sexta-feira, 7 de junho de 2019

Novo recorde nos níveis de CO2 na atmosfera


O dióxido de carbono atmosférico continuou a aumentar em  2019, com a média de maio chegando a 414,7 partes por milhão (ppm) no Observatório de Base Atmosférica de Mauna Loa da NOAA.
A medição é o pico sazonal mais alto registrado em 61 anos de observações no topo do maior vulcão do Havaí e o sétimo ano consecutivo de aumento global nas concentrações de dióxido de carbono (CO 2), segundo dados publicados hoje pela NOAA e Scripps Institution of Oceanography.  O valor do pico de 2019 foi 3,5 ppm maior do que o pico de 411,2 ppm em maio de 2018 e marca o segundo maior valor anual já registado.



Photo Pixabay


É extremamente importante ter essas medições precisas e de longo prazo do CO 2 para entender a rapidez com que a poluição causada pelos combustíveis fósseis está mudando nosso clima, estas são medidas reais da atmosfera. Elas não dependem de nenhum modelo, mas ajudam-nos a verificar as projeções do modelo climático, que subestimam o ritmo acelerado das mudanças climáticas.
A concentração de CO 2 na atmosfera aumenta a cada ano, e o aumento está em aceleração.




 Os primeiros anos em Mauna Loa registraram aumentos anuais de cerca de 0,7 ppm por ano, aumentando para cerca de 1,6 ppm por ano nos anos 80 e 1,5 ppm por ano nos anos 90.
A taxa de crescimento subiu para 2,2 ppm por ano durante a última década, e há evidências conclusivas de que a aceleração é causada pelo aumento das emissões, de CO2.


Photo Pixabay

Empresa sueca produz cortina que purifica do ar dentro de casa


Os dados do Mauna Loa, juntamente com medições de estações em todo o mundo, estão interligados á Rede Global de Referência de Gases do Efeito Estufa da NOAA e produzem um conjunto de dados de pesquisa fundamental para a ciência climática internacional.
O maior valor médio mensal de CO 2 do ano ocorre em maio, pouco antes de as plantas começarem a remover grandes quantidades de gases de efeito estufa da atmosfera durante o período de crescimento do hemisfério norte. No outono norte, inverno e início da primavera, plantas e solos liberam CO 2 , o que faz com que os níveis subam até maio.
Charles Keeling foi o primeiro a observar esta subida sazonal e a subsequente queda nos níveis de CO 2 incorporados nos aumentos anuais, um ciclo agora conhecido como a Curva de Keeling.

Novo projeto pretende limpar o ar de Londres com algas e plantas microscópicas


A ONU perspetiva problemas ambientais, mas também há boas notícias

Fonte//NOAA





Sem comentários:

Publicar um comentário