quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Corrente quente do Atlântico pode estar a alterar o outro lado do mundo


Uma questão preocupante para os cientistas nos últimos anos tem sido se o principal sistema de circulação do Oceano Atlântico está desacelerando, um fator que pode ter consequências dramáticas para a Europa e outras partes da orla atlântica. Mas um novo estudo sugere que a ajuda pode estar a alterando um lugar   inesperado, o Oceano Índico.


Photo Wikipédia

Akureyri, a cidade exemplo em sustentabilidade ambiental


O novo estudo, de Shineng Hu, da Scripps Institution of Oceanography, da Universidade da Califórnia em San Diego, e Alexey Fedorov, da Universidade de Yale, publicado em 16 de Setembro na revista Nature Climate Change , é o mais recente de vários que procuram explicações em como o aquecimento global pode alterar componentes climáticos globais, como a "circulação meridional do Atlântico" (AMOC)(Corrente do Golfo).
O AMOC é um dos maiores sistemas de circulação de água do planeta. Funciona como uma escada rolante líquida, enviando água quente ao Atlântico Norte na parte superior da camada líquida, enviando água mais fria para o sul a uma profundidade maior.

Embora o AMOC permaneça estável há milhares de anos, os dados dos últimos 15 anos, bem como as projeções de modelos de computador, deram a alguns cientistas motivos de preocupação. O AMOC mostrou sinais de desaceleração durante esse período, mas não se sabe se é resultado do aquecimento global ou apenas de uma anomalia de curta duração relacionada à variabilidade natural do oceano.
"Ainda não há consenso, mas acho que a questão da estabilidade do AMOC não deve ser ignorada. A mera possibilidade de o AMOC entrar em colapso deve ser um forte motivo de preocupação numa época em que a atividade humana está forçando mudanças significativas no sistema climático da Terra”. disse Fedorov,
"Sabemos que a última vez que o AMOC enfraqueceu substancialmente foi num período que remonta 15.000 a 17.000 anos, e teve fortes impactos globais", acrescentou Fedorov. "Estaríamos falando de invernos rigorosos na Europa, com mais tempestades ou mais secas na África devido à mudança da zona de chuvas tropicais, por exemplo".



Photo Wikipédia

Como seria se todo o gelo da Terra derretesse numa noite


Grande parte do trabalho de Fedorov e Hu concentra-se em mecanismos e recursos climáticos específicos que podem estar mudando devido ao aquecimento global. Usando uma combinação de dados observados e modelos de computador altamente sofisticados, eles estudam quais os efeitos que essas mudanças podem ter ao longo da nossa existencia. Por exemplo, Fedorov examinou anteriormente o papel que o derreter do gelo do mar do Ártico pode ter no AMOC.
Neste novo estudo, analisaram o aquecimento no Oceano Índico, e consideraram o aquecimento deste oceano é um dos fenómenos mais críticos do aquecimento global.
Os cientistas disseram que o seu modelo indica uma série de efeitos em cascata que se estendem desde o Oceano Índico até ao Oceano Atlântico. Á medida que o Oceano Índico aquece cada vez mais rápido, gera precipitação adicional. Isso, por sua vez, atrai mais ar de outras partes do mundo, incluindo o Atlântico, para o Oceano Índico.



Monçoes na India, Photo Brasilescola

As alterações climáticas estão aquecendo a Europa

Com tanta precipitação no Oceano Índico, haverá menos precipitação no Oceano Atlântico, disseram os investigadores. Consequentemente, menos precipitação levará a uma maior salinidade nas águas do Atlântico, porque não haverá tanta água da chuva para diluí-la. Essa água mais salgada do Atlântico, ao chegar ao norte via AMOC, arrefece muito mais rápido que o normal e também afunda mais rápido.
"Isso funcionaria como um ponto de partida para o AMOC, intensificando a circulação", afirmou Fedorov. "Por outro lado, não sabemos por quanto tempo esse aquecimento do Oceano Índico continuará. Se o aquecimento de outros oceanos tropicais, especialmente o Pacífico, alcançar o Oceano Índico, a corrente AMOC será interrompida".
 Os cientistas disseram que esta última descoberta ilustra a natureza intrincada e interligada do clima global. À medida que os cientistas tentam entender os efeitos da mudança climática, eles devem tentar identificar todas as variáveis ​​e mecanismos climáticos que provavelmente terão influencia.


O nível do mar já sobe 3,6 mm por ano e tende a aumentar




Fonte//ScienceDaily


Sem comentários:

Publicar um comentário