sábado, 12 de janeiro de 2019

“Super-Terra' vizinha de nosso planeta pode ter vida


Edward Guinan e Scott Engle, investigadores da Universidade de Villanova, na Pensilvânia (EUA), anunciaram que pode haver vida primitiva na gelada “super-Terra” conhecida como GJ 699 b, que orbita a estrela de Barnard, localizada a apenas seis anos-luz do Sol.


Photo ESO/M. Kornmesser

Telescópio capta sinais de radio misteriosos do espaço sideral




Eles afirmam que no planeta, também conhecido com Barnard b, as temperaturas atingem 170 graus centígrados negativos. No entanto, esse mundo novo, descoberto em novembro do último ano, apresenta potencial para abrigar vida primitiva se tiver um grande núcleo de ferro ou níquel quente e atividade geotérmica, sustentam os astrofísicos.

Segundo Guinan, o aquecimento geotérmico poderia permitir a existência de "zonas de vida" sob a superfície, similares aos lagos subterrâneos encontrados na Antárctida.






"Sabemos que a temperatura da superfície da lua gelada de Júpiter ,Europa ,é semelhante à de Barnard b, mas devido ao aquecimento de maré [processo por meio do qual a energia de rotação e translação é dissipada sob a forma de calor no interior dos planetas e luas envolvidos] é provável que esta lua tenha oceanos líquidos sob a sua superfície gelada", disse.



"Corpo espacial" escondido atrás do sol levanta a conspiração do Planeta X



Como observou Scott Engle, a estrela de Barnard é quase duas vezes mais antiga que o Sol, ela tem 9 biliões de anos, em comparação com os 4,6 biliões de anos do nosso Sol.

"O Universo produziu planetas do tamanho da Terra muito antes de nós existirmos e até mesmo antes do próprio Sol existir", explicou.




Fonte//SputnikNews




Tecnologia low-cost para dessalinizar a agua do mar



Segundo estimativas da FAO, até 2025, quase 2 bilhões de pessoas podem não ter água potável suficiente para satisfazer suas necessidades diárias. Uma das soluções possíveis para esse problema é a dessalinização, ou seja, tratar a água do mar para torná-la potável. Contudo, a remoção do sal da água do mar requer 10 a 1000 vezes mais energia do que os métodos tradicionais de fornecimento de água doce.


Photo Science Daily

"Super areia" pode transformar agua contaminada em água potável


Motivado por esse problema, uma equipe de engenheiros do Departamento de Energia do Politecnico di Torino criou um novo protótipo para dessalinizar a água do mar de maneira sustentável e de baixo custo, utilizando a energia solar de maneira mais eficiente. Em comparação com soluções anteriores, a tecnologia desenvolvida é, de fato, capaz de duplicar a quantidade de água produzida usando a energia solar, podendo os sistema ser melhorado e ter mais eficiência no futuro próximo.
O grupo de jovens investigadores que publicou recentemente esses resultados na revista Nature Sustainability é composto por Eliodoro Chiavazzo, Matteo Morciano, Francesca Viglino, Matteo Fasano e Pietro Asinari (Laboratório de Modelagem Multi-Escala).

O princípio de funcionamento da tecnologia proposta é muito simples: "Inspirado nas plantas, que transportam água das raízes para as folhas por capilaridade e transpiração, nosso dispositivo flutuante é capaz de recolher a água do mar usando um material poroso de baixo custo. A água do mar é então aquecida pela energia solar, que faz a separação do sal da água evaporada, processo que pode ser facilitado por membranas colocadas entre água salgada resultante e a potável para evitar sua mistura. Algumas plantas conseguem sobreviver em ambientes marinhos usando este sistema de forma natural (por exemplo, os mangues) ", explica Matteo Fasano e Matteo Morciano.







