sábado, 9 de março de 2019

Está chovendo no gelo da Groenlândia, no inverno, e isso é muito mau


Os dias de chuva são cada vez mais comuns em partes da Gronelândia normalmente cobertas por gelo, provocando a fusão rápida do gelo e fragilizando a superfície, potenciando um degelo generalizado.
A revista científica The Cryosphere divulgou num estudo, que algumas partes da camada de gelo estão a ter chuva no inverno em vez de neve, um fenómeno que se vai aumentar à medida que o clima continuar a aquecer.


Photo SicenceDaily

Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio



A Gronelândia tem vindo a perder gelo nas últimas décadas devido ao aquecimento progressivo. Desde os anos 90 que as temperaturas médias sobre o manto de gelo subiram 1,8ºC no verão e até 3ºC no inverno.
Estimativas indicam que o manto gelado esteja a perder 270 mil milhões de toneladas de gelo em cada ano. Até recentemente grande parte do gelo  partia-se de perdia-se em icebergues, mas agora é o derretimento, que já representa 70% das perdas, principalmente por causa da chuva.
A investigação analisou dados recolhidos entre 1979 e 2012, comparando imagens de satélite e observações meteorológicas, para perceber o que estava a provocar a fusão em locais específicos.
Segundo a principal autora do estudo, Marilena Oltamnns, do Centro Geomar para Pesquisas Oceânicas, da Alemanha, durante o período em análise o degelo associado à chuva duplicou no verão e triplicou no inverno.

A fusão dos mantos de gelo pode ser causada por uma complexidade de fatores, mas a água líquida é o mais culpado, disse Marco Tedesco, da Universidade de Colúmbia, Estados Unidos, e outro dos autores do estudo.
As temperaturas mais altas tornam mais provável que as condições atmosféricas mudem e em que precipitação toma a forma de chuva, que carrega grande quantidade de calor, e não de neve. Segundo os investigadores, essas condições produzem uma fusão do gelo que se auto alimenta e que continua mesmo depois da chuva.




Existem efeitos a longo prazo, dizem os autores do estudo. Eles acreditam que parte da água derretida se esvai, mas o restante congela, transformando a neve, em massas mais escuras e densas de gelo. Esse gelo absorve a radiação solar com mais facilidade do que a neve, que provoca mais derretimento, num circuito vicioso.
Embora a chuva esteja atingindo partes cada vez mais distantes do gelo no verão, as chuvas de inverno por enquanto parecem limitadas ás elevações mais baixas no sul e no sudoeste da Groenlândia.
"O gelo deve ganhar massa no inverno quando neva, mas cada vez mais perde massa pelo derretimento", disse Oltmanns.


Photo Revista Piaui


O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar



A Gronelândia não é o único lugar do norte do planeta afetado pelo aumento da chuva no inverno, em vez de neve. Chuvas anormais no norte do Canadá deixaram um manto de água que congelou, aprisionando as plantas que renas e bois almiscarados comiam procurando através da neve solta. Manadas inteiras foram dizimadas por causo disto.
E um estudo recém publicado sobre uma zona perto de Fairbanks, no Alasca, mostra que o aumento das chuvas de primavera está se infiltrando no permafrost, descongelando-o e liberando grandes quantidades de metano, um gás de efeito estufa altamente perigoso.

Entre 1993 e 2014, a subida global do nível do mar amentou de cerca de 2,2 milímetros por ano para 3,3 milímetros, e acredita-se que grande parte desse aumento deve-se ao derretimento da Groenlândia.
O estudo foi co-autoria de Fiammetta Straneo do Scripps Institution of Oceanography.


Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos

As alterações climáticas estão impedindo as plantas de processar o CO2

Aumento na força das ondas colocam em risco áreas costeiras



Fonte//ScienceDaily




Coreia do Sul e China usam chuva artificial para 'lavar' poluição do ar


A poluição do ar é um grande problema, mas é particularmente grave em Seul, a capital da Coreia do Sul. Assim as autoridades governamentais estão tomando medidas drásticas para tentar lidar com a poluição que cada vez mais se apodera da cidade.
O mais recente plano do Presidente Moon Jae-in é criar chuva artificial para lavar a atmosfera. É uma estratégia já há muito pensada, mas ainda não há evidências concretas de que isso realmente funcione.


Photo Folha Uol


The Ocean Cleanup inicia projeto para remover o plástico dos oceanos



A ideia é chamada de semear as nuvens, que consiste em libertar substâncias químicas específicas, geralmente por aviões, com a intenção de incentivar a formação de gotículas de água. A chuva que é criada então atrai as partículas de poluição que caem juntamente com a chuva.
Experiências anteriores foram inconclusivas sobre se semear as nuvens realmente funciona, e a própria Coreia do Sul fez uma tentativa fracassada de criar chuva de limpeza de ar em janeiro.
Até agora, a técnica tem sido usada para tentar garantir bom tempo para as Olimpíadas de Pequim e para resolver a escassez de água, mas só funciona se houver tipos específicos de nuvens, para começar a dar um impulso artificial à precipitação.
Há também um estudo em curso sobre a eficácia a longo prazo do uso da água para eliminar a poluição. A chuva pode limpar o ar de partículas poluentes, mas até que ponto é eficaz, é algo que os cientistas ainda estão investigando.






