quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio


Os cientistas comprovaram recentemente que a causa da morte de praticamente toda a vida marinha durante a maior extinção em massa da história da Terra foi o aquecimento global. Com os oceanos mais quentes, o metabolismo dos animais foi acelerado, ao mesmo tempo em que as águas do planeta ficavam com menos oxigênio. Essa combinação foi fatal. Este olhar para o passado é importante para evitar que algo parecido se repita no futuro. Pode parecer um cenário muito distópico, mas os sinais estão se repetindo.

Photo The  Richest

2018, foi o ano mais quente dos oceanos



 De acordo com vários estudos, o oxigênio, necessário para escapar de predadores, executar o processo de digestão, respiração e outras atividades animais, não está tão abundante como era para a vida marinha no planeta Terra.
Na última década, os níveis de oxigênio nos oceanos caíram drasticamente, uma tendência alarmante e veloz ligada à mudança climática. “Ficamos surpresos com a intensidade das mudanças que vimos, a rapidez com que o oxigênio está baixando no oceano e o enorme efeito nos ecossistemas marinhos”, diz Andreas Oschlies, oceanógrafo do Centro Helmholtz de Pesquisas Oceânicas Kiel (Geomar), na Alemanha, cuja equipe monitoriza os níveis de oxigênio nos oceanos em todo o mundo, numa entrevista para a revista Scientific American.


O maior problema, segundo Oschlies, é a velocidade e a escala da queda dos níveis de oxigênio, uma questão que exige atenção urgente, diz o pesquisador. Os níveis de oxigênio em algumas regiões tropicais baixaram uns impressionantes 40% nos últimos 50 anos, revelam alguns estudos recentes. Globalmente, os níveis baixaram uma média de 2%.









Animais marinhos grandes e pequenos são afetados até mesmo por pequenas alterações no oxigênio, buscando refúgio em zonas com mais oxigênio ou ajustando o seu comportamento. Esses ajustes podem expor estes animais a novos predadores ou empurra-los para regiões com escassez de alimentos. A mudança climática produz outros sérios problemas para a vida marinha, como a acidificação dos oceanos, mas a desoxigenação é a questão mais urgente que os animais marinhos enfrentam atualmente, segundo Oschlies.
 As condições físicas que explicam a menor quantidade de oxigênio em águas mais quentes são simples. Um oceano aquecido perde oxigênio por duas razões: primeiro, quanto mais quente um líquido se torna, menos gás ele pode conter. Em segundo lugar, quando o gelo polar do mar derrete, forma uma camada de água superior na superfície do mar sobre águas mais frias e mais salgadas. Este processo cria uma espécie de tampa que pode impedir que as correntes misturem águas superficiais com as mais profundas. E como todo o oxigênio entra neste habitat na superfície, seja diretamente da atmosfera ou do fitoplâncton que vive na superfície, produzindo-o durante a fotossíntese, menos mistura significa menos oxigênio em maiores profundidades.

A preocupação dos cientistas está localizada em mudanças nos ecossistemas dos oceanos abertos e perto dos polos, locais que costumavam ter muito oxigênio. As regiões costeiras perto do equador são locais de baixo nível de oxigênio porque são águas ricas em nutrientes, onde as bactérias consomem oxigênio à medida que se alimentam dos seres marinhos mortos.

Os modelos climáticos que projetam mudanças futuras subestimaram rotineiramente as perdas de oxigênio já observadas nos oceanos do mundo”, afirmou Oschlies na revista Nature no ano passado.
Os efeitos de quedas no oxigênio em locais onde o zooplâncton se reúne foram documentados num relatório de dezembro de 2018 da Science Advances. “Eles são muito sensíveis”, diz Karen Wishner, líder do estudo, oceanógrafa da Universidade de Rhode Island, nos EUA.
Algumas espécies destes seres na base da cadeia alimentar nadam para águas mais frias e profundas, com mais oxigênio. Porém, chega a um ponto onde afundar mais é mais difícil encontrar comida ou se reproduzir em águas com temperaturas mais baixas.


Zooplankton. Photo: Matt Wilson/Jay Clark, NOAA NMFS AFSC Wikimedia

Derretimento do gelo antártico pode submergir cidades inteiras



Além destes efeitos, os animais enfrentam vários outros desafios fisiológicos à medida que seus corpos se ajustam para reduzir os níveis de oxigênio. Segundo um estudo sobre Fisiologia e Comportamento Marinho e de Água Doce feito no mês passado, camarões chineses balançam suas caudas de forma menos vigorosa para economizar energia em ambientes com menos oxigênio, tornando-se menos ágeis, o que os fez ter menos hipóteses de sobrevivência na natureza.
 Outro estudo, de 2016, mostrou que alguns peixes machos produzem menos espermatozoides à medida que os níveis de oxigênio diminuem, e a tendência parece não se recuperar nas gerações futuras quando os níveis de oxigênio melhoram.








Funções sensoriais básicas, como visão e audição, também podem diminuir num oceano pobre em oxigênio. Estudos já mostraram que mesmo pequenas quedas no oxigênio prejudicam a visão em alguns seres do zooplâncton, da mesma forma que acontece com humanos quando vão para grandes altitudes e respiram ar rarefeito. Muitas espécies de zooplâncton confiam na visão para migrar pela coluna de água para evitar predadores, então a perda de visão pode impedir sua capacidade de captá-las.

Algumas criaturas, como as medusas, são mais tolerantes os baixos níveis de oxigênio do que outras. Mas todos os animais sentirão o impacto da desoxigenação. “Qualquer queda no oxigênio vai prejudicar a capacidade de sobrevivência e desempenho”,. diz American Brad Seibel, oceanógrafo da Universidade do Sul da Flórida, à Scientific.

Um mapa dos níveis de oxigênio dissolvido nos oceanos ( a ) e como os níveis de oxigênio diminuíram ou subiram por década.
 Photo Schmidtko, et al., Nature 2017



O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar


Além da ameaça direta à vida de todo o ecossistema marinho, a falta de oxigênio nos oceanos também terá impacto na sociedade humana. À medida que regiões ricas em oxigênio se tornam mais escassas, os atuais habitats de peixes também diminuirão e forçarão espécies economicamente importantes, como o atum, que gera globalmente cerca de 42 mil milhões de dólares por ano, a habitarem novas zonas. Investigadores americanos descobriram que o habitat para o atum e a pesca do espadarte diminuíram 15% entre 1960 e 2010 no nordeste dos EUA devido à perda de oxigênio.