Embora as tecnologias convencionais de dessalinização precisem de componentes mecânicos ou elétricos caros (como bombas e / ou sistemas de controle) e necessitem de técnicos especializados para instalação e manutenção, o sistema de dessalinização proposta pela equipe do Politecnico di Torino é baseada em processos espontâneos que ocorrem sem a ajuda de máquinas auxiliares.
Tudo isso torna o dispositivo extramente barato e simples de instalar e reparar. Estas últimas características são particularmente atrativas nas regiões costeiras que sofrem de uma escassez crónica de água potável.

Cientistas preveem escassez de agua potável a uma escala global



Até agora, uma desvantagem bem conhecida das tecnologias “passivas” para a dessalinização tem sido a baixa eficiência energética em comparação com as “ativas”. Os investigadores do Politecnico di Torino enfrentaram esse obstáculo com criatividade. "Embora estudos anteriores tenham focado em como maximizar a absorção de energia solar, nós voltamos a atenção para um gerenciamento mais eficiente da energia térmica solar absorvida. Desta forma, temos capaz de atingir valores recordes de produtividade de até 20 litros por dia de água potável por metro quadrado exposto ao Sol.
A razão por trás do aumento de desempenho é a 'reciclagem' do calor solar nos vários processos de evaporação em cascata, em linha com a filosofia de "fazendo mais, com menos". As tecnologias baseadas nesse processo são tipicamente chamadas de "multi-efeito",



Depois de dois anos desenvolvendo o protótipo, e testando diretamente no mar da Ligúria (Varazze, Itália), os engenheiros do Politecnico afirmam que essa tecnologia poderia ter impacto em locais costeiros isolados com pouca água potável, mas com energia solar abundante, especialmente em países em desenvolvimento.
 Além disso, a tecnologia é particularmente adequada para fornecer água potável segura e de baixo custo em condições de emergência, por exemplo em áreas atingidas por inundações ou tsunamis e que fiquem isoladas por dias ou semanas sem energia da rede elétrica.


Uma outra aplicação prevista para esta tecnologia são os jardins flutuantes para a produção de alimentos, uma opção interessante, especialmente em áreas superpovoadas. Os investigadores, que continuam trabalhando nesta questão no Centro de Água Limpa do Politecnico di Torino, procuram possíveis parceiros industriais para tornar o protótipo mais durável, versátil e comercial. Por exemplo, versões do dispositivo poderiam ser usadas em zonas costeiras onde a exploração excessiva da água subterrânea causa a intrusão de água salina em aquíferos de água doce (um problema particularmente grave em algumas áreas do sul da Itália).

O derreter dos glaciares provocam tsunamis assustadores


Fonte// ScienceDaily



sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Mudança no campo magnético da Terra obriga a antecipar o Modelo Magnético Mundial


Para navegar adequadamente precisamos de nos orientar pelo norte magnético. E para isso, precisamos saber ao certo onde ele está em relação ao norte geográfico
O norte magnético terrestre está a deslocar-se. Isto devido a movimentações do ferro líquido no núcleo do planeta, obrigando a antecipar a revisão do modelo atual que descreve o campo magnético e que serve de base aos sistemas de navegação.


Photo Hypescience

Anomalia do Atlântico Sul pode estar a enfraquecer o campo magnético da Terra



Por causa da deslocação do norte magnético, a nova atualização do Modelo Magnético Mundial vai ser feita a 30 de janeiro, um ano antes do previsto, segundo um artigo deste mês na revista científica Nature.
 A última atualização do Modelo Magnético Mundial é de 2015 e era suposto durar até 2020. Mas o campo magnético, está a mudar muito rapidamente e os cientistas têm de antecipar uma revisão do modelo.







Em 2018, foi detetado que a margem de erro do modelo estava perto de ultrapassar os limites aceitáveis para os erros de navegação.

Dois anos antes, e depois de o Modelo Magnético Mundial ter sido atualizado, parte do campo magnético, mais a sul, desviou-se temporariamente para o norte da América do Sul e o leste do Oceano Pacífico. As oscilações no polo magnético norte agravaram os problemas. As primeiras medições, em 1831, situavam-no no Ártico Canadiano. Em 2001, entrou no Oceano Ártico.

