quarta-feira, 17 de abril de 2019

Cientistas imprimem em 3D o primeiro coração humano partir de células de pacientes



Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv anunciaram na segunda-feira que imprimiram um coração vascularizado em 3D feito de tecido de pacientes. Uma conquista que a universidade considera um "grande avanço médico".

Photo AFP/2019/Jack Guez


O álcool altera nosso DNA e faz querer beber ainda mais



O professor Tal Dvir, que liderou o projeto, admitiu que os cientistas já haviam imprimido em 3D a estrutura de um coração, mas esta é a primeira vez que alguém projetou um coração inteiro com células, ventrículos, câmaras e vasos sanguíneos.
Ele mostrou uma impressão 3D de um coração com vasos visíveis, o coração em miniatura mede menos de 3 centímetros.
A equipe de pesquisa revelou nos resultados, publicados na revista Advanced Science. Eles fizeram uma biópsia de tecido de pacientes, reprogramando suas células e processando moléculas extracelulares num hidrogel personalizado.
Eles então misturaram as células e o hidrogel para criar as chamadas 'bio-tintas' para adesivos cardíacos, que foram seguidos por um coração inteiro.
Demora cerca de três horas para imprimir em 3D um 'mini-coração', e as células precisam de mais um mês para amadurecer e conseguir uma capacidade de bombeamento, disse o Prof. Dvir. A reprodução de corações de tamanho humano exigirá a mesma tecnologia, mas mais tempo.
Antes de introduzi-los no transplante de órgãos, os pesquisadores primeiro precisam testá-los, primeiro em animais e depois em seres humanos.




Num comunicado à imprensa, a Universidade de Tel Aviv disse que esta técnica irá evitar listas de espera de transplantes de órgãos e medicamentos anti rejeição, enquanto os transplantes serão impressos para coincidir totalmente com a anatomia dos pacientes.
"Talvez, daqui a 10 anos, haja impressores de órgãos nos melhores hospitais do mundo, e esses procedimentos serão rotina", disse ele.


Cinco maus hábitos que podem provocar uma morte prematura

Terapia celular pode substituir a necessidade de transplantes renais








Sem comentários:

Publicar um comentário