As “zonas mortas”, onde o oxigênio desaparece por completo, podem forçar alguns peixes a buscar áreas de oxigênio mais altas. Isso pode ajudar os pescadores a encontrá-los porque os peixes se reúnem nessas áreas condensadas, mas também fornece uma falsa sensação de abundância que não será sustentável a longo prazo, observa Seibel.

Para tentar alertar o mundo e resolver o problema da desoxigenação dos oceanos, Oschlies ajudou a organizar uma conferência internacional sobre o assunto em Kiel, na Alemanha, em setembro do ano passado. Os participantes elaboraram uma declaração chamada Declaração de Kiel sobre a desoxigenação oceânica para conscientizar os governos internacionais, as Nações Unidas e o público, bem como exigir ações imediatas.

Os cientistas agora querem que governos e grupos internacionais façam avanços mais sérios para diminuir a mudança climática e reduzir a poluição, fator que agrava a diminuição do oxigênio. Os investigadores modelaram a nova declaração após a Declaração de Mônaco, que Oschlies acredita ter ajudado a aumentar a conscientização internacional sobre a acidificação dos oceanos, em 2008.

É realmente um alerta para o público e para as várias agências governamentais e internacionais que essa é uma questão importante”, diz Wishner, um dos mais de 300 cientistas de mais de 30 países que assinaram a declaração. Seibel, também signatário, disse à Scientific American, achar ser uma situação terrível.


Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável






Cidades costeiras invadidas por “tsunamis” de gelo nos EUA




As cidades costeiras junto aos Grandes Lagos da América do Norte, entre os Estados Unidos e o Canadá, foram invadidas por enormes blocos de gelo, provocando faltas de energia e problemas no tráfego aéreo.
 A causa destas massas de gelo foi a intensidade do vento, com rajadas na ordem dos 100 quilómetros por hora que levantaram o gelo depositado na superfície dos lagos e o arrastaram para dentro das cidades. Não é a primeira vez que o fenómeno destes acontece na zona este norte-americana. Mas desta vez chegou mais cedo e foi mais intenso do que no passado.



Estes tsunamis de gelo acontecem quando ventos muito fortes incidem diretamente em zonas de costa ligeiramente inclinadas e levantam o gelo que está a superfície do lago.
 Quanto menos inclinação tiver a costa, mais o gelo é empurrado para dentro da cidade. Foi isso o que aconteceu em cidades como Hamburg em Nova York, nos EUA ou em Fort Erie, no Canadá.
Estas tempestades são mais vulgares no início da primavera, quando gelo começa a derreter.  “Nunca houve gelo a chocar contra as paredes e a entrar nos pátios”, garantiu um residente à WGRZ.




Isto aconteceu devido á combinação de dois fatores. Além dos ventos fortes que se registaram nos Grandes Lagos, houve uma grande mudança na temperatura que fez com que o gelo expandir e depois voltasse a contrair. Isso obrigou o gelo a mover-se e entrar pela costa formando autênticas paredes que invadiram as cidades como uma grande onda. Essas paredes geladas podem chegar a ter mais de 90 centímetros de largura e 1,50 metros de espessura.
Em 1822, um naturalista norte-americano não identificado alegou ter visto “rochas, ao nível do chão, deslocar-se gradualmente ao longo do leito de um lago ultrapassando todos os obstáculos”, conta a National Geographic.
A partir dessa data, foram registados fenómenos semelhantes noutras latitudes do hemisfério norte. E, em 2001, voltou a  acontecer, quando um “tsunami” de gelo com quase cinco metros de altura invadiu o Alaska saído do Mar de Tchuktchi.



Várias imagens destas invasões do gelo mostram barreiras de blocos de gelo a ladear as estradas ao longo do rio Niágara, em Fort Erie. Um homem garantiu que este fenómeno foi “uma das coisas mais loucas” que alguma vez testemunhou e que o gelo está a derrubar árvores e candeeiros.

O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar


A National Weather Service em Buffalo avisou: “Esta é uma situação particularmente perigosa! Se tem de viajar, prepare-se para encontrar estradas interrompidas, danos extensos e linhas de energia caídas”. Além disso, o Serviço de Emergência da Cidade de Hamburg também informou estar a decorrer uma evacuação de Hoover Beach neste momento.


Fonte//Natgional Geografic




quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Teoria da conspiração indica que o Titanic nunca afundou


Quando o Titanic afundou em 1912, chocou o mundo. Os limites da inovação foram cruelmente demonstrados com a destruição de um navio tecnicamente notável. Mas uma teoria da conspiração que surgiu on-line nos últimos anos, mais recentemente no Reddit, faz a pergunta: Foi realmente o Titanic que se afundou em 1912?

Photo Wikipedia


China testa canhão eletromagnético


O fato é que um navio realmente afundou nas águas geladas do Atlântico Norte em 15 de abril de 1912, e aproximadamente 1.500 passageiros morreram. A conspiração simplesmente sugere que o navio não era realmente aquela maravilha técnica que a empresa armadora do navio, a White Star Line, havia publicitado. Em vez disso, a White Star Line trocou os navios na viagem de Southampton para Nova York.  O navio foi anunciado como o Titanic de primeira linha, era na verdade, um navio mais antigo, o Olympic.

A British White Star Line tinha forte concorrência na Inglaterra e em todo o mundo. Localmente, teve uma feroz rivalidade com a Cunard Steamship Company, Ltd., que em 1906-07 havia introduzido na linha transatlântica os maiores navios de passageiros do mundo, o Lusitânia e o Mauritânia .
Para competir com este dois belos navios, a White Star Line entrou numa gigantesca guerra naval. A empresa estava habituada a estas batalhas, mas o Lusitania e o Mauretania da Cunard haviam superado os chamados "Big Four" da White Star em termos de velocidade máxima.