Photo Nature

Cientistas preveem escassez de agua potável a uma escala global


A localização do polo norte magnético parece ser regulada por duas grandes zonas do campo magnético, uma sob o Canadá e outra sob a Sibéria. A Terra tem um campo magnético porque o seu núcleo é formado por um centro de ferro sólido cercado por metal líquido em rápida rotação, funcionando como um dínamo que comanda o campo magnético.


Os cientistas suspeitam que, o movimento constante do núcleo fundido provoca contantes mudanças no seu magnetismo que podem estar afetando a localização do norte magnético.
A nova atualização do Modelo Magnético Mundial será atualizada em 2020


Fonte//Nature /Futurism



quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Telescópio capta sinais de radio misteriosos do espaço sideral


Foram detetados 13 sinais rádio misteriosos emanando de uma galáxia distante e captados por um telescópio no Canadá.
Conhecidas como “rajadas rápidas de rádio” (FRB, na sigla em inglês), ainda são desconhecidas a natureza precisa e origem dessas explosões de ondas de rádio. Entre as 13 FRBs, havia um sinal repetitivo muito invulgar, vindo da mesma fonte, a cerca de 1,5 bilião de anos-luz.


Photo BBC

Grande Colisão entre Via Láctea e a Grande Nuvem de Magalhães




Algo semelhante a esse “repetidor” só foi verificado apenas uma vez.
O observatório CHIME, localizado na Colúmbia Britânica, possui quatro antenas semicilíndricas de 100 metros de comprimento que examinam todo o céu norte todos os dias. Esse telescópio, que começou a funcionar o ano passado, detetou as 13 FRBs quase imediatamente, incluindo o sinal repetidor.







FRBs são flashes curtos e brilhantes de ondas de rádio que parecem estar vindo de quase metade do universo.Até agora, os cientistas só haviam detetado cerca de 60 dessas rajadas no espaço profundo, sendo que somente duas se repetiram.
“Descobrimos um segundo repetidor e suas propriedades são muito semelhantes ao primeiro”, disse Shriharsh Tendulkar, da Universidade McGill (Canadá). “Isso diz-nos mais sobre as propriedades dos repetidores”.


"Corpo espacial" escondido atrás do sol levanta a conspiração do Planeta X



Existem várias teorias sobre o que poderia causá-los, uma estrela de neutrões com um campo magnético muito forte girando muito rapidamente, duas estrelas de neutrões fundindo-se e até alguma nave espacial alienígena.



Fonte//BBC





Hyundai apresenta o conceito do elétrico "Elevate"


A Hyundai apresentou recentemente o “Elevate”, um veículo elétrico com quatro pernas robóticas projetadas para permitir que o carro suba ou caminhe em terrenos acidentados.



Photo Futurism




Por enquanto, o projeto é apenas conceitual. A empresa prometeu revelar um protótipo do veículo na CES 2019 (Consumer Electronics Show, em Las Vegas) e assim o fez, se bem em tamanho reduzido.
O vídeo, compartilhado durante uma conferência de imprensa na convenção anual de eletrônicos, exibe uma versão computadorizada do carro usando as suas potencialidades para se deslocar sobre pedras e escombros.






O Elevate possui cinco modos diferentes de locomoção, dois sob rodas, dois andando e um “omnidirecional”, ou seja, pode-se movimentar em qualquer direção. Este é um modelo á escala 1:8 do Elevate:










Por fim, é um vídeo de um protótipo funcional do veículo rastejando pelo chão usando as quatro pernas e até subindo uma plataforma, permanecendo nivelado.





Os vídeos acima indicam qual a principal função do carro. A empresa acredita que o Elevate poderia ser usado em situações de emergência.


  • Quando um tsunami ou terremoto nos atinge, os veículos de resgate atuais só podem levar os socorristas até a perto da área de destroços. A partir dá têm que seguir a pé. O Elevate pode ir até o local do desastre e ultrapassar os obstáculos causados por detritos ou escombros”, disse John Suh, vice-presidente da Hyundai, num comunicado à imprensa.

