segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Cientistas podem ter descoberto como reverter o envelhecimento

Ao tentar regenerar a glândula timo, uma equipa de cientistas da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA) pode ter encontrado uma solução para não apenas retardar o problema do envelhecimento, mas também invertê-lo, afirma um novo estudo.
Os cientistas voluntários na Califórnia foram medicados com três medicamentos comuns ao longo de um ano, um de hormonas de crescimento e dois medicamentos para diabetes, a fim de estimular a regeneração da glândula timo. 


Photo Pixabay MabelAmber

Cigarros electrónicos danificam artérias e vasos sanguíneos



No entanto, de acordo com um estudo publicado na revista Nature , os investigadores descobriram que os participantes haviam perdido em média 2,5 anos no seu "relógio epigenético", medido pela análise de marcas nos genomas, ou seja rejuvenesceram 2.5 anos.
"Esperava-mos ver a desaceleração do envelhecimento, mas não uma reversão", disse Steve Horvath, pesquisador da UCLA à Nature. "Isso pareceu meio futurista".
Os cientistas alertam que os resultados são preliminares, pois o estudo abrangeu apenas nove participantes e não incluiu um grupo de controlo, mas, se confirmado, o impacto nos cuidados de saúde e na relação da sociedade com o envelhecimento como um todo pode ser enorme.


O “relógio epigenético” é medido por um registo de alterações químicas no DNA de um organismo. O principal objetivo do estudo foi testar se a hormona de crescimento poderia ser usado para restaurar tecidos na glândula timo, crucial para a função imunológica. A glândula começa a encolher após a puberdade e fica entupida pela gordura. Estudos anteriores mostraram que a hormona de crescimento estimula a regeneração no timo, mas também pode causar diabetes, motivo pelo qual os medicamentos para diabetes foram incluídos no estudo mais recente.




Os cientistas verificaram apenas os relógios epigenéticos dos participantes como uma reflexão tardia, descobrindo que quatro medidas diferentes dos relógios epigenéticos de cada um dos participantes haviam revertido significativamente no processo.
"Isso levou a crer que o efeito biológico do tratamento era potente", disse Horvath. Seis participantes forneceram amostras de sangue seis meses após o tratamento, e o efeito permaneceu o mesmo, o que tornou Horvath muito otimista para testes futuros. Os testes incluirão participantes com idades mais diversificadas, assim como sexo e etnia, e os três medicamentos serão testados independentemente para determinar efeitos específicos

Suplementos dietéticos; Estudo revela o que não querem que se saiba



Este artigo foi publicado originalmente por SputnikNews






Sem comentários:

Publicar um comentário