domingo, 22 de dezembro de 2019

Astrônomos descobriram um planeta do tamanho da Terra perto de nós

Cada dia que se passa mais planetas vão sendo descobertos. Os astrónomos descobriram um novo exoplaneta um pouco maior que a Terra, orbitando uma estrela anã vermelha a apenas 66,5 anos-luz de distância.
A nossa capacidade para encontrar exoplanetas aumentou enormemente desde que a primeira descoberta foi publicada em 1992 .Neste momento, mais de 4.100 exoplanetas foram confirmados na nossa galáxia, e agora temos uma compreensão muito mais profunda dos sistemas planetários e de como eles se formam e evoluem.


Exoplaneta
Photo Mark Garlick/Science Photo Library

NASA descobre exoplaneta totalmente diferente do conhecido



Mas, como estamos procurando coisas pequenas, muito difíceis de ver à distância, naturalmente a maioria dos exoplanetas confirmados são os chonkers, gigantes de gelo e gás do tamanho de Neptuno e maiores.
As missões do Kepler, em busca de exoplanetas, e agora do TESS , têm aumentado o número de exoplanetas encontrados, com características parecidas com Vénus e com a Terra, portanto, provavelmente rochosos, e não gasosos, sendo esse uma dos pré-requisitos para a vida como a conhecemos.
Mas, de acordo com uma equipe internacional liderada pelo astrofísico Avi Shporer do Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do MIT, esses planetas rochosos são difíceis de medir e de caracterizar. Isso ocorre porque geralmente não os encontramos em orbita de estrelas brilhantes o suficiente para permitir investigações detalhadas de acompanhamento.

É por isso que a descoberta deste novo exoplaneta é tão extraordinária. O artigo da equipe foi enviado ao arXiv e ainda está para ser revisto por pares, mas seus resultados são tentadores.
"Aqui apresentamos a descoberta do GJ 1252 b, um pequeno planeta orbitando uma anã M. O planeta foi inicialmente descoberto como um candidato a planeta em trânsito usando dados do TESS", escrevem os astrónomos. “Com base nos dados do TESS e nos dados adicionais de acompanhamento, somos capazes de rejeitar todos os cenários de falsos positivos, mostrando que é um planeta real”.
O GJ 1252 b tem cerca de 1,2 vezes o tamanho da Terra e cerca de duas vezes a massa da Terra (um pouco mais densa que o nosso planeta). Orbita uma estrela anã vermelha chamada GJ 1252 , que tem cerca de 40% do tamanho e massa do Sol.
O exoplaneta percorre uma orbita em volta de sua estrela uma vez a cada 12,4 horas, demasiado perto para permitir ser habitado e, onde um lado está sempre voltado para a estrela, mas essa órbita torna-o atraente por outro motivo.

A apenas 66,5 anos-luz de distância, o sistema está a uma distância suficientemente próxima para que a estrela seja brilhante o suficiente para as observações de acompanhamento que mencionamos. Além disso, a anã vermelha é extraordinariamente calma para uma estrela desse tipo, e o fato de o planeta orbitar com tanta frequência significa que há muitas oportunidades para visualiza-lo a passar á frente da estrela.
Isso é chamado de trânsito e, se o planeta tiver uma atmosfera, será iluminado pela luz da estrela durante os trânsitos, potencialmente permitindo que os astrónomos vejam o que há nele usando observações espectroscópicas.
E aqui está outra coisa interessante: GJ 1252 b é apenas a mais recente em alguns desses exoplanetas rochosos próximos que a TESS encontrou.
Pi Mensae ce LHS 3844 b , 60 e 49 anos-luz, respetivamente, foram anunciados em setembro do ano passado. O TOI-270b está a 73 anos-luz de distância, Teegarden be Teegarden c estão a 12,5 anos-luz de distância, e Gliese b, Gliese ce Gliese d estão a 12 anos-luz de distância.


Exoplanetas
Photo MBS News

Astrónomos encontram exoplaneta com água, e talvez com chuva


Quanto mais desses planetas rochosos próximos encontrarmos, mais dados podemos compilar sobre eles para descobrir como são comuns e como são, e se a Terra é diferente e única, e a maioria dos planetas rochosos são áridos como Mercúrio, Vênus e Marte, ou na verdade existem mais planetas idênticos na Via Láctea.
E, claro, isso também tem implicações na busca por vida extraterrestre. Mas primeiro, precisamos ver mais exoplanetas rochosos. A GJ 1252 b pode ser um excelente ponto de partida.
"Essas investigações incluem o estudo da atmosfera do planeta e o uso de dados astrométricos futuros de Gaia, combinados á monitorização de velocidade radial a longo prazo, para procurar qualquer estrela atualmente desconhecida, anã marrom ou planeta maciço que orbita a estrela hospedeira".

A pesquisa foi enviada à American Astronomical Society e está disponível no arXiv .



Michelle Starr-ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário