terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Será que o Universo poderá ser um Multiverso?


A ideia de que nosso universo é apenas parte de um cosmos muito mais vasto não é nova. Ernst Mach, o físico-filósofo austríaco do final do século 19, negou a realidade dos átomos.
"Já alguém viu um?", perguntou ele, zombando dos defensores do átomo. Hoje, muitos cientistas falam de maneira semelhante sobre a ideia de que o universo visível não está sozinho, mas é apenas um dos muitos universos, uma única bolha numa espuma cósmica conhecida como multiverso.



Multiverso
Photo Victor de Schwanberg Getty Images

A teoria final de Stephen Hawking sobre o multiverso foi publicada



Não se pode ver esses outros universos, portanto, a ideia não pode se comprovada, alegam os opositores da teoria. Além disso, invocar uma multiplicidade de universos para explicar a realidade é uma violação violenta da lâmina de Occam, o princípio filosófico que favorece as explicações simples em vez das complicadas.
Mas Mach, é claro, estava errado em relação aos átomos. E ao longo da história, aqueles que argumentam contra múltiplos universos invariavelmente também se mostraram errados. De fato, os primeiros proponentes do multiverso foram os mesmos gregos antigos que propuseram a existência de átomos. Leucipo e Demócrito acreditavam que sua teoria atómica exigia uma infinidade de mundos ("mundo" é sinonimo de "universo"). Seu seguidor posterior, Epicuro de Samos, também professou a realidade de múltiplos mundos. "Existem mundos infinitos, iguais e diferentes deste mundo", afirmou.

Aristóteles, no entanto, argumentou fortemente que a lógica exigia apenas um universo. A sua ideia prevaleceu até 1277, quando o bispo de Paris declarou que os estudiosos medievais que ensinavam a teoria de Aristóteles, seriam excomungados, por negar o poder que Deus tinha para criar tantos universos quanto ele quisesse. Ao longo dos séculos seguintes debateu-se o assunto. Alguns argumentaram que Deus poderia criar mais universos, mas provavelmente não o teria feito, outros sustentavam que a realidade compreendia uma "pluralidade de mundos".
No século 16, Copérnico inverteu a ideia existente até então. Em vez do universo de Aristóteles (com a Terra no meio, cercada por planetas fixados em esferas rotativas), Copérnico colocou o sol no meio, com os planetas (incluindo a Terra) em sua órbita. O universo tornou-se um sistema solar, limitado por uma esfera de estrelas. Algum tempo depois, Thomas Digges, na Inglaterra, reformulou a imagem coperniciana, com as estrelas espalhadas num espaço distante, em vez de fixadas numa única esfera. Isso levantou a possibilidade de múltiplos universos do sistema solar. Giordano Bruno, talvez influenciado por Digges, proclamou que Deus é glorificado “não em um, mas em incontáveis ​​sóis, não numa única terra, num único mundo, mas em milhares de milhares, digo em uma infinidade de mundos. ”


Universo
Photo Pixabay//Free-Photos


Cientistas vão tentar abrir um portal para o universo paralelo



O contemporâneo de Bruno, o famoso astrónomo Johannes Kepler, não gostou da ideia. Ele concebeu o universo como o sistema solar. Mundos semelhantes além do nosso alcance visual não são científicos. "Se eles não são vistos", declarou Kepler, "não contam para a astronomia". Qualquer coisa além do visível, ele insistiu, "é metafísica supérflua", uma visão surpreendentemente semelhante à atitude de muitos em relação á teoria atual do multiverso.
Kepler estava errado, é claro. Os telescópios posteriores revelaram uma multidão de estrelas a grandes distâncias, reunindo-se num disco semelhante a uma lente, a galáxia da Via Láctea (da qual o sol era um membro). Assim como Copérnico mostrou que a Terra faz parte de um universo do sistema solar, o sistema solar tornou-se apenas um dos muitos "universos" da Via Láctea. Mais uma vez, o universo foi redefinido, não mais um conjunto de esferas em volta da Terra, ou um conjunto de planetas orbitando o sol, mas agora um vasto disco de estrelas cercado pelo vazio.

Mas nesse vazio apareceram bolhas difusas, chamadas nebulosas. Immanuel Kant e outros especularam que essas bolhas eram na verdade galáxias, muito distantes, universos das ilhas, para usar o termo cunhado na década de 1840 pelo astrónomo americano Ormsby MacKnight Mitchel. Essa nova visão de um multiverso também foi ridicularizada. "Nenhum pensador competente" acreditava nos universos das ilhas, declarou a escritora de astronomia Agnes Clerke no final do século XIX.
Mas mais uma vez, o multiverso prevaleceu. Em 1924, Edwin Hubble relatou provas de que algumas dessas nebulosas, como Andrómeda, eram de fato universos insulares tão grandes como a Via Láctea. O Hubble foi pioneiro na atual definição do universo como uma vasta bolha do espaço-tempo em expansão, povoada por biliões e biliões de galáxias.
Nos anos 80, uma nova explicação de como esse universo surgiu, chamado de cosmologia inflacionaria, reviveu a questão do multiverso de uma maneira nova. Se o big bang inicial que lançou nosso universo fosse seguido por uma explosão de expansão extremamente rápida (inflação), esse mesmo evento inflacioná rio poderia ter ocorrido em outras partes do espaço. Se a teoria da inflação estiver correta, nossa bolha seria apenas uma entre muitas.
Obviamente, apenas porque os defensores do multiverso têm acertado, não significa que eles certamente estão certos desta vez. Mas os opositores do multiverso certamente estão errados ao dizer que a ideia do multiverso não é ciência porque não é comprovável. O multiverso não é uma teoria a ser testada, mas uma previsão de outras teorias que podem ser testadas. De fato, a cosmologia inflacionaria já passou em muitos testes, embora ainda não seja suficiente para ser estabelecida definitivamente.



Multiverso
Photo Pixabay//geralt

Um dos eventos mais violentos do universo, um buraco-negro “devora” uma estrela


Na verdade, não é necessariamente verdade que outros universos não sejam, em princípio, observáveis. Se outra bolha colidir com a nossa, marcas reveladoras podem aparecer na radiação cósmica de fundo que resta do big bang. Mesmo sem essa evidência direta, sua presença pode ser inferida por meios indiretos, assim como Einstein demonstrou a existência de átomos em 1905, analisando o movimento aleatório de partículas suspensas em líquido.
Atualmente, podemos realmente ver os átomos em imagens produzidas por microscópios de tunelamento. Os átomos, não só se tornaram reais quando foram fotografados pela primeira vez com passaram a ser entidades científicas legítimas por dois milénios e meio. Os múltiplos universos, que têm sido um tópico de discussão científico-filosófica por tanto tempo, num futuro próximo também poderão ser comprovados e quem sabe visualizados.



A galáxia pode estar repleta de nano sondas alienígenas


Os cientistas descobrem um novo método para encontrar vida em planetas alienígenas


Referencia//ScientificAmerican



1 comentário:

  1. Se for um multiverso, acredito que é como bolhas de sabão, onde cada bolha é um universo sem espaço entre elas(ou quase sem espaço entre elas)

    ResponderEliminar