Em 1902, a White Star tornou-se uma propriedade da International Mercantile Marine Co. (IMM), uma holding financiada pelo famoso financiador JP Morgan. Com a permissão de Morgan, o presidente da White Star, J. Bruce Ismay, começou a projetar o que viriam a ser conhecidos como os navios de classe “Olympic” . Os navios teriam mais velocidade que os navios da Cunard, seriam ainda maiores e mais luxuosos. Foram encomendados três navios: o Olympic , o Titanic e o Britannic .








O Olympic foi o primeiro a ser construído, e foi considerado o navio principal. Sua primeira viagem foi muito divulgada, e as primeiras viagens tiveram enorme sucesso. Mas na sua quinta viagem, o navio teve sérios problemas.
Em 20 de setembro de 1911, ao passar por um navio militar, o Hawke , o Olympic fez uma guinada inesperada, e os dois navios chocaram. O Olympic conseguiu voltar ao porto, gravemente danificado. Mais tarde em julgamento a White Star Line foi responsabilizada pelo acidente e aí começa a conspiração

 Olympic com o casco danificado
BIBLIOTECA DO CONGRESSO / CORBIS / VCG VIA GETTY IMAGES GETTY IMAGES


Empresa Holandesa constroi 2 barcaças para contentores totalmente eletricas



Até o acidente são fatos reais que realmente aconteceram. Após o acidente, aparecem as teorias da conspiração. O acidente do Olympic foi um desastre econômico. O processo significou que as reparações não seriam pagas pelo seguro, e o navio não estava ganhava atracado ao cais. Assim, a empresa fez uma mudança. O seu segundo navio, recém-construído, assumiria o nome Olympic, enquanto seu navio mais velho seria reparado para ser o Titanic . Eventualmente, o verdadeiro Olympic (agora secretamente operando como o Titanic) seria afundado num acidente no qual a White Star Line poderia receber dinheiro do seguro.



Outra teoria indica um raciocínio mais nefasto para o naufrágio: JP Morgan , que estava por trás da mudança, ansiava usar um navio inferior para afogar seus inimigos.
Os proponentes de ambas as teorias apontam um grande número de pistas. Não foi permitida uma visita pública ao Titanic antes de sua viagem, por medo de que fosse descoberto por especialistas, que era na realidade o Olympic. E depois há uma desigualdade nas vigias. Um recente artigo popular do Reddit examina imagens do Titanic em construção e do Titanic na sua primeira viagem, e revela que as vigias são como as do Olympic.

Há uma infinidade de outros detalhes: O site TitanticSwitch documenta 44 indicações que apontam para o argumento de que o Olympic está no fundo do mar, em vez do Titanic original.
Esse site depende parcialmente do trabalho dos investigadores do Titanic , Steve Hall e Bruce Beveridge. Os dois publicaram um livro sobre o assunto, Titanic ou Olympic. Qual navio que afundou ? Eles também ajudaram a escrever outros livros da história do Titanic , incluindo o Titanic: The Ship Magnificent .Os dois salientam o argumento das vigias.
O Olympic , tal como o Titanic, , foi equipado originalmente com o mesmo arranjo de 14 vigias no lado da porta de seu castelo de proa, mas foram instaladas mais tarde duas escotilhas adicionais no Olympic. Elas estavam lá em março de 1912.



O Olympic e Titanic em construção lado a lado.
BIBLIOTECA DO CONGRESSO / CORBIS / VCG VIA GETTY IMAGES GETTY IMAGES


Japoneses receiam uma catástrofe natural


O historiador Mark Chirnside também dedicou-se à questão do porquê da mudança. Em 2005, ele examinou os arquivos do seguro. O Titanic custou US $ 7.500.000 ', e foi segurado' por US $ 5.000.000. O vice-presidente americano do IMM, Philip AS Franklin, confirmou que a apólice de seguro era de US $ 5 milhões.
"Se houvesse uma conspiração, seria de esperar que a apólice de seguro teria sido alterada para cobrir todo o valor do navio", escreve Chirnside. “Mas naqueles moldes, a White Star só poderia esperar recuperar dois terços do valor do navio".

Mas não é só. "É simplesmente impossível transferir um navio com um ano de operação para um novo ", diz ele, apontando para uma série de pequenas diferenças entre os dois, incluindo "placas de aço adicionais que foram encaixadas nos estribos do Olympic ". e ainda há em mais inspeções nos anos 20 e 30. Quando o Titanic foi investigado pela banca britânica, não foram encontradas tais placas.
Não é que o Titanic ou proprietário JP Morgan estivesse acima de suspeita. Morgan demonstrou ter imenso poder sobre os Estados Unidos durante sua vida, resolvendo a Crise Bancária de 1907 quase sozinho. Não há nenhuma prova concreta que sustente esta conspiração e o naufrágio do Titanic mantem-se com as evidências apresentadas pelos historiadores.




Cientistas desenvolvem processo de solidificar o C02 de forma rentavel


Todos nós sabemos que CO2 é o principal responsável pelo aquecimento global. É muito difícil prende-lo de maneira a que não seja libertado livremente na atmosfera.
O que precisamos é algo barato. Algo sustentável e que consiga extrair carbono suficiente da atmosfera para realmente fazer a diferença. Um grupo de cientistas na Austrália podem ter desenvolvido algo que o faça.


Photo elquintopoder


O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar



Investigadores da Universidade RMIT, em Melbourne, desenvolveram uma tecnologia que pode converter dióxido de carbono na forma gasosa, em partículas do que é essencialmente fuligem pura.
Reformular o ciclo do carbono em gases de efeito estufa e encontrar uma maneira de devolvê-los ao solo é um sonho dos cientistas desde que existe a ameaça do aquecimento global.
Existe numa longa lista de maneiras de aprisionar o carbono, desde o enterrar a biomassa até o bombear o gás para reservatórios subterrâneos, a fim de acelerar as reações químicas que podem transformar o CO2 num material menos perigoso.

Alguns sistemas são baratos, mas relativamente lentos. Outros simplesmente não são o suficientemente aliciantes para captar o interesse dos grandes poluidores, e outros correm o risco de liberar o carbono novamente com muita facilidade.
O resultado final é que realmente não deveríamos apostar em emissões negativas para resolver esse problema.
Ainda assim, foram feitos avanços nos últimos anos, aproximando-nos de uma solução ambiental.
A nova técnica desenvolvida na Austrália não só é relativamente rápida, mas também não exige grandes quantidades de pressão (ou reações químicas complicadas) para transformar o dióxido de carbono em uma forma sólida.





