segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Os alienígenas podem ter estado na Terra no passado, afirma novo estudo


Enrico Fermi colocou pela primeira vez o paradoxo que mais tarde recebeu o seu nome, perguntando: "Onde estão todos?" Desde então, os astrofísicos têm ponderado sobre a questão, pois argumentam que houve muito tempo para a vida inteligente aparecer, mas não ouvimos nada deles.


Photo NASA/JPL-Caltech
Civilizações alienígenas podem ter explorado a galáxia e já visitaram a Terra sem o nosso conhecimento, diz um novo estudo publicado no mês passado no The Astronomical Journal .
De acordo com uma pesquisa liderada por Jonathan Carroll-Nellenback, cientista computacional do Centro de Computação Integrada de Pesquisa da Universidade de Rochester, a vida alienígena inteligente pode levar algum tempo para explorar a galáxia e aproveitar o movimento dos sistemas estelares.





O estudo “ O paradoxo de Fermi e o efeito Aurora: colonização, expansão e estados estacionários da ex-civilização ” oferece uma visão diferente da questão conhecida como Paradoxo de Fermi, que questiona por que ainda não detetámos sinais de inteligência extraterrestre.
Os autores do novo estudo afirmam que é provável que os alienígenas estejam apenas estrategicamente perdendo tempo.


Sonda GAIA Photo ESA

Os extraterrestres poderão ser a salvação da Humanidade


O astrofísico Michael Hart explorou a questão formalmente quando argumentou num artigo de 1975 que não pode haver outras civilizações avançadas na nossa galáxia, se durante todo este tempo, desde que se formou, não ouvimos nada delas.
Jonathan Carroll-Nellenback afirmou ao Business Insider: "Se não se considera o movimento das estrelas quando tenta resolver esse problema, fica basicamente com uma de duas soluções. Ou ninguém sai do planeta ou somos, de fato, a única civilização tecnológica da galáxia."





Segundo Carroll-Nellenback, as estrelas orbitam o centro da galáxia em diferentes caminhos em diferentes velocidades. Os alienígenas poderiam estar esperando a proximidade de um sistema solar para viajar para ele.
Nesse caso, as civilizações levariam mais tempo para se espalhar pelas estrelas do que Hart calculou, e talvez ainda não tenham chegado até nós, ou talvez tenham chegado, muito antes de os seres humanos evoluírem.

Os pesquisadores procuraram responder ao Paradoxo de Fermi de várias maneiras, com base em diversas hipóteses.
Mas os autores do mais novo estudo apontam que pesquisas anteriores não explicaram o fato da nossa galáxia se mover no universo.
Assim como os planetas orbitam estrelas, os sistemas estelares orbitam o centro galáctico. Nosso sistema solar, por exemplo, orbita a galáxia a cada 230 milhões de anos.
Se as civilizações surgirem em sistemas estelares distantes dos outros, eles podem tornar a viagem mais curta, aguardando até que seu caminho orbital os aproxime de um sistema estelar habitável, diz o estudo.


Proxima Centaury, Photo ESA/Hubble/NASA

1,1 Milhões de pessoas planeiam invadir a controversa Área 51


"Se o tempo suficiente for de mil milhões de anos, bem, essa é uma solução para o paradoxo de Fermi. Os mundos habitáveis ​​são tão raros que é preciso esperar mais do que a existência de qualquer civilização até que outra a alcance", disse o principal autor do estudo.
 Enquanto eles pensavam sobre cenários em que alienígenas poderiam existir, os cientistas usaram modelos numéricos para simular como uma civilização poderia se espalhar pela galáxia, concluindo que a Via Láctea poderia ser preenchida com sistemas estelares estabelecidos que não conhecemos.
Outro argumento no debate sobre a vida alienígena é o que Hart chamou de "Fato A": não há visitantes interestelares na Terra agora, e não há evidências de visitas anteriores, o que não significa que elas nunca estivessem aqui, apontam os autores de o novo estudo.






Se tal visita ocorreu milhões de anos atrás, talvez não haja mais sinais indicadores.
É até possível que os alienígenas tenham passado perto da Terra desde, mas terem decidido não visitá-la, ou podem não considerar a possibilidade de vesitar um planeta já habitado!
Nos próximos anos, a nossa capacidade de detetar e observar outros planetas potencialmente habitáveis ​​deverá melhorar significativamente, com o advento de novas tecnologias.
O Telescópio Espacial Hubble e o Transess Exoplanet Survey Satellite (TESS) continuam a busca de novos mundos, e a NASA está construindo o Telescópio Espacial James Webb, que será capaz de observar o espaço e o tempo até o Big Bang.
Este artigo foi publicado originalmente por Business Insider.








Sem comentários:

Publicar um comentário