segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Novo olho biónico dá a visão aos cegos

Meses depois de receber um olho biónico, uma câmara ligada a um implante neural, um homem chamado Jason Esterhuizen pôde ver pela primeira vez desde que ficou cego devido a um acidente de carro.
Jason Esterhuizen é uma das seis pessoas no mundo aonde foi implantado o olho Orion, um dispositivo experimental que grava vídeos, converte-o em atividade elétrica e estimula o padrão nos centros de processamento visual de seu cérebro, de acordo com o OneZero. Graças a este implante, ele pode ver as velas em seu bolo de aniversário e a identificar o tráfego próximo a sua casa pela primeira vez em sete anos, segundo declarações do mesmo á comunicação social.



Photo Basil Academico


O nível mais seguro de consumo de álcool é “Não beber nada”, diz estudo


O Orion, o mais recente produto da startup de biotecnologia Second Sight, corrige um problema importante nos olhos biónicos anteriores, que quase ninguém poderia usá-los.
Isso acontece porque os elétrodos nessas próteses visuais geralmente ficam na parte posterior da cavidade ocular, o que significa que eles só funcionariam se algumas células do olho biológico ainda estivessem vivas.
Agora, tudo mudou, porque o Second Sight envia o implante do Orion diretamente para o cérebro.
"Com o sistema atual que estamos testando, nem é preciso ter olhos para o dispositivo funcionar", afirmou Nader Pouratian, neurocirurgião da Universidade da Califórnia em Los Angeles que implantou o Orion em Esterhuizen .



Photo Brasil Academico

Não consumir carne vermelha ou processada parece não trazer benefícios à saúde


Mas isso também significa fazer uma cirurgia no cérebro e enfrentar todos os riscos,como infecções perigosas, que o procedimento introduz.
Para Esterhuizen, o risco valeu a pena, e agora sente-se mais seguro na vida quotidiana.
O Orion não é o olho biónico mais avançado do mercado, os cientistas de Stanford estão desenvolvendo algo semelhante que tem resolução suficiente para que as pessoas o usem para ler o texto. Mas Esterhuizen está feliz com os resultados que está vendo.
"Não é que o sistema os ajude a se tornar completamente independentes", disse Pouratian, "mas quando não se vê nada, conseguir ver um pouco torna-se extremamente valioso"

Quatro problemas de saúde causadas pelos refrigerantes


Sabia que sedentarismo mata mais que o tabagismo?


Fonte//Futurism


Sem comentários:

Enviar um comentário