segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

O secretário-geral da ONU alerta para 'ponto sem retorno' na mudança climática


O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse no domingo que os esforços mundiais para impedir a mudança climática têm sido "totalmente inadequados" até agora e há um perigo de que o aquecimento global possa chegar ao "ponto sem retorno".
Falando antes do início da conferência internacional sobre o clima em Madrid, o chefe da ONU disse que o impacto do aumento da temperatura, incluindo condições climáticas mais extremas, já está sendo sentido em todo o mundo, com consequências dramáticas para os seres humanos e outras espécies.


Secretário Geral da Onu Antonio Guterres
Photo Diario de Noticias

Um ano aterrorizante para as mudanças climáticas


Ele observou que o mundo tem conhecimento científico e meios técnicos para limitar o aquecimento global, mas falta vontade política.
"O ponto de não retorno não está mais no horizonte", disse Guterres a repórteres na capital espanhola. "Está à vista e aproximando-se de nós."
Delegados de quase 200 países tentarão alterar as regras que regem o acordo climático de Paris de 2015 na reunião que decorrerá de 2 a 13 de dezembro, incluindo como criar sistemas internacionais de redução de emissões e compensar os países pobres pelas perdas sofridas pelo aumento do nível mar e outras consequências das mudanças climáticas.
Guterres citou evidências científicas crescentes do impacto que as emissões de gases de efeito estufa já causam no planeta, incluindo temperaturas recordes e derretimento do gelo polar.
Mas ele insistiu que sua mensagem é “de esperança, não de desespero. A nossa guerra contra a natureza tem parar e sabemos que isso é possível. ”


Há quatro anos em Paris os países concordaram em limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2 graus Celsius (3,6 Fahrenheit), idealmente 1,5 ° C até o final do século em comparação com os tempos pré-industriais. Já, as temperaturas médias aumentaram cerca de 1 ° C, deixando pouco espaço para que a meta mais ambiciosa seja alcançada.
Guterres disse que as crescentes exigências dos cidadãos, principalmente dos jovens, que demonstram um desejo generalizado de ação climática.
"O que ainda falta é vontade política", disse ele. “Vontade política de colocar um preço no carbono. Vontade política de interromper os subsídios aos combustíveis fósseis. Vontade política de parar de construir centrais a carvão a partir de 2020. Vontade política de mudar a tributação impostos para o carbono, tributando a poluição em vez das pessoas.
Guterres observou que cerca de 70 países, muitos deles entre os mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas, se comprometeram a parar de emitir mais gases de efeito estufa até 2050.
Mas também vemos claramente que os maiores poluidores do mundo não estão cumprindo. E sem eles, nosso objetivo é inacessível ”, afirmou.
O chefe da ONU disse esperar que a reunião em Madrid faça com que os governos façam promessas mais ambiciosas e que o façam já no próximo ano.



Gases de efeito estufa
Photo Bbrasilescola

O clima poderá fazer EUA perderem biliões de dólares.


Ele também disse que a criação de um mercado mundial de emissões, que é um elemento-chave do sexto artigo do acordo de Paris, continua sendo uma das questões mais controversas para os negociadores.
"Estamos aqui para encontrar respostas para o artigo 6, não para encontrar desculpas", disse Guterres.
Guterres também anunciou que o atual governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, se tornará seu novo enviado especial para "ação climática e financiamento climático" a partir do próximo ano.
Os organizadores esperam cerca de 29.000 visitantes, incluindo cerca de 50 chefes de estado, além de cientistas, negociadores experientes e ativistas durante a cimeira de duas semanas.
Alguns dos maiores emissores de carbono do mundo, os Estados Unidos, China e Índia, serão representados por ministros ou funcionários de nível inferior.


A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, que anunciou a intenção de se retirar do acordo de Paris, é representada por Marcia Bernicat, principal vice-secretária de Estado Adjunta de Oceanos e Assuntos Científicos e Ambientais Internacionais. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, está liderando uma delegação de legisladores democratas nas negociações.
Mais de 5.000 polícias estão incumbidos da segurança, informou o Ministério do Interior da Espanha neste domingo. Embora as autoridades tenham intensificado os controlos nas fronteiras e as medidas de segurança cibernética, as autoridades colocaram o alerta de terrorismo do país a um nível abaixo do mais alto, onde está desde ataques extremistas na Tunísia e na França em meados de 2015.


Revelado o único método capaz de evitar uma catástrofe climática


Corrente quente do Atlântico pode estar a alterar o outro lado do mundo


Referencia//Hufpost



Sem comentários:

Enviar um comentário