domingo, 5 de maio de 2019

Novo projeto pretende limpar o ar de Londres com algas e plantas microscópicas


Londres é uma das cidades com o ar mais poluído do mundo. Em 2017, os níveis de poluição da capital inglesa superaram os de Pequim, na China. A situação é tão má que a foram implementada uma das leis mais restritivas do mundo anti poluição, proibindo a circulação de veículos antigos e poluentes na cidade.
Foi também implementada uma outra medida que desperta a atenção pela simplicidade e eficácia. Londres testará o primeiro “BioSolar Leaf” do mundo (Folha BioSolar), tecnologia que utiliza a fotossíntese de plantas microscópicas para purificar o ar, removendo os gases do efeito estufa enquanto gera oxigênio respirável.


Photo Futurism

Avanço no caminho para limpar o ar da China



A iniciativa tem origem numa parceria entre o Imperial College London a startup Arborea. A Arborea desenvolveu um sistema de cultivo inovador que facilita o crescimento de plantas minúsculas, como microalgas, diatomáceas e fitoplâncton, em grandes estruturas semelhantes a painéis solares. Estes podem então ser instalados em terrenos, edifícios e outros lugares para melhorar a qualidade do ar.





A equipa diz que o sistema de cultivo da Arborea pode remover o dióxido de carbono e produzir oxigênio respirável com uma taxa equivalente a cem árvores a partir de um painel que ocupa a área de apenas uma única árvore. O sistema também produz uma fonte sustentável de biomassa orgânica da qual a Arborea extrai aditivos alimentares nutritivos para produtos alimentícios à base de plantas.
A Arborea foi fundada pelo ex-aluno do Imperial College London Julian Melchiorri, que completou dois mestrados em Engenharia de Projetos de Inovação em 2014, um curso administrado em conjunto pelo Imperial College London e o Royal College of Art. Em 2017, uma estrutura viva e geradora de oxigénio, criada por Melchiorri, que purifica o ar em ambientes fechados usando microalgas, chamada “Lustre Biônico”, tornou-se parte da coleção permanente do Museu Victoria And Albert, na capital inglesa.


Segundo matéria publicada no site da Universidade, o Imperial College fará parceria com a Arborea “como parte de seu compromisso para mitigar o impacto ambiental de seu desenvolvimento em White City (distrito de Londres onde o BioSolar Leaf será instalado). O Colégio fornecerá à empresa financiamento para facilitar o desenvolvimento de um projeto piloto ao ar livre do seu sistema de cultivo BioSolar Leaf no White Park Campus South da Imperial City”, explica o texto.
“Estamos orgulhosos por fazer parte desta inovação a nível mundial, que está florescendo em White City e entusiasmados com esta nova colaboração com a Imperial.

Costa do Atlântica dos EUA ameaçada pelo aumento do nível do mar

 Nas cidades modernas em constante crescimento, a cooperação entre start-ups, instituições acadêmicas e órgãos governamentais é fundamental para possibilitar e acelerar a inovação sustentável que beneficia tanto a sociedade como o meio ambiente. Quando fundei o Arborea, meu objetivo era enfrentar as mudanças climáticas, abordando as questões críticas relacionadas ao sistema alimentar. Este projeto piloto produzirá aditivos alimentares saudáveis ​​e sustentáveis ​​enquanto purifica o ar, produz oxigênio e remove dióxido de carbono da atmosfera circundante. Ele proporcionará a oportunidade de aproveitar totalmente a ação dupla BioSolar Leaf da Arborea em condições reais de operação e ajudar a libertar todo o potencial da tecnologia”, anima-se Melchiorri.


Photo Goodnewsnetwork

A quantidade de plásticos nos oceanos duplicará até 2050


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 4,2 milhões de pessoas morrem por ano devido á poluição do ar, e 91% da população mundial vive em lugares que excedem os limites das diretrizes da OMS, o que faz da poluição do ar a maior causa de morte no mundo, segundo um novo índice global de qualidade do ar revelado no ano passado.



“A poluição do ar é um dos desafios mais urgentes de Londres, e a Imperial está comprometida em encontrar soluções sustentáveis ​​e resilientes para essa ameaça. Esta colaboração com a Arborea é uma oportunidade excecional para mostrar o potencial da Cleantech no nosso Campus White City. Estamos apresentando soluções sustentáveis ​​que têm a vantagem de melhorar os resultados ambientais no oeste de Londres, em todo o Reino Unido e em todo o mundo”, acredita Neil Alford, professor do Imperial College London.

Coreia do Sul e China usam chuva artificial para 'lavar' poluição do ar



Onde param os plásticos oceânicos "desaparecidos"






Sem comentários:

Publicar um comentário