A fabricante também acredita que o Elevate pode ser usado no serviço de transporte de pessoas com problemas de mobilidade.


  1. Esta tecnologia vai muito além das situações de emergência. Pessoas que vivem com deficiências em todo o mundo e não têm acesso a uma rampa podem usar um Hyundai Elevate autônomo que pode deslocar-se até a porta da frente, nivelar-se e permitir que a cadeira de rodas entre,as possibilidades são ilimitadas”, concluiu.



Fonte// Futurism




quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Catástrofe ecológica na Austrália


Pouco antes do Natal, centenas de peixes mortos foram descobertos nas margens do Rio Darling, vítimas de uma proliferação de algas na pequena cidade de Menindee, na Austrália.
A situação foi piorando e as centenas de peixes mortos tornaram-se milhares, e foram contabilizados cerca de 10.000 peixes ao longo de 40 quilômetros do rio.


Photo Jane MacAllister / Twitter

 Mas o pior ainda estava por vir.
Esta semana, o desastre ambiental tornou-se horrível e os relatórios sugerem que cerca de um milhão de peixes morreram devido a um aumento das algas tóxicas.
Por outro lado, as autoridades do estado de New South Wales só confirmam que centenas de milhares de peixes morreram mas, independentemente do número exato, está claro que a calamidade é um desastre ecológico sem precedentes.


Jeremy Bukingham/ Twitter

O DPI aponta como causa da catástrofe, as condições atuais de seca, que combinado com altas temperatura, e altos teores de nutrientes na água que ajudam a proliferação das algas, fazendo uma sopa tóxica de algas que causa a morte a espécies locais de dourada, bacalhau e poleiro.




Estas condições atmosféricas, se continuarem, podem piorara situação, matando as algas, o que esgota os níveis de oxigênio na água, comprometendo ainda mais os peixes.
Mas um número de moradores de Menindee, afirma que a realidade é uma gestão inadequada de água em NSW que desviou os afluentes do Rio Darling, criando zonas de águas estagnadas que são agora contaminadas de algas.







Um vídeo que se tornou viral esta semana no Facebook, mostra dois habitantes locais em pé na água estagnada, cercados por cadáveres de peixes mortos.
"Isso não tem nada a ver com a seca, isso é um desastre causado pelo homem", diz um deles.
Outros concordam, dizendo que o problema deve-se a uma combinação da seca e dos desvios insustentáveis ​​do fluxo de água que estão sufocando a vida no rio.

A seca não teria tanto impacto se houvesse mais água no rio e se houvesse mais água no rio, a qualidade da água seria melhor e os peixes provavelmente não seriam tão afetados.



Fonte//ScienceAlert





Sete maneiras de fazer do seu quarto um santuário para o casal


O quarto de dormir ser um lugar sagrado para o casal,mas a vida é muito preenchida e estamos sempre dependentes de outros fatores. São emails se acumulam e que respondemos responde antes de adormecer, ou as crianças entram no quarto e pedem para dormir na sua cama e claro, não se pode dizer não.
Estas interrupções acontecem, mas se as deixar acontecer com muita frequência, isso pode prejudicar seu relacionamento. Os terapeutas de casais indicam 7 hábitos que devem ser postos em prática antes dormir, caso queira manter a intimidade em seu quarto.



Photo  (im)parcial

A hormona que desperta o desejo sexual masculino


1. Evite ter conversas banais na cama


Guarde para outra ocasião, aquelas conversas sobre quem paga a conta do telefone ou quem vai buscar seus parentes no aeroporto, disse Danielle Kepler, uma terapeuta em Chicago.
  • "Obviamente, os casais precisam discutir o dia-a-dia, alguém tem que ir buscar as crianças ou planear o jantar, mas não no quarto", disse ela. "Há algo nesse tipo de discussão que pode tirar a intimidade e o romance."


2. Não leve o smarthphone para a cama


Quase 3/4 dos americanos que moram com o cônjuge ou parceiro levam o smartphone para a cama com eles, de acordo com uma pesquisa recente.
 Dos entrevistados, 35% disseram que sua vida sexual afetada por causa do uso de telefone na hora de dormir.
Não seja assim. Deixe o telefone longe de sua cama, disse Alena Gerst, psicoterapeuta de Nova York.

  • "Quando você está no seu celular ou jogando, você fica tão absorvido, que é como se a pessoa que compartilha sua cama não estivesse lá", ela disse. "Quando seu parceiro disser algo ou pedir sua atenção, você pode nem ouvi-lo ou vai pedir que espere porque está ocupado olhando para o ecrã. Isso definitivamente não ajuda a intimidade ".




3. Não deixe as crianças ou o cão ficar na cama


Se tem filhos pequenos, é inevitável que eles passem algumas noites na sua cama depois de um sonho assustador ou porque apetece. Deixe-os, são crianças, mas tente não fazer disso um hábito, disse Kurt Smith, um terapeuta especializado em aconselhar homens.

  • "Eu aconselhei homens que reclamaram que quando vão para a cama, o parceiro está dormindo com o filho(a) e isso só muda a forma como eles se sentem em relação ao quarto. Não é mais o quarto deles", disse ele. "Isso pode facilmente se tornar uma fonte de conflito e afastamento entre parceiros".

 A mesma regra aplica-se aos animais.

  • "Alguns reclamaram do cheiro e da barreira física causada por um animal de estimação na cama", disse ele. " Torna-se um problema se está a ter dificuldade para ter uma boa noite de sono ou não se sente perto de seu parceiro porque o cão está na cama".


4.Nao deixe o quarto desarrumado


Sabe aquela pilha de roupa suja, meias sujas e bolsas que ganhou vida própria no canto do seu quarto? Você teria muito mais hipoteses de ter sorte se deixar tudo isso de lado.

  • "A desordem mata a intimidade", disse Smith. "Um homem disse-me na semana passada que o quarto deles não é muito romântico por causa da desordem, e admitiu que tambem é culpado por isso.


Photo Postal do algarve

5. Não leve trabalho para o quarto


Não trabalhar no quarto é a primeira regra de manter um equilíbrio saudável entre trabalho e vida pessoal. Mantenha as exigências do seu trabalho fora do quarto. Se você realmente precisa responder a e-mails ou receber um telefonema após a hora de trabalho, faça-o noutro lado.
  • "Você quer associar sua cama e seu quarto com paz e romance, e não o stress do trabalho", disse Kepler. "Faça você mesmo, seus hábitos de sono e um favor ao seu parceiro e afaste o trabalho do quarto."

6. Não transforme o quarto numa segunda sala
Não é raro que o quarto dos pais seja outra sala de TV na casa. É um espaço agradável, quase fora dos limites, então é claro que as crianças querem ver a desenhos animados lá. Satisfaça-os um pouco, mas tente que isso seja na sala de estar, disse Smith.

  • "Vários cônjuges me disseram que amam seus filhos, mas detestam perder a privacidade do seu espaço em casa", disse ele. "O quarto também pode se tornar o salão de jogos das crianças, mas, se valoriza sua intimidade, não deve permitir."


7. Não veja noticias ou leia o jornal no quarto


Ver as notícias é atrativo, mas, em nome do seu relacionamento, resista à vontade de ler as últimas noticias, pelo menos na cama.

  • "É natural querer deitar na cama e acompanhar as histórias do dia", disse Gerst. "O problema é que você deve dar a sua atenção a si e ao seu parceiro. As notícias do dia, especialmente nestes tempos turbulentos, podem ser perturbadoras e ate podem aumentar o stress. "


Deixar a tv ligada ou ler o jornal "cria o efeito oposto ao que espera que aconteça quando está passando a noite junto ao seu parceiro. Em última análise, você precisa por o seu parceiro em primeiro lugar ".


