domingo, 2 de junho de 2019

O ciclo de 11 anos do sol parece ser impulsionado pelo alinhamento dos planetas

A cada 11 anos, o Sol passa de um grande período de atividade de manchas solares para um período mais calmo, antes de voltar a essa atividade novamente. É quase tão regular com um relógio, e há anos os astrônomos se questionam qual a sua causa. Agora, eles apontam uma justificação.
Mesmo que os planetas do Sistema Solar sejam muito menores que o Sol, a gravidade de alguns deles é capaz de influenciar o campo magnético da nossa estrela. Isso, afirmam os investigadores, é o que controla o ciclo solar.



Photo NASA/GSFC/SDO

Cientistas russos detectam pico massivo de atividade solar



Vênus, Terra e Júpiter têm uma pequena força gravitacional no Sol enquanto orbitam. O resultado é comparável ao modo como a gravidade da Lua influencia as marés da Terra, produzindo um fluxo e refluxo regulares.
A equipe rastreou 1.000 anos de ciclos solares, entre os anos 1000 e 2009 CE, comparando esses dados com os movimentos dos planetas naquele tempo, e encontraram um elo impressionantemente forte entre os dois.
Há um nível surpreendentemente alto de concordância: o que vemos é um completo paralelismo com os planetas ao longo de 90 ciclos", disse o físico Frank Stefani, do Helmholtz-Zentrum Dresden-Rossendorf, na Alemanha.
O que a equipe descobriu é que as forças de maré são mais fortes quando a Terra, Vênus e Júpiter se alinham, e que esse alinhamento ocorre a cada 11,07 anos, decrescendo ao mesmo tempo que o ciclo solar.




O efeito é fraco, incapaz de afetar o interior do Sol. Isso, potencialmente, pode ser o motivo pelo qual ninguém relacionou anteriormente os pontos entre o ciclo solar e a periodicidade do alinhamento planetário.
Mas a equipe descobriu que, apesar de fraca, as forças de maré ainda podem afetar o campo magnético do Sol, em particular, eles podem influenciar oscilações em algo chamado a instabilidade de Tayler . Tais instabilidades aparecem em campos magnéticos, onde a pressão é aplicada perpendicularmente à direção do campo.
Isso faz com que o campo fique comprimido, como uma coluna vertebral, criando instabilidades um pouco como discos escorregadios. Esses "discos escorregadios" no campo magnético são as instabilidades de Tayler e criam perturbações no fluxo solar e no campo magnético.
Mesmo uma pequena quantidade de energia, como, por exemplo, a força de maré, pode reverter as oscilações dessas perturbações. E se esses eventos de maré estivessem ocorrendo, por exemplo, a cada 11 anos aproximadamente, eles poderiam desencadear uma inversão cíclica na polaridade do campo magnético, resultando em flutuações regulares na atividade que corresponde ao ciclo.
"Quando descobrimos a instabilidade de Tayler, movida a corrente, sofrendo oscilações de eletricidade em nossas simulações de computador, perguntei a mim mesmo: o que aconteceria se o plasma fosse móvido por uma pequena perturbação semelhante à das marés”? disse Stefan.
"O resultado foi fenomenal. A oscilação foi realmente animada e tornou-se sincronizada com o tempo da perturbação externa".


Photo NASA SDO

Os cientistas calculam a intensidade do campo magnético solar


E esse modelo poderia ajudar a explicar alguns outros mistérios sobre o sol. Por exemplo, a maioria dos ciclos solares tem dois picos no máximo, com uma breve pausa entre eles; isso apareceu na simulação.
Outros factos a serem explorados são a maneira como as forças de maré afetam potencialmente as camadas de plasma na tachocline, na base da zona de convecção, de modo que o fluxo magnético é conduzido mais facilmente.
Isso também poderia nos ajudar a entender as gigantescas ondas magnetizadas de Rossby que só recentemente foram descobertas ondulando através do Sol, e podem ter algo a ver com a atividade do reflexo.
Por sua vez, isso poderia nos ajudar a prever melhor as explosões violentas e gigantescas do Sol, o que á bom, considerando que elas têm o potencial de afetar nossa vida aqui na Terra.


“Sol artificial” será concluído este ano na China


Fonte//ScienceAlert





Sem comentários:

Publicar um comentário