quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Heliogen, apoiada por Bill Gates, pretende utilizar energia solar térmica


Uma nova startup apoiada por Bill Gates diz que conseguiu aproveitar a energia solar com maior efeito do que nunca, gerando calor suficiente a partir de um campo de painéis espelhados para impulsionar a produção de cimento, aço e vidro, processos que geralmente dependem de combustíveis fósseis.
Esse calor e eficiência extras foram possíveis através da inteligência artificial, usando um software que pode posicionar perfeitamente os espelhos para concentrar a luz do sol da maneira mais intensa.
A empresa, chamada Heliogen, afirma que seus feixes de luz  são capazes de criar um forno solar que atinge 1.000 graus Celsius (1.832 graus Fahrenheit), algo que nunca havia sido feito antes comercialmente. Isso significa que a energia solar poderia substituir os combustíveis fósseis por uma série de empregos industriais, não apenas fornecendo eletricidade.



Heliogen
Photo Heliogen

Carros elétricos sem bateria num futuro muito próximo



"O mundo tem uma janela limitada para reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa", diz Bill Gross , CEO e fundador da Heliogen. "Fizemos grandes progressos na implantação de energia limpa com o nosso sistema. Mas a eletricidade é responsável por menos de um quarto da demanda global de energia”. “A Heliogen representa um salto tecnológico para atender aos outros 75% da procura de energia. Com o calor do processo de baixo custo e temperatura extremamente alta, temos a oportunidade de fazer contribuições significativas para resolver a crise climática”.
A produção de energia através dessas centrais solares concentradas não é uma ideia nova, mas a Heliogen conseguiu que seus sistemas atingissem temperaturas próximas ao dobro do que é atualmente possível, o que abre uma série de novas oportunidades.


Em termos d e software usada, o uso de câmaras de alta resolução para determinar a posição de cada espelho, apoiado por algoritmos complexos, podem otimizar o ângulo em que estão definidos.
A Heliogen pretende usar os seus sistemas para gerar temperaturas de até 1.500 graus Celsius (2.732 graus Fahrenheit). Isso é suficiente para criar combustíveis 100% livres de fósseis, como hidrogênio ou gás de sintético, através dos processos de separação de CO2 e separação de água.
Há muito tempo se fala em combustível de hidrogénio como uma maneira limpa e ecológica de atender às nossas necessidades de transporte, enquanto os syngas (gás de síntetico) podem ser usados ​​para aquecimento ou convertidos em biocombustível. O problema de ambos é conseguirmos produzi-los de forma prática e rentável.
Com os processos de combustíveis fósseis geradores de calor responsáveis ​​por cerca de 10% das emissões globais de CO2, o sistema da Heliogen promete causar um grande impacto na quantidade de dióxido de carbono que libertamos na atmosfera.


Photo Heliogen

A automatização pode acabar com 800 milhões de empregos até 2035


Tudo isso precisa ser ampliado, o que significa que será necessário muito mais investimento - além de soluções para armazenar a energia gerada, e utiliza-la nos dias sem Sol, principalmente para as instalações em zonas de menos exposição solar.
Com isso em mente, não seremos capazes de abandonar combustíveis fósseis a curto prazo, mas a tecnologia de IA da Heliogen pode ser um grande passo para aí.
"A capacidade da Heliogen conseguir as altas temperaturas necessárias para esses processos é um desenvolvimento promissor para um dia substituir o combustível fóssil", diz Bill Gates , ex-CEO da Microsoft que é um dos primeiros a apoiar a startup solar.
 "Se vamos chegar a zero emissões de carbono em geral, temos muito o que inventar".


Mais um passo dado no caminho da energia totalmente limpa e renovável


Referencia//TheEngineer



Sem comentários:

Enviar um comentário