No entanto, a Coreia do Sul vai tentar outra vez. O projeto está sendo realizado em parceria com a China, já que muitas das partículas de poeira que poluem a atmosfera são originárias do país vizinho.
Aparentemente, a chuva artificial é gerada por cima do Mar Amarelo, a oeste da península coreana.
Tem sido uma semana particularmente má para a poluição do ar na região. A Associated Press informa que os níveis de concentração de poeira fina foram de 136 microgramas por metro cúbico em Seul na quarta-feira, sendo 75 microgramas por metro cúbico considerado "muito ruim" pelo Instituto Nacional de Pesquisa Ambiental na Coreia do Sul.

Isso é em relação às partículas ultrafinas menores que 2,5 micrômetros de diâmetro, ou PM 2,5. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda manter os níveis de PM 2.5 abaixo de 25 microgramas.
O governo também está tomando medidas para fechar centrais produtoras de energia a carvão antigas e vai disponibilizar mais dinheiro para purificadores de ar nas escolas.


Photo GettyImages

Califórnia ameaçada de erupções vulcanicas de alto risco



Seja qual for a eficácia ou não de usar a chuva artificial para eliminar a poluição, o certo é que algo tem que ser feito, e muito rapidamente. De acordo com estatísticas da OMS divulgadas no ano passado, 93% das crianças em todo o mundo com menos de 15 anos estão respirando ar poluído.
Em última análise, combater a poluição do ar a longo prazo, e todos os danos à nossa saúde e ao mundo natural que a acompanha, envolverá mudanças na maneira como vivemos e produzimos nossa energia.




Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio

O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar

Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável



Fonte// ScienceAlert



sexta-feira, 8 de março de 2019

Mitsubishi apresenta hibrido capaz de produzir energia para alimentar uma casa.



A construtura japonesa Mitsubishi, que está trabalhando numa plataforma solar, que inclui uma bateria doméstica, carregador e painéis solares, chamada Dendo Drive House, vai marcar a diferença usando a linha de carros híbridos plug-in da empresa para armazenar energia extra.


PhotoFuturism


É um conceito futurista, quando há sol., tanto o carro quanto a casa carregam ao mesmo tempo graças a um “carregador bidirecional”. Se houver uma falha de energia da rede elétrica, a casa poderá usar as reservas de bateria do carro híbrido plug-in.
No seu vídeo promocional, a Mitsubishi argumenta que se pode até  economizar algum dinheiro, optando por vender energia á rede, e só a rede de noite quando os preços da eletricidade são mais baixos.






A revelação veio junto com o anúncio do Engelberg Tourer da Mitsubishi, um "conceito de SUV crossover da próxima geração" no Salão de Genebra deste ano.
No Engelberg Tourer  a pretensão é  deixar completamente de ser necessário carregamentos normais, de acordo com o comunicado de imprensa, e graças à sua  bateria, e, claro, à plataforma Dendo Drive House com sua capacidade de carregamento bidirecional.
Não é a primeira vez que surge esta ideia. O CEO da Tesla, Elon Musk, mencionou a ideia num tweet de julho de 2018 , apontando que poderia fazer sentido para sua empresa de veículos elétricos estudar esta ideia.






Como muitos conceitos de seu tipo, não há a garantia de que o SUV da Mitsubishi e a plataforma Dendo Drive House sejam lançados para o público.
Embora a Tesla já tenha mostrado os benefícios da montagem de enormes baterias domésticas nas paredes da garagem, a eficiência da tecnologia de painéis solares domésticos não são assim tão eficientes e têm um caminho longo a percorrer.
Mas quem não gostaria de economizar algum dinheiro nas suas contas de energia, garantindo ter sempre energia mesmo durante um apagão?


Automóveis elétricos , ecológicos mas não muito

Espanha aposta no hidrogenio como combustivel para automoveis

Qual o futuro das células de combustível



Fonte//Futurism





Aviões elétricos prestes a revolucionar a indústria da aviação


Desde o primeiro voo dos irmãos Wright em 1903, as viagens aéreas continuaram a inspirar as pessoas em todo o mundo e as companhias aéreas ajudaram a impulsionar a inovação nas viagens e na qualidade de vida.
À medida que mais e mais pessoas viajam e tornam-se cada vez mais conscientes de sua pegada ecológica. A aviação é uma das indústrias mais poluidoras, mas também é uma das que tem mais potencial para mudar as coisas.



Photo Exame


Voos hipersónicos estão para "breve"


As energias renováveis ​​continuaram com a sua tendência crescente na terra, à medida que os governos buscam fontes de energia mais responsáveis ​​e sustentáveis, enquanto os fabricantes de carros estão a construir mais modelos híbridos e elétricos, as companhias aéreas seguirão em breve o mesmo caminho.
Depois que o Solar Impulse 2 completou a primeira circunavegação do mundo numa aeronave movida a energia solar em 2016, as companhias aéreas e os fabricantes de aeronaves mostraram interesse em utilizar um equivalente comercial.







Bertrand Piccard, um dos pilotos responsáveis ​​pela jornada do Solar Impulse 2, ressaltou a importância das energias renováveis ​​no The Guardian, dizendo: “Todas as tecnologias limpas que usamos podem ser usadas em qualquer lugar. Agora voamos 40.000 km, mas agora cabe a outros fazerem mais. Essas tecnologias agora podem tornar o mundo muito melhor e temos de usá-las, não apenas para o meio ambiente, mas também porque são lucrativas e criam empregos ”.



