sábado, 27 de julho de 2019

Ingleses consideram as mudanças climáticas mais importantes que o Brexit


Apesar das confusas negociações do Brexit, ou seja, a Grã-Bretanha deixar a União Europeia, os cidadãos britânicos acreditam que a mudança climática é uma questão mais importante e deve ser uma prioridade para o recém-nomeado Primeiro-Ministro Boris Johnson.
 71% dos britânicos concordaram que a mudança climática é mais importante do que a saída do país da UE no longo prazo, mostrou a pesquisa da ComRes. Seis em cada dez adultos inquiridos disseram que o governo não estava fazendo o suficiente para priorizar a crise climática.



Photo Asfaklaam

Acordo do governo Britânico para aumentar a energia eólica offshore


 O estudo, encomendado pela Christian Aid, descobriu que as mulheres e jovens eram mais propensos a dizer que a ação sobre a mudança climática é uma prioridade bem mais importante do que as questões do Brexit. A tendência também foi mais pronunciada nos moradores do País de Gales e em East Midlands.
 Está claro que além da atual turbulência política, os habitantes do Reino Unido sabem que há uma crise maior que é potencialmente catastrófica para toda a humanidade, particularmente porque algumas das pessoas mais pobres do mundo, são mais vulneráveis ​​aos efeitos dessa emergência climática”, afirmou a diretora de defesa da ajuda, Laura Taylor.




Quase dois terços (61%) dos entrevistados disseram que o governo conservador liderado por Johnson não está fazendo o suficiente para priorizar as ações climáticas, apesar da recente definição de uma meta zero-zero para 2050. As principais preocupações expressas incluem a falta de políticas para acabar com os combustíveis fosseis nos transportes.
Ao assumir o cargo esta semana, Johnson fez um discurso inaugural e falou, embora pouco, sobre o ambiente. Ele disse que a Grã-Bretanha está "liderando o mundo na tecnologia de baterias que ajudará a reduzir o CO2 e combater as mudanças climáticas e produzir empregos verdes para a próxima geração".

Photo Pixabay

O risco de tsunami no Reino Unido é muito mais elevado do que se julga


Espero que o primeiro-ministro escute o desafio da maioria do público britânico de fazer mais para enfrentar essa emergência climática. Precisamos de uma mudança rápida e radical para reduzir as emissões no Reino Unido e precisamos de uma ação global para a justiça climática, na qual as comunidades mais vulneráveis ​​sejam apoiadas ”, disse Taylor.
A pesquisa chegou ao mesmo tempo em que o Reino Unido tenta resolver sua saída da UE, agora com um novo primeiro-ministro. O Reino Unido votou para deixar a UE através de um referendo em 2016, tendo o sim vencido com 51,6% dos votos. Desde então, a saída tem se mostrado mais difícil do que inicialmente esperado.




O Reino Unido deveria deixar a UE em 29 de março de 2019, dois anos depois de ter iniciado o processo de saída. Mas o acordo de retirada alcançado entre a UE e o Reino Unido foi rejeitado três vezes pelos deputados do Reino Unido. Foi concedida uma prorrogação de seis meses até 31 de Outubro.
As consequências provavelmente serão duras. O governo do Reino Unido perspetivou que, em 15 anos, a economia do país estará entre 4% e 9% menor do que dentro da UE, dependendo do acordo de saída. A Europa é o mercado de exportação mais importante da Grã-Bretanha e sua maior fonte de investimento estrangeiro.

Como o hidrogenio modificou estas ilhas escocesas


Brexit pode prejudicar companhias aéreas europeias



Fonte//Zmescience








Sem comentários:

Publicar um comentário