terça-feira, 26 de novembro de 2019

Gases de efeito estufa atingiram o recorde em 2018


Os níveis de gases de efeito estufa na atmosfera, principal fator de mudança climática, atingiram um recorde no ano passado, informou a ONU na segunda-feira, pedindo ações para salvaguardar "o futuro bem-estar da humanidade".
"Não há sinal de desaceleração, muito menos de um declínio, na concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, apesar de todos os compromissos do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas", afirmou o chefe da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas.


Terra vista do espaço
Photo Pixabay/skeeze

As emissões de óxido nitroso devem aumentar no Oceano Pacífico


O principal Boletim Anual de Gases de Efeito Estufa da OMM listou a concentração atmosférica de CO2 em 2018 em 407,8 partes por milhão (ppm), acima dos 405,5 ppm em 2017. Esse aumento foi um pouco acima do aumento médio anual na última década.
O CO2 é responsável por aproximadamente dois terços do aquecimento da Terra. O segundo gás de efeito estufa mais prevalente na atmosfera é o metano, emitido em parte pelo gado e fermentação de arrozais, responsável por 17% do aquecimento, de acordo com a OMM.
O óxido nitroso, o terceiro maior gás de efeito estufa, é causado principalmente por fertilizantes agrícolas, causou cerca de seis por cento do aquecimento na Terra, informou a agência da ONU.
Os níveis de concentração atmosférica de metano e óxido nitroso atingiram recordes no ano passado, informou a ONU.

"Essa tendência contínua de longo prazo significa que as gerações futuras serão confrontadas com impactos cada vez mais severos das mudanças climáticas, incluindo temperaturas mais altas, condições climáticas mais extremas, stress hídrico, aumento do nível do mar e perturbações nos ecossistemas marinhos e terrestres", afirmou a OMM.
As emissões são o principal fator que determina a quantidade de níveis de gases de efeito estufa, mas as taxas de concentração são uma medida do que resta após uma série de interações complexas entre atmosfera, biosfera, litosfera, criosfera e oceanos.
Atualmente, cerca de 25% de todas as emissões são absorvidas pelos oceanos e pela biosfera, um termo que é responsável por todos os ecossistemas da Terra.
A litosfera é a parte externa sólida da Terra, enquanto a criosfera cobre a parte do planeta coberta por água congelada.


Emissões Co2
Photo Pixabay/byrev

Oceano Ártico pode ficar sem gelo até meio deste seculo



O Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC) afirmou que, para manter o aquecimento abaixo de 1,5 graus Celsius, as emissões líquidas de CO2 devem estar no zero líquido, o que significa que a quantidade que é colocada na atmosfera deve ser igual à quantidade que está sendo removida, apesar de natural absorção ou inovação tecnológica.
Embora Taalas tenha deixado claro que não estavamos no caminho de cumprir as metas da ONU, ele destacou algumas razões para um otimismo cauteloso.
"A visibilidade dessas questões é a mais alta que de sempre", disse ele á comunicação social em Genebra, observando que o setor privado está investindo cada vez mais em tecnologia verde.
Mesmo nos Estados Unidos, onde o governo do presidente Donald Trump, este mês, iniciou o processo de retirada formal do acordo de Paris, " estão acontecendo coisas muito positivas ", disse Taalas.
Embora Washington possa ter renunciado aos compromissos do acordo de Paris, "temos muitos estados e cidades que estão seguindo na direção certa", acrescentou.

Os furacões são mais poderosos, devastadores e frequentes


Referencia//ScienceAlert



Sem comentários:

Enviar um comentário