Photo Inovaçao Tecnologica


Novo avião de transporte militar Russo, Il-276 voa em 2023



No ano seguinte, vários projetos foram financiados, já que o setor de transporte aéreo reconhecia o futuro dos métodos de transporte de baixo carbono. Em 2017, a Zunum Aero , uma pequena startup de aviação focada em fornecer uma variedade de aviões híbridos elétricos, recebeu investimentos da JetBlue e da Boeing, enquanto a EasyJet se uniu à Wright Electric para desenvolver aeronaves movidas a baterias e a NASA também anunciou seus planos de desenvolver aeronave elétrica.


Stratolaunch abandona projeto de foguetes mas mantem o super avião

Avião supersonico promete ligar nova York a Londres em 30 minutos



Fonte//Forbes





quinta-feira, 7 de março de 2019

“Sol artificial” será concluído este ano na China


Em novembro passado, investigadores chineses anunciaram que o reator Experimental Advanced Superconducting Tokamak (EAST), um “sol artificial” projetado para imitar o processo de fusão nuclear que o Sol real usa para gerar energia, atingiu um marco histórico, alcançando uma temperatura de 100 milhões de graus Celsius.


Photo Youtube

Espanha aposta no hidrogenio como combustivel para automoveis



Agora, as autoridades estão dizendo que acreditam que vão concluir a construção de um novo sol artificial este ano, e afirmam que este dispositivo será capaz de atingir um marco na temperatura iônica, colocando-nos mais perto de aproveitar o poder da fusão nuclear.
No domingo, Duan Xuru, funcionário da Corporação Nacional Nuclear da China, anunciou durante a sessão anual da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês que os engenheiros concluiriam a construção do Tokamak HL-2M em 2019.





"O plasma do sol artificial é composto principalmente de elétrons e íons", disse Duan à comunicação social, de acordo com o Global Times , "e os dispositivos Tokamak existentes no país alcançaram uma temperatura dos elétrons de mais de 100 milhões de graus C no plasma central, temperatura iônica de 50 milhões de C, e é o íon que gera energia no dispositivo ”.






Desenvolvida célula de combustível de alta potência




De acordo com Duan, o Tokamak HL-2M conseguirá atingir uma temperatura de íon de 100 milhões de graus Celsius, cerca de sete vezes mais quente do que a temperatura real do íon do Sol. Isso vem de encontro com o que o Global Times chama de "um dos três desafios para alcançar o objetivo de aproveitar a fusão nuclear".
Se ele estiver certo, o dispositivo poderia servir de modelo para futuros reatores de fusão nuclear, realizando o sonho da energia limpa ilimitada, cada vez mais próximo de ser realidade.


Cientistas afirmam que só há uma saida: Energia Nuclear

Bateria solar inovadora do MIT pode abastecer uma pequena cidade

Tecnologia low-cost para dessalinizar a agua do mar




Fonte//Futurism





Goodyear revela conceito de pneus para carros voadores no Salão Automóvel de Genebra



A Goodyear não está apenas preparando-se para os carros autônomos mas também para os que voam. A empresa está lançando um conceito de pneu para veículos voadores na 89ª edição do Salão Internacional do Automóvel de Genebra, na Suíça.

O Goodyear AERO será tanto como um pneu para estrada como uma "hélice" para viagens aéreas.O AERO é um conceito de rotor de inclinação multimodal e usaria propulsão magnética, disse a empresa.





Os raios são projetados para suportar o peso de um veículo no solo e, em seguida, atuam como pás do ventilador para dar sustentação. Os vídeos promocionais no YouTube mostram os pneus inclinados para cima quando um veículo se eleva da estrada.
"Este pneu sem ar exclusivo usa uma estrutura não pneumática que é suficientemente flexível para amortecer choques na estrada e forte o suficiente para altas velocidades necessárias para que os rotores criem sustentação vertical", disse a Goodyear em conferencia de imprensa.





O pneu Goodyear AERO Concept é um pneu dois em um para na estrada e uma hélice para voar.
Os sensores de fibra ótica permitem que os pneus monitorizassem as condições da estrada e o desgaste dos pneus.
O AERO também conta com tecnologia de inteligência artificial para comunicação veículo/veículo e veículo/infraestrutura.



"Há mais de 120 anos a Goodyear procura obsessivamente inovações e invenções, em parceria com os pioneiros que impulsionam a mudança e a descoberta de transportes", disse Chris Helsel, diretor tecnológico da Goodyear. "Com as empresas de mobilidade olhando para o céu como resposta aos desafios do transporte urbano e do congestionamento, nosso trabalho em arquiteturas e materiais avançados de pneus nos levou a imaginar um pneu que poderia servir tanto como um pneu tradicional na estrada quanto como um sistema de propulsão aéreo."

No ano passado, em Genebra, a empresa apresentou a Oxygene, que apresentava musgo vivo crescendo dentro da parede lateral para melhorar a qualidade do ar. A estrutura aberta foi projetada para absorver a humidade e a água da estrada , permitindo a ocorrência da fotossíntese e, portanto, libertando oxigênio no ar.


Toyota quer transformar ar em combustivel


Quantino, o automóvel movido a agua salgada, zero emissões  


BMW apresenta o seu novo elétrico i4


Fonte//Phys







Acordo do governo Britânico para aumentar a energia eólica offshore


Um acordo confirmado entre o governo do Reino Unido e a indústria eólica garantirá que 30% da eletricidade seja proveniente da energia eólica offshore até 2030.
A medida ajudará o Reino Unido a atingir o objetivo de garantir quase toda a energia que consome seja produzida a partir de fontes com baixas emissões de carbono até 2030.É o último de uma série de acordos com setores da economia que provavelmente criarão empregos. Mas os ambientalistas perguntam de onde vêm os outros 70% da eletricidade limpa do Reino Unido.


