terça-feira, 28 de maio de 2019

Como Vénus passou de habitável ao inferno que é hoje


Vênus é um planeta infernal! É o planeta mais quente do Sistema Solar, com temperaturas tão elevadas que consegue derreter chumbo.
O ar também é terrivelmente tóxico, composto predominantemente por nuvens de dióxido de carbono e ácido sulfúrico. No entanto, os cientistas acreditam que Vênus já foi um lugar muito diferente, com uma atmosfera mais fria e oceanos líquidos á superfície.


Photo NASA / Jet Propulsion Laboratory-Caltec

Sonda movida a vapor poderia explorar o espaço para sempre


Infelizmente, tudo isso mudou há milhares de milões de anos, quando Vênus passou por um efeito estufa descontrolado, mudando a paisagem para o mundo infernal que conhecemos hoje.
De acordo com um estudo apoiado pela NASA, e feito por uma equipe internacional de cientistas, pode ter sido a presença do oceano que fez com que Vênus sofresse essa transição.
Além de ser extremamente quente, Vênus também não tem praticamente variações de temperatura entre o dia ou a noite ou ao longo de um ano. Isto é atribuído à sua atmosfera extremamente densa (93 vezes a pressão da atmosfera da Terra) e à lenta rotação do planeta.
Comparado com a rotação relativamente rápida da Terra de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos, Vênus leva em torno de 243 dias para completar uma única rotação.

Também é importante notar que Vênus roda na direção oposta da Terra e na maioria dos outros planetas (rotação retrógrada). Entre esta rotação extraordinariamente lenta, a espessa atmosfera isolante do planeta e a transferência de calor pelos ventos na baixa atmosfera, as temperaturas na superfície de Vênus nunca se saem muito da média de 462 ° C (864 ° F).
Durante algum tempo, os astrônomos suspeitaram que Vênus podia ter tido uma rotação mais rápida e na mesma direção que a Terra, o que teria sido um fator chave para ser capaz de suportar um oceano líquido na sua superfície (e possivelmente ter vida). Quanto ao que causou isso para mudar, uma teoria popular é que um enorme impacto diminuiu a rotação de Vênus, revertendo-a.
Por causa de seu estudo, que apareceu recentemente no Astrophysical Journal Letters , a equipa liderada por Mattias Green (físico oceanógrafo da Universidade de Bangalore) com colegas da NASA e da Universidade de Washington testou a possibilidade do oceano existente no inicio tivesse sido o responsável pelo aquecimento.






Para simplificar, as marés agem como um travão na rotação de um planeta devido ao atrito gerado entre as correntes de maré e o fundo do mar.
Na Terra, esse efeito muda a duração de um dia em cerca de 20 segundos a cada milhão de anos. Para quantificar o que esse travão conseguiria mudar num oceano em Vênus, Green e seus colegas conduziram uma série de simulações usando um modelo de marés numérico dedicado.
A equipa simulou como seria Vênus com oceanos de profundidade variável e um período de rotação que varia de 243 a 64 dias terrestres siderais. Eles então calcularam os valores de dissipação de maré e o torque de maré associado que resultaria de cada um. O que descobriram foi que as marés do suposto oceano teriam sido suficientes para atrasá-la em até 72 Terra a cada milhão de anos, dependendo de sua taxa inicial de rotação.

Isso sugere que o travão de maré poderia ter retardado a rotação de Vênus em apenas 10 a 50 milhões de anos. Essa rotação reduzida que fez com que os oceanos de Vênus evaporassem no lado virado para o Sol, levando ao efeito estufa, esse rompimento das marés efetivamente privou Vênus de sua habitabilidade no que era (do ponto de vista geológico) um tempo muito curto.
Além de dar uma explicação alternativa para o porquê de Vênus girar como gira, este estudo tem implicações que podem ajudar muito a responder alguns dos mistérios mais profundos de Vênus. Como Green disse numa conferencia de imprensa da Universidade de Bangor :
"Este trabalho mostra como as marés podem ser importantes para remodelar a rotação de um planeta, mesmo que esse oceano só exista por apenas 100 milhões de anos, e como as marés são fundamentais para tornar um planeta habitável."


Photo Ittiz / Wikimedia Commons CC BY 3.0


NASA diz que podemos encontrar vida alienígena brevemente



Em outras palavras, a “travagem” das marés pode ser a razão pela qual Vênus deixou de ser um mundo coberto de mar que poderia muito bem sustentar a vida para se tornar num ambiente quente e infernal onde nada pode sobreviver, e num “curto espaço de tempo”. Estas descobertas também podem ter implicações para o estudo de planetas fora do sistema solar, onde muitos "semelhantes a Vênus" já foram encontrados.
Talvez, apenas talvez, este estudo possa também ajudar a informar possíveis esforços futuros para restaurar Vênus ao que parecia ser bilhões de anos atrás.
Acelerando a rotação do planeta, poderíamos reduzir significativamente o efeito estufa do planeta. Em seguida, bombear milhares de milhões de toneladas de hidrogênio para transformar as densas nuvens de CO2 atmosférico em água (e grafite), e Vênus terá seus oceanos de volta e os humanos teriam outro planeta para viver!
 Claro está que é bem melhor e mais fácil preservar o nosso planeta.

Todos os dias 17 meteoros atingem a Terra


China está construindo uma estação de energia solar orbital




Sem comentários:

Publicar um comentário