sábado, 12 de outubro de 2019

Como seria se todo o gelo da Terra derretesse numa noite

Noventa e nove por cento de todo o gelo de água doce da Terra está no topo da Groenlândia e da Antártica e, todos os anos a quantidade que derrete é maior.
Normalmente, levaria centenas ou milhares de anos para que todo o gelo derretesse. Mas e se algo acontecesse que causasse um derretimento global da noite para o dia?

Se enquanto dormíamos, o nível do mar subisse 66 metros. Cidades costeiras como New York, Xangai e Londres ficariam submersas numa inundação apocalíptica, forçando até 40% da população mundial a sair de suas casas.
Embora todo esse caos ocorra acima da superfície, algo igualmente sinistro também acontece no subsolo. Toda essa água salgada se infiltrará nas reservas de água subterrânea para o interior, forçando seu caminho para os aquíferos de água doce próximos, aqueles que fornecem água potável, sistemas de irrigação e sistemas de refrigeração para fabricas. Todos esses aquíferos seriam destruídos.



Além disso, o gelo na Groenlândia e na Antártica é feito de água doce; portanto, quando derrete, cerca de 69% das reservas de água doce do mundo vai direto para os oceanos. Isso causará estragos nas correntes oceânicas e nos padrões climáticos.
A corrente do Golfo, por exemplo. É uma forte corrente oceânica que leva ar quente ao norte da Europa e depende de água densa e salgada do Ártico para funcionar. Mas uma inundação de água doce diluiria a corrente e poderia enfraquece-la ou até parar-la completamente. Sem esse ar quente, as temperaturas no norte da Europa desceriam, o que poderia gerar uma mini era glacial, segundo alguns especialistas.

Isso nem é o pior. Veja o que acontecerá quando os últimos 1% de gelo de água doce que não fazem parte do degelo da Groenlândia ou da Antártica, derreter. Parte desse 1% está em geleiras no interior.
As geleiras dos Himalaias representam especificamente uma das maiores ameaças por causa do que está preso no interior. Produtos químicos tóxicos como diclorodifeniltricloroetano ou DDT. Os cientistas descobriram que geleiras como essa podem armazenar esses produtos químicos por décadas. Mas, à medida que descongelam, essas geleiras liberam os produtos químicos em rios, lagos e reservas de água subterrânea, envenenando-os.


Photo Pixabay/edymariani

Há uma opção segura de geoengenharia para reduzir o CO2


O restante desse 1% está no subsolo, principalmente na tundra do Ártico, na forma de algo chamado permafrost. O permafrost é uma matéria orgânica congelada no solo há mais de dois milhões de anos.
Um dos problemas mais imediatos com o degelo do permafrost seria o envenenamento por mercúrio. Estima-se que existam 15 milhões de galões de mercúrio armazenados no permafrost do Ártico. Além disso, a matéria orgânica no permafrost é uma refeição para os microorganismos. Depois de digerir tudo, eles soltam dois dos gases de efeito estufa mais potentes do mercado, dióxido de carbono e metano.
Os cientistas estimam que isso poderia dobrar os níveis atuais de gases de efeito estufa na atmosfera e potencialmente fazer com que as temperaturas globais subissem 3,5 graus Celsius em comparação com hoje.
Pode não parecer muito, mas era o fim de rios e lagos por todo o mundo. Eles evaporariam com temperaturas mais altas e causavam secas em massa e climas desérticos. E todo esse vapor de água extra na atmosfera alimentaria tempestades, inundações e furacões mais frequentes e mais fortes.
Portanto, todo esse litoral recém-estabelecido no leste dos EUA seria um dos últimos lugares para se habitar. Em vez disso, haveria migrações em massa para o Canadá, Alasca, Ártico e até o que resta da Antártica.


Photo Pixabay/geralt

Novo Bioreator pode ser a solução para as emissões de CO2

Isso provavelmente nunca vai acontecer. Afinal, agora há gelo suficiente para cobrir todo o continente da América do Norte com uma camada de uma milha de espessura.
Então, da próxima vez que ouvir sobre o recorde de calor ou furacões ultra poderosos, pelo menos você sabe que pode ser pior. Mas os cientistas estimam que, se não agirmos e as temperaturas globais aumentarem apenas 1 grau Celsius, os efeitos das mudanças climáticas que já vemos hoje serão irreversíveis.

Anomalia no Pacífico ameaça o regresso do 'The Blob'


Fonte //Businessinsider



Sem comentários:

Publicar um comentário