Photo Boas Noticias

Dispositivo que pode fornecer energia limpa a milhares de lares utilizando energia das ondas


Isso porque, ao longo de vários anos, os economistas do governo previram uma política energética de três frentes até 2030.O governo projetou que 30% da eletricidade viria da energia eólica marítima, 30% da energia nuclear e 30% das centrais a gás equipadas com tecnologia para capturar suas emissões de carbono e enterrá-las. Agora está confirmado que o vento cumprirá sua parte até 2030.





Mas os planos para expandir a energia nuclear estão a enfraquecer, na verdade, o Reino Unido pode ficar mal, com apenas uma nova estação nuclear, em Hinkley, em vez das seis planeadas.
Quanto ao gás com captura de carbono, existe apenas uma única central planeada em escala comercial. O governo promete que vai cumprir as promessas de reduzir as emissões.
Seu compromisso é que a energia eólica marítima produza 30 gigawatts (GW) até 2030, criando milhares de chamados empregos no processo. Os jovens estão a ser atraídos por empregos no setor ambiental.
Mas os grupos verdes acreditam que é preciso muito mais, provavelmente o dobro disso (45GW).
John Sauven, diretor executivo da Greenpeace UK, disse: "Agora os planos do governo para uma frota de novos reatores nucleares entraram em colapso, deixando a Grã-Bretanha com uma grande lacuna de energia no futuro. Isso significa que a mais recente meta de energia offshore de 30 GW até 2030 é totalmente inadequada. O vento e a energia solar devem ser triplicados até 2030, sendo a energia eólica offshore a futura espinha dorsal do sistema energético do Reino Unido".

Foto BBC

Cientistas russos sugerem o uso de resíduos, como combustível



Rachel Reeves, presidente do comitê de negócios, energia e estratégia industrial (BEIS) disse: "As decisões de investimento em usinas nucleares como Moorside e Wylfa deixaram o Reino Unido com um enorme buraco na sua política energética. Dado que o carvão deve ficar de fora, e as perspetivas de  energia nuclear parecem incertas, é vital que o governo apresente um Plano B para suprir a lacuna de energia".






Existem alternativas?

Alguns analistas estão mais relaxados. Richard Black, da Unidade de Inteligência Energética e Climatização (ECIU), acredita que três novas centrais nucleares são prováveis ​ e acredita que o mercado resolverá o problema de 2030. Ele disse à BBC News: "A entrega de novas centrais nucleares em Hinkley, Sizewell e Bradwell, o que parece provável, satisfaria cerca de 20% da procura de eletricidade. O gás irá fornecer cerca de 15%, e haverá um pouco de biomassa no sistema também. Quanto ao resto, a nova eólica onshore não precisa de subsídio, e a energia eólica marítima e solar estão no ponto de não precisarem de subsídios. Portanto, é razoável esperar que todas as três sejam construídas através do mercado aberto”.




Desenvolvida célula de combustível de alta potência

Cientistas afirmam que só há uma saida: Energia Nuclear

Turbina das marés mais poderosa do mundo



Fonte//BBC



Vem aí o sinal de paragem obrigatória inteligente


Na zonas rurais em ruas escuras é por vezes difícil para os condutores verem um sinal de STOP, e por vezes acontecem acidentes devido a esse problema. De acordo com o Departamento de Transportes dos EUA, mais da metade de todas as mortes na estrada ocorrem em estradas rurais. Agora, engenheiros da Universidade do Texas em San Antonio (UTSA) estão construindo e testando um sistema térmico de baixo custo e auto alimentado que deteta veículos,  e melhora a visibilidade dos sinais de STOP.

 
Photo Jornal das oficinas

O futuro dos automóveis não será elétrico mas sim a hidrogénio


Para melhorar a segurança do motorista, Sara Ahmed e Samer Dessouky, professores da Faculdade de Engenharia da UTSA, criaram um sistema de deteção e alerta de interseção de baixo custo para alertar os motoristas rurais sobre possíveis perigos. O sinal de paragem da próxima geração usa um sensor infravermelho passivo de vários pixels que deteta o veículo quando ele se aproxima de um cruzamento. Quando o veículo estiver dentro da faixa de deteção, um sinalizador acionará o sistema e o sinal  de STOP pisca.





"O sensor deteta assinaturas térmicas e as processa para assinalar os veículos que passam", disse Zachary Balcar, aluno de mestrado do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da UTSA. "Ele identifica a direção do veículo, estima a velocidade de sua assinatura térmica e determina a classificação do veículo."
 No geral, o sistema inteligente tem 90 por cento de taxa de deteção de veículos e uma precisão de classificação de veículos de 72 por cento. Em comparação com as atuais tecnologias de deteção de tráfego nas áreas urbanas, como indutores de loop magnético, processadores de imagens de vídeo e radares de micro-ondas, o novo sistema consome menos energia e tem melhor precisão. A nova tecnologia também é de produção muito mais barata. Os atuais sistemas de segurança podem custar até US $ 5.000. A deteção da UTSA promete um preço entre US $ 60 e US $ 100 por unidade.
O sistema pode ser instalado em estradas urbanas ou rurais completamente independentes da rede elétrica, porque é alimentado por pequenos painéis solares e funciona em todas as condições climatéricas..



Photo Montoline

Panda Elettra, um dos primeiros elétricos do mundo



O sistema de deteção e alerta de interseção rural de baixa potência foi desenvolvido com o apoio do programa Connect, um programa colaborativo de pesquisa que é cofinanciado pela UTSA e pelo Southwest Research Institute.
 A equipe do projeto apresentou uma divulgação de invenção para o sistema, que foi recentemente reconhecido pela Associação Americana de Construtores de Rodovias e Transportes, e espera adaptar a tecnologia à deteção a peões, para segurança de fronteira e para comunicação veículo-infraestrutura.



