domingo, 21 de julho de 2019

Carne de laboratório será a alternativa de milhões


A ideia de consumir “carne falsa” pode ter sido considerada ficção e até ridícula há apenas uma década. De acordo com um novo relatório do UBS Global Wealth Management, os avanços desencadearam uma revolução agrícola que deve expandir enormemente o amplo mercado de tecnologia agrícola, que deverá atingir US $ 700 mil milhões em 2030, contra os US $ 135 mil milhões de hoje.


Photo Pixabay

Comer muita proteína animal pode diminuir a esperança de vida



O mercado de proteína vegetal (aka carne falsa) parece particularmente promissor. Os especialistas estimam que ele deve aumentar de US $ 4,6 mil milhões para uns impressionantes US $ 85 mil milhões até 2030.
Isso parece ser uma ótima notícia para praticamente todos, exceto os envolvidos na criação intensiva de animais.
A comida cultivada em laboratório não é apenas uma moda passageira pronta para ir e vir com as estações do ano. Atualmente, a agricultura é responsável por 40% do uso da terra, 30% das emissões de gases de efeito estufa e 70% do consumo de água doce.





Espera-se que a população mundial atinja a marca de 10 mil milhões de pessoas em 2050, e essas pessoas que vivem atualmente em países em desenvolvimento devem ter rendimentos mais altos, que usarão para comprar mais carne. Como exemplo, a economia da China cresceu tremendamente e isso reflete-se no consumo de carne no país. Uma pessoa da classe média na China dos anos 1960 consumia menos de 5 kg por ano. No final dos anos 80, esse número subiu para 20 quilos e, nas últimas décadas, passou para mais de 60 quilos.


Photo Gizmodo

Comer muita proteína animal pode diminuir a esperança de vida

O mundo simplesmente não pode produzir tanta carne, nem deveria. Proteínas à base de plantas que replicam o valor nutricional, a textura e até mesmo o sabor da carne, peixe, ovos e laticínios serão cada vez mais atrativos à medida que a tecnologia melhora. No futuro, os consumidores devem ter acesso a proteína à base de vegetais mais barata e mais “semelhante à carne”, e isso se refletirá no enorme crescimento do mercado. Simplificando, carne real vai se transformar num artigo de luxo, enquanto carne de laboratório terá preços acessíveis.



Essa mudança de atitude já está forte no comportamento do consumidor. Por exemplo, no início de maio, surgiram notícias de que a Impossible Foods (uma empresa na vanguarda do recente boom de fast food foodless meat) estava lutando para produzir o suficiente para atender à crescente procura pelos seus produtos. Esses produtos agora são vendidos no Burger King, White Castle, bem como redes como Red Robin. As vendas dessas proteínas vegetais cresceram 10% em 2018, enquanto a indústria de carne convencional cresceu apenas 2%, segundo um relatório recente do Good Food Institute.


Photo Youtube

Agricultura e pecuária emitem mais gases efeito estufa que a produção de energia


O relatório de 67 páginas do UBS também descreve vários outros caminhos para o crescimento do mercado na agricultura como resultado da digitalização. Por exemplo, o UBS prevê que, até 2030, a agricultura inteligente e a entrega de alimentos on-line crescerá em 16%, o tratamento de sementes em 13% e a ciência de sementes em 9%.

Como alimentar 10 biliões de pessoas em 2050 de forma sustentável


A proteína vegetal é tão ‘completa’ quanto a da carne! — SEU PRATO SAUDÁVEL



Fonte//ZMEscience












Sem comentários:

Publicar um comentário