Viver mais e melhor pode não ser tão complicado como possa parecer.









terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Dieta visual, somos o que vemos

Segundo o médico David Fryburg, endocrinologista e cientista fundador da Envision Kindness, você é o que você vê.
Conforme aponta Fryburg, a comida é uma mistura complicada de fontes de energia (calorias), proteínas (para fazer novos tecidos como músculo e pele e curar feridas) e micronutrientes como vitaminas para apoiar uma ampla gama de processos bioquímicos.

Quando nossas dietas estão desequilibradas, diferentes funções em nosso corpo podem sofrer.
Por exemplo, pouca vitamina D pode levar a fraqueza óssea e muita vitamina D pode levar a cálcio no sangue, pedras nos rins e possivelmente problemas no fígado. Logo, a chave para uma boa saúde nutricional parece ser o equilíbrio e a moderação.


Anos atrás, quando se deu conta de que estava “ingerindo” muitas notícias negativas, Fryburg percebeu que o equilíbrio também é o segredo para uma excelente saúde mental.
Fryburg começou a refletir sobre sua “dieta visual” e tentou descobrir o que tinha a dizer a ciência sobre isso. Descobriu que alguns breves minutos de exposição a notícias negativas podem induzir ansiedade, stres s e sintomas de depressão nas pessoas.
Uma equipa de investigadores concluiu que um vídeo de 14 minutos com notícias televisivas negativas pode aumentar rapidamente a ansiedade e a tristeza. Além disso, os participantes do estudo que viram notícias negativas (em contraste com vídeos positivos ou neutros) expressaram uma maior ansiedade relacionada às suas próprias questões pessoais.

Notícias deprimentes e que induzem o medo podem fazer com que as pessoas se sintam mais tristes e ansiosas, o que, por sua vez, pode aumentar os seus próprios problemas num ciclo emocional negativo que pode se “auto reforçar”.
Por outro lado, os poucos estudos que existem sobre o impacto de notícias positivas sugerem que notícias boas e agradáveis têm efeito oposto.






Um estudo descobriu que assistir a um vídeo curto de 4 minutos de um jovem que construiu um abrigo para os sem-abrigo na Filadélfia conseguiu induzir gratidão e amor nos espectadores.
Outro grupo de cientistas mostrou um vídeo de 7 minutos do programa da Oprah Winfrey no qual um músico presta homenagem ao seu ex-professor de música por salvá-lo de uma vida de violência e gangues e induzi-lo no voluntariado, e isso aumentou significativamente a disposição dos participantes em fazer o mesmo.
Outras pesquisas desse tipo indicam que a visualização de vídeos inspiradores pode ter efeitos positivos ou desejáveis sobre o preconceito sexual, bem como estimular as mães a amamentar.
O cientista esclarece que a palavra “dieta” não se refere apenas aos alimentos que comemos, vem do grego para “estilo de vida”. Com essa definição, a expressão tem um significado mais abrangente em relação às coisas que absorvemos, de comidas a histórias, imagens a sons, e o impacto que têm sobre nós.
Photo Porta do Bibliotecário

WhatsApp lança nova função para utilizadores do Android


Isso não significa que devemos começar a ignorar notícias negativas. Fryburg acredita que a partir delas podemos aprender coisas importantes que podem nos ajudar a entender o que as outras pessoas estão passando e como podemos resolver problemas.
Mas precisamos de uma dieta visual equilibrada que nos motive a agir e melhorar as coisas



Fonte// GoodNewsNetwork






segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

China testa canhão eletromagnético


Os canhões eletromagnéticos são dispositivos que usam o eletromagnetismo para arremessar projéteis em longas distâncias, acelerando-as muito mais rápido do que as armas convencionais de tamanho similar. São excelentes para ataques a longas distâncias e são muito furtivas, ideais para ataques surpresa. Nas marinhas de guerra são uma arma excecional pois devido as suas caraterísticas podem afundar facilmente um navio sem que a tripulação tanha tempo para se defender.