Fonte// ScienceDaily




quarta-feira, 6 de março de 2019

As pirâmides do Egito ligadas á origem da civilização


Ao longo de centenas de anos, os egiptólogos mais conservadores mantiveram como verdade absoluta que as pirâmides do Egito são apenas enormes túmulos que foram usados ​​para sepultar os faraós, construídas apenas com mão de obra escrava.

Photo MisterioTV


O egiptólogo Robert Bauval lançou uma nova teoria sobre estes misteriosos monumentos e, segundo o documentário "Aliens in Egypt", os governos escondem a informação de que as pirâmides poderiam indicar origem extraterrestre. Em 2016, o documentário da Amazon Prime, revela os governos em todo do mundo têm mantido em segredo a confirmação de uma teoria sobre as pirâmides, porque indica a existência de extraterrestres.
As diferentes pessoas que se especializam em teorias da conspiração e estudiosos da vida extraterrestre estão certas de que a confirmação dessa teoria os aproximará de tudo o que possa ser revelado sobre a vida extraterrestre, tanto no passado quanto no presente.


Photo MisterioTV


Arqueólogos descobrem dezenas de múmias milenares no Egito




A teoria das pirâmides do Egito baseia-se na correlação entre a localização onde estão localizadas as três maiores pirâmides do complexo piramidal de Gizé e a constelação de Orion. O documentário explica o que alguns cientistas afirmaram, que os antigos egípcios não só tinham grande conhecimento das estrelas e dos planetas, mas indicavam de onde vieram.
Essa afirmação, que tem sua origem em diferentes investigações e análises feitas nos anos 80, tenta explicar de alguma forma por que a Grande Pirâmide de Gizé foi construída com tanta precisão.
A teoria aponta que existe uma correlação muito próxima entre a posição em que as três maiores pirâmides de Gizé foram erguidas e a localização das três estrelas que compõem a cintura da constelação de Orion.






Robert Bauval, que foi apelidado pelos fãs e jornalistas como o "Novo egiptólogo" propôs esta teoria originalmente em 1983, quando descobriu, usando uma fotografia tomada por satélite, como a menor das três pirâmides estava ligeiramente deslocada em relação ás outras duas.
O Egiptólogo então verificou que as estrelas de Orion estão misteriosamente na posição exata sobre as pirâmides.
Bauval disse que ele corroborou dessa maneira a teoria de que as três pirâmides de Gizé eram uma representação exata da constelação da Cintura de Orion. Todas as suas hipóteses e descobertas podem ser lidas no livro que ele publicou em 1994: "O mistério de Orion: desvendando os segredos das pirâmides".

Photo MisterioTV

Pirâmide mais antiga do mundo pode estar na Indonésia



O documentário também explica como as estrelas que compõem a cintura de Órion eram associadas pelos antigos egípcios a Osíris, o deus do renascimento e vida após a morte. Além disso, deve-se notar que a constelação de Orion é a mais brilhante.
Mas os antigos egípcios não são os únicos que foram influenciados pela constelação de Órion, muitas civilizações por todo o mundo basearam suas origens nessa constelação, além de ser a única que pode ser observada em todo o mundo.

Com base nessa explicação, ovnilogistas de todo o mundo apontaram que os deuses egípcios, assim como as divindades de diferentes civilizações ao redor do mundo, originam-se dessa constelação e vieram á Terra a partir dela.






Descoberta rampa que pode ter servido para a construção das grandes pirâmides



Fonte//MisterioTV





Luzes 'Alienígenas' no Reino Unido deixam internautas intrigados


Logo após a publicação, nas redes sociais, de um vídeo mostrando um fenômeno estranho apareceram uma série de teorias sobre a origem destas, que vão, do reflexo da luz do sol a uma teoria de uma "invasão alienígena".


Photo SputnikNews

Camara da Estação Espacial Internacional filma estranhos objetos nas imediações



Moradores da cidade costeira de Bangor, na Irlanda do Norte, viram duas luzes estranhas de origem desconhecida sobre a superfície de uma das baías da cidade. Um vídeo mostrando o fenômeno foi publicado pela na internet e uma foto foi publicada na página do grupo Bangor Life no Facebook, com o autor a questionar a possível natureza das luzes.


De acordo com um habitante local, que tirou a foto, as luzes "piscaram às vezes, com intervalos aleatórios". O autor alega no Facebook temer que pudesse ser o começo de uma "invasão alienígena".
Outros utilizadores daquela rede social, sugeriram que as luzes poderiam ter sido raios solares que depois de atravessar as nuvens foram refletidos na água. Outros achavam que poderiam ter sido mergulhadores tirando fotos da vida subaquática.




A verdade é que ate agora não há conclusões sobre a origem daquelas luzes estranhas


Nova ferramenta online permite controlar vida alienígena




Fonte// SputnikNews

terça-feira, 5 de março de 2019

'Elixir da Imortalidade' descoberto em túmulo chines com 2 mil anos


Arqueólogos da província de Henan, no centro da China, encontraram o famoso “elixir da imortalidade” descrito na antiga literatura taoísta, informou a agência de notícias Xinhua.
Cerca de 3,5 litros do líquido foram encontrados num pote de bronze encontrado num túmulo da dinastia Han ocidental na cidade de Luoyang em outubro passado.
 
