quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Quantos planetas semelhantes à Terra orbitam estrelas semelhantes ao sol?


A maioria dos mais de 4.000 exoplanetas encontrados nas últimas décadas foi efetuada pela missão Kepler da NASA, lançada em 2009 e terminada no final de outubro de 2018. O Kepler identificou milhares de estrelas e exoplanetas documentando os eventos de trânsito.



Photo NASA


Os eventos de trânsito ocorrem quando a órbita de um planeta passa entre sua estrela e o telescópio, obstruindo uma parte da luz da estrela com o objetivo que parece diminuir. Estimando a quantidade de escurecimento e a duração entre os trânsitos e utilizando dados sobre as propriedades da estrela, os astrônomos descrevem o tamanho do planeta e a distância entre o planeta e sua estrela hospedeira.
Eric B. Ford, professor de astronomia e astrofísica na Penn State e um dos líderes da equipa de pesquisa, disse: “A Kepler descobriu planetas com uma ampla variedade de tamanhos, composições e órbitas. Queremos usar essas descobertas para melhorar nossa compreensão da formação do planeta e planejar futuras missões para procurar planetas que possam ser habitáveis. No entanto, simplesmente contar exoplanetas de um determinado tamanho ou distância orbital é enganoso, já que é muito mais difícil encontrar pequenos planetas longe de suas estrelas do que encontrar grandes planetas perto delas.





Para superar esse obstáculo, os cientistas projetaram outra estratégia para interpretar a taxa de ocorrência de planetas em uma ampla gama de tamanhos e distâncias orbitais. O novo modelo simula "universos" de estrelas e planetas e depois disso observa esses universos simulados para decidir que número dos planetas teria sido encontrado por Kepler em cada "universo".
Os cientistas usaram o catálogo final de planetas identificados pelo Kepler e melhoraram as propriedades das estrelas da sonda Gaia da Agência Espacial Européia para criar simulações. Eles então compararam os resultados aos planetas catalogados por Kepler para caracterizar a taxa de planetas por estrela e como isso depende do tamanho do planeta e da distância orbital.
Danley Hsu, um estudante de pós-graduação da Penn State e o primeiro autor do artigo, disse: "A nossa nova abordagem permitiu que a equipa respondesse por vários efeitos que não foram incluídos em estudos anteriores".


Kepler, Photo NASA

Os efeitos posteriores desta investigação são especialmente importantes para o planeamento de futuras missões espaciais para caracterizar planetas comparáveis à Terra. Enquanto a missão Kepler encontrou um grande número de pequenos planetas, a maioria está tão longe que é difícil para os astrônomos aprenderem sobre sua composição e atmosfera.
Os cientistas estão particularmente interessados ​​em procurar bio marcadores, moléculas indicativas de vida, nas atmosferas de planetas do tamanho aproximado da Terra que orbitam na 'zona habitável' de estrelas semelhantes ao Sol. A zona habitável é uma faixa de distâncias orbitais nas quais os planetas poderiam suportar água líquida nas suas superfícies. Buscar evidências de vida em planetas do tamanho da Terra, na zona habitável de estrelas semelhantes ao Sol, exigirá uma nova e grande missão espacial.
Embora a maioria das estrelas observadas por Kepler estejam a milhares de anos-luz do Sol, Kepler observou uma amostra grande de estrelas que podemos realizar uma análise estatística rigorosa para estimar a quantidade de planetas do tamanho da Terra, na zona habitável de estrelas próximas ao sol.




Com base em simulações, os cientistas avaliam que planetas próximos da Terra com um tamanho de três quartos a uma vez e meia o tamanho da Terra e com períodos orbitais de 237 a 500 dias, existem em media de uma em cada quatro estrelas.
 Saber com que frequência devemos esperar encontrar planetas de um determinado tamanho e período orbital é extremamente útil para otimizar as pesquisas de exoplanetas e o projeto de futuras missões espaciais para maximizar suas hipóteses de sucesso. A Penn State é líder em trazer métodos estatísticos da última geração para a análise de observações astronômicas para tratar desses tipos de perguntas.O Institute for CyberScience (ICS) e o Center for Astrostatistics (CASt) fornecem infraestrutura e suporte que possibilitam esses tipos de projetos. ”

Um asteróide aproximou-se da Terra e quase não o via-mos


Fonte//TechExplorist










Sem comentários:

Publicar um comentário