Photo PopularMecanics

Veja Tambem A China está construindo drones submarinos para defender mar do Sul da China


O problema é que ate agora não têm conseguido que funcione bem.
Estes canhões, conforme foi informado em Agosto pela USNI News (publicado pelo Instituto Naval dos EUA sem fins lucrativos), exigem baterias de grande capacidade. Além disso, os canos dos canhões destroem-se.

Photo PopularMecanics


Os EUA ainda não conseguiram fabricar um com uma bateria o suficientemente pequena e um cano o suficientemente forte para ser instalado num navio de guerra, embora já o tente há mais de uma década.






Parece que a marinha chinesa o conseguiu, (embora, como notou a Popular Mechanics, não esteja confirmado se o canhão chinês funciona). De acordo com as informações da imprensa, um navio chinês chamado Haiyang Shan com uma grande infraestrutura na proa, foi visto deixando o rio Yangtze para testes no Pacífico. Isto é preocupante tendo em conta as tensões que existem entre os EUA e a China.





Por outro lado, dado que ambos os países são superpotências nucleares  é difícil imaginar que o resultado de uma guerra entre eles seria decidido pelos tipos de armas que dispararam os primeiros disparos.


Veja Tambem As 7 forças que dominarão a economia mundial








domingo, 6 de janeiro de 2019

Grande Colisão entre Via Láctea e a Grande Nuvem de Magalhães

Uma equipa de astrofísicos na Universidade de Durham, no Reino Unido, acredita que Grande Nuvem de Magalhães (LMC) irá colidir com a Via Láctea dentro de 2.000 milhões anos, podendo esta colisão expulsar o Sistema Solar da galáxia.
Em comunicado, os cientistas afirmam que a Via Láctea está em rota de colisão com a sua galáxia “vizinha”, frisando que esta colisão pode ocorrer muito antes do impacto que era já expetável entre a Via Láctea e a sua outra “vizinha”, a Andrómeda, que os investigadores acreditam que a atingirá dentro de 8 mil milhões de anos.


Photo Wikipedia

Veja Tambem "Corpo espacial" escondido atrás do sol levanta a conspiração do Planeta X


A colisão da Via Láctea com a Grande Nuvem de Magalhães “poderia despertar o buraco negro inativo da nossa galáxia, que começaria a devorar o gás circundante e a aumentar o seu tamanho até dez vezes”, pode ler-se na mesma nota.

Enquanto se alimenta, o buraco negro agora ativo lançaria radiação de alta energia e, apesar destes “fogos-de-artificio cósmicos” não afetarejm a vida na Terra, há uma hipótese desta colisão ejetar rapidamente o Sistema Solar para o espaço, explicam os cientistas num artigo esta semana publicado na revista especializada Monthly Notices de la Royal Astronomical Society.

Galáxias semelhantes à Via Láctea são rodeadas por um grupo de galáxias satélites menores que as orbitam. Por norma, as galáxias satélite têm uma vida cósmica tranquila, orbitando as suas galáxias hospedeiras durante mil milhões de anos. Contudo, e de vez em quando, as galáxias satélite colidem e acabam por ser devoradas pela sua galáxia mãe.




A Grande Nuvem de Magalhães é a mais brilhante galáxia satélite da Via Láctea, localizando-se a 163.000 anos-luz da nossa galáxia. A Grande Nuvem orbita a Via Láctea há cerca de 1500 milhões de anos.

Até há pouco tempo, os astrónomos acreditavam que a Grande Nuvem de Magalhães orbitaria a Via Láctea durante muitos mil milhões de anos ou, e tendo em conta que se move rapidamente, acabaria por escapar da força gravitacional da nossa galáxia.
De acordo com estudos realizadas recentemente, a Grande Nuvem de Magalhães tem quase o dobro da matéria escura que se pensava. Por isso, acreditam os cientistas, a Grande Nuvem de Magalhães está a perder energia rapidamente, estando assim condenada a colidir com a Vida Láctea.