Photo Xinhua/Li An


Bíblia prova que cidade perdida de Atlântida está em Israel



Os investigadores pensaram que se tratava de uma bebida licorosa pois emanava um forte odor de álcool. Análises de laboratório, porém, permitiram determinar que o líquido é feito de nitrato de potássio e alunita, que são ingredientes-chave de um elixir da vida descritos num antigo texto taoísta, segundo o principal arqueólogo do projeto de escavação, Pan Fusheng.




Esses elixires que supostamente davam a imortalidade ou longevidade preternatural eram comuns em muitas culturas antigas, e no caso da China, eram compostas de todos os tipos de ingredientes invulgares que normalmente não são consumidos, como no caso do ouro, jade, mercúrio, arsênico e muitos outros minerais venenosos.

Foi descoberto também um grande número de utensílios de jade, potes de barro pintados e artefactos de bronze na sepultura dos nobres, que mede cerca de 210 metros quadrados.
Muitos imperadores chineses perseguiram a vida eterna: Qin Shi Huang, o primeiro imperador de uma China unificada, estava tão desesperado nos seus esforços para enganar a morte que construiu um enorme mausoléu subterrâneo para os mundialmente famosos soldados de terracota, que deveriam protegê-lo na vida após a morte.
Curiosamente, o imperador morreu apenas 49 anos de idade, presumivelmentne envenenado por  beber um elixir alquímico.




Fonte//Gizmodo




O protótipo da Honda E, o compacto elétrico de tração traseira



Lembre-se do Honda Urban EV? Foi um pequeno carro, conceito retro que estreou no Salão Automóvel de Frankfurt 2017. A Honda prometeu que estava indo para a produção, e agora, no Salão de Genebra de 2019, poderemos vê-lo, o protótipo da Honda E, que certamente parece-se muito com a versão de produção do conceito apresentado.


Photo Honda

O futuro dos automóveis não será elétrico mas sim a hidrogénio


Segundo a Honda, o protótipo E, é um modelo de produção que evoluiu a partir do carro conceito de 2017. Este veículo definitivamente parece uma versão mais produtiva do design, com proporções mais realistas que ainda conseguem reter o charme do conceito. É um estilo simples e suave, retro sem ser kitsch.
Mas a estética não é tudo. Este veículo promete ser uma máquina completamente moderna. A Honda diz que este é seu primeiro veículo compacto construído numa plataforma EV dedicada, com tração traseira e um único motor. 


Photo Honda


ORA R1 o pequeno elétrico mais barato do mundo



Ainda não foram divulgadas as especificações técnicas, mas a Honda diz que o protótipo E oferece uma autonomia de mais de 200 km e capacidade de carga rápida, carregando 80 por cento da bateria em apenas 30 minutos.






 No interior, o painel de instrumentos consegue ser de alta tecnologia e minimalista, com um monitor de tela dupla ladeado por monitores de vídeo ligados às câmaras de visão traseira montadas no exterior.

  
Photo Honda

Espanha aposta no hidrogenio como combustivel para automoveis




É um conceito atrativo porque ele parece incorporar tudo o que de bom vem dos carros antigos da Honda.  É econômico, mas divertido. Tem personalidade, mas não tem truques. Além disso, com tração traseira e um baixo centro de gravidade graças às baterias montadas no pavimento, imagina-se que terá muita estabilidade na condução.
O Honda E Prototype vai estrear no Salão Automóvel de Genebra no dia 5 de março. A produção deverá  começar ainda este ano.




Fonte//Road and Track




segunda-feira, 4 de março de 2019

O desaparecer das nuvens trás nova ameaça


Há 50 milhões de anos, período conhecido como Eoceno, o Ártico não era coberto de gelo como hoje. A Terra era cerca de 13ºC mais quente, e a paisagem no extremo norte do planeta era sobretudo florestas pantanosas repletas de crocodilos, semelhantes às encontradas hoje ao sul dos EUA.




Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos




Para tentar entender o que deixou o planeta tão quente no passado, e o que pode acontecer com o clima no futuro, cientistas usam modelos matemáticos que unem dados recolhidos e analises computadorizadas. Os resultados desta projeção indica que a concentração de CO² na atmosfera teria que ser de 4 mil partes por milhão (ppm) para que a temperatura ficasse tão quente como no passado. Isso é uma concentração muito alta de carbono. Para se ter uma ideia, a concentração atual é de 410 ppm.

Ainda não se sabe exatamente o que causou as temperaturas elevadas de há 50 milhões de anos, mas uma nova pesquisa publicada na Nature Geoscience indica que a resposta pode estar nas nuvens.
Cerca de 20% dos oceanos subtropicais estão cobertos por uma baixa e fina camada de nuvens, chamadas de estrato cúmulos. Estas nuvens refletem a luz do sol para o espaço e arrefecem a Terra, sendo fundamentais para regular o clima no planeta.
O problema é que os movimentos do ar que sustentam essas nuvens são muito pequenos para serem calculados, e acabam ficando de fora das medições climáticas globais.

Para contornar essa limitação, os investigadores criaram um modelo em pequena escala de uma seção atmosférica representativa por cima de um oceano subtropical, simulando em supercomputadores as nuvens e seus movimentos turbulentos.
Nas projeções, quando a concentração de CO² excedia os 1.200 ppm, as nuvens desapareciam. Sem a cobertura delas, o calor do Sol, antes refletido, era absorvido pela terra e pelo oceano, representando um aquecimento local de 10ºC. Globalmente, a temperatura subiria 8ºC rapidamente, o que significaria o fim da vida como conhecemos.








