quinta-feira, 11 de abril de 2019

Ex Papa culpa a revolução sexual pelos casos de abuso sexual na igreja

O antigo Papa Bento XVI culpou o escândalo dos abusos sexuais da Igreja Católica á revolução sexual dos anos 1960, introduzindo a homossexualidade nos seminários ao que ele chamou de um colapso geral na moralidade.

Bento XVI é acusado pelos críticos de, durante os 23 anos que esteve no comando do escritório doutrinal do Vaticano, antes de se tornar Papa, tentar sempre esconder os casos de abuso sexual, e tentar inocentar a igreja.

Photo Terra

Estudo revela que os Deuses são consequência das sociedades complexas


Ele disse que o sistema legal da Igreja às vezes protegia excessivamente os clérigos acusados, citando o que ele chamou de garantias judiciais que foram "estendidas a tal ponto que as condenações eram difíceis", palavras de Bento XVI
 O homem de 91 anos, que em 2013 tornou-se o primeiro papa a renunciar nos últimos seis séculos, argumentou que a revolução sexual levou alguns a acreditar que a pedofilia e a pornografia eram aceitáveis. Ele também disse que uma cultura abertamente gay em alguns seminários católicos significava que os padres não haviam recebido a formação adequada.






"Pode-se dizer que nos 20 anos entre 1960 e 1980, os padrões anteriores relativos à sexualidade entraram em colapso e surgiu uma mentalidade que já foi objeto de tentativas  de interrupção", escreveu Bento XVI.
Bento XVI foi chefe do escritório doutrinal do Vaticano quando a primeira onda de casos de abuso veio a publico em Boston em 2002. Mais tarde, como papa, ele tomou medidas contra alguns pedófilos que haviam sido bloqueados durante o papado do seu antecessor, João Paulo II.
Escândalos de abuso na Irlanda, Chile, Austrália, França, Estados Unidos, Polônia, Alemanha e outros países forçaram a Igreja a pagar vário milhares de milões de dólares de indeminizações às vítimas e familiares. Muitos casos datam de antes dos anos 60.


Ate que ponto as profecias bíblicas estão sendo cumpridas?


Muitos padres acusados eram frequentemente transferidos de paróquia para paróquia, em vez de expulsos ou processados ​​criminalmente à medida que os bispos encobriram os abusos, factos que abalaram a igreja mundialmente e minaram sua autoridade.
Bento XVI expos suas avaliações em um longo ensaio em Klerusblatt, uma revista mensal da Igreja na Bavária, sua região natal da Alemanha. Uma autoridade do Vaticano confirmou a autenticidade do ensaio.
Bento disse que o impulso para o ensaio, intitulado "A Igreja e o Escândalo do Abuso Sexual", foi uma cúpula de bispos que Francis, seu sucessor como papa, realizou em fevereiro para discutir a crise.

Sabia que os cristãos já proibiram o Natal?


"Entre as liberdades pelas quais a Revolução de 1968 procurou lutar estava essa liberdade sexual total, que não tinha quaisquer regras", escreveu Bento XVI, de acordo com uma tradução em inglês publicada por vários sites católicos.
Ele disse que a disseminação da educação sexual nas escolas e a nudez na publicidade contribuíram para uma perda dos padrões morais e uma “ausência de Deus”.
Alguns teólogos criticaram Bento XVI no Twitter, que prometeu ficar "escondido do mundo" quando renunciou em 2013, mas ainda é visto como um defensor dos conservadores que não aceitaram o Papa Francisco.
"Esta é uma carta embaraçosa", disse Brian Flanagan, professor de teologia da Universidade Marymount, na Virgínia.
“A ideia de que o abuso eclesial de crianças foi um resultado da década de 1960, um suposto colapso da teologia moral e 'conciliaridade' (a Igreja após o Concílio Vaticano II de 1962-65) é uma explicação totalmente errada, e que não desculpa o abuso sistemático de crianças e adolescentes e o seu encobrimento.





Julie Rubio, professora da escola de teologia da Universidade de Santa Clara, chamou o raciocínio de Bento XVI de "um falhanço total".
"A disposição de culpar uma cultura permissiva e uma teologia progressista por um problema interno e estrutural é impressionante", disse Rubio.
Os conservadores levantaram-se em defesa de Bento XVI “É a voz de um pai. Bento XVI nos escreveu-nos sobre o estamos fazendo ”, escreveu o colunista Chad Pecknold no Catholic Herald.
Bento XVI escreveu que, após o Concílio Vaticano II, houve um "colapso de longo alcance" dos métodos tradicionais de formação sacerdotal que coincidiu com a dissolução do conceito cristão de moralidade.
“Em vários seminários foram criados grupos de homossexuais, que agiram de forma mais ou menos aberta e mudaram significativamente seminários”, escreveu ele, acrescentando que a situação melhorou agora.

Rabinos vêm terremotos, tsunami e vulcões com sinais do apocalipse

Arca da Aliança pode conter tecnologia extraterrestre

Porque acreditamos em deuses? Nasce connosco ou aprendemos a acreditar?


Fonte//Reuters



Sem comentários:

Publicar um comentário