sexta-feira, 26 de julho de 2019

Japão e Austrália fazem acordo para exportação de hidrogénio

O Japão e a Austrália deram seus primeiros passos para criar uma nova indústria de exportação que converterá o combustível mais poluente do mundo, o carvão, no mais limpo, o hidrogênio, e o enviará na forma líquida da Austrália para o Japão.
A experiencia de US $ 350 milhões vai utilizar uma gigantesca reserva de carvão de baixo teor em Victoria, que foi durante décadas a principal fonte de eletricidade do estado do sul, até que a maioria das centrais foram fechadas devido à poluição que causavam.



Camião Toyota movido a hidrogénio Photo Automonitor

Grande avanço na produção de hidrogênio "verde"

O processo de transformação de carvão para hidrogênio tem os seus pontos negativos, porque exige a extração de carvão e a separação de dióxido de carbono produzido e que passa a ser um subproduto.
Mas se funcionar, pode ser o começo de uma grande indústria nova que substituirá parte do carvão que a Austrália exporta atualmente com hidrogênio, um combustível que ganha terreno como fonte de energia para veículos e para a indústria.
Um consórcio de empresas japonesas, liderado pela Kawasaki Heavy Industries e incluindo Marubeni, Iwatani e J-Power, tem sido fundamental, com a ajuda do governo japonês, na criação da Hydrogen Energy Supply Chain..






O governo australiano e o governo estadual de Victoria também assinaram um processo que começará com a produção de hidrogênio numa antiga mina no Latrobe Valley, rica em carvão, pressurizando o hidrogénio, para reduzir seu volume e transporta-lo em de camiões para um porto, onde passará para uma instalação, onde será refrigerado a -253 graus Celsius e, de seguida, enviado para o Japão.
As primeiras exportações de hidrogênio australiano para o Japão devem acontecer no segundo semestre do próximo ano, um pouco antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio.
Há muito conhecido como combustível limpo, o único subproduto do hidrogênio quando queimado é a água, mas a energia gerada pelo hidrogênio é muito menor que a de outros combustíveis, tornando-o menos atraente do que o petróleo ou gás natural, que também pode ser usado para produzir hidrogénio.
O número de projetos de produção de hidrogênio cerce em todo o mundo à medida que a busca por um combustível mais limpo se acelera. Também estão a ser instaladas uma série de estações experimentais de reabastecimento de hidrogênio, embora a procura ainda seja reduzida.






A fabrica australiana transformadora de carvão em hidrogênio começa com a produção de gás sintético gerado pela queima de carvão sob alta pressão, convertendo o monóxido de carbono gerado em dióxido de carbono em vapor e separando o hidrogênio.
Para cada 160 toneladas de carvão consumido, são produzidas três toneladas de hidrogênio juntamente com 100 toneladas de dióxido de carbono. O ministro de Recursos da Austrália, Matt Canavan, disse que o projeto pode ser um passo importante na criação de uma nova indústria que pode valer US $ 2 mil milhões por ano se  for bem-sucedido.



Photo Portal energia

Grande avanço na produção de hidrogênio "verde"



Internacionalmente, a indústria de hidrogênio está prevista para se tornar uma indústria de US $ 2 triliões até 2020, de acordo com um grupo de lobby da indústria, o Conselho de Hidrogênio.
Os fabricantes de carros estão particularmente interessados ​​em ver o desenvolvimento do hidrogênio como combustível, sendo já considerável a evolução das células de combustível de hidrogênio que se combinam com o oxigênio para produzir um combustível que impulsiona o motor de um carro elétrico.
O que é diferente no projeto australiano de carvão para hidrogênio é que ele tem o potencial de resolver um dos problemas mais complicados da Austrália, como o de reduzir a dependencia dos combustíveis fósseis mais poluentes, ao mesmo tempo em que cria uma nova indústria de exportação que atende a uma procura crescente no Japão, densamente povoado, e onde vigoram as leis rigorosas de controlo de poluição.

Grande avanço na produção de hidrogênio "verde"


Os carros vão mudar mais na próxima década do que no ultimo século



Fonte//Forbes






Sem comentários:

Publicar um comentário