse Sefilian.
Isso resolve um problema que cientistas da University of Colorado Boulder tiveram quando lançaram pela primeira vez a hipótese da gravidade coletiva no ano passado. Embora seus cálculos fossem capazes de explicar o efeito gravitacional sobre os TNOs separados, eles não conseguiam explicar por que suas órbitas estavam todas inclinadas da mesma maneira.
E ainda há outro problema com os dois modelos. Para produzir o efeito observado, o cinturão de Kuiper precisa de uma gravidade coletiva de pelo menos algumas massas terrestres.
As estimativas atuais, no entanto, colocam a massa do cinturão de Kuiper em apenas 4 a 10 por cento da massa da Terra.
Mas, de acordo com os modelos de formação do Sistema Solar, ele deveria ser muito mais alto, e, nota Sefilian, é difícil ver a totalidade de um disco de detritos á volta de uma estrela quando estamos dentro dela, então é possível que haja muito mais no Cinturão de Kuiper do que podemos ver.
"Embora não tenhamos feito observações diretas ao disco, também não temos para o Planeta Nove, e é por isso que estamos investigando outras possibilidades", disse Sefilian .
"Também é possível que ambas as coisas possam ser verdadeiras, pode haver um disco massivo e um nono planeta. Com a descoberta de cada novo TNO, reunimos mais evidências que podem ajudar a explicar seu comportamento".




sábado, 25 de maio de 2019

Os carros vão mudar mais na próxima década do que no ultimo século


Embora pensemos que os nossos carros mudaram nos últimos 100 anos,  a verdade é que evoluiram mas a maneira como os conduzimos pouco mudou.
 Mas a mudança radical está chegando. Na próxima década, não apenas a energia motriz mas todo o conceito automóvel mudará completamente, e deixaremos de ser condutores.



Photo Pixabay

Hidrogénio, vantagens e desvantagens


Alguns carros já têm recursos básicos de automatização, mas os experiencias automóveis que atualmente estão sendo realizados por empresas como Uber e Google compõem uma pequena percentagem dos veículos que circulam nas nossas estradas. Até 2030, o carro padrão evoluirá de ajudas o motorista para assumir o controlo total de todos os aspetos da condução na maioria das condições de trânsito.





Essa automatização generalizada, juntamente com a eletrificação e o aumento da interligação tanto do carro quanto da sociedade, devem mudar a indústria automóvel de uma forma significativa, afetando tudo, desde a aparência dos carros até a maneira como passamos o tempo dentro deles, e principalmente como nos transportam do ponto A para o ponto B.
A primeira grande diferença que vamos notar entre os carros de hoje e os de 2030 são seus nomes. Assim como a Apple e a Samsung assumiram um mercado de telefonia móvel que a Nokia e a Blackberry dominaram, Tesla, Apple, Dyson e Google poderiam se tornar as marcas automóvel mais reconhecidas do futuro.





Eles provavelmente vão parecer muito diferentes também. Vistos de fora, as grandes entradas de ar e as grades frontais que refrigeram nossos motores de combustão não serão mais necessárias, enquanto os espelhos retrovisores serão substituídos por câmaras e sensores. As janelas podem ser maiores para permitir que os passageiros, que não precisam conduzir, aproveitem a vista ou quase não exijam privacidade. O Mercedes-Benz Vision URBANETIC demonstra estes novos visuais radicais com um veículo modular que pode mudar de corpo para movimentar cargas ou pessoas.
O interior dos carros será muito mais flexível, alguns permitindo a personalização de cor, luz, privacidade e layout com o toque de um botão. O recente carro conceito 360c da Volvo prevê um espaço multifuncional que pode se transformar numa sala, num escritório e até num quarto.






