terça-feira, 17 de setembro de 2019

O mundo é controlado por uma dúzia de empresas poderosas


O mundo em que vivemos é controlado e dominado por um pequeno grupo de empresas superpoderosas se tornou uma força dominante que controla essencialmente a indústria humana e molda o mundo moderno em que vivemos, dizem os cientistas.
Num novo estudo, uma equipa de investigadores de vários países sugere que esse quadro de elite de empresas multinacionais dominantes têm capacidade para influenciar grandemente o planeta e seus habitantes.



Photo Pixabay Geralt


A energia nuclear pode travar o aquecimento global



"A escala na qual as empresas multinacionais operam e a velocidade e que elas se instalam em todo o mundo nao tem precedentes na história", explicam os investigadores liderados pelo cientista ambiental Carl Folke, da Academia Real Sueca de Ciências, no seu artigo .
 "As empresas multinacionais tornaram-se uma característica definidora do planeta interligado de pessoas e natureza, onde os seres humanos tornaram-se numa espécie hiper-dominante na biosfera, afetando os padrões globais de mudança ecológica".
Mas isso não é novidade. Podemos observar facilmente o impacto causado pelas super corporações em quase todos os lugares do mundo.




 Apenas 100 empresas são responsáveis ​​por mais de 70% das emissões mundiais de gases de efeito estufa, no âmbito tecnológico, os gigantes da tecnologia desfrutam um domínio monopolista no ramo das pesquisas e social.
As empresas farmacêuticas são tão poderosas que geram crises de saúde mundiais, as empresas de energia são tão poderosas que podem prever crises climáticas com décadas de antecedência.
A comunicação da própria ciência não é imune a esses fenômenos de consolidação e controle corporativo. As empresas multinacionais exercem imenso poder, mas não significa que não possam agir com responsabilidade, dizem os investigadores.


Photo Pixabay Epicantus


A energia nuclear pode travar o aquecimento global

A equipa identificou seis tendências que, se capitalizadas, poderiam ver a noção de “responsabilidade social corporativa” que conhecemos hoje evoluir para um modelo mais focado na sustentabilidade de administração da biosfera corporativa.
Os investigadores afirmam que os compromissos voluntários das empresas multinacionais com a sustentabilidade nas últimas duas décadas não foram o suficiente eficazes, nem a regulamentação governamental teve a força necessária, e isso tem que mudar.
"Compreender e agir de acordo com a nova dinâmica do antropoceno é fundamental para o bem-estar do ser humano, e as empresas multinacionais claramente são responsaveis", escrevem os autores.




Olhando para as empresas multinacionais em áreas como agricultura, silvicultura, frutos do mar, cimento, minerais e energia fóssil, os investigadores dizem que já pode haver evidências de que está a mudar alguma coisa.
Recursos emergentes, como um 'alinhamento de visão' entre as empresas multinacionais, sugerem que novas normas de sustentabilidade podem estar emergindo, enquanto novos acordos políticos globais como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) podem ser vistos como um exemplo bem-sucedido do que a equipa chama 'integração da sustentabilidade'.

Photo Pixabay Monikawl999

Hidrogénio, o combustível do futuro energético limpo e seguro


As tendências tecnológicas que incentivam a 'transparência radical' também estão popularizando, aumentando a responsabilidade das empresas, enquanto o envolvimento da comunidade científica é visto como outra maneira de ajudar as empresas a direcionar agendas de sustentabilidade.
Obviamente, observar essas tendências que ocorrem no cenário das empresas multinacionais não significa que tudo ficará bem. Num mundo à beira de uma catástrofe climática, é mais claro do que nunca como a má gestão no setor de energia foi desastrosamente insustentável.
Mas podemos mudar isso. Se vamos tomar medidas drásticas para evitar a crise climática, as empresas multinacionais terão que fazer parte da solução, dizem os autores.

Os resultados são relatados na Nature Ecology & Evolution.

As 7 forças que dominarão a economia mundial


Avanço no processo para produzir hidrogênio para combustivel



China acusada de implantar chips minúsculos para roubar informações corporativas.


Este artigo foi publicado originalmente por ScienceAlert




Sem comentários:

Publicar um comentário