sábado, 17 de agosto de 2019

Aumenta a preocupação com o degelo da Gronelandia

A Gronelândia é conhecida por ser uma terra gelada, mas no mês passado, a ilha “descongelou” e pegou fogo.
Os cientistas não esperavam ver a Gronelândia derreter nesse ritmo nos próximos 50 anos, mas na última semana de Julho, o degelo atingiu níveis que os modelos climáticos projetavam para 2070 no cenário mais pessimista.


Photo Pixabay

Aquecimento global pode fazer a Corrente do Golfo parar


Em 1º de Agosto, o manto de gelo da Gronelândia perdeu 12,5 mil milhões de toneladas de gelo, mais do que em qualquer outro dia desde que os pesquisadores começaram a registar a perda de gelo em 1950, informou o Washington Post .
O dramático derretimento sugere que o manto de gelo da Gronelândia está se aproximando de um ponto de inflexão que poderia colocá-lo em um curso irreversível para desaparecer completamente. Se isso acontecer, um aumento catastrófico do nível do mar engolirá cidades costeiras em todo o mundo.






Como o degelo continua a superar as expectativas dos cientistas, alguns temem que isso aconteça mais rapidamente do que eles imaginavam.
A temporada de derretimento do Ártico começa todo ano em Junho e termina em Agosto, com o pico de degelo em Julho. No entanto, a escala de perda de gelo na Gronelândia neste ano foi extraordinária. De 30 de Julho a 3 de Agosto, o derretimento ocorreu em 90% da superfície do continente, colocando no mar 55 mil milhões de toneladas de água em 5 dias, o suficiente para cobrir a Flórida em quase 5 centímetros de água.



Uma imagem de satélite mostra uma lagoa sobre a superfície do manto
 de gelo no noroeste da Groenlândia, em 30 de julho de 2019.

Gronelândia perdeu 217 mil milhões de toneladas de gelo no último mês



O derretimento foi idêntico ao recorde observado em 2012 , quando quase toda a camada de gelo da Gronelândia derreteu pela primeira vez na história desde que há registos. Este ano, o gelo começou a derreter ainda mais cedo do que em 2012 e três semanas antes do normal, informou a CNN .
Este derretimento extremo ocorreu durante o mês mais quente já registado, quando uma intensa onda de calor assolou a Europa e indo depois para a Gronelândia. O gelo de baixa altitude começou a derreter e formar poças através do manto de gelo, e as cores escuras dessas piscinas absorveram mais luz solar, que derreteu ainda mais a geleira em volta delas e expôs mais gelo ao ar quente.
Similarmente, o derretimento acima da média foi observado na Suíça, as geleiras perderam 800 milhões de toneladas de gelo durante as ondas de calor de Junho e Julho. O Alasca também registrou um degelo recorde em Julho.






Todo esse derretimento expõe mais permafrost, solo congelado que liberta gases de efeito estufa poderosos quando descongela. Isso está acontecendo mais rápido do que os cientistas previram. A libertação desses gases leva o planeta a aquecer ainda mais, o que acelera mais derretimento do gelo.
O mês passado foi uma anomalia para a Groenlândia, mas pode ser o novo normal até 2070 se não reduzirmos as emissões de gases do efeito estufa, segundo modelos climáticos simulados por Xavier Fettweis , pesquisador do clima na Universidade de Liège, na Bélgica.
"Até meados do século é que deveríamos ver esses níveis de derretimento, não agora", disse Ruth Mottram, cientista climática do Instituto Meteorológico Dinamarquês, ao " Inside Climate News"
O derretimento de gelo da Gronelândia já fez subir o nível do mar em mais de 0,5 polegadas desde 1972. Metade disso ocorreu apenas nos últimos oito anos, de acordo com um estudo publicado em Abril.


O gelo derrete durante uma onda de calor em Kangerlussuaq, Gronelândia em 1 de agosto de 2019.

Mudança Climática. Temos 18 meses para salvar o planeta



"Entre  1,5 e 2 graus, há um ponto de inflexão após o qual não será mais possível manter a camada de gelo da Gronelândia", disse ela à Inside Climate News .
" Não temos controlo sobre a velocidade com que a camada de gelo da Groenlândia irá perder-se”
O gelo da Groenlândia já está se aproximando desse ponto de inflexão, de acordo com um estudo publicado em maio.
Enquanto o derretimento durante os ciclos quentes costumava ser compensado pela nova formação de gelo durante os ciclos frios, os períodos quentes agora causam um colapso significativo e períodos frios simplesmente param.





O clima quente e seco que fez o gelo derreter também causou incêndios florestais na Gronelândia.
Os satélites detetaram pela primeira vez um incêndio perto da área de Sisimiut em 10 de Julho. As temperaturas na região na época aproximavam-se dos 20 graus Celsius, quando a máxima diária normal é de10 graus Celsius.
Este foi o primeiro incêndio do seu tamanho desde que outro grande na mesma área surpreendeu os cientistas em Agosto de 2017
Incêndios sem precedentes também devastaram o Ártico neste verão, libertando 50 megatoneladas de dióxido de carbono na atmosfera somente em Junho. Isso é o equivalente às emissões anuais da Suécia e mais carbono do que os incêndios do Ártico libertados durante todos os meses de Julho de 2010 a 2018 juntos, de acordo com o Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS) .
A CAMS rastreou mais de 100 incêndios, intensos e de longa duração, no Círculo Ártico durante seis semanas em Junho e Julho. Esses incêndios foram maiores e duraram mais que o normal.
Incêndios no Alasca e na Sibéria também depositaram fuligem na camada de gelo da Gronelândia, que escureceu a superfície e fez com que ela absorvesse mais calor, o que leva a um derretimento mais rápido.


Os satélites detectaram o sinal infravermelho de um incêndio florestal perto de Sisimiut, na Groenlândia, em 10 de julho de 2019.

Designers projetam um submarino para criar icbergues e voltar a congelar o Ártico


"É invulgar ver incêndios desta escala e duração em latitudes tão altas em Junho", disse Mark Parrington, especialista em incêndios florestais da CAMS, num comunicado,"mas as temperaturas no Ártico têm aumentado a uma escala muito mais rápida do que a média global, e as condições mais quentes encorajam os incêndios a crescerem e persistirem".
No outro extremo do globo, o derretimento da Antártida também está acelerando. O continente perdeu 252 mil milhões de toneladas de gelo por ano na última década. Isso é significativamente menos que a Gronelândia, que está perdendo uma média de 286 mil milhões de toneladas por ano.
Juntas, a Groenlândia e a Antártida detêm mais de 99% da água doce do mundo nas suas camadas de gelo, de acordo com o National Snow and Ice Data Center. Se ambos derretessem completamente, o estado da Flórida desapareceria.

De acordo com um mapa da National Geographic , cidades como Amsterdão na Holanda, Estocolmo na Suécia, Buenos Aires na Argentina, Dakar no Senegal, e Cancun no México (para citar apenas alguns) também desapareceriam .É difícil o manto de gelo regenerar -se.

Fonte//Businessinsider











Sem comentários:

Publicar um comentário