quarta-feira, 17 de abril de 2019

O que aconteceria se deixassemos de usar o petroleo



O petróleo bruto é vital para a sociedade moderna. Mas o que aconteceria se ficássemos sem petróleo?
Escusado será dizer que seria um acontecimento muito sério. Mas é um cenário realista para o futuro? Vamos descobrir. Se isso acontecesse, e nossa atual infraestrutura logística não tivesse respondido a tempo, isso seria potencialmente um problema muito sério. A raça humana é uma civilização que depende muito de existência abundante de petróleo bruto.





Entre 1965 e 2005, a humanidade viu um aumento da procura por petróleo bruto em cerca de duas vezes e meia. Estamos usando duas vezes mais carvão e três vezes mais gás natural.
Atualmente, o petróleo bruto constitui cerca de 33% das necessidades globais de energia. O carvão e é a volta de 30% e o gás natural vem em terceiro lugar, cerca de 24% . Isso totaliza cerca de 87% das necessidades globais de energia.
Se esses abastecimentos de petróleo fossem perturbados de forma significativa, seria um grande choque para o sistema, para dizer o mínimo.






O petróleo, em particular, é uma substância interessante e única. Tem um alto conteúdo energético e é prontamente refinado em combustíveis líquidos por destilação.
Os seus derivados da destilação, como petróleo e diesel, fazem mover praticamente todos os modos de transporte em todo o mundo. O petróleo e outros combustíveis fósseis também são vitais para a produção de eletricidade.
Nós literalmente dependemos dele para praticamente tudo. Alimentos, materiais, roupas, computadores, telefones celulares, produtos farmacêuticos, etc., exigem direta ou indiretamente petróleo bruto e outros combustíveis fósseis para a sua produção ou transporte.



Outros recursos, como o gás natural, também são importantes para o fabrico de alguns fertilizantes. Sem isso, a produção de alimentos seria diretamente afetada em todo o mundo.
Continuando na agricultura, a maioria dos equipamentos e máquinas maiores das fazendas, como tratores, são movidos a derivados de petróleo. Aviões, trens e automóveis também são essenciais para movimentar alimentos por todo o mundo. Assim, a perda desse recurso teria um efeito profundo e devastador na civilização.



Quanto tempo resta até o mundo ficar sem petróleo?
Somos constantemente bombardeados com notícias de que o petróleo do mundo está acabando nos próximos 5, 10 ou 20 anos, mas isso é realmente verdade?
Tecnicamente falando, na verdade é improvável que esgotemos o petróleo. Mas isso não é porque há uma reserva infinita do ouro negro.
Petróleo, e todos os outros combustíveis fósseis são recursos finitos, mas à medida que os reservatórios de petróleo mais fáceis se vão esgotando, outros reservatórios mais complicados torna economicamente viável a sua exploração.




Reservatórios mais profundos e outros mais tecnicamente desafiantes, são mais caros de serem explorados, mas enquanto houver procura por petróleo, é lucrativo explorar. Esta é, em parte, a razão do preço crescente do petróleo ao longo do tempo.
De acordo com a Revisão Estatística da Energia Mundial da British Petroleum, devemos ter o suficiente para durar até cerca de 2070.
Mas deve-se notar que as estimativas dos volumes de reservas de petróleo são notoriamente difíceis de calcular, não auditadas externamente ou não totalmente verdadeiras.






Também é importante entender o que realmente significa uma reserva de petróleo. O USGS define uma reserva de petróleo como:
"Quantidades de petróleo bruto em reservas que podem ser, técnica e economicamente extraídas."
Nesse sentido, as reservas de petróleo dependem inteiramente da descoberta de novos reservatórios, bem como do desenvolvimento e da disponibilidade de tecnologias para explorá-los.
Essa é, em parte, a razão pela qual, apesar dos custos na extração de petróleo geralmente aumentarem com o tempo, as reservas de petróleo também vêm aumentando.
De acordo com o relatório da BP, a partir de 2018, eles acreditam que há petróleo para 50 anos nos níveis atuais de consumo e produção.


Embora, na realidade, seja improvável que as reservas de petróleo bruto fiquem completamente esgotadas, isso não significa que a qualidade do que resta é utilizável.
Na maioria das reservas em todo o mundo, o que permanece no subsolo tende a ser de pior qualidade. A maior parte é denominada "pesada" ou "azeda".
Isso significa que não está necessariamente na forma líquida e tende a ser mais de um betume, contendo altos níveis de contaminantes, como enxofre. O enxofre pode ser altamente corrosivo para o aço, o que é mau para as refinarias. Este óleo "pesado" requer processamento complexo e de alto consumo de energia para remover o enxofre, o que aumenta o custo de produção em geral.
Outras fontes potenciais "mais recentes", como o óleo de xisto, também n~eo é melhor. Apesar do nome, o termo "óleo de xisto" é um pouco enganador. Não é petróleo, no verdadeiro sentido. Ele contém uma substância chamada "querogênio", que tende a ser sólida e precisa ser aquecida a 500 graus centígrados antes do processamento, transformando-o em líquido que se parece ostensivamente com o óleo tradicional







Assim, embora se afirme que há "trilhões de barris" de petróleo no subsolo da América, na verdade isso é apenas para incentivar os eleitores e investidores. O real Retorno de Energia de Energia Investida (EROEI) é tão baixo que não houve exploração comercial do xisto betuminoso até hoje, e provavelmente nunca haverá.



As pessoas só estarão dispostas a pagar caro por algo, como um barril de petróleo, desde que isso realmente tenha utilidade devendo ser mais rentável do que usar outra fonte de energia.
O preço do petróleo provavelmente será limitado, já que o custo relativo dos substitutos do petróleo se tornarão mais viáveis ao longo do tempo. Enquanto, como vimos, é improvável que as reservas de petróleo sejam completamente esvaziadas mas os métodos de extração e exploração de novas reservas mais profundas ficarão mais caros.
Nesse sentido, à medida que o petróleo começa a se tornar mais caro, os consumidores começarão a procurar alternativas. Ou, se nenhuma alternativa confiável ou realista puder ser encontrada, serão encontrados métodos para usar os recursos atuais com mais eficiência.


Pense na nossa economia como um computador executando cálculos. Pense na saída econômica como o número de cálculos que ela completa. Agora, imagine que o computador funcione com um recurso finito e que, com as taxas atuais de consumo, você ficará sem recursos para executar o seu computador em 30 anos, soa terrível, mas pode não ser.
 Se a tecnologia não melhorar, sua escolha será simples: reduza a quantidade de seu computador para suavizar os recursos ao longo do tempo ou use-os para morrer de fome ... Agora, imagine que a tecnologia do computador melhora de tal forma que sua eficiência de cálculo aumenta a cada ano .


Photo Pixabay


Empresa mexicana fabrica biocombustível a partir de cactáceas


Portanto, deve ser mais do que possível melhorar a maneira como extraímos energia de um recurso cada vez menor ao longo do tempo. Pode até ser possível estender o uso de óleo indefinidamente se pudermos desenvolver meios de usá-lo de maneira mais eficiente.
O que o futuro reserva para o petróleo e para os combustíveis fósseis ainda é uma incognita, mas o certo é que precisamos começar a usar esses recursos mais eficientemente para ampliar sua viabilidade como fonte de combustível para além de 2070. Ou, claro, mudar para outras fontes de energia, como nucleares ou renováveis.





Sem comentários:

Publicar um comentário