terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Eclipse com "Anel de fogo" visível a 26 de Dezembro

Quem reside na Europa, Ásia, Austrália ou África, pode observar o último eclipse solar de 2019.
 A 26 de dezembro, Índia, Singapura, Filipinas, Arábia Saudita e algumas partes da Austrália terão a oportunidade de observar um eclipse solar onde será visível um “anel de fogo”.
 Ao contrário do grande eclipse solar de 2017, visível nos Estados Unidos, este deixará visível um pequeno anel quando atingir ao atingir a totalidade, o chamado de eclipse anular.


Eclipse anular de 2012
Photo NASA/Hinode/XRT

“Lua de sangue” visível nos próximos dias


A razão por que vemos esse "anel de fogo", é devido à distância a que a Lua passa a frente do Sol. Atualmente, a Lua está mais próxima do seu apogeu (o que significa que está mais distante da Terra), o que faz com que pareça 3% menor que o Sol quando visto da Terra.
 Este foi um eclipse anular numa foto espetacular da NASA capturada em janeiro de 2011.
Se tiver a sorte de estar em um local onde pode ver o eclipse, pode consultar aqui a hora em que poderá vê-lo.
Embora um eclipse anular possa não ser tão impressionante como um eclipse solar total, ainda é incrível pensar que a Lua e o Sol estão alinhados tão perfeitamente para produzir o magnifico espetáculo visível da Terra.
Curiosamente, os eclipses solares sempre ocorrem aproximadamente duas semanas após o eclipse lunar, devido à maneira como a estação do eclipse funciona. Durante a estação do eclipse (que acontece a cada seis meses), sempre que há lua cheia, ocorre um eclipse lunar, e, sempre que há uma lua nova, ocorre um eclipse solar.


Eclipse anular de 2012
Photo Phillip Jones/Stocktrek Images/Getty Images

O ciclo de 11 anos do sol parece ser impulsionado pelo alinhamento dos planetas


O eclipse lunar da atual temporada ocorrerá a 10 de janeiro, mas infelizmente é um eclipse lunar penumbral, difícil de distinguir na Lua cheia.
O último eclipse de 2019 também nos dá um momento para refletir sobre a última década, onde a ciência avançou a passos largos, com imagens de buracos negros, avanços no CRISPR e o avanço profundo incrível e misterioso da IA. Mas também tem sido uma década cheia de ondas de calor, poluição e inatividade em políticas para reverter as cada vez mais evidentes mudanças climáticas.


Cientistas russos detectam pico massivo de atividade solar


Sonda da NASA descobre a fonte dos ventos solares

Referencia//ScienceAlert

Sem comentários:

Publicar um comentário