Depois das nuvens desapareceram, não voltaram a aparecer até que os níveis de CO² baixaram para níveis substancialmente abaixo de quando a primeira instabilidade ocorreu. De acordo com os cientistas, se a emissão de carbono mantiver a tendência atual, chegaríamos à concentração catastrófica do CO2 em meados do próximo século.
"Acredito e espero que as mudanças tecnológicas desacelerem as emissões de carbono para que não alcancemos concentrações tão altas de CO². Mas nossos resultados mostram que há limites perigosos de mudanças climáticas dos quais não tínhamos conhecimento", disse o líder do estudo, Tapio Schneider, professor de Ciências Ambientais e Engenharia da Caltech e investigador do Jet Propulsion Laboratory, da NASA.

O investigador, no entanto, aponta para a necessidade de novos estudos e ressalta que a concentração limite de 1.200 ppm na atmosfera é apenas um número aproximado. As nuvens e a humanidade podem desaparecer com concentrações menores ou maiores.
"Esta pesquisa aponta para um ponto cego nos modelos climáticos", afirmou Schneider, líder atual do Climate Modeling Alliance (CliMA). O consórcio usará ferramentas de assimilação de dados e simulações de alta resolução num modelo que representa nuvens e outros recursos importantes, mas com cálculos em menor escala e maior precisão do que os atuais.


Preocupante. Os oceanos estão a aquecer 40% mais rápido que era previsto



Arqueologos recuperam artefactos maias no lago Petén Itzá


Uma equipe de arqueólogos polacos mergulharam num lago possivelmente sagrado no norte da Guatemala recuperou centenas de artefactos maias, incluindo tigelas cerimoniais e lâminas de obsidiana que podem ter sido usadas em antigos sacrifícios de animais.
Os cientistas na Guatemala estão examinando os artefactos para aprender mais sobre a cultura material do povo maia em diferentes épocas. Os investigadores também querem aprender como os objetos podem relacionar-se com as práticas religiosas maias.


Photo Imperio chapin

Civilização maia revelada sob a espessa vegetação da selva da Guatemala



Os arqueólogos recuperaram mais de 800 artefactos do lago Petén Itzá , que já cercou a antiga cidade maia de Nojpetén, de acordo com a líder da equipe, Magdalena Krzemień, arqueóloga da Universidade Jagiellonian na Polônia.
A ilha que já foi o local da antiga cidade maia, ligada por uma ponte para a costa, é agora o local da moderna cidade de Flores, na província mais ao norte de Petén, na Guatemala, uma região sem litoral famosa por suas montanhas e selvas.
A equipe de mergulho polonesa passou um mês trabalhando com arqueólogos guatemaltecos no lago Petén Itzá.

Muitos dos artefactos encontrados no lago eram pequenos pedaços de cerâmica, com alguns datando do período proto-clássico maia, entre 150 aC e 250 dC, enquanto a maioria datava do período pós-clássico maia, de AD 1000 a 1697 dC .
Os maiores objetos encontrados no lago são três tigelas de cerâmica, uma dentro da outra, e uma lâmina de faca de obsidiana semelhante ás usadas ​​em rituais antigos, indicando que poderia ter sido usado para sacrifícios humanos ou animais.
Pequenos ossos de animais foram encontrados dentro de algumas das bacias, o que pode indicar que as embarcações foram usadas para sacrifícios.


Photo Revista Galileu

Antigo lago oferece novas pistas do fim da civilização Maia



O lago em torno da antiga cidade de Nojpetén provavelmente desempenhou um papel importante nos antigos rituais maias.
A água tinha um significado muito especial e simbólico nas antigas crenças maias. Pensa-se para ser uma porta para o mundo subterrâneo, o mundo da morte, onde os deuses viviam.
Como resultado dessas crenças, os antigos maias sacrificaram animais e às vezes seres humanos para seus deuses em lagos e em sumidouros de calcário inundado conhecidos como cenotes , vulgares na região.
A antiga cidade de Nojpetén era um centro da civilização maia na Mesoamérica pré-colombiana, uma civilização que se estendia pelo moderno sudeste do México, Guatemala, Belize e partes de Honduras e El Salvador. Entre os sítios arqueológicos maias mais famosos está a antiga cidade de Chichen Itza , na península de Yucatán, no México moderno.
Os maias fizeram avanços, incluindo um intricado calendário astronômico e a escrita pictórica característica da cultura, numa civilização que durou mais de 2.000 anos antes da chegada dos europeus às Américas. A cultura maia também influenciou outras civilizações mesoamericanas, como a cultura asteca do México central.



Photo Revista Galileu

Descoberto altar Maia com 1500 anos




A equipe de mergulho polaca de seis membros incluiu arqueólogos da Universidade Jagiellonian em Cracóvia, da Universidade Nicolaus Copernicus em Toruń e da Universidade de Varsóvia, tendo passado um mês no lago em agosto e setembro do ano passado, totalizando cerca de 90 mergulhos em várias profundidades.
 A equipe trabalhou com seis arqueólogos da Guatemala, liderados por Bernard Hermes, e com dois mergulhadores polacos que haviam patrocinado a expedição, Sebastian Lambert e Iga Snopek. Krzemień, estudante de arqueologia maia durante intercâmbio internacional com uma universidade mexicana. Ela disse que os arqueólogos polacos e guatemaltecos planeiam reunir-se durante um mês por ano para explorar o lago Petén Itzá debaixo de água. Eles já estão planeando sua próxima expedição para agosto.


