terça-feira, 6 de agosto de 2019

Gronelândia perdeu 217 mil milhões de toneladas de gelo no último mês


Em Julho. a camada de gelo da Gronelândia perdeu uns incríveis 217 mil milhões de toneladas que derreteu e entraram em forma de água doce no Oceano Atlântico. O pior dia de estima-se ter sido foi em 31 de Julho, quando 11 mil milhões de toneladas (10 mil milhões de toneladas métricas) de gelo derretido foram para o oceano.


Photo LiveScience


Este degelo colossal representa alguns dos piores derretimentos desde 2012 , de acordo com o The Washington Post . Naquele ano, 97% da camada de gelo da Gronelândia derreteu. Este ano, até agora, apenas 56% da camada de gelo derreteu, mas as temperaturas, 15 a 20 graus Fahrenheit acima da média, foram mais altas do que durante a onda de calor de 2012. Tudo dito, o derretimento deste Julho foi suficiente para subir o nível médio global do mar em 0,5 milímetros.





Isso pode parecer inconsequente, mas cada incremento do aumento do nível do mar aumenta as possibilidades para tempestades que inundam mais facilmente a orla costeira, como o aconteceu com o metro de Nova York, que ficou inundado durante o furacão Sandy em 2012.
Esse derretimento ocorreu após uma onda de calor que varreu a Europa em Julho, estabelecendo recordes de temperatura na França, e que se instalou sobre a Gronelândia. E Junho foi o junho mais quente já registado em todo o mundo. Esse aquecimento coincide com um aumento drástico nos níveis de dióxido de carbono atmosférico, para os valores mais altos dos últimos 800.000 anos. Ao mesmo tempo, parte da Gronelândia está em chamas.
A longo prazo, espera-se que a mudança climática provoque um derretimento ainda mais rápido, que é ainda mais extremo do que o previsto até mesmo nos modelos mais catastróficos de há alguns anos. Isso significará o agravamento das tempestades, a inundação das zonas costeiras e milhões de refugiados do clima. Ao mesmo tempo, espera-se que o calor que está derretendo todo esse gelo torne algumas regiões inabitáveis em algumas alturas do ano, na medida em que as temperaturas sobem além do que o corpo humano é capaz de suportar.


A atual mudança climática não é um fenómeno natural, segundo dois grandes estudos



Fonte//LiveScience







Sem comentários:

Publicar um comentário