sábado, 14 de setembro de 2019

O regresso do dirigível faz mais sentido do que nunca

Poucos meios de transporte enfrentaram um revés com base num único incidente. Quando o LZ 129 Hindenburg caiu em 1937, acabou com toda uma indústria. Mas os cientistas agora estão pensando em trazer os Zeppelins de volta como contentores.


Photo Pixabay Hakelbudel

KLM financia o desenvolvimento do avião futurista “Flying V”



Em 6 de maio de 1937, o acidente em Hindenburg matou 36 pessoas de uma maneira particularmente horrível quando explodiu em chamas no distrito de Manchester, Nova Jersey, comentado ao vivo pelo locutor Herb Morrison, que disse ​​"Oh, a humanidade!"
O incêndio não poderia ter acontecido num momento pior para a DZR, a empresa alemã que possuía e operava o dirigível da classe Zeppelin. As tensões com seu país de origem, a Alemanha, estavam aumentando no Ocidente, as tendências tecnológicas eram para encaminhando para aviões mais pesados ​​que o ar, e a DZR acabou em 1940. Embora tenha havido tentativas esporádicas de reviver a indústria, elas surgiram como um nicho restrito

Um novo estudo, realizado por cientistas do Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (IIASA), em Laxenburg, na Áustria, publicado no Energy Conversion and Management, não tenta reviver o glamour das viagens transatlânticas. Em vez disso, os cientistas concentram-se na indústria de transporte de carga menos emocionante, mas mais crucial. Os dirigíveis podem desempenhar um papel muito importante no combate ao aquecimento global, dizem eles.
"O transporte marítimo é um dos principais contribuintes para as emissões de CO 2 e esse número deve aumentar nas próximas décadas", lê-se no resumo do artigo. Estatisticamente, cerca de um quarto (23%) das emissões mundiais de dióxido de carbono provém do transporte. Nos EUA, é mais, com 29%. Os navios representam cerca de 3% das emissões resultantes do transporte.

Para reduzir as emissões desse setor, esta pesquisa propõe a utilização de dirigíveis, para transportar uma combinação de carga e hidrogénio, a altitudes de 10 a 20 km (6,2 a 12,4 milhas)”,  diz o estudo.
As correntes de jato são correntes de ar sinuosas na atmosfera da Terra que se deslocam por todo o planeta. A sua natureza sinuosa significa que eles seguem em todas as direções, e os cientistas os rastreiam de maneira confiável. Ora eles pretendem usar essas correntes de jato para dar a um dirigível rígido um impulso extra.





As correntes de jato ocorrem nas latitudes médias predominantemente na direção oeste-leste, atingindo uma velocidade média do vento de 165 km / h (102 MPH)”, diz o estudo. "Usando essa combinação de altas velocidades do vento e direção confiável, aeronaves ou balões cheios de hidrogénio podem transportar hidrogénio com menor necessidade de combustível e menor tempo de viagem em comparação com o transporte convencional".

Graças ao advento de novos materiais, as aeronaves foram consideradas em todo o mundo, desde a expansão da banda larga até a entrega de ajuda humanitária. E também houve pesquisas substanciais sobre aeronaves funcionando a energia solar, considerando que elas poderiam voar acima das nuvens.
Olhando para as possibilidades, os investigadores concentraram-se numa expedição de 2016 do aventureiro russo Fedor Konyukhov, que bateu o recorde de voo mais rápido do mundo em um balão de ar quente. Konyukhov usou as correntes de jato para da a volta ao mundo em apenas 11 dias. Os mesmos princípios se aplicam às aeronaves.



Zepelins como o Hindenburg foram os maiores dirigíveis rígidos já construídos. Surpreendentemente, eles ainda são. O tamanho representa um desafio para o dirigível rígido de carga moderno.
"A área e a proporção de volume de hidrogénio ou hélio reduzem consideravelmente com o aumento das dimensões do dirigível", escrevem os autores do estudo. “Por exemplo, enquanto um aumento de dez vezes no diâmetro e comprimento do dirigível aumentará o volume de hidrogénio armazenado e sua elevação útil em mil vezes, apenas aumentará o material do “balão” num fator de 100. Isso significa que o custo de o balão da aeronave reduz em dez vezes”.
Para que o hipotético dirigível rígido seja tão eficaz quanto os barcos de carga de hoje, teria que ser cinco vezes maior que o Empire State Building. Além da logística de construção, a atracação do dirigível seria um desafio devido a mecanismos de controlo limitados, e ventos fortes poderiam fazê-lo colapsar.
Mas se esses desafios pudessem ser superados, dizem os cientistas, uma frota de 1.125 transportadores rígidos "conseguiria transportar com um consumo de energia equivalente a 10% do consumo atual de eletricidade no mundo". Apesar dos obstáculos, a frota poderia ajudar o planeta na  medida que é uma energia mais limpa.


Este artigo foi originalmente publicado por PopularMechanics







Sem comentários:

Publicar um comentário