Os para-sol tornar-se-ão coisa do passado, com vidro inteligente que nos permite controlar a quantidade de luz do dia que entra ao toque de um botão. As portas do carro conceito Mercedes F015 possuem telas extras que podem funcionar como janelas ou sistemas de entretenimento.
Muitos carros serão equipados com sistemas de realidade aumentada, que irão sobrepor visuais gerados por computador no para-brisas ou noutras áreas de exibição adequadas, para aliviar o stress do passageiro.





Os motoristas poderão comunicar com os seus carros por meio de comandos verbais ou gestuais. Em modelos de ponta, podemos até ver algumas versões antigas de interfaces cérebro-computador, que associariam padrões de atividade cerebral a comandos para controlar o carro ou entreter os ocupantes. Tecnologia semelhante já foi usada para controlar membros protéticos e cadeiras de rodas.
A Internet sempre crescente em tudo tornar-se-á fundamental para a forma como nossos carros integrados nos transportam e comunicam-se com o mundo. Sensores projetados para reconhecer e se comunicar com sinais de trânsito atualizados, marcações, redes de câmaras, pedestres e outros veículos permitirão que os carros sincronizem seus movimentos, minimizando o consumo de combustível e melhorando o fluxo de tráfego. Os carros também poderão ajudar as autoridades a manter as infraestruturas rodoviárias, por exemplo, com sensores de pneus que os notificam sobre a deterioração das condições da estrada.




Quando os humanos escolhem conduzir, a tecnologia alerta os motoristas sobre colisões iminentes com outros veículos tenta evitá-los. É provável que as melhorias na tecnologia de sensores térmicos permitam que os carros vejam além da faixa de iluminação dos faróis dos carros. Se suficientemente padronizado e legislado para, essas tecnologias devem reduzir substancialmente o número de acidentes rodoviários, embora provavelmente após um pico inicial.
Embora os motoristas rurais provavelmente ainda possuam os seus carros, nas cidades não serão proprietários de automóveis e usarão veículos no género da Uber mas num patamar mais elevado. Em Moscovo, já são feitas diariamente 9 milhões desses trajetos, mais de 30 vezes mais do que no início de 2018.



Vários países e cidades anunciaram proibições da venda de novos carros a gasolina e diesel num futuro próximo, muitos até 2030. Os veículos mais antigos ainda estarão na estrada, portanto é improvável que os postos de gasolina desapareçam até essa data. No entanto, os fabricantes de automóveis já estão cada vez mais interessados em veículos que suportarão os combustíveis do futuro.


Precisamente como será esse futuro, não se sabe. A incerteza sobre se os carros híbridos atualmente populares serão incluídos na proibição de veículos pode desencorajar empresas e consumidores de investir muito nesse caminho. Os veículos totalmente elétricos representam apenas 2% do mercado global no momento, mas como seu preço cairá abaixo dos carros a gasolina até meados dos anos 2020 , sua participação de mercado certamente aumentará.






Depende também ainda da autonomia e tempo de carregamento, e neste momento os governos investem em redes de carregamento elétrico. Esperamos que os veículos totalmente elétricos sejam pelo menos uma opção viável para uma ampla gama de motoristas até 2030, mas avanços tecnológicos inovadores imprevisíveis poderiam facilmente mudar o futuro do combustível para veículos. Por exemplo, os cientistas estão trabalhando duro para resolver as dificuldades de produção e armazenamento que atualmente limitam o potencial de veículos movidos a hidrogênio limpos, de rápido abastecimento e de longo alcance.
O ano de 2030 pode não parecer muito distante, mas uma década é muito tempo para a tecnologia mudar. Em 2008, o primeiro iPhone acabara de ser lançado, e a mudança climática era uma questão de fundo para os governos e a comunicação social. Agora, a tecnologia e o discurso ambiental estão mudando a um ritmo sem precedentes. Portanto, não se surpreenda se olhar para os carros de hoje dentro de uma década e se perguntar: Como é que conseguimos mudar tanto??.


Grandes camiões da Nikola Motor movidos a hidrogénio




Fonte//The Conversation