sábado, 29 de junho de 2019

Cientistas lançam luz sobre as misteriosas linhas de Nasca, no Peru


As misteriosas linhas e geoglifos de Nasca e Palpa , que retratam desde animais e plantas até animais aparentemente míticos e padrões geométricos, estão localizados cerca de 400 quilômetros ao sul de Lima, Peru e que são Patrimônio da Humanidade, cobre uma área de cerca de 450 quilômetros quadrados. Acredita-se que a misteriosa arte tenha sido esculpida no solo pelo povo pré-inca.
Os cientistas mostram  uma nova visão sobre essas intrigantes imagens nas planícies do deserto do sul do Peru.
Cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão, estudaram 16 imagens de pássaros e revelaram a verdadeira espécie retratada nos famosos geóglifos. Segundo um artigo científico, recentemente publicado no Journal of Archaeological Science, os pássaros, desenhados com 370 metros de comprimento, não viviam no deserto de Nazca, e foram criados especificamente a partir de uma linha esculpida.



Photo Pixabay

As pirâmides do Egito ligadas á origem da civilização


Num esforço conjunto, uma equipe de especialistas aplicou uma abordagem ornitológica para identificar as formas das aves em um estudo publicado no Journal of Archaeological Science.
 O principal autor do estudo, Masaki Eda, do Museu da Universidade de Hokkaido, Takeshi Yamasaki, do Instituto Yamashina de Ornitologia, e Masato Sakai, da Universidade Yamagata, no Japão, identificaram 16 geoglifos de aves em mais de 2.000 talhas na área.
As aves que constam nestes desenhos foram, até agora, identificadas com base em impressões gerais ou traços morfológicos presentes em cada figura”, explicou o investigador, ressaltando que as formas e os tamanhos dos bicos, cabeças, pescoços, corpos, asas, caudas e patas dos pássaros foram observados de perto e comparados com as aves que vivem atualmente no Peru




Esta investigação permitiu que a equipe reclassificasse um beija-flor previamente identificado como um pássaro eremita, e um pássaro de guano e um pássaro previamente não identificado que como um pelicano. Nas ilhas, o biguá-do-guano, o atobá-peruano e o pelicano-peGuanay cormorantruano deixavam os seus excrementos (guano), que se tornaram numa mercadoria extremamente valiosa para os britânicos em meados de 1880, por ser um excelente fertilizante

 
Photo Pixabay

Arqueologos recuperam artefactos maias no lago Petén Itzá



Embora as aves identificadas possam ser encontradas no Peru, seus habitats são mais vastos, estendendo-se a outras regiões além de onde os desenhos foram feitos.
Encorajados com os resultados, os especialistas pretendem comparar essas imagens esculpidas com pássaros desenhados no mesmo período em cerâmica e com restos de pássaros encontrados nas ruínas de Nasca. Assim, os pesquisadores esperam identificar mais das aves representadas nos geoglifos.


Civilização maia revelada sob a espessa vegetação da selva da Guatemala

Fonte// SputnikNews




Sem comentários:

Publicar um comentário