Usaram nano partículas do metal cério, que tem um papel de destaque em uma reação eletroquímica que retira o oxigênio do dióxido de carbono a baixa voltagem.
Suspender as nano partículas na forma de uma liga de metal líquido evita a acumulação de carbono solidificado sobre o cério, aumentando a eficiência do processo.

Melhor ainda, usar o gálio metálico como solvente significa que todo o processo pode ocorrer à temperatura ambiente, dado o ponto de fusão notavelmente baixo do elemento.

"Até o momento, o CO2 só tinha convertido em sólido a temperaturas extremamente altas, tornando-o industrialmente inviável", diz o químico-químico da RMIT Torben Daeneke .


Photo Geniolandia


"Ao usar metais líquidos como catalisadores, mostramos que é possível transformar o gás em solido à temperatura ambiente, em um processo que é eficiente e sustentável."
"Um benefício secundário do processo é que o carbono pode conter carga elétrica, tornando-se um super condensador, por isso potencialmente poderia ser usado como um componente em veículos futuros", diz o principal autor e engenheiro Dorna Esrafilzadeh .
"O processo também produz combustível sintético como subproduto, que também pode ter aplicações industriais".


Plantar triliões de árvores pode anular as emissões de CO2


Produtos baseados em carbono, como o grafeno, têm o potencial de revolucionar o futuro da eletrônica, não apenas como um supercapacitor, mas como um supercondutor.
Está rapidamente tornando-se evidente que os incentivos econômicos representam um problema tão grande na resolução de nossas preocupações ambientais como qualquer desafio tecnológico.
Seja limpando os plásticos dos oceanos ou o dióxido de carbono da atmosfera, o caminho tem que ter sempre rentabilidade.






Bíblia prova que cidade perdida de Atlântida está em Israel


Ryan Pitterson um investigador da bíblia e escritor acredita que a cidade afundada de Atlântida nunca desapareceu e que seus destroços ainda podem ser encontrados na Terra Santa.
 Focado no pensamento e teologia hebraicos antigos, o escritor alega que há certas ligações entre a narrativa de Platão sobre a cidade perdida de Atlântida e as histórias dos gigantes bíblicos conhecidos como os nefilins.

Photo Aventuras na Historia


Empresa afirma ter nova localização para a Atlântida


 Os nefilins eram descendentes da relação entre os "filhos de Deus" e as "filhas dos homens", o que significa que eram criaturas metade humanas e metade deuses.
 Descrita pelo antigo filósofo grego Platão em aproximadamente 350 a.C., a Atlântida era uma ilha mítica que, afundou devido a um desastre natural devastador, no mar Mediterrâneo ou do oceano Atlântico.
Numa entrevista, Pitterson, que escreveu o livro "Julgamento dos Nefilins", garantiu que a história dos nefilins coincide com a do deus grego Poseidon, que alegadamente teve filhos com uma mulher humana em Atlântida.




"Um exemplo que realmente se destacou para mim foi a descrição da Atlântida de Platão. É quase notável como é semelhante a Ezequiel 31, que descreve a ascensão deste anjo com com muitos filhos e tendo um reino com uma abundância de recursos e rios, bem como um poder militar e, depois, tudo isso ter acabado devido a um cataclisma. Na historia de Platão, foi o deus grego Poseidon quem se apaixonou por uma mulher humana e a engravidou", disse o escritor.

Para o escritor, a descrição por Platão da cidade perdida corresponde aos registros bíblicos da misteriosa estrutura circular de pedra Galgal Refaim ("círculo de gigantes", em referência a uma raça bíblica de gigantes), que foi construída há cerca de 3000 a.C. e é mais conhecida como "Stonehenge do Oriente Médio".

A Atlântida de Platão também é considerada como tendo sido construída em círculos concêntricos com água correndo através da cidade.
"Assim, desde o início, isso foi um deus chegando a um reino terrestre e concebendo um filho com uma mulher humana da mesma forma que em Gênesis 6. A Atlântida é descrita como tendo todos os tipos de grandes riquezas, ouro, minerais preciosos, e numa passagem bíblica, em Gênesis 2, alegam que os rios que saíam do Jardim do Éden englobavam toda a linha de Ávila", explicou Pitterson.

Descoberta rampa que pode ter servido para a construção das grandes pirâmides


A mítica Atlântida continua a fomentar o debate científico, havendo vários especialistas que apontam que a cidade pode estar no sul de Espanha, outros na Irlanda e muitos outros defendem que poderá estar em variados locais. O certo é que enquanto não for descoberta a Atlântida continuará a ser um mito.




terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Desenvolvida célula de combustível de alta potência


O setor de transporte é um dos maiores consumidores de energia da economia dos EUA, agora com uma procura crescente para torná-lo mais limpo e eficiente. Existem mais pessoas a usar carros elétricos, e projetar aviões, submarinos e navios elétricos é muito difícil devido às limitações da energia.


Photo ScienceDaily

China está construindo uma estação de energia solar orbital


Uma equipe de engenheiros da Escola McKelvey de Engenhariada Universidade de Washington em St. Louis desenvolveu uma célula de combustível de alta potência que aprimora a tecnologia nessa área. Liderados por Vijay Ramani, o Roma B. e Raymond H. Wittcoff Professor Universitário, a equipe desenvolveu uma célula de combustível de borohidreto direto que opera com o dobro da voltagem das células de combustível comerciais atuais.
Esse avanço usando uma interface bipolar de microescala habilitada para gradiente de pH (PMBI), poderia impulsionar uma variedade de modos de transporte, incluindo veículos submarinos não tripulados, drones e, eventualmente, aeronaves elétricas, a um custo significativamente menor, segundo publicação da revista Nature Energy em 25 de fevereiro

"A interface bipolar em microescala habilitada para gradiente de pH é a base dessa tecnologia", disse Ramani, também professor de engenharia energética, ambiental e química. "Isso permite-nos operar esta célula de combustível com reagentes líquidos e produtos em submersíveis, nos quais a flutuabilidade neutra é fundamental, ao mesmo tempo em que nos permite aplicá-la em aplicações de maior potência, como os drones voadores".