Para prever esta colisão, a equipa de investigação recorreu a simulações conduzidas através do supercomputador de formação de galáxias EAGLE (Evolution and Assembly of GaLaxies and their Environments).


  •  “Dois mil milhões de anos é um tempo extremamente longo comparativamente como tempo de o ser humano, mas é um tempo muito curto nas escalas do tempo cósmico”, sublinhou o autor principal do estudo, Marius Cautun, da Universidade de Durham.

Veja Tambem Físico brasileiro desenvolve uma hipótese que pode derrubar a teoria do Big Bang


A destruição da Grande Nuvem de Magalhães causará estragos na nossa galáxia, despertando o buraco negro que está no seu centro e convertendo a Via Láctea num núcleo galáctico ativo, um “quasar”.
 Embora não deva afetar o nosso Sistema Solar, há uma pequena possibilidade de que não possamos sair ilesos desta colisão e sermos expulsos da Via Láctea, atirando-nos para o espaço intergaláctico.

Por muito bonito que seja, o Universo está em constante mutação e, muitas vezes, esta evolução dá-se através de eventos violentos como a próxima colisão com a Grande Nuvem de Magalhães.




Cientistas russos estudam a construção um motor foguete de plasma


Cientistas  acreditam na tecnologia de foguetes de plasma como o futuro para viagens rápidas a Marte e para além.
 Físicos do Instituto Budker de Física Nuclear da filial siberiana da Academia Russa de Ciências em Novosibirsk estão preparando outra onda de experiencias para aproveitar o poder do plasma termonuclear para uso num motor de foguete, disse o vice-diretor do instituto, Alexander Ivanov.

Photo Youtube
As experiencias, que começarão no final deste mês, vão dar seguimento a testes anteriores bem-sucedidos que confirmaram a viabilidade de usar plasma numa instalação experimental usando parâmetros adequados para um motor de foguete.
No final de 2018, o instituto começou a trabalhar numa instalação única, conhecida como SMOLA, a sigla em russo para "Armadilha Magnética Aberta em Espiral", tendo já servido no estudo da criação de um reator de fusão. A "armadilha de plasma" permitiu que os cientistas trabalhassem no confinamento do plasma num sistema magnético linear, o que, espera-se, pode eventualmente ajudar a levar à criação do protótipo do motor de plasma adequado para viagens espaciais.






As primeiras experiências mostraram que o efeito existe. A máquina espacial funciona e os meios para reduzir as perdas de plasma também. Atualmente, o equipamento padrão está instalado. Estamos nos preparando para começar as experiencias em janeiro de 2019, que devem demonstrar plenamente suas capacidades.
De acordo com o físico, a configuração atual serve como um demonstrador de tecnologia, com os cientistas alcançando uma temperatura de 100.000 graus para formar o plasma, e atingindo uma densidade suficiente para fornecer dados adequados para futuros trabalhos sobre a criação de um foguete baseado em plasma.

Photo Youtube

Em outubro, a Energomash, uma empresa russa de engenharia de energia envolvida na produção de motores de foguete, anunciou planos para construir um motor de foguete de plasma sem elétrodo de alta potência. O Instituto Kurchatov da Rússia e o Chemical Chemicals Design Bureau informaram que estavam trabalhando num motor baseado em plasma para viagens espaciais em 2016 .


Outros países, incluindo os Estados Unidos, estão envolvidos em experiencias semelhantes. Em 2015, a NASA adjudicou à empresa privada de tecnologia de foguetes de plasma Ad Astra um contrato para a criação do "Foguete de Magnetoplasma de Impulso Específico Variável" (VASIMR), com os motores propostos operando aquecendo o gás pressurizado a temperaturas extremamente altas usando ondas de rádio e mantendo plasma sob controlo usando campos magnéticos.
Motores de foguete baseados em plasma são uma das várias opções propostas para a exploração humana de outros planetas em nosso sistema solar e além dele.




Fonte//SputnikNews