quarta-feira, 5 de junho de 2019

Grande extinção do passado com semelhanças aos dias de hoje


Houve um tempo em que a vida na Terra quase acabou. A "Grande Morte", a maior extinção que já ocorreu no planeta, aconteceu há cerca de 250 milhões de anos e foi em grande parte causada por gases de efeito estufa na atmosfera.
 Agora os cientistas estão começando a ver alarmantes semelhanças entre a Grande Morte e o que está acontecendo atualmente em nossa atmosfera.
Os cientistas estão evidenciando essa semelhança numa nova exposição no Museu Nacional Smithsonian de História Natural, em Washington, DC



Photo Lynette Cook/Science Source


A Terra está "no meio de uma extinção em massa"



A joia da coroa da exposição Deep Time é o primeiro verdadeiro Tyrannosaurus rex do museu. Seu esqueleto está sobre os ossos de um tricerátopo caído, com um pé com garras segurando o infeliz herbívoro e as mandíbulas presas na cabeça.
O tema da exposição é, na verdade, a inter ligação da vida através do tempo geológico. A exposição mostra, por exemplo, como as plantas da base da cadeia alimentar suportavam tudo, de insetos a apatossauros de 20 toneladas. E como os insetos ajudaram a moldar o tipo de floresta que evoluiu e mudou ao longo de milhões de anos.


É explicado na seção da exposição sobre a Grande Morte. Cerca de 250 milhões de anos atrás, um enorme campo vulcânico entrou em erupção no que hoje é a Sibéria. Ele expeliu lava que queimava através de camadas de calcário e carvão e encheu a atmosfera com dióxido de carbono e poluição, possivelmente durante alguns milhões de anos. Isso, por sua vez, aqueceu o planeta, tornou os oceanos ácidos e reduziu oxigênio. Mais de 90% das espécies nos oceanos morreram, assim como dois terços da vida em terra.


Photo Smithsonian

Os mamíferos podem não evoluir o suficientemente rápido para escapar da atual crise de extinção



Houve outras extinções em massa, como a que varreu os dinossauros há cerca de 65 milhões de anos, mas esta, no final do Período Permiano, foi causada principalmente pelo excesso de dióxido de carbono que subiu para a atmosfera. E o Smithsonian observa frequentemente na sua exposição que o atual aquecimento do planeta é um déjà vu.
Curtis Deutsch , da Universidade de Washington, cuja pesquisa ajudou a informar os curadores do Smithsonian afirma, "As mesmas coisas que causaram a Grande Morte estão acontecendo agora no nosso oceano hoje como resultado das atividades humanas, não no mesmo grau, mas na mesma direção."





Atualmente, o planeta aqueceu a quase 2 graus Fahrenheit, em média, acima do que era antes da revolução industrial, embora no ritmo atual pudesse aquecer vários graus a mais. A Grande Morte viu um aumento de temperatura de quatro ou cinco vezes esse valor.
Mas isso aconteceu gradualmente. Então Deutsch recriou o efeito a estufa da Grande Morte num computador, num modelo que simula o aquecimento, para ver como as espécies atuais no oceano se comportam.
A primeira coisa que acontece é uma perda local de espécies quando elas começam a se movimentar em resposta ao aquecimento.



Photo Smithsonian

O que pode provocar o fim da humanidade?


Mas algumas partes do planeta foram mais indulgentes." Descobrimos algo que foi surpreendente e novo, "explica Deutsch," a extinção era muito forte em toda parte, mas era ainda mais forte perto das partes frias da Terra, perto dos oceanos polares",
Faz sentido, diz ele, os animais que vivem perto do equador podem migrar em direção aos polos para encontrar água mais fria, mas aqueles que já vivem em águas frias e ricas em oxigênio, próximas aos polos, não têm para onde fugir.
Deutsch diz que a experiencia é uma janela para o futuro, até mesmo o presente. Algumas espécies marinhas já estão migrando, e para Deutsch, essa migração parece familiar. "Nós vemos a resposta das espécies marinhas a essas mudanças hoje que se parecem com o que achamos ter acontecido no final do Permiano", diz ele.


A exposição do Smithsonian faz referências explícitas à ameaça da mudança climática causada pelo homem, recebeu financiamento do industrial David Koch, conhecido por apoiar grupos que contestam o consenso científico sobre a mudança climática.
Wing, o orador, diz que fazer a comparação entre a Grande Morte e o que está acontecendo agora é uma mensagem que precisa ser ouvida. "Ultrapassamos o quadro de nossa própria história", diz ele sobre a raça humana. "Porque somos tão poderosos, somos basicamente uma força geológica agora, assim como uma força humana".

Uma força que está mudando as condições de vida no planeta.



A extinção de espécies de insetos indica “colapso da natureza"


Fonte//NPR

Sem comentários:

Publicar um comentário