quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Cientistas alertam para o colapso a floresta amazónica


A Floresta Amazónica continua a arder como resultado das práticas de desflorestação de corte e queimada, e aproxima-se vertiginosamente a um ponto sem retorno.
Nos últimos 50 anos, cerca de 20% da floresta tropical foi queimada ou cortada, de acordo com o The Intercept.



Photo Alzenir Ferreira de Souza

Amazónia destruída pelo homem e pelo fogo



 À medida que os incêndios continuam e as políticas que os “defendem” continuam também, outros 20%, que são 300.000 milhas quadradas, poderão em breve desaparecer também. Nesse ponto, os cientistas alertam sobre um "colapso do sistema em cascata", no qual a Amazónia começa a desmoronar completamente, e libertando uma quantidade devastadora de carbono no processo.
A floresta amazônica costumava ser um grande consumidor de carbono, o que significava um lugar que impedia que vastas reservas de carbono aprisionado, entrassem e aquecessem a atmosfera.




Mas o The Intercept relata que a floresta tropical já foi devastada pela desflorestação a ponto de a floresta remanescente não compensar mais a quantidade de carbono que já foi liberada.
Se mais for devastado ou queimado, as emissões de gases de efeito estufa resultantes seriam equivalentes a uma “bomba do juízo final”, para citar The Intercept, que não apenas levaria ao desmoronamento do resto da floresta, mas potencialmente também ao meio ambiente do planeta.


Photo Gabriel Uchida

Aumenta a preocupação com o degelo da Gronelandia

Seu projeto para a Amazônia é o agro-negócio”, disse Francisco Umanari, chefe indígena de Apurinã, ao The Intercept sobre as políticas ambientalmente perigosas do presidente Bolsonoro. “A menos que o façam parar, ele atropelará nossos direitos e permitirá uma invasão gigantesca da floresta. A apropriação de terras não é nova, mas tornou-se uma questão de vida ou morte ”.



Fonte//The Intercet











Sem comentários:

Publicar um comentário