sexta-feira, 26 de abril de 2019

Nos últimos 30 anos os oceanos tornaram-se mais tempestuosos


Os oceanos tornaram-se mais tempestuosos durante as últimas três décadas, de acordo com o maior e mais detalhado estudo do gênero.
As descobertas aumentam as preocupações de que, à medida que o mundo  aquece, eventos extremos como tempestades e inundações podem se tornar mais frequentes e mais devastadores.
Ligeiros aumentos na altura média das ondas e na velocidade do vento foram registados nos oceanos por todo o mundo, sendo mais notado no Oceano Antártico. O estudo baseou-se em dados de 31 satélites e mais de 80 boias oceânicas recolhidos entre 1985 e 2018, com cerca de 4 mil milhões de observações.

Photo Pixabay

Animação mostra como seria a Terra se todo o gelo derretesse




Ventos extremos no Oceano Austral aumentaram em 1,5 metros por segundo, ou 8%, nos últimos 30 anos, enquanto as ondas aumentaram em 30 centímetros, ou 5%. Os ventos mais fortes aumentaram no Pacífico equatorial e Atlântico e no Atlântico Norte em cerca de 0,6 metros por segundo.
O professor Ian Young, o primeiro autor do trabalho da Universidade de Melbourne, disse: "Embora aumentos de 5 e 8% possam não parecer muito, tais mudanças terão grandes impactos no clima."
Young disse também que os aumentos na altura das ondas podem levar a inundações mais complicadas e à erosão costeira, além de colocar estruturas offshore como parques eólicos em risco de danos.



Os investigadores disseram que as observações estavam de acordo com previsões dos modelos climáticos e de registos históricos que sugeriam que, à medida que o mundo aquecia, o clima e as tempestades se tornariam mais extremos, embora a relação fosse complexa e não totalmente compreendida.
Outros disseram que as consequências do aquecimento global nas últimas observações ainda não foi estabelecido. “É um pouco difícil extrapolar essas descobertas para um quadro mais amplo”, disse o Dr. Paulo Ceppi, do Grantham Institute do Imperial College London. “Durante os períodos de 30 anos, ainda pode haver variações naturais bastante significativas no vento.”


Photo Pixabay


O que pode provocar o fim da humanidade?




Ceppi disse ainda que as mudanças verificadas no Oceano Antártico foram provavelmente causadas pelo buraco na camada de ozono, na estratosfera da Antártida, em maior escala do que o aquecimento global, embora o aquecimento global também tenha influencia.
O estudo, publicado na revista Science, atualiza trabalhos anteriores da mesma equipa publicada há quase uma década. O grande desafio na compilação de dados de longa duração, segundo eles, é a contabilização de mudanças significativas na tecnologia e no processamento de dados ao longo do tempo.




Na primeira parte do período, a cobertura não foi tão extensa e as medições foram menos precisas. Os cientistas precisaram descartar a possibilidade de que estavam simplesmente vendo tempestades mais violentas, porque agora há mais satélites para detetá-las, por exemplo.
Os resultados também sugerem que as condições no Oceano Antártico estão se tornando mais traiçoeiras para os navios. De acordo com Young, tempestades mais intensas no Oceano Antártico também podem gerar grandes ondas oceânicas que se propagam pelo Índico, Pacífico e Atlântico Sul.


O aquecimento do Ártico contribui para a seca mundial


Derretimento do gelo antártico pode submergir cidades inteiras


Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio


 Fonte// TheGuardian






Sem comentários:

Publicar um comentário