sexta-feira, 3 de maio de 2019

Todos os dias 17 meteoros atingem a Terra


Todos os anos, a Terra é atingida por cerca de 6100 meteoros o suficientemente grandes para atingir ao solo, ou cerca de 17 por dia, revelaram pesquisas.
A grande maioria passa despercebida, e ocorre em áreas desabitadas. Mas várias vezes por ano, atingem a Terra em lugares onde despertam mais atenção.
Há três meses atrás, por exemplo, um pequeno asteroide provavelmente do tamanho de um automóvel, atravessou o céu ao meio-dia e explodiu a oeste de Cuba, fazer cair pequenos fragmentos sobre a cidade de Viñales, com algumas a cair nos telhados.
Ninguém ficou ferido, mas foi um aviso que tal como não se deve estar de costas para o mar correndo o risco de ser apanhado por uma onda, também não podemos ignorar os riscos provenientes do espaço.



Photo Pixabay



O que acontecerá se um asteroide atingir a Terra


Para calcular com a frequência com que ocorrem as entradas de meteoros na atmosfera, Gonzalo Tancredi, um astrônomo da Universidade da República em Montevidéu, Uruguai, examinou um banco de dados de relatórios de quedas de meteoros e descobriu que, nos últimos 95 anos as pessoas observaram diretamente uma média de cerca de oito por ano.
Para descobrir quantos outros ocorrem sem ser observados, Tancredo observou que as pessoas ocupam apenas uma pequena fração da superfície da Terra, cerca de 0,44% de sua área terrestre, ou 0,13% de sua área total de superfície.

Isso significa que, para cada impacto que realmente é visto por alguém, outros 770 caem no mar ou num deserto, floresta ou outros locais tão remotos que ninguém vê.
Alguns lugares da Terra são densamente povoados”, diz Tancredi, “mas a maioria dos lugares é muito pouco povoada”.
Tancredi então questionou-se se tais impactos poderiam ocorrer em grupo e se há épocas mais propícias que outras.
Sabemos, que os meteoros mais pequenos, minúsculos demais para chegar ao solo, geralmente acontecem durante chuvas de meteoros, como as Perseidas, os Orionóides e os Gemonids, que encantam os observadores do céu várias vezes por ano.








Poderiam as rochas maiores, com tamanho suficiente para seus fragmentos chegarem á superfície terrestre, estarem também nessas chuvas de meteoros anuais acontecer mais aleatoriamente?
A resposta de Tancredi, relatada recentemente na Conferência de Defesa Planetária da Academia Internacional de Astronáutica ( IAAPDC ) em College Park, Maryland, EUA, é um definitivo não.
"As quedas são aleatórias ao longo do ano", diz ele. "Não há data específica do ano caírem meteoros de maior tamanho”.
Os cientistas afirmam ter mapeado as órbitas da grande maioria dos potenciais asteroides fatais na órbita próxima da Terra.
No entanto, Duncan Steel, um cientista espacial de Wellington, na Nova Zelândia, mas trabalhando para o Centro de Pesquisa NASA-Ames, na Califórnia, disse à IAAPDC que a afirmação era falsa.

"Em termos de meteoros fatais e perigosos só uma muito pequena fração passa perto da Terra”, disse ele, acrescentando que, “a razão é porque um número desconhecido de asteroides potencialmente perigosos não estão nas órbitas próximas da Terra. Em vez disso, eles estão em órbitas alongadas que se estendem até o sistema solar externo e então mergulham de volta na direção da Terra, podendo sim um dia atingir-nos.” “A maioria está nessas órbitas gigantes onde não os encontraremos num período de 20 ou 50 anos”, explica ele.
Dito isso, apenas 66 desses asteroides foram encontrados, e cada um tem apenas uma hipótese entre dois a três mil milhões de atingir o planeta em qualquer das passagens com duração de entre cinco a 20 anos.






Qual a grande ameaça que isso representa, depende do tamanho da população de asteróides”, acrescenta Steel.
Mais difícil calcular são os riscos de uma classe de cometas recém-descoberta conhecida como cometas Manx”, disse Yudish Ramanjooloo, um colega de pós-doutorado em objetos próximos à Terra da Universidade do Havaí, em Honolulu.


Photo Creative Commons


Cientistas afirmam que a humanidade está ameaçada pelos meteoros


Batizados de gatos Manx, estes são cometas tão inativos que não produzem caudas visíveis. De fato, diz Ramanjooloo, sua atividade é de cinco a seis ordens de grandeza inferior à dos cometas típicos.
Tal como os cometas normais, no entanto, mergulham profundamente no sistema solar interior muito além da órbita de Plutão e, possivelmente, perto do limite do espaço interestelar.
Isso significa que quando eles nos alcançam, têm muita com força e velocidade. A ausência da cauda visível também significa que eles são rochosos e densos, com enorme quantidade de energia.
A falta de cauda faz com que seja difícil de deteta-los e se estiverem em rota de colisão somente são detetados um mês antes do impacto.
Pensa-se que talvez tenha sido um desses Manx que explodiu em Viñales, e são os verdadeiros perigos mais imediatos do espaço sideral.

Cientistas afirmam que a humanidade está ameaçada pelos meteoros


Asteroide Apophis vai passar muito perto da terra em 2029


O que pode provocar o fim da humanidade?










Sem comentários:

Publicar um comentário