terça-feira, 25 de junho de 2019

Chernobyl foi recuperado por plantas. Porquê não morrem elas de câncer?

Chernobyl tornou-se sinônimo de catástrofe. O desastre nuclear de 1986, recentemente trazido de volta aos olhos do público pelo popular programa de TV de mesmo nome, causou milhares de cânceres, transformou uma área antes populosa numa cidade fantasma e resultou na criação de uma zona de exclusão com uma área de 2600 km².
Mas a zona de exclusão de Chernobyl não é desprovida de vida. Lobos, javalis e ursos voltaram a colonizar as florestas exuberantes que cercam a antiga central nuclear.



Photo Pixabay


E quando se trata de vegetação, todas as plantas, exceto as mais vulneráveis ​​e expostas, nunca morreram, e mesmo nas áreas mais radioativas da região, a vegetação recuperou em três anos.
Os seres humanos e outros mamíferos e aves morreriam radiação recebida. Então, por que a vida vegetal é tão resiliente à radiação e ao desastre nuclear?
Para responder a essa pergunta, primeiro precisamos entender como a radiação dos reatores nucleares afeta as células vivas. O material radioativo de Chernobyl é "instável" porque está constantemente lançando partículas e ondas de alta energia que destroem estruturas celulares ou produzem substâncias químicas reativas que atacam o mecanismo das células.




Resíduos nucleares aprisionados nas geleiras ameaçam libertar-se


A maioria das partes da célula é substituível se estiver danificada, mas o DNA é uma exceção crucial. Quando sujeito a altas doses de radiação, o DNA fica mutilado e as células morrem rapidamente.
Doses mais baixas podem causar danos mais sutis na forma de mutações que alteram o funcionamento da célula, por exemplo, fazendo com que ela se torne cancerosa, se multiplique descontroladamente e se espalhe para outras partes do corpo.
Nos animais, geralmente isso é fatal, porque as suas células e sistemas são altamente especializados e inflexíveis.
Pense na biologia animal como uma intrincada máquina na qual cada célula e órgão tem um lugar e um propósito, e todas as partes devem trabalhar e cooperar para que o indivíduo sobreviva.
As plantas, no entanto, desenvolvem-se de uma maneira muito mais flexível e orgânica.
Porque eles não podem se mover, eles não têm escolha senão se adaptar às circunstâncias em que se encontram. Em vez de ter uma estrutura definida como um animal, as plantas alteram-se consoante as circustancias.






Se desenvolvem raízes mais profundas ou um caule mais alto depende do equilíbrio dos sinais químicos de outras partes da planta, bem como condições de luz, temperatura, água e nutrientes.
Criticamente, ao contrário das células animais, quase todas as células vegetais são capazes de criar novas células de qualquer tipo que a planta precise. É por isso que um jardineiro pode cultivar novas plantas a partir de estacas.
Tudo isso significa que as plantas podem substituir células mortas ou tecidos muito mais facilmente do que os animais, seja qual for o dano, causado pelo ataque de um animal ou pela radiação.
E enquanto a radiação e outros tipos de danos no DNA podem causar tumores nas plantas, as células mutadas geralmente não se espalham pela planta, como nos animais, graças às paredes rígidas e interligadas que cercam as células das plantas.


Esses tumores também não são fatais na grande maioria dos casos, porque a planta pode encontrar maneiras de contornar o tecido defeituoso. Curiosamente, além dessa resiliência inata à radiação, algumas plantas na zona de exclusão de Chernobyl parecem estar usando mecanismos extras para proteger seu DNA, mudando a química para torná-lo mais resistente a danos e ativando sistemas para consertá-lo.
Os níveis de radiação natural na superfície da Terra eram muito maiores no passado distante, quando as primeiras plantas evoluiram, de modo que as plantas na zona de exclusão podem estar usando adaptações que remontam a esse tempo para sobreviver.
A vida está agora prosperando em Chernobyl. Populações de muitas espécies de plantas e animais são realmente em maior número do que eram antes do desastre.
Dada a trágica perda de vidas humanas e doenças associadas a Chernobyl, esse ressurgimento da natureza pode surpreendê-lo. A radiação tem efeitos comprovadamente prejudiciais na vida das plantas e pode encurtar a vida de plantas e animais individuais.



Photo Pixabay

Novo reator nuclear elimina resíduos radioativos


Crucialmente, a carga trazida pela radiação em Chernobyl é menos severa do que os benefícios colhidos dos humanos que saem da área. Agora, essencialmente, uma das maiores reservas naturais da Europa, o ecossistema sustenta mais vida do que antes, mesmo que cada ciclo individual dessa vida dure um pouco menos.
De certa forma, o desastre de Chernobyl revela a verdadeira extensão do nosso impacto ambiental no planeta. Por mais prejudicial que fosse, o acidente nuclear foi muito menos destrutivo para o ecossistema local do que para nós. Ao nos afastarmos da área, criamos um espaço para a natureza recuperar.

Stuart Thompson , professor de bioquímica vegetal da Universidade de Westminster 


Futuro da energia nuclear, mais barato e mais seguro


Cientistas afirmam que só há uma saida: Energia Nuclear


Fonte//The Conversation




Sem comentários:

Publicar um comentário