terça-feira, 1 de outubro de 2019

Não consumir carne vermelha ou processada parece não trazer benefícios à saúde


De acordo com uma nova revisão das evidências, e contrariamente ao até agora aconselhado, não há razões de saúde para reduzir o consumo de carne vermelha ou processada. As alegações, que contradizem a maioria dos conselhos alimentares existentes, vêm de uma revisão de estudos existentes liderados pelos Centros Cochrane espanhóis e polacos, parte de uma colaboração global para avaliar a pesquisa médica.


Photo Pixabay RitaE

Alimentos VS. Suplementos, descubra qual o melhor


Vários órgãos de saúde dizem, há décadas, que devemos limitar nossa ingestão de carne vermelha, pois é rica em gordura saturada, que aumenta os níveis de colesterol e causa ataques cardíacos. Mais recentemente, o consumo tanto a carne vermelha como a processada foram ligadas ao câncer.
No entanto, na última revisão, os autores chegaram a uma conclusão diferente porque consideraram separadamente os dois principais tipos de pesquisa. A melhor evidência vem de estudos randomizados. Nesses, alguns participantes são incentivados a mudar sua dieta de uma certa maneira, como comer menos carne e outros não, sendo depois comparado o estado de saúde das pessoas nos dois grupos.
Mas tais testes são caros e difíceis de realizar. Segundo uma estimativa, apenas cerca de 5% dos estudos nutricionais são de boa qualidade. É muito mais vulgar fazer pesquisas que apenas observem o que as pessoas escolhem comer. Conhecidos como estudos observacionais, podem fornecer resultados enganosos.

Bradley Johnston, da Dalhousie University, em Halifax, Canadá, e seus colegas estudaram primeiro todos os estudos observacionais anteriores que analisavam o impacto na saúde de comer carne vermelha ou processada. Estes apontaram para um efeito adverso "muito pequeno" nas mortes, doenças cardíacas e câncer.
Em seguida, eles avaliaram separadamente os 12 estudos randomizados que foram feitos nessa área e descobriram que havia pouco ou nenhum benefício para a saúde das pessoas que reduziam o consumo dessas carnes. Com base nessas descobertas, os autores concluem que as pessoas devem “continuar comendo seus níveis atuais de carne vermelha e processada, a menos que se sintam inclinados a alterá-las”. No entanto, eles acrescentaram que alguns podem querer mudar sua dieta por causa do bem-estar animal ou por razões ambientais.


Photo Pixabay Annca


Sabe o que são os alimentos geneticamente modificados?



"Talvez seja hora de parar de produzir pesquisas observacionais nessa área", escreveu Tiffany Doherty, da equipe de pesquisa em eficácia comparativa em pediatria e adolescente da Universidade de Indiana, num editorial que o acompanha.
Duane Mellor, porta-voz da Associação Dietética Britânica, diz que as pessoas não devem seguir o conselho como sinal verde para comer mais carne vermelha. “Não é por isso que podemos rasgar as diretrizes e começar a comer duas vezes mais carne. Mas carne vermelha três vezes por semana não é um problema.



Como alimentar 10 biliões de pessoas em 2050 de forma sustentável

Má alimentação provoca uma em cada cinco mortes




Quatro problemas de saúde causadas pelos refrigerantes


Fonte//NewCientist



Sem comentários:

Publicar um comentário