A célula de combustível desenvolvida na Universidade de Washington usa um eletrólito ácido num elétrodo e um eletrólito alcalino no outro elétrodo. Normalmente, o ácido e o álcali reagem rapidamente quando colocados em contato um com o outro. Ramani informou que o principal avanço é o PMBI, que é mais fino que um fio de cabelo humano. Usando a tecnologia de membrana desenvolvida na McKelvey Engineering School, o PMBI pode impedir a mistura do ácido e do álcali, formando um acentuado gradiente de pH e possibilitando a operação bem-sucedida desse sistema.

"Tentativas anteriores para alcançar esse tipo de separação ácido-alcalina não conseguiram sintetizar e caracterizar completamente o gradiente de pH no PMBI", disse Shrihari Sankarasubramanian, investigador da equipe de Ramani. "Usando um novo design de elétrodos em conjunto com técnicas eletroanalíticas, conseguimos mostrar inequivocamente que o ácido e o álcali permanecem separados".

 Toyota quer transformar ar em combustivel


O autor principal, Zhongyang Wang, candidato a doutorado no laboratório de Ramani, acrescentou. "Uma vez comprovado que o PBMI sintetizado usando nossas novas membranas funcionou efetivamente, otimizamos o dispositivo de célula de combustível e identificamos as melhores condições operacionais para obter uma célula de combustível de alto desempenho. Foi um caminho tremendamente desafiador e recompensador para o desenvolvimento das novas membranas de troca iônica que permitiram o PMBI."
Outros participantes deste trabalho incluem Cheng He, um candidato a doutorado, e Javier Parrondo, ex-investigador do laboratório de Ramani.
A equipe está trabalhando com o Office of Technology Management da universidade para explorar oportunidades de comercialização.




Huawei lançou o Mate X com ecrã dobravel



O gigante de telecomunicações chines Huawei lançou no domingo passado um telefone com ecrã dobrável, apenas quatro dias depois a rival Samsung lançar um modelo com este recurso.

O smartphone , o Mate X, será compatível com as novas redes wifi de quinta geração que estão começando a ser instaladas em todo o mundo, disse Richard Yu, diretor do grupo de negócios de Huawei.

"Os nossos engenheiros trabalharam neste ecrã durante mais de três anos", disse ele num evento para apresentar o novo telefone em Barcelona, antes do início da feira de quatro dias do Mobile World Congress, na cidade espanhola, na segunda-feira.







O aparelho estará disponível em meados de 2019 e tem um preço de 2.299 euros (US $ 2.600).
Yu reconheceu que o preço é "muito caro", mas disse que a empresa estava trabalhando para reduzi-lo.

O ecrã do Mate X pode se dobrar para se tornar um ecrã de 6,6 polegadas, um pouco maior que o da Samsung, a maior vendedora de smartphones do mundo, revelou na quarta-feira em San Francisco.
Várias outras empresas de menores dimensões devem apresentar seus primeiros telefones dobráveis ​​na feira de Barcelona esta semana.



Os fabricantes de smartphones estão a entrar nos ecrãs dobraveis para reverter a queda nas vendas, já que os consumidores mantêm seus aparelhos mais tempo devido à falta de inovações, mas analistas preveem muita procura, pelo menos nos primeiros dias.

A Huawei, segunda maior fabricante de smartphones do mundo está à frente da Apple, tendo vendido 206 milhões de smartphones em 2018, em comparação com pouco mais de 150 milhões no ano anterior.



Fonte//TechExplore



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Empresa Holandesa constroi 2 barcaças para contentores totalmente eletricas


A empresa holandesa Port-Liner está construindo duas barcaças totalmente elétricas, chamadas de " navios Tesla ".
 A empresa anunciou que as embarcações estarão prontas no outono e sendo então inauguradas passando a navegar no canal Wilhelmina, na Holanda.


Photo Electrek


Empresa norueguesa vai usar biogás como combustivel dos seus navios




O projeto com um custo de 100 milhões de euros será apoiado em 7 milhões de euros da União Europeia e é expectável que tenha um impacto significativo no transporte local entre os portos de Amsterdão, Antuérpia e Roterdão.
O executivo-chefe da Port-Liner Ton van Meegen disse ao  The Loadstar :

Existem cerca de 7.300 embarcações fluviais em toda a Europa e mais de 5.000 delas são de propriedade de empresários na Bélgica e na Holanda. Podemos construir mais de 500 por ano, mas a essa taxa levaria cerca de 50 anos para que toda a indústria operasse com energia verde ”.
As barcaças elétricas têm capacidade para transportar 280 contentores e depois de estarem a funcionar primeiras 6 barcaças espera-se que substituam 23.000 caminhões anualmente “limpando” as estradas dos Países Baixos e substituindo-os por transporte de emissoes zero.






A Port-Liner está desenvolvendo suas próprias embarcações, mas desenvolveu uma tecnologia onde as baterias estão alojadas dentro de um contentor, sendo assim de fácil substituição, e facilmente poderia permitir modernizar as barcaças existentes:
"Isso nos permite modernizar as barcaças já em operação, o que é um grande impulso para o uso das energias verdes na indústria. Os contentores/bateria são carregados em terra pela empresa fornecedora de energia “Eneco”, que fornece energia solar, eólica e outras renováveis".
Os primeiros navios farão viagem inaugural no final deste ano.
Todos os meios de transporte estão sendo gradualmente convertidos em propulsão elétrica e isso inclui o transporte marítimo.


Hidrogénio,o combustivel limpo, atrai paises asiaticos


É também um modo importante de transporte para converter, pois é o sector mais poluente do mundo. Apenas 15 dos maiores navios de cargado mundo emitem tanta poluição como os automóveis do mundo todos juntos.
Alem destas barcaças está em construção um novo navio de carga totalmente elétrico com uma enorme bateria de 2,4 MWh na China  e dois enormes ferries elétricos na Suécia e na Dinamarca   e a Islândia está a preparar a construção de um outro.


