sábado, 22 de junho de 2019

Ceres, o primeiro planeta anão visitado por uma nave espacial


Ceres é um lugar estranho, incluindo um pico vulcânico 4.000 metros de altura feito de água salgada borbulhante, lama e rocha
Ceres, com quase 1.000 km de diâmetro, é o maior corpo do cinturão de asteroides. Entre 2015 e 2018, a sonda Dawn, movida a íon da NASA, visitou o planeta anão, em busca de pistas para nos ajudar a entender como o nosso Sistema Solar se formou. Ceres é o primeiro planeta anão já visitado por uma nave.



Photo UniverseToday

   

Descobertos de dois planetas muito semelhantes à Terra


                                  

Agora que os cientistas trabalham com os dados da Dawn, começamos como é Ceres. Uma das descobertas mais chocantes de Dawn é o vulcão Ahuna Mons, uma característica que algo estranha neste pequeno mundo. Agora, cientistas do Centro Aeroespacial Alemão (DLR) descobriram como se formou essa estranha característica neste pequeno planeta.
Ahuna Mons eleva-se 4 km da superfície de Ceres. Os lados são lisos, sinal de que o vulcão se formou recentemente e ainda não houve tempo para ter crateras como no resto da superfície de Ceres. Depois de medir a gravidade de Ceres e estudar a estrutura interior do planeta anão, os cientistas dizem que o vulcão foi criado quando uma bolha de lama, água salgada e rocha se ergueu do centro de Ceres. Essa bolha estourou através de um ponto fraco na crosta de Ceres e formou Ahuna MEntão, basicamente, é um vulcão de lama gigante.



Photo NASA / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA


NASA identifica duna marciana com a forma do logotipo de Star Trek



Uma vez que a lama de salmoura, lama e rocha escapou do interior de Ceres, atingiu o frio do espaço e como Ceres não tem atmosfera, o material se solidificou na forma que vemos agora.
Os cientistas que estudam Ceres supõem que o planeta anão é semelhante em composição a outros corpos na mesma região. De acordo com essa hipótese, Ceres consiste principalmente de rochas siliciosas. (Rochas siliciosas consistem em grande parte de sílica, ou dióxido de silício: SiO2.) Mas também haverá uma quantidade considerável de gelo de água e, provavelmente, camadas de água líquida. Eles também supõem que Ceres contém uma proporção maior de água doce e gelo do que a Terra, acreditando que um quarto da massa do planeta anão é gelo ou água





O interior de Ceres é diferenciado, o que significa que, ao longo do tempo, os materiais que compõem o interior do planeta segregaram em diferentes camadas. Os elementos pesados ​​como ferro afundaram ficando no centro, enquanto substâncias mais leves, como água ou silicatos de rocha contendo alumínio, ficaram á superfície. Embora Ceres tenha 4,5 bilhões de anos, o decaimento radioativo de elementos dentro do planeta ainda gera calor, como na Terra.
Este calor gera bolhas da lama de salmoura, lama e rocha, que pressionam contra a crosta sólida a partir de baixo. Isso forma cúpulas até um quilômetro de altura, e quando a pressão rompe a crosta, a lama flui sobre a superfície e se solidifica.


 
Photo NASA / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA

A vida extraterrestre pode ser mais rara do que se imaginava



O campo gravitacional de Ceres em Ahuna Mons é uma anomalia, e os cientistas mediram essa anomalia monitorizando a velocidade e a altitude de Dawn. Enquanto Dawn sobrevoava o vulcão, a gravidade acelerou e a nave espacial e baixou um pouco sua órbita. O efeito Doppler dessas mudanças de velocidade e altitude nas comunicações de rádio da nave deu-a de volta. "Analisamos mais de perto essa anomalia, e outras modelagens revelaram que ela tinha que ser uma protuberância no manto de Ceres", disse Ottaviano Ruesch, principal autor do estudo. “A conclusão era óbvia: a mistura de substâncias liquida e pedras havia chegado à superfície tendo-se acumulado em Ahuna Mons.”
Este tipo de crio-vulcanismo é difundido no exterior do Sistema Solar. Algumas das luas de Júpiter e Saturno mostram evidências disso, e Plutão também. Mas esses planetas são maiores. Este estudo demonstra que os planetas anões, e talvez até grandes asteroides, podem formar bolhas de solução salina e rochas no seu interior, que podem então subir à superfície. Os cientistas planetários acham que esse processo pode durar bilhões de anos, desde que o decaimento radioativo ainda esteja aquecendo o interior.

NASA abrirá Estação Espacial Internacional ao turismo espacial


Os extraterrestres poderão ser a salvação da Humanidade









Sem comentários:

Publicar um comentário