domingo, 21 de abril de 2019

Consumo de carne vermelha aumenta o risco de câncer de intestino


O maior estudo alguma vez realizado no Reino Unido sugere que devemos reduzir o consumo de carne vermelha.

Um estudo financiado pela Cancer Research UK e desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, encontrou ainda mais evidências que sustentam que o consumo de carnes vermelhas contribui para um aumento do risco de desenvolvimento de cancro no intestino.


Photo Pixabay

Comer muita proteína animal pode diminuir a esperança de vida



O aviso já havia sido feito pelo serviço nacional de saúde britânico. Quem come mais de 90 gramas de carne vermelha ou processada por dia deve tentar reduzir para 70 gramas ou menos.
As 90 gramas referidas é o equivalente a “cerca de três fatias finas de carne bovina, cordeiro ou porco, em que cada fatia é aproximadamente do tamanho de metade de um pedaço de pão fatiado”. No caso da carne processada, estão em causa alimentos como salsichas, bacon e presunto.
O estudo foi desenvolvido ao longo de cinco anos, com base nos hábitos alimentares de meio milhão de pessoas, e alerta que o consumo diário de 90 gramas diárias de carnes vermelhas ou processadas aumenta o risco de desenvolvimento da doença.



Os cientistas descobriram também que quem consumia, em média, 76 gramas por dia de carne vermelha ou processada tinha um risco 20% mais alto de desenvolver esse tipo de cancro em relação a quem consumia 21 gramas diárias, aumentando em mais de 20% por cada fatia de fiambre ou bacon consumida (cerca de 25 gramas) pelos participantes e em mais de 19% por cada fatia grossa de rosbife e costeletas de veado (cerca de 50 gramas) consumidas.


Photo Pixabay

Alimentos VS. Suplementos, descubra qual o melhor



Houve alguns fatores que afetam o aumento do risco. Os consumidores de álcool tiveram um risco 8% maior por cada 10 gramas por dia e as pessoas que comiam mais fibras (cereais e pão) obtiveram um efeito protetor, descobertas que surgem no seguimento de um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), que sustenta que o consumo de fibra tem um efeito atenuador da doença cardíaca.
Depois de analisarem os dados, os cientistas chegaram à conclusão que, por cada dez mil pessoas que comeram 21 gramas por dia de carnes vermelhas ou processadas, em 40 foi diagnosticado o cancro do intestino. Tendo em conta os que comeram 76 gramas diárias, o número aumentou para 48.
A escolha é sua. O câncer de intestino não é o único risco associado à carne vermelha, que também aumenta o risco de muitas outras condições de saúde e reduz a expectativa de vida. Além disso, a produção de carnes vermelhas é muito desgastante para o meio ambiente.


Má alimentação provoca uma em cada cinco mortes

Cinco maus hábitos que podem provocar uma morte prematura

O álcool altera nosso DNA e faz querer beber ainda mais


Fonte//ZmeScience



Sem comentários:

Enviar um comentário