Fonte//Electrek




Xin Xiaomeng, a primeira pivô de inteligência artificial do mundo


O canal de televisão chines Xinhua introduziu a primeira “jornalista” de inteligência artificial do mundo. A sua estreia será em março.


Photo  Epocnegocios


A nova “pivô robot”,  começará fazer apresentações em março, no decorrer das reuniões políticas da Assembleia Popular Nacional e do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, conhecidas como Duas Sessões. Ainda não foi decidido se a pivô de IA se irá expressar-se em chinês ou em inglês.










Este será o rosto feminino da informação de inteligência artificial depois de a China ter criado o primeiro pivô de notícias masculino do mundo, Qiu Hao, durante a Conferência Mundial da Internet realizada em novembro passado, na cidade chinesa de Wuzhen.



A Xinhua desenvolveu ainda uma nova versão deste último pivô. O Xin Xiaohao será capaz de se levantar e gesticular. Além disso, este recente pivô tem movimentos mais naturais da boca.
É um sistema de inteligência artificial que cria as vozes destes pivôs, movimentos labiais e expressões, tornando-os extraordinariamente semelhantes aos humanos.


Fonte//Epocanegocios




domingo, 24 de fevereiro de 2019

O que pode provocar o fim da humanidade?



A extinção da raça humana pode ser um dos nossos pesadelos, e há muitas maneiras pelas quais isso pode acontecer.
A cultura popular tende a se concentrar apenas nas hipóteses mais espetaculares. Basta recordar o asteroide no filme Armageddon ou da invasão alienígena em Independence Day.
Embora seja possível que a humanidade tenha um fim dramático, focar em tais cenários pode significar ignorar ameaças mais sérias que enfrentamos no mundo de hoje.


Photo Gettyimages

Iceberg com 30 vezes o tamanho de Manhatan pode se desprender de Brunt


Ameaças vulcânicas

Em 1815, uma erupção do Monte Tambora, na Indonésia, matou mais de 70 mil pessoas, enquanto lançava cinzas vulcânicas na estratosfera. Isso reduziu a quantidade de luz solar que chegava à superfície da Terra, desencadeando o que ficou conhecido como o "ano sem verão".
O Lago Toba, no outro extremo de Sumatra, conta uma história ainda mais sinistra. Ele foi formado pela erupção de grandes proporções de um super vulcão há 75 mil anos, cujo impacto foi sentido em todo o mundo.
Chegou-se a pensar que o acontecimento tivesse provocado um dramático declínio da população de seres humanos primitivos, mas nunca ficou provado que acontecesse.
Mas embora a perspetiva de erupção de um super vulcão seja aterrorizante, não devemos nos preocupar muito. Os super vulcões e outros desastres naturais, como um asteroide atingindo a Terra ou uma estrela explodindo na nossa vizinhança cósmica, tem a mesma probabilidade de acontecer ​​em 2019 do que em qualquer outro ano,  e as probabilidades são muito baixas.






Ameaças crescentes

O mesmo não pode ser dito a respeito de muitas ameaças globais induzidas pela atividade humana.
Por exemplo, a OMS (Organização Mundial da Saúde) e o Fórum Econômico Mundial listaram as mudanças climáticas e seus efeitos como um dos principais riscos para o planeta em 2019.
Em conferências conduzidas recentemente pela ONU, os investigadores chegaram a dizer que a mudança climática  era "uma questão de vida ou morte" para muitas regiões. Enquanto muitos especialistas, incluindo David Attenborough, acreditam que isso poderia levar ao colapso das civilizações e à extinção de "grande parte do mundo natural".
As ameaças são complexas e diversificadas que vão de ondas mortíferas de calor e aumento do nível do mar até fome generalizada e migrações em grande escala.

Também estão aumentando os riscos potenciais provenientes de novas tecnologias, como a inteligência artificial (IA).
Os cenários vão desde armas cibernéticas cada vez mais sofisticadas que poderiam reter dados de uma nação inteira exigindo pagamento de resgate até algoritmos autônomos que poderiam, inconscientemente, causar uma quebra no mercado de ações.
Outra ameaça é a possibilidade de uma guerra nuclear.
Embora muitos se concentrem nas tensões crescentes entre potências globais, as novas tecnologias também podem colocar em risco nossa segurança.
Isso se deve tanto às linhas cada vez mais tênues entre armas nucleares e convencionais quanto ao risco de que a IA possa ajudar a desencadear uma guerra nuclear.


O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar



Campanhas de vacinação e outras medidas de prevenção ajudam a reduzir risco de doenças, como a gripe
Outro risco que pode estar aumentando é o das pandemias globais. Acredita-se que o vírus influenza (causador da gripe), por exemplo, mate uma média de 700 mil pessoas e custe à economia global US$ 500 biliões por ano.
O aumento da densidade demográfica e da mobilidade populacional faz com que novas cepas de influenza se espalhem facilmente. E isso levanta preocupações em relação a um futuro surto como o da Gripe Espanhola de 1918, que matou 50 milhões de pessoas.
No entanto, campanhas de vacinação e outras medidas de prevenção de doenças ajudam a reduzir esse risco.

Photo Cultura Coletiva News


Como calcular o risco real

- Analise registros históricos e geológicos. Podemos acompanhar algumas ocorrências, como super vulcões e impactos de asteroides.
- Encontre um precedente natural. Quando os cientistas avaliaram o risco que o reator da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (Cern) poderia representar, eles observaram situações semelhantes que ocorrem nas estrelas.
- Construa um modelo. Os cientistas usam modelos atmosféricos sofisticados para explorar o futuro do nosso clima.
- Para ameaças que não podem ser modeladas, os cientistas geram insights a partir de jogos de estratégia e outros exercícios.
- O governo do Reino Unido também mantém um registro de riscos nacionais, incluindo enchentes, meteorologia espacial e doenças.






Um futuro perturbador

Embora essas ameaças sejam reais, o maior perigo que enfrentamos em 2019, quando analisamos sob uma perspetiva global, provavelmente está em outro lugar.
Com quase oito biliões de pessoas vivendo na Terra, somos cada vez mais dependentes de sistemas globais para nos sustentar. Eles incluem desde o meio ambiente, que nos fornece alimentos, água, ar limpo e energia, até a economia global, que transforma tudo isso em bens e serviços.
Todavia, a redução nos níveis de biodiversidade e as sobrecarregadas redes de infraestruturas e redes de mantimentos mostram que muitos desses sistemas já estão stressados no ponto de rotura. E a acelerada mudança climática só está piorando as coisas.


Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável



Diante disso, pode ser que os riscos globais não devam ser determinados pelo tamanho do desastre que os causou, mas pelo potencial de afetar esses sistemas vitais.
Exemplos recentes sugerem o potencial dos efeitos em cascata.
A erupção de 2010 do vulcão Eyjafjallajökull, na Islândia, não matou ninguém, mas fechou o tráfego aéreo na Europa durante seis dias, em 2017, o ataque cibernético mundial WannaCry, relativamente pouco sofisticado, bloqueou a operação de parte do sistema de saúde público britânico (NHS, na sigla em inglês) e de outras instituições em todo o mundo.
Como quase tudo de que dependemos também deriva de um sistema elétrico, computacional e de internet operacional, qualquer coisa que possa danificá-lo, de uma erupção solar a uma explosão nuclear na atmosfera, pode causar estragos generalizados.

 


Photo Noticias Uol

A extinção de espécies de insetos indica “colapso da natureza"


Prevenção de desastres

Pode haver, no entanto, novas maneiras de reduzir esse risco.
Há uma história antiga que conta como o rei Canuto, da Dinamarca, ordenou o mar recuar. Ele sabia que era incapaz de conter a maré e uma sensação semelhante de impotência pode facilmente tomar conta de nós quando consideramos possíveis catástrofes no futuro.
Mas a verdade é que os dinamarqueses têm contido seu litoral ao longo de gerações, construindo diques e drenando pântanos para se protegerem das águas do mar.
Às vezes é melhor nos protegermos pensando em maneiras de tornar a humanidade mais resiliente aos desastres possíveis.
E esse poderia ser o melhor caminho de garantir que 2019, e os anos seguintes, sejam seguros para a humanidade.


Fonte//BBC






A razão da Terra possuir uma atmosfera


A atmosfera da Terra é enorme, chegando até a afetar a rota da Estação Espacial Internacional. Mas como esse envelope gasoso gigante se formou?
Nos temos atmosfera por causa da gravidade. Quando a Terra se formou, há cerca de 4,5 biliões de anos, o planeta de rocha fundida nao tinha uma atmosfera. Mas como o planeta arrefeceu, formou-se uma atmosfera, em grande parte a partir de gases expelidos de vulcões, de acordo com o Smithsonian Environmental Research Center  (SERC). Esta atmosfera antiga era muito diferente da de hoje. Tinha sulfeto de hidrogênio, metano e 10 a 200 vezes mais dióxido de carbono do que a atmosfera moderna, segundo a SERC.


Photo Proprofs

Os objetivos climáticos do Acordo de Paris



"Acreditamos que a Terra começou com uma atmosfera parecida como a de Vênus, com nitrogênio, dióxido de carbono, talvez metano", disse Jeremy Frey, professor de físico-química da Universidade de Southampton, no Reino Unido. "A vida começou de alguma forma, quase certamente no fundo de um oceano."
 Após cerca de 3 biliões de anos, o sistema fotossintético evoluiu, o que significa que os organismos unicelulares usaram a energia do sol para transformar moléculas de dióxido de carbono e água em açúcar e gás oxigênio. Isso aumentou os níveis de oxigênio, disse Frey à Live Science. " Podemos mesmo dizer que esse é o maior evento da evolução, porque lentamente transformou o planeta", disse ele.

Atualmente, a atmosfera da Terra consiste em aproximadamente 80% de nitrogênio e 20% de oxigênio, disse Frey. Existe também é lar de árgon, dióxido de carbono, vapor de água e muitos outros gases, de acordo com o Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR).
 A nossa atmosfera protege a Terra dos raios do sol e reduz os extremos de temperatura, agindo como um edredom á volta do planeta. Enquanto isso, o efeito estufa significa que a energia do sol que chega à Terra fica na atmosfera, absorvida e liberada pelos gases do efeito estufa, de acordo com o NCAR . Existem vários tipos diferentes de gases de efeito estufa, os principais são dióxido de carbono, vapor de água, metano e óxido nitroso. Sem o efeito estufa, a temperatura da Terra estaria abaixo do ponto de congelaçao.



No entanto, hoje, os gases de efeito estufa estão fora de controlo. À medida que se liberta mais dióxido de carbono na atmosfera, o efeito estufa da Terra fica mais forte, de acordo com o NCAR. Por sua vez, o clima do planeta fica mais quente.
Curiosamente, nenhum outro planeta no universo tem uma atmosfera como a da Terra . Marte e Vênus têm atmosferas, mas não podem suportar a vida (ou, pelo menos, vida semelhante à da Terra), porque não têm oxigênio suficiente. De fato, a atmosfera de Vênus é principalmente o dióxido de carbono com nuvens de ácido sulfúrico, o "ar" é tão espesso e quente que nenhum humano poderia respirar ali. Segundo a NASA, a atmosfera espessa de dióxido de carbono de Vênus aprisiona o calor num efeito estufa descontrolado, tornando-o o planeta mais quente do nosso sistema solar. As temperaturas da superfície são tão quentes que podem derreter o chumbo.



Photo Jovemexplorador


Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos




"O fato de a Terra ter uma atmosfera é caso unico em relação aos planetas do sistema solar, pois é muito diferente de qualquer outro planeta", disse Frey. Por exemplo, a pressão de Vênus é de cerca de 90 atmosferas, o equivalente a mergulhar a 914 metros de profundidade na Terra. "As sondas espaciais russas que foram para Vénus foram literalmente esmagadas pela pressão segundos depois de entrarem da atmosfera ", disse Frey
Então, a atmosfera da Terra é vida, e sem ela, a vida como a conhecemos não existiria. "A Terra precisava da atmosfera certa para a vida para começar", disse Frey. " A atmosfera é uma parte totalmente integral do sistema biológico".



