terça-feira, 10 de setembro de 2019

Anomalia no Pacífico ameaça o regresso do 'The Blob'

Uma onda de calor ameaçadora está se formando no Oceano Pacífico, e os cientistas estão preocupados com o retorno do 'Blob'.
Há cerca de cinco anos, um enorme massa de água oceânica invulgarmente quente, apareceu na costa da América do Norte, estendendo-se desde a península da Baja Califórnia, no México, até o Alasca.
Batizada de Blob, a onda de calor, que durou vários anos, foi mortal para inúmeras espécies


Blob 2019 Photo NOAA

As características do furacão Dorian ligadas às mudanças climáticas



Segundo estimativas, durante esse período, a costa sul do Alasca perdeu mais de 100 milhões de bacalhaus do Pacífico . Cerca de meio milhão de aves marinhas foram dizimadas. Somente num ano, as populações de baleias jubarte caíram 30%. Salmão, leões-marinhos, krill e outros animais marinhos também desapareceram em números surpreendentes, à medida que as algas tóxicas floresceram.
O Blob causou imensas perdas nos ecossistemas e indústrias de pescado, a tal ponto que agora, investigadores da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) estejam acompanhando de perto esses eventos.
A onda de calor atual, segundo eles, não só apareceu na mesma área, como cresceu da mesma maneira e é quase do mesmo tamanho.





Lado a lado, uma comparação de ambos os estágios iniciais é ameaçadora. Como a bolha, a atual onda de calor marinha começou apenas alguns meses atrás, quando os ventos frios que arrefecem a superfície do oceano começaram a diminuir.
"Dada a magnitude do que vimos na última vez, queremos saber se isso evolui em um caminho semelhante",  diz o  ecologista marinho Chris Harvey, do Northwest Fisheries Science Center.
Os investigadores que acompanham o fenômeno dizem que a massa de água no oceano está agora cerca de cinco graus Fahrenheit acima do normal, apenas um grau ou dois a menos do que a temperatura durante o último Blob.
As agua frias oriundas das grandes profundidades impediram que a onda de calor chegasse à costa, mas as autoridades preveem que o evento provavelmente terá um impacto nos ecossistemas costeiros no próximo outono no Hemisfério Norte.


Photo NOAA

Cientistas aconselham a planear o abandono das zonas costeiras baixas

"Segue uma evolução que leva a querer ser tão forte como o anterior", diz Andrew Leising, que desenvolveu um sistema para rastrear e medir ondas de calor marinhas para a NOAA.
De fato, de acordo com registos, que remontam a 1981, é a segunda maior onda de calor marinha já registrada, e a num espaço de tempo muito curto.
Ainda assim, nem todas as ondas de calor são iguais e é difícil prever esses blobs. Tão rapidamente como surgem, também podem dissipar-se. Os cientistas dizem que ainda há uma hipótese dos padrões climáticos mudarem e que a atual mancha de água quente esfrie.



UK Dedicated Servers


Pesquisas sugerem que blobs e eventos semelhantes estão se tornando mais vulgares em todo o mundo. Os oceanos estão cada vez mais quentes, e aquecem de uma forma sem precedentes devido às mudanças climáticas, mas atualmente é difícil dizer se ou como esse evento mais curto está ligado a alterações mais profundas.
Por enquanto, os pesquisadores da NOAA estão focados em rastrear, prever e mitigar os efeitos das ondas de calor marinhas. Durante o último Blob, por exemplo, muitas baleias morreram presas em redes de pesca, quando se aproximavam da costa para evitar as águas mais quentes.
Se a pesca e os ecologistas puderem trabalhar juntos, os investigadores esperam que possamos reduzir algumas das perdas, mas não temos controlo sobre a situação.

Cientistas alertam para o colapso a floresta amazónica


Este artigo foi publicado originalmente por ScienceAlert



Sem comentários:

Publicar um comentário