Fonte//Livescience

Descoberta enfinge no sul do Egito



Uma equipa de arqueólogos descobriu os restos de uma oficina com cerca de 3500 anos na área de Gebel el Silsila, no sul do Egito. No mesmo local, foram também encontradas várias esculturas e hieroglíficos, sendo identificado como do reinado de Amenhotep III da 18.ª dinastia.

Photo Gebel el Silsila

Descoberta rampa que pode ter servido para a construção das grandes pirâmides



Entre os elementos descobertos encontra-se uma esfinge com cabeça de carneiro feita de arenito com cerca de 5 metros de comprimento e 3,5 metros de altura, mesmo tendo a cabeça partida. Foi também encontrada perto, uma outra de menores dimensões que pode ter sido esculpida por um aprendiz.
 As esfinges são um símbolo da realeza do Antigo Egito, e representavam a força e o poder do faraó, sendo também consideradas símbolos da vida após a morte, sendo muitas vezes encontradas junto a túmulos.








Segundo a equipa que efetuou a escavação, a oficina deve ter sido abandonada após a morte do faraó Amenhotep III, em meados 1350 a.C.
As esfinges não foram os únicos objetos encontrados. A equipa encontrou uma escultura de uma cobra feita para coroar a cabeça da esfinge e ainda uma estela (coluna de pedra destinada a ter uma inscrição).

Photo Gebel el Silsila


Descoberta “porta para o Inferno” numa caverna de Midlands


Foi também encontrado um santuário destruído com símbolos hieroglíficos dedicados a  Amenhotep III e partes de uma escultura de um falcão e um obelisco.
A descoberta foi filmada pela produtora britânica Windfall Films para a National Geographic Channel (O Tesouro Perdido do Egito: Rainha Guerreiro Faraó) e vai ser exibido em Março no Canal 4 do Reino Unido (Segredos do Vale dos Reis do Egito).



Fonte//Gebel el Silsila




domingo, 3 de março de 2019

Ate que ponto as profecias bíblicas estão sendo cumpridas?


Nos últimos anos, tem havido um aumento enorme de pessoas pesquisando no Google sobre o fim do mundo devido ao número de acontecimentos estranhos que têm vindo a acontecer em todo o mundo. Desde furacões estranhos e terremotos poderosos, até acontecimentos apocalípticos que são descritos como tal nas profecias bíblicas.


Photo Infinity Explorers

A isto se soma o número de conflitos políticos, como os da Venezuela, a Rússia, os Estados Unidos, Índia e Paquistão. Não é de surpreender que muitas pessoas se perguntem se estamos nos aproximando do fim dos tempos. Embora a Bíblia seja clara afirmando que nenhum ser humano sabe exatamente quando será o dia do julgamento, ela menciona que haverá sinais sobre uma segunda vinda de Cristo. A juntar a isso, no passado, o mundo testemunhou alguns eventos muito estranhos que parecem tiradas de um filme apocalíptico.


Photo MisterioTV


Começamos com um fenômeno estranho que, está nas profecias bíblicas.
 A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alertou para uma praga de proporções bíblicas que se espalhou do Sudão nas duas margens do Mar Vermelho até a Arábia Saudita e o Egito. De acordo com o que os especialistas da FAO explicaram, a praga atual tem sido o resultado de longos períodos de chuva no Sudão e na Eritreia, o que contribuiu para duas gerações de reprodução, o que leva a um aumento anormal na população de gafanhotos
E aparentemente, os próximos três meses serão ainda mais críticos para poder controlar a peste, antes do início da criação de verão. A maior disseminação do surto atual depende de dois fatores essenciais; medidas eficazes de controlo e monitorização em áreas de reprodução de gafanhotos no Sudão, Eritreia e Arábia Saudita e países mais próximos, e a intensidade com que chove entre os períodos de Março e Maio em ambas as áreas do Mar Vermelho e dentro da Península Arábica.

Photo MisterioTV

Judeus preveem o fim dos tempos e querem construção do terceiro templo


Em 24 de fevereiro, em Malta, aconteceu um dos piores furacões na história do país de acordo com as declarações do primeiro-ministro Joseph Muscat, mas depois da grande tempestade, não veio a calma, porque aconteceu situação tão invulgar que causou pânico nos habitantes. Foi a chamada de "chuva de peixes" causados ​​por maremotos. A ilha foi atingida por ventos superiores a 130 quilômetros e causou grandes danos materiais. Mas o mais preocupante foram as ondas, que encheu de peixes as casas, estradas e ruas do país.






Esses são apenas alguns dos estranhos fenômenos que vêm ocorrendo nos últimos tempos. Embora os cientistas tenham dado explicações lógicas sobre esses incidentes, muitas pessoas dizem que, sem dúvida, são os sinais do apocalipse. Especialistas nas profecias bíblicas têm alertado que todos esses fenômenos estranhos espalhar-se-ão por todo o mundo como está no Livro do Êxodo, onde é mencionado que uma praga de gafanhotos era um dos dez castigos que cairiam sobre os egípcios por escravizar o povo judeu.




Eles até afirmam que estávamos errados sobre as profecias feitas pelos maias para 2012, e que essa data foi apenas o ponto de partida de sete anos de tribulação, como indicam as profecias bíblicas.
Assim, o fim do mundo poderia realmente começar em 21 de dezembro deste ano de 2019. Após o fim dos sete dias, uma mudança começaria nos polos que podem ser vistos dos céus que indicarão o fim do mundo.


Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio




Fonte//MisterioTV