2018, foi o ano mais quente dos oceanos


De acordo com uma pesquisa publicada a 16 de janeiro na Advances in Atmospheric Sciences, os oceanos estão agora mais quentes do que em qualquer outro período desde que começamos começaram a monitorizar sistematicamente as suas temperaturas. Os oceanos absorveram mais de 90% do calor provocado pelos gases de efeito estufa, retardando o aquecimento da atmosfera, causando, no entanto, inúmeras mudanças indesejadas no clima do planeta.




Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável



As alterações na subida da temperatura do oceano, mesmo que ligeiras, podem ter impactos dramáticos. Investigações recentes demonstram que oceanos mais quentes tornam as ondas mais fortes. Águas mais quentes provocam tempestades mais fortes, aumentando os danos infligidos pelos furacões e pelas tempestades tropicais. O calor adicional prejudica os habitats dos corais e pressiona o ambiente marinho. Outro estudo recente sugere que o gelo na Antártica está a derreter cerca de seis vezes mais rápido do que nos anos 80 do seculo passado. Este aumento deve-se em parte ao aquecimento das águas que rodeiam o continente.

"Os oceanos são o melhor termómetro que temos do planeta", diz Zeke Hausfather, cientista de energia e clima da Universidade da Califórnia, em Berkeley, que usou os dados sobre o aquecimento do oceano, publicados na análise da revista Science. "Podemos observar de forma inequívoca o aquecimento global nos registos oceânicos".
No início do séc. XIX, os cientistas já suspeitavam que a adição de dióxido de carbono à atmosfera poderia provocar a subida das temperaturas do ar, em todo o planeta. Na década de 1960, data em que começaram a monitorizar cuidadosamente as temperaturas do ar e os níveis de dióxido de carbono em todo o mundo, confirmou-se essas previsões.

No entanto, a atmosfera não parecia estar a aquecer tanto quanto os cálculos dos estudos indicavam. Para onde estaria a ir o calor extra?
Alguns oceanógrafos suspeitavam que o calor estava a ser absorvido pelos oceanos, mas medir esse calor era muito mais difícil do que medir a temperatura do ar. Apesar dos navios de pesquisa, que atravessam o oceano, mergulharem ocasionalmente uma sonda na água para testarem a temperatura, os dados recolhidos eram apenas sinais mínimos na vasta extensão do mar.

Assim sendo, os cientistas reuniram todos os dados que conseguiram encontrar, incluindo observações de navios comerciais, dados navais e registos históricos. Quando todos os dados foram compilados, os cientistas perceberam que os oceanos estavam, de facto, a atuar como um enorme amortecedor para o sistema climático, agindo como uma almofada gigante, suavizando os efeitos das alterações climáticas.


Derretimento do gelo antártico pode submergir cidades inteiras


Na última década, graças a uma nova ferramenta, as medições de calor no oceano foram aperfeiçoadas. Cerca de 3 mil sensores autónomos, com o nome de flutuadores Argo, foram espalhados pelo oceano. Os flutuadores registam regularmente a temperatura da água acima dos 2 mil metros e melhoraram consideravelmente a qualidade dos dados com que os cientistas precisam de trabalhar para essas estimativas.

Agora, graças a estas medições, não existem dúvidas de que os oceanos estão a absorver cerca de 90% do calor provocado pelas nossas emissões de carbono na atmosfera. A estimativa mais atualizada, publicada recentemente, fixa esse valor nos 93%. Se todo o calor absorvido pelo oceano desde 1955 fosse subitamente adicionado à atmosfera, a temperatura do ar aumentaria em mais de 60 graus centígrados.

Por outras palavras, os oceanos estão a agir como amortecedores térmicos gigantes, protegendo-nos de todo o calor diretamente provocado pelas alterações climáticas. Mas o calor não está a desaparecer.
 Em 2018, toda a camada superior do oceano, a partir da superfície até aos 2 mil metros de profundidade, estava mais quente do que nunca, pouco mais de um décimo de grau centígrado acima da média a longo prazo. Esta pequena alteração foi suficiente para fazer subir os níveis da água do mar em cerca de 3 milímetros, pois a água mais quente ocupa mais espaço.
Mas 2018 encerra quase três décadas de aquecimento suave e consistente, cujos resultados acumulados podem agora ser sentidos com mais intensidade.


"Numa base diária, o aquecimento parece pequeno, mas vai aumentando com o tempo", diz Kevin Trenberth, cientista do clima do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica do Colorado, e autor do relatório. A energia extra que se acumula na atmosfera infiltra-se lentamente no oceano “e é por isso que continuamos a bater recordes ano após ano”, diz.
Mais alarmante ainda, nas últimas décadas, os oceanos aqueceram quase 40% mais depressa do que em meados do século passado, dizem os autores da análise publicada na Science.





Japoneses receiam uma catástrofe natural



Laure Zanna, cientista do clima da Universidade de Oxford, que inventariou recentemente a crescente absorção de calor extra no oceano, diz “Desde a Revolução Industrial, a quantidade de energia extra aprisionada no oceano devido às nossas emissões de gases de estufa é cerca de mil vezes maior do que a quantidade de energia usada pelos humanos anualmente em todo o mundo”.
Não existe um limite para a quantidade de calor extra que os oceanos conseguem absorver da atmosfera. Os oceanos são enormes e profundos, e o calor que absorve agora ficará preso no sistema durante centenas ou até mesmo milhares de anos. Um estudo publicado na revista Science, no início de janeiro, demonstra queuma fase fria que ocorreu há centenas de anos atrás no Atlântico Norte ainda está a flutuar pelos oceanos de todo o mundo.

Portanto, as decisões que tomamos agora vão afetar-nos durante muito tempo, diz Susan Wijffels, oceanógrafa do Instituto Oceanográfico Woods Hole, em Cape Cod. “A capacidade do oceano profundo absorver calor nesta escala de tempo enorme é uma coisa boa. Mas também submete o sistema a um compromisso”, diz. Por isso, mesmo que parássemos de emitir gases de efeito estufa amanhã, o oceano continuará a aquecer durante séculos, e levará ainda mais tempo a dissipar o calor extra.
"Cada molécula de dióxido de carbono que não colocamos agora na atmosfera pode poupar-nos de um potencial aquecimento no futuro", diz. "Isto passa realmente a mensagem da necessidade de reduzirmos as emissões de forma imediata, tanto quanto pudermos."




Fonte//NationalGeografic