sábado, 10 de agosto de 2019

Por que o Ártico tem tanto petróleo?


Em 2007, dois submarinos russos mergulharam no Oceano Ártico (4 mil metros) e colocaram uma bandeira russa numa zona da plataforma continental conhecida como o Lomonosov Ridge. Bem no centro da Bacia Ártica, a bandeira enviou uma mensagem às nações vizinhas. A Rússia tinha acabado de reivindicar as vastas reservas de petróleo e gás existentes neste território subaquático.


Photo Opiniao e Noticia

Descongelamento prematuro do permafrost do Ártico preocupa cientistas


A dramática demonstração de poder da Rússia não teve peso legal, mas não é a única nação que está tentando reivindicar o vasto depósito de petróleo e gás do Ártico. Estados Unidos, Noruega, Suécia, Finlândia e China estão tentando lucrar. Não é de admirar, os estudos mostram que a área de terra e mar que se encontra dentro do Círculo Ártico contem cerca de 90 mil milhões de barris de petróleo, 13% das reservas da Terra. Estima-se também que contenha quase um quarto dos recursos de gás ainda por explorar.
A maior parte das extrações de petróleo nesta região até agora é em terra, porque é de mais fácil acesso. Mas agora, os países estão fazendo esforços para começar a extração offshore, onde está 84% do petróleo. Mas como existe tanto petróleo no Ártico?






 " O Ártico, ao contrário da Antártica, é um oceano cercado por continentes", disse Alastair Fraser, geocientista do Imperial College London, à Live Science. Em primeiro lugar, isso significa que há uma enorme quantidade de material orgânico disponível, na forma de criaturas do mar que vão morrendo, como plâncton e algas, que formam a base do que acabará por se transformar em petróleo e gás. Em segundo lugar, o anel circundante de continentes significa que a Bacia Ártica contém uma grande proporção de crosta continental, que representa cerca de 50% de sua área oceânica, explicou Fraser. Isso é significativo porque a crosta continental, contrariamente à crosta oceânica, que compõe o restante da área, normalmente contém depressões profundas chamadas bacias, nas quais a matéria orgânica afunda.
 
Photo Conexão Planeta

O aquecimento do Ártico contribui para a seca mundial



Aí, a matéria orgânica fica incrustada no xisto e preservada em águas 'anóxicas', o que significa que contêm pouco oxigênio. "Normalmente, num mar raso com muito oxigénio, não seria preservada. Mas num mar profundo suficiente, o oceano será estratificado, ou seja, as águas oxigenadas no topo serão separadas das condições anóxicas na base. Conservada dentro dessas bacias, privadas de oxigénio, a matéria mantém compostos que finalmente a tornam útil como fonte de energia milhões de anos mais tarde.
Á medida que as montanhas vão sofrendo a erosão ao longo de milénios, os continentes também fornecem uma grande quantidade de sedimentos, transportados através dos rios para o mar. Esse sedimento flui para as bacias, onde cobre o material orgânico e, com o tempo, forma um material duro, porém poroso, conhecido como "rocha de reservatório", disse Fraser. Milhões de anos mais tarde, esse processo de camadas repetidas colocou o material orgânico sob uma imensa pressão e aquece.




"A temperatura dos sedimentos nas bacias aumenta aproximadamente 30 graus centígrados a cada quilometro de profundidade", disse Fraser. Sob esta pressão intensificadora e calor, o material orgânico transforma-se gradualmente em óleo, e com as temperaturas mais altas forma gás.
 Como essas substâncias são flutuantes, elas movem-se para cima nas aberturas dentro da rocha sedimentar porosa, que se torna como um recipiente de armazenamento, o reservatório, do qual se extrai o petróleo e o gás.
 Portanto, é a combinação desses ingredientes, enormes quantidades de matéria orgânica, sedimentos abundantes para bloquear o petróleo e o gás, a geologia ideal e a grande escala em que ocorrem, o que torna o Oceano Ártico tão extraordinariamente rico em petróleo.
No entanto, só porque o petróleo está lá, não significa que deva ser extraído, dizem muitos conservadores e cientistas. O afastamento do Ártico, seu gelo marítimo espesso e em movimento e icebergues à deriva farão com que seja um enorme desafio logístico extrair petróleo e gás com segurança.

Photo Grupo Spise

O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar


"Eu realmente não apoio, porque a indústria não tem a tecnologia para fazê-lo com segurança e de forma ecologicamente correta", disse Fraser. "Algumas pessoas vão argumentar que ninguém poderá fazer isso no Ártico de uma maneira ambientalmente amigável."
 Mesmo em terra, os planos para expandir o desenvolvimento de petróleo e gás no Ártico são vistos com preocupação. Este ano, o governo dos Estados Unidos pretende começar a alugar terras no Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Ártico, no Alasca, para empresas de prospeção, porque a zona contém uma vasta planície costeira de 1,5 milhão de acres (607.000 hectares) ricas em petróleo. Mas também é uma paisagem com imensa biodiversidade que abriga grandes rebanhos migratórios de caribus, centenas de espécies de aves e ursos polares. "Tem sido chamado de último grande deserto da América; é uma das paisagens ecologicamente mais ricas dos EUA", disse Garett Rose, um advogado do Projeto Alaska no Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.






Não é apenas o aumento do risco de derrames se fizerem perfurações, o que é preocupante. Os conservadores também se preocupam com a exploração sísmica, que "envolve a execução explosões para enviar ondas de choque para o solo que retornam informações sobre a geologia subjacente", disse Rose à Live Science. Isso causaria uma perturbação óbvia para a vida selvagem. A construção de estradas e oleodutos acabará com a paisagem intacta e trará um número crescente de pessoas, o que intensificará a pressão sobre a vida selvagem.
 O Ártico é uma paisagem dinâmica e interligada que é extremamente sensível à mudança", disse Rose. Ele também disse que estava preocupado com a recente, mas fracassada, tentativa do governo dos EUA de abrir o Ártico na costa do Alasca para perfuração offshore. "Isso faz parte de uma tentativa de expandir o desenvolvimento de petróleo e gás em todo o Ártico", disse Rose.
 
Photo Getty Images

Porque o mar sobe mais nuns sítios que noutros


De fato, a situação no Refúgio do Alasca é apenas uma amostra do que poderia acontecer em outras partes do Ártico, se os projetos de extração de petróleo e gás seguirem em frente. O risco de derrames de petróleo no mar aumenta, porque seria impossível conter, com efeitos potenciais incalculáveis ​​na vida marinha . E alguns cientistas dizem que a maior ameaça é a mudança climática. Levar esses combustíveis fósseis à superfície levaria a mais uso de combustível e mais emissões para nossa atmosfera.
 Ainda não chegamos lá, os países precisam ratificar um acordo internacional das Nações Unidas se quiserem extrair combustíveis fósseis de partes da plataforma continental que estão além de sua jurisdição offshore. Isso está retardando a corrida do Ártico. Ainda assim, a pressão internacional está aumentando, com países como a Rússia já tendo reivindicado sua posição no fundo do mar.
 E pode ser difícil passar a mensagem a estes países que essas reservas devem permanecer inexploradas. Em suma, disse Fraser, "espero que esta região não se torne muito importante”.


Fauna e flora do Artico em perigo











Sem comentários:

Enviar um comentário