segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Porque os incas construíram o Machu Picchu num lugar tão remoto?

O antigo santuário inca de Machu Picchu é considerado uma das maiores obras arquitetónicas da humanidade. Construído num local remoto, no topo de uma cordilheira estreita, por cima de um precipício, o local é conhecido por sua perfeita integração com a paisagem
Mas a localização do santuário há muito intrigou os cientistas. Porque razão os incas construíram sua obra-prima um lugar tão inacessível?


Photo Pixabay skeeze

Monumento Espanhol com 7.000 anos ressurge em ano de seca


O geólogo Rualdo Menegat, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, fez uma uma análise geo-arqueológica detalhada que sugere que os incas construíram intencionalmente Machu Picchu, assim como algumas das suas cidades, em locais onde falhas tectónicas se encontram. "A localização de Machu Pichu não é uma coincidência", diz Menegat. "Seria impossível construir um edifico assim nas montanhas se o solo não fosse fraturado".
 Usando uma combinação de imagens de satélite e medições de campo, Menegat mapeou uma densa rede de fraturas e falhas cruzadas sob a construção, Património Mundial da UNESCO. A análise indica que essas características variam muito em escala, deste pequenas fraturas visíveis em pedras individuais a grandes lineamentos de 175 quilómetros de comprimento que controlam a orientação de alguns dos vales e cursos de agua da região.

Menegat descobriu que essas falhas e fraturas ocorrem em vários conjuntos, alguns dos quais correspondem às principais zonas de falhas responsáveis ​​pela elevação da Cordilheira dos Andes Centrais nos últimos oito milhões de anos. Como algumas dessas falhas são orientadas para nordeste-sudoeste e outras tendem para noroeste-sudeste, elas coletivamente criam uma forma de "X" cruzando-se sob o  Machu Picchu.
O mapeamento de Menegat sugere que os setores urbanos do santuário e os campos agrícolas circundantes, bem como edifícios e escadas individuais, são todos orientados de acordo com as tendências dessas grandes falhas.
Os resultados de Menegat indicam que a rede de falhas e fraturas é tão essencial para a construção do Machu Picchu como a excelência do trabalho em pedra. Esta alvenaria sem argamassa apresenta pedras tão perfeitamente encaixadas que é impossível deslizar um cartão de crédito entre elas. 


Photo Pixabay Capobleu2a

A grande Pirâmide de Gizé pode não ser inteiramente feita pelo homem



Excelentes pedreiros, os incas aproveitavam os abundantes materiais de construção na zona de falha
Além de ajudar a moldar pedras individuais, a rede de falhas em Machu Picchu provavelmente ofereceu aos incas outras vantagens, segundo Menegat. A principal delas era uma fonte  de água. "As falhas tectónicas da área canalizam a água provenientes do derretimento da neve e a água da chuva diretamente para o local", diz ele. “A construção do santuário num planalto naquela altitude, teve o benefício de proteger o local das avalanches e deslizamentos de terra, muito comuns nesse ambiente alpino”, explica Menegat.
 As falhas e fraturas subjacentes a Machu Picchu também ajudaram a drenar o local durante as intensas chuvas na região. Cerca de dois terços do trabalho para construir o santuário envolveu a construção de drenagens subterrâneas, e as fraturas pré-existentes ajudaram esse processo e ajudaram a explicar sua preservação notável.


Cientistas lançam luz sobre as misteriosas linhas de Nasca, no Peru

Barco Viking descoberto num terreno perto do fiorde de Oslo




Sem comentários:

Publicar um comentário